Você está na página 1de 24

CINÉTICA QUÍMICA

Estudo da velocidade das


reações químicas e dos fatores
que nela influem.
Prof. Anderson Nunes
CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS

I - Quanto à velocidade
 Rápidas: neutralizações em meio
aquoso, combustões,...
 Lentas: fermentações, formação
de ferrugem,...

Prof. Anderson Nunes


CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS

II - Quanto ao mecanismo
 Elementares : ocorrem numa só etapa.
H2 + I2  2 HI
 Complexas : ocorrem em duas ou
mais etapas.
2 NO(g) + O2(g)  2 NO2(g)

1a etapa (rápida) : 2 NO(g)  N2O2(g)


2a etapa (lenta) : N2O2(g) + O2(g)  2 NO2(g)

reação global : 2 NO(g) + O2(g)  2 NO2(g)

Prof. Anderson Nunes


VELOCIDADE DAS REAÇÕES

I - Velocidade média (vm)


Representa a variação na
quantidade de um reagente ou
produto num intervalo de tempo.
m n V C
vm  ou ou ou
t t t t

m = massa, n = no mols, V = volume, C = concentração molar

Prof. Anderson Nunes


Representação gráfica

O gráfico acima mostra como variam as concentrações de reagente


(N2O5) e produtos (NO2 e O2) , com o passar do tempo.

Prof. Anderson Nunes


VELOCIDADE DAS REAÇÕES

II - Velocidade instantânea (vi ou v)


Representa a variação na
quantidade de um reagente ou
produto num instante (menor
intervalo de tempo que se possa
imaginar).

Prof. Anderson Nunes


A velocidade
instantânea de Cato
uma reação é Gulberg
obtida através de
uma expressão
matemática
conhecida como
LEI DA AÇÃO DAS
MASSAS ou LEI
CINÉTICA, Peter
proposta por Waage
Gulberg e Waage,
em 1876.
Prof. Anderson Nunes
Para uma reação genérica homogênea
aA(g) + bB(g)  xX(g) + yY(g)
a velocidade instantânea é calculada
pela expressão
v = k [A][B]
onde
k = constante de velocidade
[A] e [B] = concentrações molares
 e  = ordens ou graus

Prof. Anderson Nunes


 Nas reações elementares as
ordens são iguais aos próprios
coeficientes ( = a e  = b);

 Nas reações complexas as


ordens são iguais aos coeficientes
da etapa mais lenta da reação,
conhecida através do mecanismo
da mesma.

Prof. Anderson Nunes


Exemplo
I - Reação elementar
H2 + I2  2 HI

Lei de velocidade (instantânea)

v = k [H2]1[I2]1

Prof. Anderson Nunes


Exemplo
II- Reação complexa
2 NO + O2  2 NO2
* Mecanismo
2 NO  N2O2 (etapa lenta)

N2O2 + O2  2 NO2 (etapa rápida)

2 NO + O2  2 NO2 (reação global)

Lei de velocidade (instantânea)


v = k [NO]
Prof. Anderson Nunes
2
PORQUE OCORREM AS REAÇÕES QUÍMICAS ?

I - Colisões intermoleculares

a) Não-eficazes ou não efetivas


(não formam-se produtos)
* sem energia de colisão suficiente ou
geometria de colisão inadequada.

b) Eficazes ou efetivas
(formam-se os produtos)

* com energia de colisão suficiente e


geometria de colisão adequada.
Prof. Anderson Nunes
Exemplo de colisão eficaz (geometria favorável)

Reação: HBr + O2  HBrO2

Prof. Anderson Nunes


Colisões em geometria desfavorável

Prof. Anderson Nunes


PORQUE OCORREM AS REAÇÕES QUÍMICAS ?

II - Energia mínima para reagir


(Energia de Ativação - Ea)

Além de colisões com orientação


espacial adequada, as moléculas
devem apresentar uma energia cinética
mínima que propicie a ruptura das
ligações entre os reagentes e formação
de novas ligações, nos produtos.
Quanto maior a Ea, mais lenta a
reação !
Prof. Anderson Nunes
Representações gráficas

Prof. Anderson Nunes


Fatores que influem na
velocidade das reações

a ) Área de contato entre os reagentes;


b ) Concentração dos reagentes;
c) Temperatura e Energia de Ativação;
d) Radiações e descargas elétricas;
e) Ação de catalisadores.

Prof. Anderson Nunes


a) Área de contato entre os reagentes

Esse fator tem sentido quando


um dos reagentes for sólido.
Exemplo:
Fe(prego) + H2SO4(aq)  FeSO4(aq) + H2(g) (v1)
Fe(limalha) + H2SO4(aq)  FeSO4(aq) + H2(g) (v2)
* na segunda reação a área de contato é
maior !
Portanto : v2 > v1

Prof. Anderson Nunes


b) Concentração dos reagentes

A velocidade é proporcional à
concentração dos reagentes. Esse
fator é expresso pela LEI DA AÇÃO
DAS MASSAS ou LEI CINÉTICA
(Gulberg e Waage)
v = k [A][B]
k = constante cinética
[A] e [B] = concentrações molares
 e  = ordens cinéticas (dadas no problema)

Prof. Anderson Nunes


c) Temperatura e Energia de Ativação

As variações de temperatura modificam


o valor da constante de velocidade (k).

Um aumento na T, aumenta a freqüência das


colisões intermoleculares e aumenta a
energia cinética das moléculas fazendo
com que um maior número alcance a
energia mínima para reagir (Eativação).

Um aumento na energia cinética (agitação


molecular) favorece a ruptura das ligações.
Prof. Anderson Nunes
d) Ação de catalisadores

Catalisadores são substâncias que, quando


presentes, aumentam a velocidade das
reações químicas, sem serem consumidos.
Ao final encontram-se qualitativa e
quantitativamente inalterados.

Os catalisadores encontram “caminhos


alternativos” para a reação, envolvendo
menor energia (diminuem a Energia de
Ativação), tornando-a mais rápida.

Prof. Anderson Nunes


Exemplo

SO2(g) + ½ O2(g)  SO3(g) Ea = 240 kJ/mol

sem catalisador

Utilizando NO2(g) como catalisador a Ea se


reduz para 110 kJ/mol, tornando a reação
extremamente mais rápida !

Mecanismo da reação
SO2 + NO2  SO3 + NO E1 (consumo do catalisador)
NO + ½ O2  NO2 E2 (regeneração do catalisador)

Reação global: SO2 + ½ O2  SO3 E = 110 KJ/mol

Prof. Anderson Nunes


Características dos catalisadores

a) Somente aumentam a velocidade;


b) Não são consumidos;
c) Não iniciam reações, mas interferem
nas que já ocorrem sem a sua
presença;
d) Podem ser utilizados em pequenas
quantias, visto que não são
consumidos;
e) Seus efeitos podem ser diminuídos
pela presença de “venenos de catálise”.
Prof. Anderson Nunes
Como funciona o catalisador automotivo ?

Prof. Anderson Nunes