Luciano Rodrigues Simões

Ética/Bioética:
Antigamente a ética era exclusivamente uma ação individual e era objeto de estudo de filósofos e teólogos.

Ética/Bioética:
Hoje devido as transformações ocorridas na sociedade e os avanços científicos e tecnológicos, o foco passou a ser o sujeito-social, com o envolvimento de pessoas em grupos comunitários, profissionais, associações e outros.

Ética/Bioética: O neologismo bioética foi dita americano Potter. . pelo médico Potter utilizou esse termo para expressar a necessidade de equilibrar a orientação científica da biologia com os valores humanos. na década de 1970.

Ética/Bioética: Em outubro de 2005. que consolida os princípios fundamentais da bioética e visa definir e promover um quadro ético normativo comum que possa a ser utilizado para a formulação e implementação de legislações nacionais. a Conferência Geral da UNESCO adotou a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. .

Quando começa a vida humana para que tenhamos que respeitá-la? .Ética/Bioética: Há questões bioéticas que partem do início da vida humana até sua finitude. Levantam-se questionamentos tais: .Em que consiste a dignidade da vida humana? .

.

.

.

.

.

.

.

Ética/Bioética: Sendo assim as discussões da bioética não se fecham como ´verdadesµ prontas e acabadas. Ao contrário. . bem como os custos. riscos e possíveis benefícios. têm provocado uma maior disseminação de idéias a respeito da autonomia da vontade do paciente e/ou da família nas escolhas das propostas terapêuticas.

moral. .Ética/Bioética: Por isso é necessário discutir melhor os significados dos termos ética. responsabilidade e bioética. Na tentativa de aproximação dos seus princípios ou fundamentos nas práticas cotidianas do enfermeiro e de toda a equipe de saúde.

VAMOS REVER ALGUNS CONCEITOS? .

ÉTICA .

suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal. da ´boa vidaµ. . do ´bem estar da vida em sociedadeµ. princípios e o comportamento moral à procura do ´bomµ. discute e problematiza. Reflexão que interpreta. Refere à reflexão crítica sobre o comportamento humano. investiga os valores.Ética: É o ramo da filosofia que estuda os juízos de apreciação que se referem à conduta humana.

. confrontando-se com os interesses econômicos. o respeito à sua integridade e segurança. financeiros e gerenciais com os direitos dos pacientes. Daí a importância dos princípios e valores como fundamentos a guiar as decisões dos profissionais da área da saúde. exigindo que se ressaltem questionamentos sobre a natureza ética das decisões tomadas e dos atos administrativos.ÉTICA No cotidiano hospitalar os problemas e dilemas éticas enfrentados são muitas vezes altamente complexos.

Uma pessoa é moral quando age em conformidade com os costumes e valores consagrados . mas não necessariamente ética. hábitos e valores culturalmente estabelecidos.Moral A moral é a parte da vida concreta e trata da prática real das pessoas que se expressam por costumes. Uma pessoa pode ser moral. .

.Moral A moral se apóia naquilo que a comunidade concebe como valor.

Responsabilidade ´É o dever jurídico de responder pelos próprios atos ou de outrem.µ . sempre que estes violem os direitos de terceiros protegidos por lei e de reparar os danos causadosµ (Michaeles). ´ NÂO SER OMISSO ÀQUILO QUE É DE MINHA ATRIBUIÇÃO.

.

.

.

.

.

.

Bioética: ´A Bioética não possui novos princípios básicos fundamentais. causadas pelo progresso das ciências biomédicasµ. (Potter. mas aplicada a uma série de situações novas. Trata-se da ética já conhecida e estudada ao longo da história da filosofia. 1970) .

na medida em que esta conduta é examinada à luz de valores e princípios morais. 1978).BIOÉTICA: Estudo sistemático da conduta humana na área das ciências da vida e dos cuidados à saúde. (Encyclopedia of Bioethics. .

a família a comunidade e as estruturas sociais e legais.BIOÉTICA Bioética envolve processos de tomada de decisão e relações interpessoais de todos os seguimentos: o paciente e todos os profissionais de saúde. .

Não-Maleficência. enumera sete dos principais princípios: Beneficência. Veracidade. Confidencialidade. Autonomia. Confidencialidade. Justiça. Veracidade. O Conselho Internacional de Enfermagem. Não-Maleficência. Beneficência. . Autonomia.Os princípios éticos são universalmente importantes para todas as práticas de saúde. Fidelidade. Justiça. Fidelidade.

