Você está na página 1de 13

Aula 02: ERROS

Cálculo Numérico
Índice

• INTRODUÇÃO

• ERROS NA FASE DE MODELAGEM

• ERROS NA FASE DE RESOLUÇÃO


INTRODUÇÃO

• A obtenção de uma solução numérica para um problema físico por meio da aplicação de
métodos numéricos nem sempre fornece valores que se encaixam dentro de limites
razoáveis.
• Esta afirmação é verdadeira mesmo quando se aplica um método adequado e os cálculos
são efetuados de uma maneira correta.
• Esta diferença é chamada de erro e é inerente ao processo, não podendo, em muitos dos
casos, ser evitada.
• O capítulo 1 tem o objetivo de fornecer ao usuário de métodos numéricos noções sobre
as fontes de erros, para que ele possa saber como controlá-los ou, idealmente, evitá-los.
INTRODUÇÃO

Deforma geral, o processo de solução de um problema físico por meio da aplicação de


métodos numéricos envolve duas fases, conforme o seguinte diagrama:

Duas fases podem ser identificadas no diagrama anterior:

a) MODELAGEM – é a fase de obtenção de um modelo matemático que descreve o


comportamento do sistema físico em questão.
b) RESOLUÇÃO – é a fase de obtenção da solução do modelo matemático através da
aplicação de métodos numéricos.
ERROS NA FASE DE MODELAGEM

• Ao se tentar representar um fenômeno do mundo físico por meio de um modelo matemático,


raramente se tem uma descrição correta deste fenômeno.
• Normalmente, são necessárias várias simplificações do mundo físico para que se tenha um
modelo matemático com o qual se possa trabalhar.
• Pode-se observar estas simplificações nas Leis de Mecânica que são ensinadas no Ensino
Médio.
ERROS NA FASE DE MODELAGEM

• Para o estudo do movimento de um corpo sujeito a uma aceleração constante, tem-se a


seguinte equação:
1
• 𝑑 = 𝑑𝑜 + 𝑣𝑜 𝑡 + 𝑎𝑡 2
2

• Onde: d é posição final, 𝑑𝑜 é a posição inicial, 𝑣𝑜 é a velocidade inicial, t é o tempo e a é a


aceleração.
• Supondo-se que um engenheiro queira determinar a altura de um edifício e que para isso
disponha apenas de uma bolinha de metal, um cronômetro e a fórmula acima. Então ele
sobe ao topo do edifício e mede o tempo que a bolinha gasta para tocar o solo, encontrando,
3 segundos.
ERROS NA FASE DE MODELAGEM
• Qual foi o valor encontrado para a altura do prédio?
• Este resultado é confiável?
• É bem provável que não, pois no modelo matemático não foram consideradas outras forças
como, por exemplo, a resistência do ar, a velocidade do vento, etc.
• Além destas, existe um outro fator que tem muita influência: a precisão da leitura do
cronômetro, pois para uma pequena variação no tempo medido existe uma grande variação
na altura do edifício.
• Se o tempo medido fosse 3,5 segundos, qual seria a altura do edifício?
• Pode-se notar a grande influência que o modelo matemático e a precisão dos dados obtidos
exercem sobre a confiabilidade da resposta conseguida.
ERROS NA FASE DE RESOLUÇÃO
• Para a resolução de modelos matemáticos, muitas vezes torna-se necessária a utilização de
instrumentos de cálculo que necessitam, para seu funcionamento, que sejam feitas certas
aproximações.
• Tais aproximações podem gerar os seguintes problemas:
• a) Erros de arredondamento;
• b) Erros de truncamento;
• c) Propagação de erros.
ERROS NA FASE DE RESOLUÇÃO

• Um número é representado, internamente, na máquina de calcular ou no computador


através de uma sequência de impulsos elétricos que indicam dois estados: 0 ou 1, ou seja,
os números são representados na base 2 ou binária.
• Pode-se mostrar que na tentativa de representar números reais por meio deste sistema,
certamente se incorre nos chamados erros de arredondamento, pois nem todos os
números reais têm representação no sistema (precisão da máquina).
• Deve-se ressaltar a importância de se saber o número de dígitos significativos do sistema de
representação da máquina que está sendo utilizada para que se tenha noção da precisão do
resultado obtido.
ERROS NA FASE DE RESOLUÇÃO

• Os erros de truncamento são provenientes da utilização de processos que deveriam ser


infinitos ou muito grandes para a determinação de um valor e que, por razões práticas, são
truncados.
• Estes processos infinitos são muito utilizados na avaliação de funções matemáticas, tais
como, exponenciação, logaritmos, funções trigonométricas, etc.
𝑥3 𝑥5 𝑥7
• Por exemplo, sen x = 𝑥 − + − +⋯
3! 5! 7!

• De uma maneira geral, pode-se dizer que o erro de truncamento pode ser diminuído até
chegar a ficar da ordem do erro de arredondamento; a partir desde ponto, não faz sentido
diminuir mais, pois o erro de arredondamento será dominante.
ERROS NA FASE DE RESOLUÇÃO

• A propagação de erros pode ser percebida através do próximo exemplo.


• Supondo-se que as operações abaixo sejam processadas em uma máquina com 4 dígitos
significativos e que 𝑥1 = 0,3491 ∙ 104 e 𝑥2 = 0,2345 ∙ 100 , calcule:
• a) 𝑥2 + 𝑥1 − 𝑥1
• b) 𝑥2 + (𝑥1 − 𝑥1 )
• Os dois resultados são diferentes, quando não deveriam ser, pois a adição é uma operação
distributiva.
• Ao se utilizar máquinas de calcular deve-se estar atento a essas particularidades causadas
pelo erro de arredondamento, não só na adição, mas também nas outras operações.
Professor: Ronald Ramos Alves
ronald.alves@unifacs.br