Você está na página 1de 65

MEC-1507

Sistemas Térmicos I
Luiz Guilherme Vieira Meira de Souza
 Uma substância que possui a mesma
composição química em toda a sua extensão
é chamada de substância pura.
◦ Água;
◦ Gás Nitrogênio;
◦ Gás Hélio;
◦ Dióxido de Carbono.

3
 Uma substância que possui a mesma
composição química em toda a sua extensão
é chamada de substância pura.
◦ Água;
◦ Gás Nitrogênio;
◦ Gás Hélio;
◦ Dióxido de Carbono.

4
 Uma substância que possui a mesma
composição química em toda a sua extensão
é chamada de substância pura.
◦ Água;
◦ Gás Nitrogênio;
◦ Gás Hélio;
◦ Dióxido de Carbono.

5
 Uma substância que possui a mesma
composição química em toda a sua extensão
é chamada de substância pura.
◦ Água;
◦ Gás Nitrogênio;
◦ Gás Hélio;
◦ Dióxido de Carbono.

6
 Entretanto, uma substância pura não precisa
ser constituída por um único elemento
químico ou composto químico.

 Uma combinação de diversos elementos ou


compostos químicos também se qualifica
como substância pura.
◦ Contanto que a mistura seja homogênea.

7
 O ar é uma mistura de diversos gases, mas
com frequência é considerado uma
substância pura porque tem uma composição
química uniforme.

8
 Em mol ou volume, o ar seco é
composto de:
◦ 20,95% de oxigênio
◦ 78,08% de nitrogênio
◦ 0,93% de argônio
◦ 0,04% de dióxido de carbono,
hélio, neônio, hidrogênio, metano
e criptônio.

9
 Uma mistura de óleo e água é uma substância
pura?
◦ Como o óleo não é solúvel em água, ele se
concentrará na parte superior da água, formando
duas regiões quimicamente heterogêneas.

10
 Uma mistura de duas ou mais fases de uma
substâncias pura ainda é uma substância
pura, desde que a composição química de
todas as fases seja igual.

11
 Uma mistura de gelo e água líquida, por
exemplo, é uma substância pura porque
ambas as fases têm a mesma composição
química.

12
 Uma mistura de ar líquido e ar gasoso,
porém, não é uma substância pura.

 A composição do ar líquido é diferente da


composição do ar gasoso e, portanto, a
mistura não é mais quimicamente
homogênea.
◦ Isso acontece porque os diferentes componentes do
ar condensam a diferentes temperaturas em uma
determinada pressão.

13
14
 LACE – Liquid Air Cycle Engine
◦ https://en.wikipedia.org/wiki/Liquid_air_cycle_engi
ne

1) Compressor de ar; 2) Trocador de calor; 3) Tanque de LH2 (vermelho);


4) Condensador; 5) Bombas de LH2 e LAR; 6) Turbina; 7) Ar Liquefeito
(azul); 8) Câmara de combustão; 9) Bocal.
15
 As substâncias existem em diferentes fases.

 À temperatura e pressão ambientes, o cobre


é um sólido, o mercúrio é um líquido e o
nitrogênio é um gás.

17
 Porém, sob condições diferentes cada
substância pode aparecer em uma fase
diferente.

18
 Embora existam três fases principais, uma
substância pode ter várias fases dentro de
uma fase principal, cada qual com uma
estrutura molecular diferente.
◦ O carbono pode existir como grafite ou diamante,
na fase sólida;
◦ O hélio tem duas fases líquidas;
◦ O ferro tem três fases sólidas;
◦ O gelo pode existir a sete fases diferentes a altas
pressões.

19
 Uma fase é identificada por uma organização
molecular distinta, que é homogênea em toda
a fase e separada das outras fases por
fronteiras facilmente identificáveis.

 As duas fases de H2O em um copo de água


com gelo representam um bom exemplo
disso.

20
 A organização dos átomos nas diferentes fases:
◦ (a) moléculas ocupam posições relativamente fixas em um
sólido;
◦ (b) grupos de moléculas se movimentam com relação a
outros grupos na fase líquida;
◦ (c) moléculas se movimentam de maneira aleatória na fase
gasosa.

21
 Há inúmeras situações práticas em que duas
fases de uma substância pura coexistem em
equilíbrio.

 A água existe como uma mistura de líquido e


vapor na caldeira e no condensador de uma usina
termoelétrica.

23
 O gás refrigerante passa de líquido para
vapor no evaporador de um refrigerador.

24
 O gás refrigerante passa de vapor para
líquido no condensador de um refrigerador.

25
 Por ser uma substância conhecida, a água é
usada para demonstrar os princípios básicos
envolvidos na mudança de fase.