. independentemente de desejádesejá-lo ou não.BENEFICÊNCIA O Princípio da Beneficência é o que estabelece que devemos fazer o bem aos outros. não.

do ponto de vista ético e técnicotécnico-assistencial Mais relacionado ao profissional Na pesquisa: ponderação entre risco e benefício .BENEFICÊNCIA Fazer o melhor.

ou pelo menos não produzir dano´ dano´ (Hipócrates) . não causar mal e/ou danos ao paciente.ajudar. ³Aos doentes tenha por hábito duas coisas .NÃONÃO-MALEFICÊNCIA Dever de intencionalmente.

cumprir promessas e manter confiabilidade no relacionamento com o paciente.FIDELIDADE Princípio de criar confiança entre o profissional e o paciente. . de ser fiel. paciente.

isto é. . de acordo com a necessidade individual.JUSTIÇA Princípio de ser equitativo ou justo. igualdade de trato entre iguais e tratamento diferenciado entre desiguais.

JUSTIÇA Equidade de bens e recursos considerados comuns: Saúde Educação Outros Objetiva evitar a discriminação. a marginalização e a segregação social. .

pacientes. .VERACIDADE Princípio ético de dizer sempre a verdade. não mentir e nem enganar pacientes.

.É a garantia do resguardo das informações dadas em confiança e a proteção contra a sua revelação não autorizada.

sua saúde.AUTONOMIA Grego auto (próprio) nomos (lei. auto-governo. sua integridade. . norma regra): Significa auto-governo. autodeterminação da pessoa de tomar decisões que afetem sua vida.

Princípio da AUTONOMIA Agir intencionalmente Liberdade Mais relacionado ao paciente/pessoa Na pesquisa: Termo de Consentimento Livre e Esclarecido .

NENHUM DOS PRINCÍPIOS TEM VALOR ABSOLUTO SOMENTE A DIGNIDADE DO SER HUMANO! .

. também os expõem a maiores riscos e responsabilidades no âmbito jurídico. Contudo. ao mesmo tempo em que isso traz orgulho para os profissionais.Responsabilidade Civil na Enfermagem A enfermagem no decorrer dos anos vem conquistando muitos espaços na área de saúde.

trabalhe. de terceiros ou de coisas dela dependentes. definição cabe para a responsabilidade civil do profissional de saúde. Essa dependentes. . levando à obrigação de reparação do dano tanto ao profissional quanto à instituição na qual trabalhe.Responsabilidade Civil Definimos responsabilidade civil como a obrigação de uma pessoa reparar o prejuízo causado a outrem por fato próprio.

Imprudência e Imperícia Negligência Consiste na falta de cuidados ou de atenção daquele que. sem os quais devem ser previstos danos. a inércia.Negligência. levando a resultados prejudiciais. deixa de agir com as preocupações ou cuidados devidos. a omissão de precauções e cuidados tidos como necessários. embora possuidor dos conhecimentos indispensáveis. . a passividade. Ela é a inação.

saúde. .Negligência: É um ato omissivo. Casos de negligência que provocam omissivo. danos ao cliente podem ser fruto de preguiça ou desinteresse por parte do profissional. mas também podem ser fruto de cansaço e sobrecarga de serviços devido às condições de trabalho impostas a muitos profissionais em hospitais e postos de saúde.

o que a distingue da negligência. omissão. .Imprudência A imprudência resulta da imprevisão do profissional. Consiste numa falta involuntária decorrente de uma ação. prevê-la. pois o mesmo poderia prevê-la. a qual é caracterizada como o resultado de uma omissão. sendo a conseqüência de uma ação que poderia ter sido evitada.

na desatenção culpável. ocasionando um mal presumido. portanto. sem eficiência comprovada etc. etc. que se evidencia na imprevisão. prática de ação irrefletida ou precipitada. . Como exemplo presumido. descuido. é a descautela.Imprudência A imprudência. tem-se: tem-se: administrar medicamento sem a devida prescrição. empregar técnica de enfermagem perigosa.

É um erro próprio dos profissionais que se manifesta por uma inabilidade. profissão´. . incompetência. profissão. na arte ou profissão. desconhecimento. no sentido jurídico. a imperícia é a ignorância.Imperícia "Entende-se. inexperiência. a falta de prática ou "Entendeausência de conhecimentos que se mostram necessários para o exercício de uma profissão´. inabilidade. inabilidade. Então.

também será responsável por sua equipe. além de responder pelos seus atos.Imperícia Como exemplo. equipe. ressaltando que o desempenháenfermeiro. . temos o profissional de enfermagem que realiza qualquer técnica sem ter competência plena para desempenhá-la.

