Você está na página 1de 170

Modelos Psicológicos e Fases do

Desenvolvimento da Criança
Formadora: Cláudia Pinto
Carga Horária: 50 Horas
UFCD: 3270
OBJECTIVOS:
Objectivo geral

No final deste módulo, o formando deverá ser


capaz de enunciar os modelos
psicológicos do desenvolvimento da criança.
Objectivos específicos

O formando deverá ser capaz de:

• Definir o conceito de Psicologia do desenvolvimento;


• Caracterizar as teorias do desenvolvimento;
• Diferenciar os seus pressupostos teóricos.
Conteúdos

• Psicologia do desenvolvimento:

• Conceito
• Objecto
Conteúdos

• Modelos psicológicos do desenvolvimento:

• Teoria psicanalítica (Freud)


• Teoria da maturação (Gessell)
• Teoria do ciclo vital (Erikson)
• Teoria cognitiva (Piaget, Brunner)
• Teoria cognitivo-social (Vigotsky)
Conteúdos

• Etapas do desenvolvimento humano


• Gravidez / nascimento / suas condicionantes
• Desenvolvimento intra-uterino
• Desenvolvimento pós-natal
• Desenvolvimento, crescimento e maturação
• Fases do desenvolvimento da criança
• Fases, idades e perfis do desenvolvimento dos 0 aos 6
anos
Psicologia

“O mundo da psicologia contém olhares, tons e sentidos; É


o mundo do escuro e do claro, do barulho e do silêncio , do
áspero e do liso; o seu espaço às vezes é grande e às vezes
é pequeno, sabem-no todos os que voltaram à casa da sua
infância; o seu tempo é às vezes curto e às vezes longo.”
E. Titchener
Psicologia

• A Humanidade desde sempre colocou várias questões


sobre o mundo que o rodeia:
• Porque se sucedem os dias e as noites?
• Porque é que chove e troveja?
• Qual a causa dos tremores de terra?
• Qual a oriegem da vida?
• Porque se morre?

Para estas questões o Homem procurou respostas,


explicações que lhe atenuassem a angústia e a
inquietação
Psicologia
• Contudo, a Natureza não foi o único objeto das
interrogações do Homem.
• Este refletiu sobre si próprio, sobre a vida
humana: o nascimento e a morte, o bem e o mal,
a origem do medo e das emoções, do sono e dos
sonhos, da paixão, do amor, dos delírio…

E é destas experiências vividas que nasce a ideia de alma.


Encarada como sopro de vida, como força interior que
alimenta o corpo, a alma foi objeto das mais diversas
reflexões .
Psicologia

• Aristóteles (sec. IV a.C.) é considerado por muitos o


autor do primeiro estudo de psicologia Acerca da Alma.
É aqui que a palavra psciologia tem a sua raiz
etimológica:

Psiché (alma) + Logos (razão, estudo)


Psicologia

• Todavia, o termo psicologia só aparece no século XVI,


sugerido por Rodolfo Goclénio, sendo vulgarizado no
século XVIII. Considerada ciência nos finais do século
XIX.
Psicologia

• A Psicologia é a ciência que estuda os processos


mentais (sentimentos, pensamentos, razão, planear)
e o comportamento humano relativamente a ele
próprio, aos outros e ao mundo em geral, tentando
compreender as suas estruturas mentais.
Psicologia do desenvolvimento

“ Em cada ano que avança no crescimento (…) há perdas, há


lutos a fazer, mas há novos investimentos que são
igualmente fonte de prazer e reforço da identidade.
Não sejamos demasiados nostálgicos… para não
favorecermos regressões, mas não sejamos demasiados
apressados que não fiquem lacunas por preencher.”
Celeste Malpique
Psicologia do Desenvolvimento
• O que é a psicologia do Desenvolvimento?

Ramo da psicologia que procura explicar


as mudanças (transformações psicológicas)
ao longo do ciclo da vida do indivíduo.

• Qual é o Objeto de Estudo?

É o estudo das várias estapas da vida ou fases – infância,


adolescência, adultez e velhice – do desenvolvimento dos
processos psicológico e biológico nas relações interativas da
pessoa e do meio.
Psicologia do Desenvolvimento
A psicologia do desenvolvimento tem várias vertentes, mas há
algumas que são, tendencialmente, mais estudadas:

• Desenvolvimento cognitivo: mudança nos processos de


pensamento, memória e capacidades de raciocínio.

• Desenvolvimento motor ou físico: mudanças na altura e


peso, aquisição e perda de habilidades motoras grossas e
finas, etc.

• Desenvolvimento percetivo: mudanças da visão e na


audição, principalmente
Psicologia do Desenvolvimento

• Desenvolvimento da linguagem

• Desenvolvimento moral

• Desenvolvimento psicossexual

• Desenvolvimento do comportamento social e da


personalidade: alterações no autoconceito, identidade de
género, relacionamentos interpessoais, etc.

• Desenvolvimento emocional
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Corrente Autor
Teoria Psicanalítica Freud
Teoria do Ciclo Vital Erickson
Teoria da Gesell
Maturação
Teoria Cognitiva Piaget e Brunner
Teoria Cognitivo - Vygotsky
Social
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Psicanalítica de Freud

A teoria psicanalítica tem como objetivo descrever o


funcionamento e desenvolvimento da mente do Homem.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Esta teoria assenta nos seguintes pressupostos (as
palavras escritas a negrito são palavras que Freud usa
na sua teoria):

• O homem é influenciado pelos aspetos inconscientes


da sua personalidade;

• Estes aspetos quando emergem desencadeiam um


conflito interior, que provoca um sentimento de
angústia no indivíduo.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Os mecanismos de defesa são processos psíquicos
mobilizados para fazer face a esta angústia;

• Este conflito pode ser caracterizado como uma luta


entre duas forças opostas, onde o que está em causa é
a obtenção do prazer;

• A líbido pode ser definida como a energia sexual que


nos move em busca do prazer, ou seja, da satisfação de
um desejo (também definido por pulsão), no sentido
mais amplo e não exclusivamente genital;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

• O indíviduo, desde o seu nascimento, move-se em direção


ao mundo, com o objetivo de se relacionar e satisfazer as
suas necessidades, ou seja, obter prazer, através de
determinadas zonas corporais, também designadas por
zonas erógenas;

• A líbido é organizada em torno dessas zonas erógenas, que


vão variando ao longo do desenvolvimento.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Objecto de estudo da Psicanálise

•O psiquismo humano, ou seja, conjunto de


características psicológicas de um indivíduo, ou o
conjunto de fenómenos psíquicos e processos mentais.

• Este não se limita à zona consciente que podemos


conhecer através da introspecção.