 Entretanto, vale a pena lembrar que todas as


substâncias puras exibem, de uma forma geral, o
mesmo comportamento.

26
 Líquido Comprimido e Líquido Saturado
◦ Considera-se um arranjo pistão cilindro contendo
água no estado líquido a uma pressão de 1 atm.

◦ Nessas condições a água está na fase líquida e é


chamada de líquido comprimido ou sub-resfriado.

27
 Líquido Comprimido e Líquido Saturado
◦ Calor agora é transferido para a água, elevando sua
temperatura.

◦ À medida que a temperatura se eleva, a água líquida se


expande ligeiramente e seu volume específico aumenta.

◦ Para o sistema se acomodar a essa expansão, o pistão


sobe ligeiramente.
 A pressão no cilindro permanece constante e igual a 1 atm.

◦ A água ainda é líquido comprimido, pois ainda não


começou a vaporizar.

28
 Líquido Comprimido e Líquido Saturado
◦ À medida que mais calor é transferido, a
temperatura continua subindo até atingir 100°C.
 Nesse ponto, a água ainda é um líquido, mas qualquer
adição de calor fará com que o líquido se converta em
vapor.

◦ Um líquido que está pronto


para vaporizar é chamado de
líquido saturado.

29
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ Após o início da ebulição, a temperatura para de
subir até que o líquido se converta inteiramente em
vapor.
 Ou seja, a temperatura permanecerá constante durante
todo o processo de mudança de fase se a pressão for
mantida constante.

30
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ Se for colocado um termômetro na água pura em
ebulição, o termômetro sempre indicará 100°C (P =
1 atm) se a panela estiver destampada.
 A única modificação que se observa nesse processo é
um aumento no volume de vapor e um declínio no
nível de líquido.

31
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ Tendo se passado metade do processo de
vaporização, o cilindro contém quantidades iguais
de líquido e vapor.

32
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ À medida que calor é transferido, o processo de
vaporização continua até que a última gota de
líquido seja convertida em vapor.

33
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ Nesse ponto, todo o cilindro está cheio de vapor no
limite com a fase líquida, ou seja, qualquer perda
de calor por parte deste vapor fará com que parte
dele se condense.

◦ Um vapor que está prestes a condensar é chamado


de vapor saturado.

◦ Uma substância que se encontre no estado 3 (entre


2 e 4) é chamada de mistura líquido-vapor
saturada.

34
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ Após a conclusão do processo de mudança de fase,
retorna-se para uma região de única fase (vapor).
 A partir daí, qualquer transferência de calor para o
vapor resultará em um aumento tanto de temperatura
quanto de volume específico.

35
 Vapor Saturado e Vapor Superaquecido
◦ No estado 5, a temperatura do vapor é tal que,
mesmo se houver uma leve remoção de calor, não
ocorrerá condensação (T > 100°C, P = 1 atm).

◦ Um vapor que não está pronto para se condensar é


chamado de vapor superaquecido.

36
 Se o processo descrito fosse revertido, ou
seja, fosse removido calor do vapor à pressão
constante, a água voltaria ao estado 1.

 O calor liberado seria o mesmo que foi


adicionado.

37
38
 A água ferve sempre a 100°C?

40
 A água só começou a ferver aos 100°C
porque foi mantida uma pressão constante de
1 atm (101,325 kPa).

 Se a pressão dentro do cilindro fosse elevada


para 500 kPa pela adição de pesos no pistão,
a água ferveria a 151,8°C.

41
 A uma determinada pressão, a temperatura
na qual uma substância pura muda de fase é
chamada de temperatura de saturação (Tsat).

 A uma determinada temperatura, a pressão


na qual uma substância pura muda de fase é
chamada de pressão de saturação (Psat).

42
 Tabelas de saturação que
relacionam a pressão de
saturação em função da
temperatura (ou vice
versa) encontram-se
disponíveis para
praticamente todas as
substâncias.

43
 É necessária uma grande quantidade de
energia para derreter um sólido ou vaporizar
um líquido.

 A quantidade de energia absorvida ou


liberada durante um processo de mudança de
fase é chamada de calor latente.

 As magnitudes dos calores latentes


dependem da temperatura ou da pressão na
qual ocorre a mudança de fase.

44
 Durante um processo de mudança de fase,
pressão e temperatura são propriedades
dependentes, existindo uma relação entre
elas.
◦ Tsat=f(Psat)

 Um gráfico de Tsat em função de Psat é


chamado de curva de saturação líquido-
vapor.

45
46
 É possível ver que Tsat aumenta com Psat.

 Assim, uma substância a pressões mais altas


entra em ebulição a temperaturas mais altas.

 Temperaturas de ebulição mais altas


significam tempos de cozimento menores e
economia de gás.
◦ Cozimento de carne:
 1 a 2 horas – panela regular (1 atm – Tsat = 100°C)
 20 minutos – panela de pressão (3 atm – Tsat = 134 °C)

47
 Para cada 1.000 m de aumento na altitude, a
temperatura de ebulição se reduz em um pouco
mais de 3 °C.

48
 A pressão atmosférica em uma localidade, e
portanto a temperatura de ebulição, muda
ligeiramente de acordo com as condições
meteorológicas.

49
 A relação entre a temperatura e a pressão de
saturação permite controlar a temperatura de
ebulição de uma substância pelo controle da
pressão.

 Isso resulta em aplicações práticas que se


baseiam na tendência natural ao equilíbrio de
fases mediante a evaporação de parte do
líquido.

51
 Considera-se um botijão fechado contendo
fluido refrigerante R-134a na fase líquida em
uma sala a 25°C.

 Se o botijão ficar tempo suficiente na sala, a


temperatura do refrigerante dentro dele também
será de 25°C.

52
 Se a tampa do botijão for aberta lentamente e
parte do refrigerante escapar, a pressão no
botijão começará a cair até atingir a pressão
atmosférica.

 A temperatura do botijão começará a cair


rapidamente e até mesmo gelo se formará em
sua parte externa, caso o ar esteja úmido.

53
 Um termômetro inserido no recipiente
registrará uma temperatura de -26°C quando
a pressão cair até 1 atm, que é a temperatura
de saturação do refrigerante R-134a nessa
pressão.

 A temperatura do líquido refrigerante


permanecerá a -26°C até que a última gota
evapore.

54
 Um líquido não pode vaporizar enquanto não
absorver energia em uma quantidade igual ao
calor latente de vaporização.
◦ 217 kJ/kg para o R-134a a 1 atm.

 Assim, a taxa de evaporação dependerá da


taxa de transferência de calor para o botijão.
◦ Quanto maior for a taxa de transferência de calor,
maior será a taxa de evaporação.

55
 Essa taxa de transferência de calor pode ser
minimizada por um isolamento eficiente.

 No caso limite em que não haja transferência


de calor para o botijão, o refrigerante
permanecerá por tempo indefinido como
líquido a -26°C.

56
 A temperatura de ebulição do nitrogênio à
pressão atmosférica é de -196°C.

 Isso significa que a temperatura do nitrogênio


líquido exposto à atmosfera deve ser de -196°C,
uma vez que parte do nitrogênio está
evaporando.

57
 A temperatura do nitrogênio líquido
permanece constante a -196°C até que o
nitrogênio se esgote.

 Por esse motivo, o nitrogênio é comumente


usado em estudos científicos de baixa
temperatura e em aplicações criogênicas para
manter uma câmara de testes à temperatura
constante de -196°C.

58
 Isso é feito colocando-se a câmara de testes
em um banho de nitrogênio líquido aberto
para a atmosfera.

 Qualquer transferência de calor do ambiente


para a seção de testes é absorvida pelo
nitrogênio.

 Ele evapora isotermicamente e mantém a


temperatura da câmara de testes constante a
-196°C.

59
 Toda a seção de testes deve ser bem isolada
para minimizar a transferência de calor e,
portanto, o consumo de nitrogênio líquido.

60
 Uma forma de congelar folhas de vegetais é o
resfriamento a vácuo.

 Ele se baseia em reduzir a pressão da câmara de


resfriamento até a pressão de saturação da baixa
temperatura desejada e evaporar parte da água
dos produtos a serem resfriados.

61
 O calor necessário para a vaporização
durante a etapa de evaporação é retirado dos
próprios produtos, o que diminui sua
temperatura.

 A pressão de saturação da água a 0°C é de


0,61 kPa.
◦ Os produtos podem ser resfriados até essa
temperatura com esse nível de pressão.

62
 O resfriamento a vácuo é geralmente mais
caro do que o resfriamento convencional.

 Portanto seu uso limita-se às aplicações que


resultam em resfriamento muito mais rápido.

 Produtos com elevada área superficial por


unidade de massa e com alta tendência a
liberar umidade são adequados para o
resfriamento a vácuo.

63
 Produtos com baixa razão entre área
superficial e massa não são adequados,
particularmente aqueles que têm cascas
relativamente impermeáveis.

 Alguns produtos, como cogumelos e ervilhas,


podem ser resfriados a vácuo após serem
umedecidos.

64
 O resfriamento a vácuo torna-se congelamento
a vácuo se a pressão cair abaixo de 0,61 kPa.

 Em 1775, o Dr. William Cullen fez gelo


retirando o ar de um tanque de água.

65