Você está na página 1de 1

A Semiologia do Discurso Político de Ódio e Projetos

Político-econômicos
Fábio Paulino de Oliveria 1 Francisco Vitor Macedo Pereira2 .

1- UNILAB, Diretoria de Registro e Controle Acadêmico, e-mail: fabio@unilab.edu.br, técnico administrativo em educação.
2- UNILAB, Instituto de Humanidades, e-mail: vitor@unilab.edu.br, docente.

INTRODUÇÃO
A pesquisa buscou relacionar como a construção A herança social e o temor da perda de privilégios, que
semiótica do discurso político de ódio participa não podem ser verbalizados sob pena de sepultamento de
enquanto mediadora concreta entre o ódio social de carreiras políticas, são travestidos de discursos
classes no Brasil e a disputa de agendas político- edificantes e moralizadores, dotados de sedução e
econômicas. Para tal, se buscou identificar ligações potencial mobilizador, que funcionam como uma
entre esse ódio de classe e dois alicerces principais manipulação seletiva e direcionada do uso da moral. Esta
da formação social brasileira: a herança de três manipulação, por sua vez, tem como função precípua
séculos de sociabilidade escravagista e a ameaça à atribuir a pessoas fortemente angustiadas pela descrença
perda de capital cultural, por setores da classe nas virtudes de seus representantes políticos a causa
média, um dos principais privilégios favorecedores honorífica de salvadores da pátria, de heróis de uma
do acesso e manutenção de cargos representativos nação, capazes de quaisquer sacrifícios (dos outros) para
de poder do Estado. defendê-la.

METODOLOGIA CONCLUSÕES:
A metodologia partirá da análise categorial dos
grupos discursivos que compõe as falas
registradas nas notas taquigráficas da Câmara dos
Deputados referentes às falas parlamentares da
sessão da Câmara dos Deputados que deliberou
pela admissibilidade do processo de
impeachment da presidenta do país por crime de
responsabilidade no ano de 2016. Também
combina a revisão bibliográfica do referencial
teórico com a análise semiótica das falas
REFERÊNCIAS
BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU,
parlamentares a partir da Análise do Discurso Pierre. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro:
Crítica em Teun A. Van Dijk, Norman Fairclough Bertrand Brasil, 2001.
e Patrick Charaudeau. CHARAUDEAU, Patrick. Discurso Político. 2. ed. São Paulo:
Contexto, 2017. 328 p.
RESULTADOS E DISCUSSÃO DIJK, Teun A. Van. Discurso e Poder. 2. ed. São Paulo: Contexto,
2017. 281 p.
Hipótese: O discurso político de ódio, produzido FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. 2. ed.
por setores da classe política, representa uma Brasília: Universidade de Brasília, 2016. 338 p.
associação seletiva e direcionada de valores SOUZA, Jessé. A Ralé Brasileira: Quem é e como vive. 3. ed. São
Paulo: Contra Corrente, 2018. 519 p.
morais negativos a grupos específicos defensores
de agendas político-econômicas divergentes. Visa AGRADECIMENTO:
a formação de um exército civil repressor para
defende-las e implica, também, na conquista de
votos por identificação ideológica ao ódio classes.

Interesses relacionados