Código de ética Contém: Normas e princípios. Deve formar: Consciência individual e coletiva. Compromisso social e profissional. . pertinentes à conduta ética do profissional. Direitos e deveres.

Considera: A necessidade e o direito de assistência de enfermagem da população. Assistência de qualidade e sem risco. Conjunto de práticas sociais. pesquisa e assistência.Código de ética Inclui: Conhecimentos científicos e técnicos. Clientela como centro. Ensino. . éticas e políticas.

Aceitar atribuições de acordo com sua competência. Responsabilizar-se por faltas cometidas.Código de ética Princípios fundamentais: Compromisso com a saúde do ser humano e coletividade. Manter-se atualizado. Responsabilidades: Assegurar assistência livre de danos. à dignidade e aos direitos da pessoa humana. . Respeito à vida.

.Bioética e a saúde mental Algumas situações-problema em saúde mental exigem discussões éticas muito diretas. para que o paciente realmente usufrua de seus direitos e de sua autonomia. pois dizem respeito à maior vulnerabilidade dos pacientes. o que exige apoio de caráter mais beneficente do profissional. Trata-se de uma limitação na competência em responder plenamente pelas consequências de suas escolhas vitais.

Também é complexa a situação daqueles que não concordam com a recomendação para internação ou para serem submetidos a procedimentos de caráter mais invasivo. medicações ou encaminhamentos terapêuticos propostos.O paciente não consente a intervenção terapêutica Às vezes o paciente recusa o tratamento. pois estas indicações são feitas quando sua condição mental envolve riscos muito severos à sua integridade. sendo estas intervenções que lhe garantiriam um funcionamento mais ajustado. .

. Isto pode significar. decidir sobre o destino de seus bens. que se procede a pedido de interdição judicial. o comportamento do paciente pode ser tão danoso para ele ou para os outros. vida financeira e até o lugar e as condições onde mora.Possibilidade de interdição dos direitos civis do paciente Em algumas situações. que o paciente nessa situação não possa mais exercer plenamente o pátrio poder. por exemplo.

O paciente persiste em comportamentos e estilos de vida danosos à sua integridade
Há que se refletir também sobre o direito do paciente engajar-se em comportamentos e estilos de vida extremamente destrutivos, como quando reivindica o direito de se suicidar, se drogar, ou manter outros padrões de vida relacionados à adicção e grave descontrole de impulsos.

Efeitos colaterais da intervenção psicofarmacológica
Na saúde mental, o uso de medicamentos que trazem consideráveis efeitos adversos é justificável quando estes efeitos não sejam maiores que o dano decorrente de doenças muito incapacitantes, como ocorre na esquizofrenia e na depressão grave.

Responsabilidade ética frente a inovações psicofarmacológicas de alto custo
A indústria farmacêutica contínuas inovações em seu medicamentoso. oferece arsenal

Por isto, os medicamentos mais novos são bem mais caros que seus congêneres mais antigos e cabe aos profissionais e instituições de saúde mental pesquisar, caso a caso, se as inovações, agressivamente anunciadas como imprescindíveis pela indústria farmacêutica

. Na pesquisa científica. os efeitos colaterais dos novos fármacos ainda estão sendo pesquisados e. já que certas medicações têm efeitos colaterais consideráveis. propiciam a continuidade de realidades sociais e familiares abusivas e excludentes. não se fazem sem riscos. por sua vez.Dilemas éticos na pesquisa científica sobre o sofrimento mental As pesquisas científicas em saúde mental também trazem questões éticas. por isto. A medicação tenderia a acentuar incapacitações que.

é a garantia de segredo das informações que o profissional obtém sob o compromisso de sigilo. . Nas situações em que o sigilo profissional pode contribuir para o dano do próprio paciente ou de outras pessoas em posição de clara vulnerabilidade. se exige uma consulta aos pares e à legislação vigente.O segredo em psicoterapia e em outras práticas assistenciais Um dos norteadores fundamentais da psicoterapia. tanto no aspecto ético quanto técnico. para que os termos do sigilo sejam renegociados com o paciente.

.

.

.

.

Tenha confiança.Acredite em Você mesmo. .

Vá até o fim! .

OBRIGADO. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful