Você está na página 1de 41

INSTITUTO DE ENSINO E CULTURA – IEC

CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM


ASSISTÊNCIA A CLIENTES/PACIENTE EM TRATAMENTO CLÍNICO
DOCENTE: JARIONE APUCK DA CUNHA BARBALHO

Doenças Endócrina/Metabólica Clínica Médica


DIABETES MELLITUS (DM)
DIABETES MELLITUS
• De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e
Metabologia, o diabetes, ou Diabetes Mellitus, é uma doença
crônica, autoimune, caracterizada pela deficiência da produção
de insulina pelo organismo.
• Distúrbio metabólico caracterizado por níveis elevados de
glicose na corrente sanguínea (hiperglicemia) devido à
produção, secreção ou utilização deficiente da insulina.
DIABETES MELLITUS
• A insulina é um hormônio secretado pelas células β (beta), nas
ilhotas de Langerhans, do pâncreas, responsável por controla
os níveis de glicose no sangue ao regular a produção e
armazenamento de glicose.
• A insulina vai quebrar as moléculas de glicose para transformá-
las em energia a fim de que seja aproveitada por todas as
células. Quando a insulina, produzida pelas células beta
pancreáticas, torna-se insuficiente, a glicose é impedida de ser
absorvida pelas células, aumentando, com isso, seu nível na
corrente sanguínea.
Baixa a glicemia por "abrir as portas" das
células e permitir a entrada da glicose.
DIABETES
•Diabetes Tipo I;
•Diabetes Tipo II;
•Diabetes Gestacional.
DIABETES TIPO I
• É uma doença autoimune, progressiva, que começa anos antes
do início do quadro clínico;
• Os leucócitos, agem como se as células beta do pâncreas
fossem corpos estranhos;
• Tipo I que se caracteriza pela destruição das células beta do
pâncreas, no qual os fatores genéticos e imunológicos
contribuem para essa destruição e geralmente acometendo
crianças, adolescentes ou adultos jovens;
• Os pacientes necessitam injeções diárias de insulina;
DIABETES TIPO II
• Tipo II, na qual a insulina terá sua sensibilidade diminuída e a
sua secreção será comprometida, é o tipo mais frequente,
podendo se desenvolver em qualquer idade, em decorrência
dos hábitos de vida;
• Tendo uma frequência maior em adultos.
DIABETES GESTACIONAL
• Diabetes Gestacional é definido como qualquer nível de
intolerância a carboidratos, resultando em hiperglicemia de
gravidade variável, com início ou diagnóstico durante a
gestação.
• Sua fisiopatologia é explicada pela elevação de hormônios
contrarreguladores da insulina, pelo estresse fisiológico imposto
pela gravidez e a fatores predeterminantes (genéticos ou
ambientais).
DIABETES GESTACIONAL
•O principal hormônio relacionado com a resistência à insulina
durante a gravidez é o hormônio lactogênico placentário;
•O hormônio lactogênico placentário é responsável pela
captação e utilização da glicose pelo corpo. O pâncreas
materno, consequentemente, aumenta a produção de insulina
para compensar este quadro de resistência á sua ação. Em
algumas mulheres, entretanto, este processo não ocorre e elas
desenvolvem quadro de diabetes gestacional, caracterizado
pelo aumento do nível de glicose no sangue.
DIABETES GESTACIONAL
•Quando o bebê é exposto a grandes quantidades de glicose
ainda no ambiente intrauterino, há maior risco de crescimento
fetal excessivo(macrossomia fetal) e, consequentemente, partos
traumáticos, hipoglicemia neonatal e até de obesidade e
diabetes na vida adulta;
•Outros hormônios hiperglicemiantes como cortisol, estrógeno,
progesterona e prolactina também estão envolvidos.
FATORES DE RISCO
• Hereditariedade e Genética;
• Idade maior que 45 anos;
• Excesso de peso ou obesidade;
• Hipertensão;
