Você está na página 1de 75

Análise de Risco

Ambiental

Aula 01

Diana Furtado.
Unidade I
1) Conceitos básicos

2) Tipos de Risco

3) Avaliação de Riscos ambientais

4) ISO 14000 e Análise de Risco

2
Objetivo da Unidade
1) Compreender os principais conceitos sobre análise de
risco ambiental, como: Perigo, Risco, Acidente, Incidente,
Dano, evento e vulnerabilidade.

2)Compreender a importância do gerenciamento de riscos


ambientais para a prevenção de acidentes e preservação do
meio ambiente.

3)Diferenciar cada tipo, pontuando suas principais


características.

4) Estabelecer uma linha histórica dos principais acidentes


que resultaram no surgimento do estudo de análise de risco
ambiental ocasionando a busca por seu gerenciamento.
3
Histórico

4
Histórico
• Oppau (21/10/1921)- Alemanha.

 Fábrica de fertilizantes da BASF (Badische Anilin- und Soda- Fabrik).


 Explosão de um silo com 4.500 toneladas da mistura de
Sulfato de Amônia e Nitrato de Amônia.

 430 mortos; 1952 feridos

 Causas Básicas:

 Conhecimento insuficiente no manuseio e tratamento da matéria prima;

 Falta de análise e investigação de incidentes e acidentes anteriores;

 Incapacidade operacional de evitas a formação de bolsões;

 Falta de análise para efetivar uma mudança no processo.


5
Histórico

6
Histórico
• Bhopal (03/12/1984)- Índia.

 Indústria de Pesticida (Union Carbide Corporation- EUA).

 Entupimento de canos, fez a água voltar e entrar em contato com


o Isocianato de Metila (Produto reativo com água pois libera gases
tóxicos letais)

 2500 mortos; mais de 50 mil pessoas com sequelas até hoje

 Causas Básicas:

 Falta de Manutenção no instrumento de pressão;

 Purificador de gases estava desligado para manutenção;

 Unidade de refrigeração desligado por falta de manutenção;

 Isolamento das seções de canos antes do procedimento de limpeza. 7


Introdução

8
9
1- Conceitos Básicos
• Perigo: origem na palavra inglesa Hazard.
• É qualquer condição, característica ou circunstância com
potencial de causar danos.

• Ou seja, uma ou mais condições, físicas ou químicas,


com potencial para causar danos ás pessoas, á
propriedade, ao meio ambiente ou a combinação
desses.

• São identificados ou reconhecidos.

• Ex.: Viajar de Avião, praticar pára quedismo, etc

10
1- Conceitos Básicos

11
1- Conceitos Básicos
• Risco: Origem na palavra inglesa Risk.

• É a chance de ocorrência de um evento versus a severidade das consequência.

• Chance: é uma probabilidade.

• Severidade é uma medida do dano causado pelo evento.

• Dano: é a gravidade da perda

Lesões (Permanente ou não permanente)

• Dano Dano material (Patrimônio Próprio ou Patrimônio de Terceiros)

Dano Imaterial (Imagem, moral, auto-estima)

• Os riscos são avaliados em termos de sua probabilidade de ocorrência e


gravidade.
12
1- Conceitos Básicos
• Risco: em síntese, pelas nações unidas, risco pode ser definido como
a frequência esperada do efeito indesejados resultante da exposição a
um poluente.

• O risco estimado pode ser expresso em termos absoluto e relativo.

• O risco absoluto é o excesso de risco devido a exposição.

• O risco relativo é a razão entre a população exposta e a não exposta.

• Outros riscos:

• Riscos de Segurança/Industriais: Focaliza aspectos da segurança


humana e perda material, essencialmente dentro do espaço de
trabalho.

• Riscos para a Saúde: Focaliza a saúde humana, essencialmente fora


do local de trabalho ou da instalação. 13
1- Conceitos Básicos

• Risco em projetos: é uma medida de


probabilidade e da perda relacionadas à
ocorrência de um evento negativo que afete
o próprio projeto, seu processo ou o seu
produto.

• EM outras palavras, qualquer coisa que


possa acontecer e ameaçar o bom
andamento do projeto é risco.
14
Risco de Projetos

15
1- Conceitos Básicos
• Desvio: Qualquer ação ou condição que tem potencial de
conduzir direta ou indiretamente, a danos a pessoas, ao
patrimônio ou causar impacto ambiental, que esteja fora dos
padrões estabelecidos por normas, procedimentos, leis, sistemas
de gestão etc.

• Pode parecer com o conceito de perigo, no entanto não são iguais.

• O desvio está ligado a uma não conformidade para com algum padrão ou
requisito pré definido.