• Para Freud, o psiquismo humano está dividido em ”áreas


distintas”, isto é, espaços a que correspondiam
características e formas de funcionar diferentes.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Estruturas Dinâmicas da Personalidade

• Freud formulou duas tópicas, isto é, duas teorias sobre a


constituição do aparelho psíquico: a 1ª tópica e a 2ª
tópica.
A PRIMEIRA TÓPICA
• Na primeira tópica, Freud distingue três instâncias:

Consciente,
Subconsciente ou pré-consciente,
Inconsciente
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Consciente:
• Corresponde à parte mais pequena da nossa
mente (ou seja, à ponta do iceberg);

• Constituído pelas representações presentes na


nossa consciência e conhecido pela introspeção,
constituía o essencial da vida mental do seu
humano;

• É onde estão alojados os elementos que nos dão


uma perceção do Mundo e de nós próprios;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Inconsciente:

• corresponde à maior parte da nossa estrutura


mental;
• Zona do psiquismo contituida por pulsões,
tendências e desejos fundamentalmente de
caráter afetivo-sexual, a qual não é passivel de
conhecimento direto;
• Aqui estão alojadas as nossas pulsões que ao
emergirem à consciência, nos provocam dor, ou
angústia.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Pré-consciente (subconsciente):

• Faz a ligação entre o consciente e o


incosnciente;

• Na imagem do iceberg corresponde a uma zona


flutuante de passagem entre a parte visível e a
oculta e que varia o seu grau de
emersão/imersão;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
A SEGUNDA TÓPICA

• A segunda tópica é composta por três estruturas


ou sistemas:
Id
Ego
Superego
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Id (Infra-eu):

• Zona inconsciente, primitiva, em que o Id


impulsiona e pressiona o ego;

• Existe desde o nascimento e é uma instância


constituída por pulsões inatas, instintos e desejos
completamento desconhecidos, que
posteriormente são recalcados;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Id (Infra-eu):

• Está desligado do real, não se orientando,


portanto, por normas ou princípios morais, sociais
ou lógicos (é amoral);

• Rege-se pelo princípio do prazer, que tem como


objetivo a realização, a satisfação imediata dos
desejos e pulsões. Grande parte destes desejos
são de natureza sexual. É o reservatório da
líbido - energia das pulsões sexuais.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Superego (Supereu):
• Zona do psiquismo que corresponde à
interiorização das normas, dos valores sociais e
morais;

• Resulta do processo de socialização da


interiorização de modelos como os pais,
professores e outros adultos;

• É a componente ética e moral do psiquismo (É


hipermoral);
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Superego (Supereu):
• O superego age sobre o ego, filtra os conflitos do
id/ego e decide sobre o destino das pulsões;

• Rege-se pelo princípio da realidade,


orientando-se por princípios lógicos e
decidindo quais os desejos e impulsos do id
que podem ser realizado;

• Forma-se entre os 3 e os 5 anos.


Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Ego (Eu):

• Zona fundamentalmente consciente que se


forma a partir do id no 1º ano de vida;

• Conflito entre submeter-se ao princípio da


realidade ou deixar-se levar pelo príncipio do
prazer;

• É o mediador entre as pulsões inconscientes e as


exigências do meio, do mundo real.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

• Ego (Eu):
• Tem de gerir as pressões que recebe do id e as
que recebe do superego;

• Tenta ser moral;


Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Freud e o Desenvolvimento

• Para Freud, o desenvolvimento humano e a


construção do aparelho psíquico são
explicados pela evolução da
Psicossexualidade;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Freud e o Desenvolvimento

• A sexualidade está integrada no nosso


desenvolvimento desde o nascimento,
evoluindo através de estádios, com predomínio
de uma zona erógena, isto é, de uma região do
corpo (epiderme ou mucosa) que, quando
estimulada, dá prazer. Cada estádio é marcado
pelo confronto entre as pulsões sexuais (líbido)
e as forças que se lhe opõem.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Freud e o Desenvolvimento

• Um dos conceitos mais importantes na teoria


psicanalítica é a existência da sexualidade
infantil. Esta sexualidade envolve todo o
corpo, é pré-genital e não centrada no
apararelho genital e é, nos primeiros ano auto
erótica, isto é, a criança satisfaz-se com o
próprio corpo.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Fases do Desenvolvimento Psicossexual

• Estádio Oral (0-12/ 12-18 meses);

• Estádio Anal (12/18meses- 2/3 anos);

• Estádio Fálico (2/3 anos -5/6anos);

• Estádio da Latência (entrada na escola- puberdade);

• Estádio Genital (a partir da puberdade).


Fases do Desenvolvimento Psicossexual
Estádio Aparelho Características
Psíquico
-O ser humano nasce com o id, isto é,
com um conjunto de pulsões inatas;
- O ego forma-se, no primeiro ano de
Id vida;
Oral - Ao nascer, o órgão que a criança traz
(0-12/ 12-18 Ego
mais desenvolvido é a
meses)
boca. É através desta zona que a
criança satisfaz todas as
suas necessidades, alimentares e
afectivas;
- O prazer está ligado ao chupar e, mais
tarde, ao morder;
- Zona erógena: a boca e lábios
Fases do Desenvolvimento Psicossexual
Estádio Aparelho Características
Psíquico
- Estende-se do ano e meio até ao fim
do uso das fraldas;
- Fase marcada pela aquisição do
Id controlo dos esfíncteres (urinário e
Anal anal);
(12/18meses - Ego
- A função de expulsar e reter;
2/3 anos)
- Ambivalência de sentimentos;
- Este “treino da higiene” pode durar
de 1 a 3 anos;
- Zona erógena: a anal e a mocusa
intestinal;
Fases do Desenvolvimento Psicossexual
Estádio Aparelho Características
Psíquico
- Estende-se desde o fim do uso da
fralda até a entrada na escola;
- A curiosidade em torno dos órgãos
Id genitais aumenta;
Fálico - A masturbação torna-se frequente e
(3 anos – 5/6 Ego
natural;
anos): Superego
- Surge a preocupação quanto às
diferencias sexuais;
- É comum que, nesta fase a criança
assuma comportamentos
exibicionistas;
- Fase caraterizada pelo
aparecimento do conflito
Edipiano/Electriano;
- Zona erógena: órgãos sexuais.
Fases do Desenvolvimento Psicossexual
Estádio Aparelho Características
Psíquico

- Após a vivência do complexo de


Édipo, e com o superego já formado, a
criança entra numa fase de latência;
Id - Processo de amnésia infantil – a
Estádio de criança vai como esquecer alguns
Ego
Latência acontecimentos e sensações vividos
(5/6 anos -
Superego
nos 1ºs anos de sexualidade;
puberdade) - A líbido é canalizada para as
realizações intelectuais e sociais;
- Mecanismos de defesa do Ego;
- Processo de identificação sexual.
Fases do Desenvolvimento Psicossexual
Estádio Aparelho Características
Psíquico
- Estabelece-se um equilíbrio entre o amor
e o Trabalho/Generatividade, ou seja, a
libido é canalizada para ambos os aspetos
que caraterizam a vida humana;
Id - O indivíduo obtém prazer das suas
Genital
(a partir da
Ego realizações profissionais e da sua
puberdade) Superego sexualidade;
- O mundo relacional do adolescente é
alargado a pessoas exteriores à família;
-Fase em que o prazer é vivenciado de uma
forma partilhada;
- Desenvolvem-se relações estáveis,
duradouras, maduras e responsáveis;
-Prevalência de uma sexualidade genital.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Erikson e o Desenvolvimento

• Erikson começou por analisar o desenvolvimento humano


de uma perspetiva psicanalítica.