• Níveis altos de colesterol e triglicérides;
• Mulheres com antecedentes de filhos nascido com mais de 4.0
Kg;
• Raça negra.
SINAIS E SINTOMAS
• Aumento do volume da urina, aumento do número de micções,
surgimento do hábito de urinar à noite;
• Sede excessiva;
• Aumento do apetite,
• Perda de peso – Em pessoas obesas a perda de peso ocorre
mesmo estando comendo de maneira excessiva;
• Fadiga;
• Vista embaçada ou turvação visual;
SINAIS E SINTOMAS
• Diabetes tipo 1 os sintomas se instalam rapidamente,
especialmente:
• urinar de maneira excessiva, sede excessiva e emagrecimento.
DIAGNOSTICO
• Glicemia em jejum:
 Acima de 120 mg/dl
• Glicemia pós-prandial:
 Colhido duas horas após as refeições;
 Ate 180mg/dl.
• Teste oral de tolerância:
 O paciente recebe uma carga de 75 g de glicose, em jejum,
e a glicemia é medida antes e 120 minutos após a ingestão;
DIAGNOSTICO
• Hemoglobina Glicosilada:
 acima de 6,0%
5% – 97 (76–120);
6% – 126 (100–152);
7% – 154 (123–185);
8% – 183 (147–217);
9% – 212 (170–249);
10% – 240 (193–282);
11% – 269 (217–314);
12% – 298 (240–347).
TRATAMENTO MEDICAMENTOSO
• Via Oral:
 Glibenclamida;
 Glimeperida;
 Metformina.
• Injetável:
 Insulinas.
TIPOS DE INSULINA
• Insulina Humana:
 Insulina regular;
 Insulina intermediária(NPH).
• Análogos de Insulina:
 Degludeca(Tresiba);
 Glargina(Lantus);
 Detemir(Levemir);
 Lispro(Humalog);
 Asparte(Novorapid);
 Glulisina(Apidra).
APLICAÇÃO
• Subcutânea;
• Ângulo de 90º;
• Realizar a prega;
• Revezamento nos locais de aplicação;
• Compressão com algodão após a aplicação;
• Não se recomenda a reutilização de agulhas;
APLICAÇÃO
• O transporte do fracos deve ser realizado em caixas térmicas;
• O frasco deve ser armazenado no refrigerador:
• Local de preferencias são as prateleiras;
• Não deixar na porta da geladeira devido as mudanças
bruscas de temperatura;
• O prazo de validade após a abertura do frasco deve ser no
Máximo de 30 dias:
• Identificar o fracos com a data de abertura e o ultimo dia de
sua validade.
• Realizar descarte adequado das seringas;
APLICAÇÃO
APLICAÇÃO
APLICAÇÃO
TÉCNICA
TESTE RÁPIDO
• Glicosímetro:
 jejum, antes e/ou após as refeições
HIPOGLICEMIA
• Baixo nível de glicose no sangue;
• Glicemia abaixo de 60 mg/dl;
• Ocasionadas por falta:
• de refeições nos horários corretos;
• por exercícios físicos excessivos;
• ou por doses elevadas de insulina e/ou medicamentos.
HIPOGLICEMIA
• Sinais e Sintomas:
 Sensação de fome aguda, dificuldade para raciocinar,
sensação de fraqueza com um cansaço muito grande,
sudorese exagerada, tremores finos ou grosseiros de
extremidades, bocejamento, sonolência, visão dupla, confusão
que pode caminhar para a perda total da consciência, ou
seja, coma.
HIPOGLICEMIA
• Conduta:
 Oferecer balas, açúcar ou líquidos com duas colheres de
sopa de açúcar em meio copo do líquido;
 Se e estiver em coma ou se recusar a colaborar, introduza
colheres de com açúcar entre a bochecha e a gengiva.
CONSULTA DE ENFERMAGEM
• Anamnese:
• Historial de vida pregressa;
• Historia de vida atual.
• Exame físico:
• Peso;
• Altura;
• IMC;
• Circunferencial abdominal;
• Edemas;
• Pressão arterial;
PA Classificação
< 120 e < 80 PA Normal
120 – 129 e < 80 PA Elevada
130 – 139 ou 80 – 89 Hipertensão estagio 1
140≥ ou ≥90 Hipertensão estagio 2
CONSULTA DE ENFERMAGEM
• Orientações:
 Uso adequado da medicação;
 Hábitos de vida saudáveis;
 Aplicação, manuseio, descarte e possíveis reações adversas
da insulina.
COMPLICAÇÕES
• Problemas na visão;
• Doença real;
• Cardiopatias;
• Impotência;
• Infecções;
• Difícil cicatrizações;
• Amputação de membros;