Você está na página 1de 15

PSICANÁLISE

Prof. Gledson M. B. dos Santos


Por que existem acontecimentos que as
pessoas não conseguem recordar?

Por que as pessoas repetem suas escolhas


como se houvesse uma “compulsão à
repetição”?

Como as pessoas elaboram seus conflitos


psíquicos?
Recordar, Repetir e
Elaborar
1914
Por que existem acontecimentos que as
pessoas não conseguem recordar?

“Esquecer impressões, cenas, ou experiências


quase sempre se reduz a interceptá-las. Quando o paciente
fala sobre estas coisas ‘esquecidas’, raramente deixa de
acrescentar: ‘Em verdade, sempre soube; apenas nunca pensei
nisso!”(p.194)
Desta forma, a psicanálise constata que as pessoas
esquecem como uma tentativa de reter, isolar lembranças,
dissolver acontecimentos e suas vinculações
nos pensamentos.

Existem “experiências que ocorreram em infância muito remota


e não foram compreendidas na ocasião” e que não são
recordadas até serem interpretadas em análise.
No entanto,
“O ‘esquecer’ torna-se ainda mais restrito quando avaliamos
em seu verdadeiro valor as lembranças encobridoras
que tão geralmente se acham presentes.”
Freud começa o texto atualizando a
técnica psicanalítica em relação ao
manejo para os pacientes recordarem
os acontecimentos das suas histórias:

Hipnose(Breuer): catarse/ab-reação

Associação livre: para descobrir o que não


conseguia recordar
Freud enfatiza que com o tempo a psicanálise
abandonou a tentativa de colocar em foco
problemas ou momentos específicos.
(no passado)

O analista vai escutar tudo o que se ache presente.

Freud percebeu que muitos pacientes não recordam coisa


alguma do que esqueceram e, por isso, atua a lembrança.
(Repetição)
Repetição:
“Ele o reproduz, não como lembrança, mas como ação; repete-o,
sem, naturalmente, saber que o está repetindo”

Por exemplo.....(pg. 196)


Freud afirma que a “compulsão à repetição” é a
maneira de recordar de alguns pacientes.
A relação entre o a “compulsão à repetição”,
a transferência e a resistência. (p.197)
A repetição, às vezes, causa uma “deterioração durante o
tratamento” (p.198)

“Outros perigos surgem do fato de que, no curso do tratamento,


novos e mais profundos impulsos instintuais, que até então não se
Haviam feito sentir, podem vir a ser ‘repetidos’” (p.199)
Quais são as táticas que podem ser adotadas pelo analista?
O analista vai conduzir o trabalho na direção de tentar
manter o analisante envolvido na esfera psíquica com
o material que está sendo abordado, na tentativa de
evitar novas repetições. (p.200)
Todavia, o instrumento principal é o manejo da transferência.
(p. 201)

O manejo da resistência: o problema de apontar a resistência


ao paciente.

A prova de paciência para o analista: resistências do analisante


e o seu tempo para a ELABORAÇÃO.