• No entanto, desviou o foco da sua teoria do Id para o Ego


e introduziu um novo aspeto: a influência do contexto
sociocultural, isto é, o autor teve em conta, na sua
concepção de desenvolvimento, as interações entre o
indivíduo e o meio.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Erikson e o Desenvolvimento

• Enquanto Freud falava de conflitos inconscientes, Erikson


por sua vez, fala de crises psicossociais.

• Segundo este autor, o indivíduo, ao longo do seu ciclo de


vida, vai atravessando várias crises psicossociais, que lhe
vão permitir (re) construir uma noção de identidade.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Erikson e o Desenvolvimento

Crise

Etimologicamente, significa transformação.


É um “momento crítico na evolução de um indivíduo,
pois corresponde ao período mais favorável para
desenvolver uma capacidade, ou de fazer uma
aquisição.”
A forma como cada pessoa resolve cada crise nuclear,
ao longo dos diferentes estádios, irá influenciar a
capacidade para resolver, na vida, os conflitos.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Erikson e o Desenvolvimento

• A resolução positiva de uma crise psicossocial confere


ao indivíduo um sentimento positivo que reforça a sua
noção de identidade, caso contrário, uma resolução
negativa provocará sentimentos de frustração e
fracasso, fragilizando o Ego.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Erikson e o Desenvolvimento

• Outras das diferenças que podemos encontrar,


relativamente à teoria freudiana, é que Erickson defende
que estas construções de identidade que
elaboramos desde a infância, não são totalmente fixas, ou
seja, uma crise mal resolvida pode ser parcialmente
alterada em fases posteriores do desenvolvimento.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial

• 1ª Idade - Confiança vs Desconfiança (0-18 meses);


• 2ª Idade - Autonomia vs Dúvida e Vergonha (18 meses-3 anos);
• 3ª Idade - Iniciativa vs Culpa (3-6 anos);
• 4ª Idade - Indústria vs Inferioridade (6-12 anos);
• 5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20 anos);
• 6ª Idade - Intimidade vs Isolamento (18/20-30 e tal anos);
• 7ª Idade - Generatividade vs Estagnação (30 e tal-60 e tal anos);
• 8ª Idade - Integridade vs Desespero (depois dos 65 anos).
Quadro síntese das crises psicossociais de Erickson em comparação com Freud
Freud Erikson
Estádios Crises Psicossociais
Fase oral Confiança × desconfiança
(0-12/ 12-18 meses) (0 - 18 anos)
Fase anal Autonomia × dúvida ou vergonha
(12/18meses- 2/3 anos) (18 meses - 3 anos)
Fase fálica Iniciativa × culpa
(2/3 anos -5/6anos) (3 -6 anos)
Fase de latência Indústria × inferioridade
(entrada na escola-puberdade) (6 – 12 anos)
Fase genital Identidade × Confusão de papéis
(a partir da puberdade) (12 – 18/20 anos)
Intimidade × Isolamento
(18/20 – 30 e tal anos)
Generatividade × Estagnação
(30 e tal anos – 60 e tal anos)
Integridade do ego × Desesperança
(depois dos 65)
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial

1ª Idade - Confiança vs Desconfiança (0-18 meses)

• As aquisições desta etapa dependem do tipo de relação


que se estabelece entre a mãe e o seu bebé.

• É no seio desta relação que a criança vai iniciar a


construção da sua consciência do Mundo e de si própria.

• Nesta idade, a criança vai aprender o que é ter ou não


confiança. Está confiança está muito relacionada com a
interação do bebé com a mãe.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial
1ª Idade - Confiança vs Desconfiança (0-18 meses)

• Se o bebé sente que a mãe lhe satisfaz as necessidades


básicas (alimentares e afectivas), desenvolve uma
consciência positiva do que a rodeia.

A criança adquire um sentimento de confiança, alicerçada na convicção


de que a mãe é boa, eu sou bom, e por sua vez, tudo o que vier do mundo
exterior também o é. Logo, se esta não for imediatamente atendida, e como
já desenvolveu a crença de que a mãe volta, compreende que tudo leva o seu seu tempo para se
concretizar, nascendo desta forma a esperança. Esta é a força básica que segundo Erickson se desenvolve
nesta fase.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial
1ª Idade - Confiança vs Desconfiança (0-18 meses)

• Se pelo contrário, a criança sentir


constantemente que as suas expectativas quanto
à actuação da mãe são defraudadas/frustradas,
vai desenvolver um sentimento de desconfiança
relativamente ao meio,
idealizando-o como mau ou hostil.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial
1ª Idade - Confiança vs Desconfiança (0-18 meses)
• No entanto, é natural e saudável, que a criança conviva
com pequenas frustrações, aprendendo desta forma que
nem todas as expectativas são realizáveis. Este aspecto
que Erickson designou por ordem cósmica, é
determinado pelas regras que regem o mundo. Começa-
se desta forma a traçar o caminho da construção do Ego,
do desenvolvimento do auto-conceito, e estão criadas
igualmente as bases para um posterior desenvolvimento
da Fé.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Estádios de Desenvolvimento Psicossocial
2ª Idade - Autonomia vs Dúvida e Vergonha (18 meses-
3 anos)

• Este estádio é denominado pela contradição entre a


autonomia, o exercício de uma vontade própria e o
controlo sobre o meio e o seu versus negativo
constituído pela dúvida e vergonha de quem se
pode “expôr” demasiado quando ainda é tão
dependente.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
2ª Idade - Autonomia vs Dúvida e Vergonha (18 meses-
3 anos)

• A criança precisa de poder experimentar e de se sentir


protegida no processo de autonomização.

• A problemática desta idade corresponde à fase anal


freudiana.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
2ª Idade - Autonomia vs Dúvida e Vergonha (18 meses-
3 anos)

• Depois das crianças terem conquistado confiança


naqueles que as tratam, estas começam a descobrir que
têm vontade próprias. Afirmam o seu sentido de
autonomia. Realizam a sua vontade.
• Se as crianças são demasiado reprimidas ou castigadas
severamente é provável que desenvolvam um
sentimento de dúvida e vergonha.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
3ª Idade - Iniciativa vs Culpa (3-6 anos)

• O desenvolvimento da iniciativa implica a aquisição da


capacidade de definir metas e a perseverança para alcançá-
las, ou seja, do planeamento e realização.

• Os objectivos definidos, tal como no modelo freudiano, são


muitas vezes impossíveis de alcançar. Exemplo: em plena
vivência do complexo de Édipo a menina pode desejar ter um
filho do pai.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
3ª Idade - Iniciativa vs Culpa (3-6 anos)

• O fracasso na realização destas metas faz com que a criança


desenvolva um sentimento de culpa por duas razões:

- Sente-se incapaz de realizar aquilo a que se propôs;


- Ou tem consciência que aquilo que desejou não é socialmente
aceitável.

Este aparente fracasso associado ao sentimento de culpa,


permite à criança aprender a definir os seus objetivos, e a balizar
as suas ações segundo a sua consciência moral.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

3ª Idade - Iniciativa vs Culpa (3-6 anos)

• Neste fase, pede-se às crianças que assumam mais


responsabilidades. No entanto podem surgir
sentimentos desagradáveis de culpa se as crianças não
são responsabilizadas, sentindo-se muito ansiosas
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

4ª Idade - Indústria vs Inferioridade (6-12 anos)

• Este estádio corresponde à entrada na escola, que é o


primeiro grande teste da criança, quanto à sua
capacidade de ajustamento ao mundo laboral.

• Esta percepção designa-se por sentido de indústria


(sentido de produtividade, de desenvolvimento de
competências – inteletuais, sociais, físicas e escolares)
.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

4ª Idade - Indústria vs Inferioridade (6-12 anos)

• A criança através das provas a que é submetida, estrutura os


juízos sobre a sua capacidade individual de realização, da
divisão dos trabalhos e toma consciência da diferença de
oportunidades.

• O prazer retirado da realização de uma determinada tarefa,


desenvolve o sentimento de competência, perseverança e
recompensa, alimentando o interesse quanto às perspectivas
para o futuro, isto é, sei do que sou capaz, e
que se for perseverante na consecução dos meus objectivos
vou obter recompensas a longo prazo.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

4ª Idade - Indústria vs Inferioridade (6-12 anos)

• Se na realização de determinada tarefa surge o


fracasso, da frustração vivida por não ter sido bem
sucedido, desenvolve-se um sentimento de
inferioridade, que leva o indivíduo a regredir para um
estádio anterior do
desenvolvimento, ou então a tornar-se um
conformista que se submete a manipulações
externas.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

• É a idade onde, na vertente positiva, o adolescente


vai adquirir uma identidade psicossocial, isto é
entende a sua singularidade, o seu papel no mundo.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

• A construção da identidade neste estádio configura-se em


três áreas:
• Identidade sexual
Estabelece-se com a definição genital do papel sexual
assumido e com a aquisição de um sentimento de
segurança quanto a esse papel, permitindo ao indivíduo
estabelecer relações autênticas em fases posteriores do
desenvolvimento.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

- Identidade Profissional:
Desenvolve-se a partir da escolha vocacional e do
estabelecimento de metas para o futuro, pois só através
da realização profissional é que o indivíduo se sentirá um
membro produtivo dentro do seu grupo social.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

- Identidade ideológica:
A necessidade de partilhar ideais e ser aceite por um
determinado grupo, promove o envolvimento
ideológico, que está na base da formação do grupo de
pares na adolescência. Este envolvimento permite ao
indivíduo definir o seu papel social, como membro
activo na reconstrução do mundo.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

A difusão/confusão de papéis característica desta etapa


pode ter dois tipos de resolução:

 Resolução negativa:
- O indivíduo pode regredir, por se sentir incapaz de
encaixar no mundo adulto.
- Ou pode projectar os seus traços identitários noutras
pessoas, por não os conseguir suportar.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

5ª Idade - Identidade vs Difusão/Confusão (12-18/20


anos)

• Resolução positiva:
- Alcançar o senso de identidade contínua, ou seja,
desenvolver uma identidade estável e segura coerente
com as suas crenças e metas pessoais.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

6ª Idade - Intimidade vs Isolamento (18/20-30 e tal anos)

• Após a construção da sua própria identidade, passamos à


fase da associação ou união a outras identidades (criação
de intimidade com os outros).

• O sucesso desta união dependerá do estabelecimento de


um ego seguro e estável, que não necessite entrar em
situações de controlo ou projecções, para evitar o temor
inerente às diferenças de personalidade.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

6ª Idade - Intimidade vs Isolamento (18/20-30 e tal


anos)

• Caso contrário, se o indivíduo não se sentir


seguro de si, poderá preferir o isolamento à
união, para preservar o seu ego, demonstrando
medo de assumir compromissos ou problemas de
intimidade.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

6ª Idade - Intimidade vs Isolamento (18/20-30 e tal


anos)

• Definição de intimidade: “ (...) capacidade de confiar em


filiações e associações concretas e de desenvolver a força
ética necessária para ser fiel a essas ligações, mesmo que
elas imponham sacrifícios e compromissos significativos”.
(Erickson, 1971).

• Segundo Erickson é possível transpor estes aspectos inerentes


às
uniões amorosas, a todas as associações estabelecidas quer a
nível
profissional ou ideológico.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

7ª Idade - Generatividade vs Estagnação (30 e tal anos-60


e tal anos)

• Este estádio é caracterizado pela tomada de consciência do


indivíduo da sua capacidade de gerar (filhos, ideias ou
produtos), e cuidar do que gerou – generatividade.

• Este é o momento em que o indivíduo sente necessidade


de ensinar tudo o que aprendeu. Esta transmissão
permite-lhe tomar consciência, de que:
• tudo o que fez ao longo da sua vida valeu a pena;
• tem um sentido;
• Vai sobreviver através do seu legado.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

7ª Idade - Generatividade vs Estagnação (30 e tal


anos-60 e tal anos)

• Estagnação surge quando o indivíduo sente que nada


produziu, centra-se nos seus interesses próprios e
superficiais e como tal, não tem nada para ensinar
desenvolvendo o que Erickson (1971) designa como,
“uma sensação penetrante de estagnação e
infecundidade pessoal”.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
8ª Idade - Integridade vs Desespero (depois dos 65
anos)

• Este estádio marca um período de reflexão, onde o


indivíduo realiza uma retrospectiva da sua vida.

• A vivência desta análise pode ser marcada pelo


desespero, ou pelo sentimento do dever cumprido.

• No primeiro caso, o indivíduo entra em desespero,


pois sente que a sua vida está perto do fim.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

8ª Idade - Integridade vs Desespero (depois dos 65


anos)

• Este estádio marca um período de reflexão, onde o


indivíduo realiza uma retrospectiva da sua vida.

• A vivência desta análise pode ser marcada pelo


desespero, ou pelo sentimento do dever cumprido.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

8ª Idade - Integridade vs Desespero (depois dos 65


anos)

• A morte representa a impossibilidade do retorno. E


não podendo voltar atrás, para corrigir os aspectos
onde fracassou, o indivíduo desenvolve um
sentimento de nostalgia e tristeza, que o vai
acompanhar o resto da sua vida.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

8ª Idade - Integridade vs Desespero (depois dos 65


anos)

• A vivência positiva desta crise implica a aceitação do


seu ciclo de vida, e das realizações concretizadas ao
longo do mesmo.
O indivíduo experimenta um sentimento de integridade, assente no
pressuposto que a sua vida fez sentido, e como tal está na altura de
transmitir a sabedoria adquirida.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento

Teoria da Maturação de Gessel

• Gessel defendia que a base do desenvolvimento é


biológica ou maturacional, ou seja, dependia da
maturação neurológica, muscular e hormonal do
organismo.

• Gessel e colaboradores caraterizam o


desenvolvimento segundo quatro dimensões
comportamentais: motora, verbal, adaptativa e social.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Teoria da Maturação de Gessel

• Estas sequências ou fases, são relativamente estáveis e


como tal, é possível prever os comportamentos e
capacidades que a criança desenvolve em cada uma
delas.

• As diferenças individuais são determinadas


geneticamente e pouco se devem à influência do
meio, admitindo-se no entanto que cada criança tem
o seu próprio ritmo e que este aspecto pode criar
margens de variação dentro de cada faixa etária.
Modelos Psicológicos do Desenvolvimento
Teoria da Maturação de Gessel

• Papel das influências ambientais:


- Para Gessel um ambiente rico e estimulante,
oferece à criança as melhores oportunidades
possíveis.
- Isto significa que lhe permite desenvolver as suas
capacidades, até ao limite máximo.
- Não alterando no entanto, o tipo de capacidades
que a criança estava programada a desenvolver.

Podemos assim concluir que o ambiente influencia o


comportamento, mas não o determina.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria da Maturação de Gessel

• Desenvolvimento da Personalidade:

• Gessel define o tipo de personalidade de um indivíduo tendo em


conta o seu tipo físico ou somático.

• Segundo este autor existem três tipos somáticos básicos, com uma
personalidade própria. (Tipos somáticos básicos – Endomorfo;
Mesomorfo; Ectomorfo)
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria da Maturação de Gessel
Tipos somáticos básicos

• Endomorfo

Indivíduo gordo ou roliço, que se exercita para comer. Retira


prazer sobretudo, do que come. O seu lema de vida é “vivo
para comer”.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria da Maturação de Gessel

Tipos somáticos básicos


•Mesomorfo

Indivíduo de ombros largos, solidamente constituído com um


corpo atlético, que come para se exercitar. Retira prazer da
actividade competitiva. O seu lema de vida é “vivo para me
exercitar e competir”.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria da Maturação de Gessel

Tipos somáticos básicos


•Ectomorfo

Indivíduo com uma estrutura delgada, aparência frágil,


angulosa, de ombros caídos, com pernas e braços finos.
Exercita-se e come para estar atento, observar, escutar e
reflectir. Estas são as suas actividades mais importantes. O seu
lema é “Como para viver”.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Áreas do comportamento analisada por Gessel dos 0 aos 5
anos:

• Motora (postura, locomoção e preensão - acto segurar


ou agarrar );
• Linguagem (todas as formas de comunicação desde os
gestos, sons e palavras);
• Pessoal-social (reações individuais aos outros indivíduos
e ao meio envolvente);
• Adaptativa (capacidade para apreender elementos
significativos de uma dada situação e de utilizar as
experiências passadas e presentes na adaptação a novas
situações).
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Áreas do comportamento acrescentadas por Gessel a
partir dos 5 anos:

• Atividade motora (atividade corporal no seu todo);


• Higiene pessoal (alimentação sono, banho, vestir,
saúde, eliminação);
• Expressão emocional (atitudes efetivas);
• Receios e sonhos;
• Eu e o sexo;
• Relações interpessoais (com a família direta e com os
seus pares);
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Áreas do comportamento acrescentadas por Gessel a
partir dos 5 anos:

• Hobbies e passatempos;
• Escola (desenvolvimento académico e
comportamento);
• Sensibilidade moral (censuras, reações a castigos e
elogios, sentimentos do bem e do mal);
• Perspetiva filosófica (utilização do pensamento
abstrato ou seja capacidade de refletir sobre
questões não palpáveis como, a vida e a morte,
amor).
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Áreas do comportamento acrescentadas por Gessel a
partir dos 5 anos:

• Hobbies e passatempos;
• Escola (desenvolvimento académico e
comportamento);
• Sensibilidade moral (censuras, reações a castigos e
elogios, sentimentos do bem e do mal);
• Perspetiva filosófica (utilização do pensamento
abstrato ou seja capacidade de refletir sobre
questões não palpáveis como, a vida e a morte,
amor).
Fases de desenvolvimento da Teoria da Maturação de
Gessel 1º Ano
Faixas Etárias Características

• Ultrapassados os riscos pós-natais


• Adquire o domínio dos 12 músculos
1º Trimestre (0-16 semanas)
óculo
motores
• Domínio dos músculos que
sustentam a cabeça
2º Trimestre (16 semanas às 28 semanas) • Movem os braços
• Demonstram intenção de agarrar
objectos

• Domínio do tronco e das mãos


3º Trimestre (28 às 40 semanas)
• Senta-se e manuseia objectos

• Domínio das pernas e dos pés


4º Trimestre (40 às 52 semanas) • Dos polegares e indicadores
• Empurra e arranca objecto
Fases de desenvolvimento da Teoria da Maturação de
Gessel

Faixas Etárias Características

• Anda e corre
• Articula palavras e frases
Ao final do 2ºano • Controle da bexiga e intestino
• Sentido rudimentar de
identidade pessoal e de posse

• Exprime-se por frases completas


• Utiliza as palavras como
instrumentos do pensamento
Aos 3 anos
• Manipula o ambiente ao seu
redor
• Temperamental
Fases de desenvolvimento da Teoria da Maturação de
Gessel
Faixas Etárias Características

• Questiona activamente e
demonstra uma tendência para
conceptualizar e
Aos 4 anos generalizar
• Rotinas domésticas = está
bastante
autónoma
• Domínio motor amadurecido
• Fala sem articulação infantil
• Capacidade para contar longas
histórias
Aos 5 anos
• Prefere brincadeiras colectivas
• Orgulha-se de si mesma
• Demonstra segurança nas relações
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva de Piaget


• Segundo esta teoria, o desenvolvimento cognitivo
resulta da interação entre fatores internos do
individuo (biólogos/ hereditários) e fatores
externos (meio envolvente) sendo o 1º conjunto
de fatores determinantes no processo de
construção do conhecimento desde as suas formas
mais elementares (esquemas sensório-motores)
até aos níveis superiores (esquemas frontais).
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget

• O ênfase dado à componente humana, à componente biológica, faz


de Piaget um maturacionista, visto que, tal como outros autores,
este acredita que o amadurecimento do organismo (maturação
neurológica, muscular e hormonal) permite uma interação cada vez
mais complexa com o meio envolvente e, por conseguinte, uma
adaptação mais ajustada à realidade.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva de Piaget


• Conceitos chaves de Piaget:

• Hereditariedade
• Para Piaget, a inteligência não se herda, constrói-se;
• Ao nascer, trazemos uma série de estruturas
biológicas (sensoriais e neurológicas), que ao
amadurecer e em contato com o meio nos vão
permitir construir uma serie de estruturas mentais
ou esquemas.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget

• Conceitos chaves de Piaget:

• Esquema
• Estrutura de pensamento ou ação que se desenvolve
a partir das estruturas biológicas do indivíduo, com o
intuito de organizar e dar respostas, cada vez mais
adequadas aos estímulos provenientes do meio
ambiente.
Teoria Cognitiva de Piaget
• Existem esquemas simples e complexos que podem
referir-se a:
• Ações motoras/comportamento (ex. esquema de
sucção)
• Representações mentais/imagens interiorizadas (ex.
esquema de representação mental da mãe)
• Estratégias mentais de resolução de problemas (ex.
esquemas para a resolução de uma equação)

Estas estruturas são dinâmicas, pois vão sofrendo


modificações (ao nível do conteúdo) ao longo da vida do
indivíduo, permitindo-lhe uma adaptação cada vez mais
eficaz às exigências do meio.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget
• Conceitos chaves de Piaget:

• Adaptação, assimilação e acomodação


• O meio ambiente coloca o indivíduo constantemente
à prova, provocando-lhe um estado de desequilíbrio.
Para fazer face a este desequilíbrio e dar uma
resposta cada vez mais adaptada às solicitações do
meio, Piaget considera que recorremos a dois
processos complementares: assimilação e
acomodação
Teoria Cognitiva de Piaget

Sujeito Interacção Meio


D
e
s
I
q
u
I
l
I
b
r
I
o
Acomodação
Processos Complementares
Assimilação A
D
A
P
T
A
Ç
Ã
o

Reequilibrio
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva de Piaget

• ASSIMILAÇÃO:
• Incorporação de um elemento novo, a um esquema
já formado. Ou seja, quando a criança tem novas
experiências (vê/ouve/experimenta coisas novas)
ela tenta adaptar esses novos estímulos às
estruturas cognitivas que já possui.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget

• ACOMODAÇÃO:
• modificação dos esquemas em função da situação.
Quando a criança não consegue assimilar um novo
estímulo, isto é não existe uma estrutura cognitiva
que assimile este novo estímulo. Diante desse
impasse, restam apenas duas saídas: ou criar um novo
esquema ou modificar um esquema já existente.
Ambas as ações resultam numa mudança na estrutura
cognitiva.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget

• EQUILÍBRIO:

• o equilíbrio pode ser definido como um processo, a


partir do qual o indivíduo organiza as suas estruturas
mentais de uma forma coerente, com a finalidade de
se adaptar à realidade.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Período ou Estádios de Desenvolvimento

• A evolução faz-se por estádios


• Cada estádio tem um equilíbrio próprio que permite
que o sujeito se adapte às situações.
• A passagem de um estádio para o seguinte é um
processo de equilíbrio no sentido da auto regulação.
Contudo todo o equilíbrio induz um novo
desequilíbrio; é precisamente este movimento
(equilíbrio-desequilíbrio) que permite o
desenvolvimento individual, a adaptação.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Período ou Estádios de Desenvolvimento

• Os estádios caraterizam-se por:


• Uma estrutura com características próprias;
• Uma ordem de sucessão constante (embora possam
existir diferenças cronológicas);
• Uma evolução integrativa, isto é, as novas aquisições
são integradas na estrutura anterior, organizando-se
uma nova estrutura hierarquicamente superior.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Piaget
Segundo Piaget, o desenvolvimento ocorre segundo 4
estádios:

• Estádio Sensório-motor (dos 0 aos 18/24 meses);


• Estádio Pré-operatório (2 anos aos 7 anos);
• Estádio das operações concretas (7 aos 11/12 anos);
• Estádio das operações formais (11/12 aos 15/16
anos).
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- Período marcado pela aquisição de


esquemas sensório-motores, que
irão permitir ao bebé uma
Sensório- 0 -18/24 organização inicial dos estímulos
motor meses ambientais. Ex. Esquema de sucção;
- Carateriza-se por uma inteligência
sensorial, porque o bebé capta todas
as informações que recebe através
dos sentidos, e motora, porque o
bebé se exprime quase
exclusivamente através de
movimentos sobre o mundo/objetos.
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- Egocentrismo inconsciente e integral


Ao nascer o bebé tem uma percepção
muito limitada do Mundo exterior. O
Sensório- 0 -18/24 contacto que a criança mantém com
motor meses o meio, realiza-se através da mãe,
com
quem mantém uma relação fusional.
A mãe e o bebé são um só, ou seja,
ela e o Mundo são um só, quer a nível
físico ou psicológico, daí designar-se
por egocentrismo integral.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Através de um processo de auto-


conhecimento, a criança vai
construindo o seu esquema
Sensório- 0 -18/24 corporal, isto é, a ideia que forma
motor meses quanto ao seu próprio corpo, e
desenvolve o seu auto conceito.
- Por volta dos 9 meses, outra das
aquisições deste período é a noção
de permanência do objeto, ou seja
a criança procura um objeto
escondido porque desenvolve a
noção de que este continua a existir
mesmo quando não o vê.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Período marcado pela aquisição de


esquemas simbólicos, ou seja,
pela capacidade de representar
Pré- 2 - 7 Anos simbolicamente objectos, situações
operatório ou
pessoas de diferentes formas, tais
como:
o Utilizar um objecto como se fosse outro
(ex. utilizar uma caixa como se fosse um
telemóvel);
o Representar uma situação (ex. brincar às
casinhas);
o Utilizar a palavra para representar uma
pessoa, situação ou um objecto.
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- A aquisição da linguagem é
efectivamente, um dos grandes
marcos deste período;
Pré- 2 - 7 Anos
operatório - A aquisição da linguagem, função
semiótica (uso de símbolos para
representar a realidade). A função
simbólica manifesta-se pela
linguagem, jogo simbólico (faz de
conta), imagem mental e desenho.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- A criança neste período continua a manifestar-


se bastante egocêntrica.

- A sua visão da realidade continua bastante


Pré- 2 - 7 Anos distorcida, confundindo frequentemente a
operatório realidade com a fantasia, sendo comum dar
explicações animisticas ou artificialistas.

- Explicações animisticas: atribuir características


humanas a objectos, animais ou plantas. Ex: “A
boneca está com sono.”

- Explicações artificialistas: atribuir causas humanas


aos fenómenos naturais. Ex. “Os mares foram feitos
por
homens.”
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Socialmente começa a observar-se


um progressivo desligamento da
família. O interesse por crianças da
Pré- 2 - 7 Anos mesma idade aumenta, no entanto,
operatório nas brincadeiras observa-se que elas
estão juntas, mas não interagem.
- Este aspecto advém do egocentrismo,
pois a criança continua ainda tãoauto-
centrada, que tem dificuldades em
observar o Outro, como alguém que
tem sentimentos, atitudes e vontades
diferentes das suas.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- A linguagem apesar de já ser


socializada, pois a criança já consegue
Pré- 2 - 7 Anos manter diálogos, também é
operatório influenciada pelo egocentrismo.
Observamos dois
exemplos típicos:

o Falar dela própria na 3ª pessoa do


singular (ex. “A Ana não quer
sopa!”)
o Verbalizar em voz alta, o que está a
fazer no decorrer de uma
actividade. (ex.“ O bebé papa.”)
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- Verifica-se ainda nesta etapa, que a


criança ainda não consegue
Pré- 2 - 7 Anos desenvolver esquemas conceptuais
operatório verdadeiros, cometendo erros ao nível
da noção de conservação de:
quantidade, volume, massa e peso.
Esta distorção no julgamento das
situações acontece, pois a criança
responde baseando-se na sua
percepção imediata, dada pelos órgãos
dos sentidos.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Período marcado pela aquisição de


esquemas conceptuais verdadeiros.

Operações 7 – 11/12 - Observa-se um declínio do


Concretas Anos egocentrismo intelectual, e um
aumento do
pensamento lógico. A criança
começa a estruturar a realidade
através da
razão, pois já consegue fazer a
distinção entre ela e o Mundo
exterior.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Os julgamentos deixam de ser


influenciados pela percepção
imediata, e tornam-se conceptuais,
Operações 7 – 11/12 permitindo a aquisição da noção de
Concretas Anos conservação e de reversibilidade
(adquire a consciência que as
operações mentais são reversíveis).
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- A flexibilidade mental permite-lhe


adquirir a capacidade mental de
compreender que os jogos têm
Operações 7 – 11/12 regras.
Concretas Anos
- Por fim, quanto aos julgamentos
morais, observa-se uma maior
tendência para a interiorização.
Enquanto na fase anterior, os
julgamentos eram realizados perante
os actos praticados, agora entram em
linha de conta as intenções
subjacentes.
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- A utilização do pensamento lógico,


permite igualmente à criança resolver
determinadas situações sem recorrer
Operações 7 – 11/12 a acções físicas;
Concretas Anos
- Ao nível da linguagem observa-se um
gradual declínio do egocentrismo;

- Socialmente formam-se grupos,


reconhecem regras e lideranças.
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- A criança já terá desenvolvido a


capacidade de perceber que os Outros
têm necessidades, pensamentos e
Operações 7 – 11/12 sentimentos diferentes dos seus,
Concretas Anos permitindo
deste modo uma interacção mais
genuína entre os seus pares (amigos da
mesma faixa etária), ou adultos.
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- Desenvolvimento do pensamento
lógico: aquisição de conceitos e
capacidades de realizar operações
Operações 7 – 11/12 mentais, mas apenas perante os
Concretas Anos objetos e/ou situações;

- Capacidade de fazer seriações e


classificações.
Estádios Desenvolvimento de Piaget
Estádio Idade Características

- Período marcado pela aquisição


de esquemas mentais abstratos e
pela capacidade de refletir acerca
Operações 11/12 – 15/16 do próprio processo de
Fornais Anos pensamento;

- Raciocínio hipotético-dedutivo -
Assim o adolescente desprende-se
do real, sem precisar de se apoiar
em factos, pode pensar
abstractamente e deduzir
mentalmente sobre várias
hipóteses que se colocam;
Estádios Desenvolvimento de Piaget

Estádio Idade Características

- A linguagem está desenvolvida


permitindo discussões lógicas e
que cheguem a conclusões.
Operações 11/12 – 15/16
Fornais Anos
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva de Brunner

• Brunner tal como Piaget, defendia que o desenvolvimento


cognitivo se processava através do amadurecimento do
organismo (maturacionista), e da interacção do sujeito com o
meio ambiente (construtivista).
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Brunner

• No entanto, este autor apelidou a sua teoria de


instrumentalismo evolucionista, o que significa que o homem
necessita de técnicas que lhe
permitam evoluir, ou desenvolver-se.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva de Brunner

• No entanto, este autor apelidou a sua teoria de


instrumentalismo evolucionista, o que significa que o
homem necessita de técnicas que lhe
permitam evoluir, ou desenvolver-se.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva de Brunner

• Estas técnicas de elaboração da informação,


permitem ao indivíduo traduzir as experiências
proporcionadas pelo meio, em sistemas de
representação que estejam ao seu dispor, tendo em
conta a fase de desenvolvimento e o contexto
cultural em que se encontra.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• Para Brunner, o desenvolvimento cognitivo ou a
passagem por estas etapas, pode ser acelerado se a
criança se desenvolver num meio cultural e
linguístico, rico e estimulante.

- A ênfase dada ao papel dos factores socioculturais e da


linguagem torna a sua teoria mais abrangente do que a do
seu antecessor.
- A linguagem vai ter um papel fundamental no
desenvolvimento cognitivo, visto que, permite uma maior
interacção com o meio.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Etapas de Desenvolvimento:

Estes sistemas de representação correspondem às


etapas de desenvolvimento, definidas por Brunner:

1ª Etapa: Respostas motoras (0 aos 3 Anos);


2ª Etapa: Representação icónica (3 aos 9 anos)
3ª Etapa: Representação simbólica (Apartir dos 10
anos)
Estádios Desenvolvimento de Brunner
Estádio Idade Características
- A criança utiliza a acção como
meio privilegiado de
representação da realidade;
Respostas 0 – 3 Anos
motoras - Conhece o que manipula;

- A aprendizagem é feita através da


imitação de determinados
comportamentos, passando de
mecanismos reflexos simples e
condicionados para automatismos
(ou seja, movimentos corporais
controlados);
Estádios Desenvolvimento de Brunner

Estádio Idade Características

- A criança realiza uma


representação visual da
realidade;
Representação 3 – 9 Anos
Icónica - Utiliza as imagens que recolhe
do meio exterior;

- A capacidade de reprodução
dessas imagens depende de
uma memória visual concreta e
específica.
Estádios Desenvolvimento de Brunner

Estádio Idade Características

- A criança representa a
realidade através da
linguagem;
Representação Apartir dos
Simbólica 10 Anos - A manipulação dos símbolos,
permite à criança não só
desenvolver a capacidade para
realizar a leitura da realidade,
como também para transformar
essa mesma realidade.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky

• Vygotsky, defendia uma perspectiva construtivista do


desenvolvimento, que designou por, sócio-interacionista
ou sociocultural.

• Segundo este autor, quer a aprendizagem, quer o


desenvolvimento cognitivo, dependem do meio social.

• A aprendizagem desenvolve-se por um processo de


mediação, em que o adulto assume o papel de facilitador.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky

• E o desenvolvimento cognitivo realiza-se através das


interacções sociais e dos instrumentos utilizados, com o
intuito de construir uma representação da realidade.

• Instrumentos reais: canetas, papel, computadores, …


• Instrumentos simbólicos: linguagem, sistemas matemáticos,
signos.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Pensamento e a linguagem

• A linguagem tem como função básica - a comunicação;

• Permitindo a interacção social e a organização do


pensamento;

• Segundo Vygotsky, a criança organiza as suas experiências


e constrói a sua representação do mundo através do meio
e da linguagem. (Para Vygotsky é a linguagem que
permite que a criança desenvolva, ou seja é um meio de
desenvolvimento)
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky

Pressupostos que justificam as influências


socioculturais:

• O desenvolvimento não pode ser separado do


contexto social;
• A cultura afeta a forma como pensamos e o que
pensamos;
• Cada cultura tem o seu próprio impacto;
• O conhecimento depende da experiência social.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky
Zona de desenvolvimento proximal (ZDP)
Nível de Desenvolvimento Potencial

Intervalo entre a resolução de problemas assistida


e individual.
ZDP Adulto assume o papel de mediador, favorecendo
a aprendizagem da criança.

Nível de Desenvolvimento Actual


Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky

Fases de Desenvolvimento:

O desenvolvimento desta capacidade passa por 3 fases:

1ª Fase: linguagem social;


2ª Fase: linguagem egocêntrica (por volta dos 2 anos);
3ª Fase: discurso interior;
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• 1ª Fase: linguagem social:
• Que tem uma função meramente comunicativa.

• 2ª Fase: linguagem egocêntrica (por volta dos 2


anos):
• Representa a fase de transição entre a função comunicativa e intelectual.
• Nesta fase os pensamentos são oralizados no decorrer de uma actividade,
não com o intuito de interagir, mas com a finalidade de organizar os
pensamentos e solucionar determinados problemas.
• A curiosidade infantil é um dos aspectos mais marcantes, tal como o
enriquecimento do vocabulário.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento
• 3ª Fase: discurso interior

• Fase em que as crianças adquirem a capacidade de


“pensar nas palavras”, sem necessariamente as
verbalizar.
O pensamento nesta fase tem por função criar ligações
e resolver problemas, de uma forma abstracta. Verifica-
se por vezes um desfasamento entre aquilo que se
pensa e o significado das palavras. Esta situação leva a
que o indivíduo tenha que realizar um maior esforço no
sentido de transmitir o conteúdo do seu pensamento.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky

• Vygotsky além destes aspectos, analisou a esfera


motivacional do pensamento, concluindo que as
nossas motivações, interesses, necessidades,
sentimentos e emoções, vão influenciar de uma
forma sobremaneira importante o que pensamos,
dizemos e como o dizemos.
Modelos Psicológicos do
Desenvolvimento

Teoria Cognitiva-Social de Vigotsky


• Analisando as fases do desenvolvimento da linguagem,
conseguimos ainda compreender outro pressuposto básico
da sua teoria. Este autor considera que o desenvolvimento
ocorre sempre a dois níveis, primeiro ao nível interpessoal
(ex. linguagem socializada) e depois ao nível intrapessoal
(ex. discurso interior).

Nível interpessoal: a criança entre em contacto com o meio.

Nível intrapessoal: a criança entra em contacto com ela própria.


Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Sintomas

• O parto é o momento mais esperado durante toda a


gravidez. Nas últimas semanas poderá começar a
sentir a “descida” da barriga.

• Os primeiros sinais de início de trabalho de parto são:


Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Rolhão Mucoso

• Expulsão do Rolhão Mucoso, que consiste na


eliminação, pela vagina, de muco gelatinoso, rosado
ou acastanhado. A sua expulsão pode ocorrer dias
ou horas antes do parto e significa que o nascimento
estará para breve;
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Rotura da Bolsa de Águas

• Rotura da Bolsa de Águas, que é a saída de líquido


amniótico pela vagina, devido à rotura das
membranas que envolvem o bebé. Pode sair
lentamente ou de repente, em grande quantidade.
Normalmente é claro e transparente.
• A grávida deve dirigir-se para o Hospital o mais
rapidamente possível;
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Contracções Uterinas

• Contracções Uterinas Regulares – No início do


trabalho de parto, as contracções são irregulares (os
intervalos não são certos) e são pouco frequentes.
Começa por sentir que a barriga fica rija, podendo
não haver dor. Progressivamente, vão-se tornando
mais regulares, mais intensas e mais próximas.
• Quando as contracções forem regulares, com
intervalos de 10 minutos, a grávida deve dirigir-se
para o Hospital.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

O que acontece no parto

• O parto é constituído por três etapas:

• Dilatação;
• Expulsão;
• Dequitadura
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Dilatação

• O colo do útero, por onde o bebé passa para sair,


começa a encurtar e a dilatar até cerca de 10cm. As
contracções tornam-se cada vez mais regulares e
próximas. É o período mais demorado do trabalho de
parto, podendo demorar de 12 a 16 horas, por vezes,
até mais.
• Se a grávida lhe apetecer levantar e andar, deve
perguntar se o pode fazer. Quando estiver deitada,
deve virar-se para o lado esquerdo para facilitar a
oxigenação do feto;
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Dilatação

• No início e durante a contracção, deve inspirar


profundamente pelo nariz, como se estivesse a
“cheirar uma flor”, e expelir o ar pela boca, como para
“apagar uma vela”. Quando a contracção terminar,
inspirar e expirar profundamente. No intervalo das
contracções deve respirar normalmente, relaxando o
mais possível.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Expulsão

• Começa quando a dilatação


estiver completa. Pode
demorar de 20 a 40 minutos.
O feto desce ao longo da bacia
e acaba por sair para o
exterior através da vagina e da
vulva.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Expulsão
• Pode ser necessário
efectuar um pequeno
corte do períneo (espaço
entre a vagina e o ânus),
para facilitar a saída do
feto e evitar “rasgões”
perineias ou do ânus.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Expulsão

• A ajuda da mulher na fase de dilatação é preciosa. A


grávida deve seguir as instruções que lhe são dadas;
• Em cada contracção deve inspirar profundamente e,
depois, não deixar sair o ar enquanto faz força. A
seguir deve expirar e aproveitar o intervalo das
contracções para recuperar as forças.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Dequitadura

• Depois do nascimento do bebé, a placenta e as membranas


que envolveram o feto saem por si (se não saírem o médico
tira-as). A grávida deve permitir que lhe massagem a barriga
para ajudar a placenta a desprender-se do útero;
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Dequitadura

• A seguir, se tiver sido necessário cortar o períneo


durante parto, há que fazer a sutura (coser) do corte.
Não vai doer porque a zona estará anestesiada;

• Após o parto, a mulher deve ficar deitada de barriga


para cima. Se sentir que está a perder muito sangue,
deverá chamar a enfermeira.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Condicionantes do parto

• Ocasionalmente surgem complicações durante o


trabalho de parto; usualmente, requerem trabalho
por parte do obstreta, exemplo disso são:
• Longo tempo de contracções, sem dilatação do colo
uterino. Geralmente é tratada com gel de
prostaglandina ou preparação intravenosa de
ocitocina. Caso não funcione, pode ser necessária
uma cesariana.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Condicionantes do parto
Cesariana:

• Cesariana é uma técnica cirúrgica para partos que constitui


num corte feito na pele, abrindo-se a parede abdominal e,
depois, a parede uterina. Pode ser transversal ou
longitudinal. A incisão da pele, como também a uterina,
mais utilizada actualmente é a transversal.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Condicionantes do parto

• A maioria das cesarianas são realizadas porque o trabalho de


parto está progredindo muito lentamente. Dentre outras
indicações temos também o sofrimento fetal agudo, as
desproporções entre o tamanho do feto e da bacia óssea
materna e as gestações de alto risco.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Condicionantes do parto

Sofrimento fetal:

• É definido por sinais de stress do bebé. Estes sinais podem


incluir uma diminuição no pulso (monitorizado através do
CTG), eliminação do mecônio no fluído amniótico, entre outros
sinais.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes
Condicionantes do parto
Não Progressão da Expulsão:

• A cabeça, não é expulsa


apesar das contracções;
• Isto pode determinar
intervenções como extracção
a vácuo (ventosas), extracção
a fórceps, e também a
cesariana.
Gravidez/Nascimento/Suas
Condicionantes

Condicionantes do parto
Hemorragias:

• Durante ou após o nascimento é potencialmente fatal em


lugares sem acesso a um alto nível de cuidado de emergência.
Severas perdas de sangue podem causar choque hipovolêmico,
isto é, perfusão (entrada de líquidos) insuficiente dos órgãos
vitais e que, pode levar à morte, se não for imediatamente
tratada por estancamento da hemorragia.