• Os desvios podem ser detectados através de inspeções sendo um importante


conceito as auditorias

• Os perigos podem ser detectados nas inspeções e nas técnicas de análise de


risco (Hazop, APP, APR, etc)

• Todo desvio é um perigo, mas nem todo perigo é um desvio

16
1- Conceitos Básicos
• Causa:

• É a origem de caráter humano ou material relacionado com o


evento catastrófico (acidente ou falta) resultante de materialização
de um risco, provocando danos.

• Quando ocorre um acidente, os perigos e os riscos passam a ser


a causa.

• As causas no inicio da sequencia são chamadas de raiz.

17
1- Conceitos Básicos
• Acidente/ Incidente:

18
1- Conceitos Básicos
• Acidente/ Incidente:

19
20
Vulnerabilidade
• É o grau de perda para um dado elemento ou grupo de elementos
dentro de uma área afetada pelo processo considerado.

• É expressa em uma escala de 0 (sem perda) e 1 (perda total)

• Para propriedades, a perda será o valor da edificação;

• Para pessoas, será a probabilidade de que uma vida seja perdida,


em um determinado grupo humano que pode .ser afetado pelo
processo considerado

• Em outras palavras: São falhas existentes em tecnologias,


ambientes, processos ou pessoas.

• Ex.: falta de treinamento de funcionários, bug em software,


falta de manutenção de hardware, falta de extintores de incêndio,
inexistência ou inadequado controle de acesso a instituição, etc.
21
Perda

• É o prejuízo sofrido sem garantia de


ressarcimento através de seguros ou outros
meios.

22
2- Tipo de Risco

23
2- Tipos de Risco
• Riscos ocupacionais: consideramos riscos
ocupacionais, os agentes existentes nos
ambientes de trabalho, capazes de causar
danos à saúde do empregado.

24
2- Tipos de Risco

25
2- Tipos de Risco- Físico

26
2- Tipos de Risco- Físico

27
2- Tipos de Risco- Físico

28
2- Tipos de Risco- Físico.

29
2- Tipos de Risco- Químico

30
2- Tipos de Risco- Químico

Sílica, Algodão, Calcário

Aplicação de defensivos agrícolas

(Metal ou Plástico aquecido)


Soldagem, fundição

Gases em temperatura
ambiente. O2, N2, H2

Evaporação de líquidos e
sólidos.

31
2- Tipos de Risco- Químico

32
2- Tipos de Risco- Biológico

33
2- Tipos de Risco- Biológico

34
2- Tipos de Risco- Ergonômico

35
2- Tipos de Risco- Acidente

36
37
38
39
40
41
42
NR- 15 (Anexo nº 1) NR- 15 (Anexo nº 11)

43
Valor Teto: máximo permitido= limite

Exemplo:

Álcool Furfurílico- L.T = 4 ppm

Valor máximo permitido= L.T x F.D = 8 x 2= 16 ppm


44
Sobre Limite de Tolerância

45
Sobre Limite de Tolerância

46
Sobre Limite de Tolerância

47
Sobre Limite de Tolerância

48
Sobre Limite de Tolerância

49
50
51
3- Avaliação de Riscos ambientais
 AVALIAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL – é a aplicação de um juízo
de valor para discutir a importância dos Riscos e suas
conseqüências sociais, econômicas e ambientais.

A avaliação de risco é realizada em três etapas diferentes:

Identificação dos perigos.


Análise das conseqüências e estimativas dos riscos.
Gerenciamento dos riscos.

52
3- Avaliação de Riscos ambientais
Riscos ambientais são fatores ou agentes que, dependendo
da atividade que é desenvolvida nos ambientes de trabalho
e dentro de certas condições irão causar danos à saúde do
trabalhador.

E não tem nada a ver com riscos ao meio ambiente.

53
3- Avaliação de Riscos ambientais

54
55
3- Avaliação de Riscos ambientais

56
3- Avaliação de Riscos ambientais
• Etapas:

1. Identificação dos perigos – determinar quais


situações ou condições tem o potencial de acarretar
conseqüências indesejáveis (qualitativa).

2. Análise das conseqüências e estimativa de risco - é


uma tentativa de estimar matematicamente as
probabilidades de um evento e a magnitude de seus
efeitos (quantitativo).

3. Gerenciamento dos Riscos - é um termo que engloba


o conjunto de atividades visando alternativas de
minimização dos riscos e suas conseqüências.
57
3- Avaliação de Riscos ambientais

1- Identificação dos Perigos:

 Esta etapa visa identificar os perigos, desde


substâncias, situações, procedimentos, falhas de
operação, desastres naturais, sabotagens ou
eventual seqüência de eventos que possam causar
danos, incluindo cenários acidentais hipotéticos a
serem estudados de forma detalhada.

 Deve-se descobrir com que freqüência tais eventos


podem ocorrer, pois é uma informação necessária
para o calculo numérico do risco ambiental.

58
3- Avaliação de Riscos ambientais
• Para a identificação dos perigos existem várias técnicas,
variando com as particularidades de cada empreendimento.

• PRINCIPAIS TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGO:

• 1) Análise Histórica de Acidentes - Consiste no levantamento


de acidentes ocorrido em instalações de mesma tipologia,
utilizando-se bancos de dados de acidentes ou referências
bibliográficas específicas, conseguindo assim um panorama
do que se pode esperar de perigo no empreendimento em
questão.

59
3- Avaliação de Riscos ambientais
Ex.: Identificação dos perigos

60
3- Avaliação de Riscos ambientais
Ex.: Identificação dos perigos

2) Método “ E se ??” (What if ?) - É aplicado


principalmente para processos simples, revendo cada
etapa da operação desde a matéria prima até o produto
final.

 A cada atividade do processo, perguntas “ e se ?”


são formuladas e respondidas, buscando a
identificação de eventos indesejados como falhas de
componentes ou erros de procedimento, sendo
utilizado por especialistas experientes na tipologia
do empreendimento.
61
3- Avaliação de Riscos ambientais
Ex.: Identificação dos perigos

Atividade para lavar 15 Kg de Roupa em lavadora automática.

62
3- Avaliação de Riscos ambientais
3) Lista de Verificação - Para processos mais
complexos, pode ser elaborada uma metodologia
semelhante a “ e se ..”, mas utilizando-se de uma
seqüência lógica de questões para avaliar as
condições de segurança de uma instalação por
meio de suas condições físicas, equipamentos
utilizados e das operações praticadas

63
3- Avaliação de Riscos ambientais

Check-list antes de viajar de carro:

pressão dos pneus -caixa de ferramentas


-nível do óleo -triangulo e “macaco”
-nível da gasolina -mapa
-faróis e luzes de freio -documentação do carro
-limpador de parabrisa -documentação do motorista
-estepe -celular com carga

64
3- Avaliação de Riscos ambientais

65
3- Avaliação de Riscos ambientais

2- Análise das conseqüências e estimativa de risco


Trata-se da parte quantitativa da avaliação de risco. É uma
simulação de acidentes. Permite estimar a extensão e a
magnitude das consequências, utilizando-se modelos
matemáticos específicos para determinado cenário acidental.

A estimativa dos riscos requer:


• informações sobre a população exposta:
- residências;
- estabelecimentos comerciais e indústrias;
- áreas rurais;
- escolas, hospitais, etc.
• horários de exposição;
• características das edificações (formas de proteção).
66
3- Avaliação de Riscos ambientais

67
3- Avaliação de Riscos ambientais

• Exemplo de quantificações:

95% de risco de perda

05% de risco de acidente

98% de risco de perda

68
Gerenciamento de riscos ambientais
Aplicação sistemática e contínua de políticas,
procedimentos, condutas e recursos que visam:

- Identificação
- Avaliação
- Análise
- Monitoramento
- Comunicação dos Riscos e eventos adversos que
afetam a segurança, a saúde humana, a integridade
profissional, o meio ambiente e a imagem
institucional do local.

69
Gerenciamento de riscos ambientais

Segurança

Análise de riscos
Saúde
ambientais

Ecológico

70
Análise de riscos ambientais
Tabela 1.3 - Principais tipos de análise de riscos

71
Análise de riscos ambientais
Existem algumas metodologias bastante conhecidas
na área de riscos:

Análise Preliminar de Perigos (APP) ou Análise


Preliminar de Riscos (APR)

Estudo de Perigos e Operabilidade (HAZOP)

Análise do Modos de Falha e Efeitos (AMFE)

Análise de Árvore de Falhas (AAF) etc.


Capítulo 4

72
Monitoramento de riscos ambientais

Recomendação

Monitoramento de
Vulnerabilidade
riscos ambientais

Programa de gerenciamento
de riscos

73
Monitoramento de riscos ambientais
monitoramento feito para
Recomendação acompanhar os planos de ação
(Recomendação)

monitoramento que possibilita


Vulnerabilidade revisões periódicas e auditorias
internas (Revisões periódicas)

Programa de monitoramento que acompanha


gerenciamento o processo como um indicador
de riscos de performance (Indicadores).
74
Monitoramento de riscos ambientais
Existem algumas metodologias bastante conhecidas
na área de riscos:

Mapas de Risco
Programa de Condições e Meio Ambiente de
Trabalho (PCMAT)
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
(PPRA)
Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional (PCMSO)
Plano Ação de Emergência (PAE) etc.
5

75