Você está na página 1de 11

Luís de Camões, Rimas

Redondilha

Texto analisado
Descalça vai para a fonte
Cantiga Apresentação da figura
a este moto: descrita e da situação
Descalça vai para a fonte representada: Leanor, Qual é o TEMA
Leanor pela verdura; a caminho da fonte da composição
vai fermosa e não segura. poética?
Voltas Apresentação
Leva na cabeça o pote, do tema
o testo nas mãos de prata, Representação
cinta de fina escarlata, da mulher
saínho de chamalote;
Descrição de Leanor,
traz a vasquinha de cote, da sua roupa e
mais branca que a neve pura; da sua atitude
vai fermosa, e não segura.

Descobre a touca a garganta, Desenvolvimento


cabelos d’ouro o trançado, do tema
fita de cor d’encarnado,
tão linda que o mundo espanta;
chove nela graça tanta
que dá graça à fermosura;
vai fermosa, e não segura.
Descalça vai para a fonte
Cantiga
a este moto:
Descalça vai para a fonte Apresentação Qual é o ASSUNTO
Leanor pela verdura; de Leanor da composição
vai fermosa e não segura. poética?
Voltas
Leva na cabeça o pote,
o testo nas mãos de prata, Descrição
cinta de fina escarlata, Descrição de de Leanor,
Leanor
saínho de chamalote; exaltando a
traz a vasquinha de cote, sua beleza
mais branca que a neve pura; e graciosidade
vai fermosa, e não segura.

Descobre a touca a garganta,


cabelos d’ouro o trançado, Exaltação
da beleza e
fita de cor d’encarnado,
graciosidade
tão linda que o mundo espanta; de Leanor
chove nela graça tanta
que dá graça à fermosura;
vai fermosa, e não segura.
Descalça vai para a fonte
Quais são as
Cantiga
a este moto: Descrição global CARACTERÍSTICAS
Descalça vai para a fonte da figura descrita?
• bela (“formosa”)
Leanor pela verdura;
• insegura (“não segura”)
vai fermosa e não segura.
Voltas
Pormenorização da descrição
Leva na cabeça o pote,
o testo nas mãos de prata, • “pote” e respetiva tampa (“testo”)
cinta de fina escarlata, • mãos brancas
saínho de chamalote;
traz a vasquinha de cote, • cinta (faixa de pano que se enrola à cintura)
vermelha
mais branca que a neve pura;
vai fermosa, e não segura. • saia branca com pregas (“vasquinha”)
• touca
Descobre a touca a garganta,
cabelos d’ouro o trançado, • cabelos louros (“cabelos d’ouro”),
penteados em forma de trança
fita de cor d’encarnado,
tão linda que o mundo espanta; • fita vermelha a atar a trança
chove nela graça tanta
que dá graça à fermosura; Descrição global
vai fermosa, e não segura. • graciosidade, beleza, insegurança
Descalça vai para a fonte
Quais são as
Cantiga CARACTERÍSTICAS
Recursos expressivos
a este moto: da DESCRIÇÃO?
que intensificam a beleza
Descalça vai para a fonte de Leanor e conferem
Leanor pela verdura; qualidade estética Visualismo
vai fermosa e não segura. à descrição:
Referência à cor
Voltas e ao brilho
Leva na cabeça o pote, Metáfora Pormenorização
(“as mãos de prata”
o testo nas mãos de prata, “•escarlata
Atitude”corporal
, “branca”,
cinta de fina escarlata, Comparação “•cabelos d’ouro
Peças de ”,
vestuário
Recursos expressivos
saínho de chamalote; “•encarnado ”)
Acessórios
traz a vasquinha de cote, • Metáfora
Hipérbole • Comparação
mais branca que a neve pura;
vai fermosa, e não segura. • Hipérbole
• Personificação
Personificação
Descobre a touca a garganta,
cabelos d’ouro o trançado,
fita de cor d’encarnado,
tão linda que o mundo espanta;
chove nela graça tanta
que dá graça à fermosura;
vai fermosa, e não segura.
Descalça vai para a fonte
Cantiga
a este moto:
Ida à fonte
Descalça vai para a fonte De que forma se reflete
Leanor pela verdura; no poema a influência
vai fermosa e não segura. Cena do quotidiano dos CANCIONEIROS
Cenário natural TROVADORESCOS ?
Voltas
Leva na cabeça o pote,
o testo nas mãos de prata,
cinta de fina escarlata, Retrato feminino • Cena do quotidiano
saínho de chamalote; • Retrato feminino
traz a vasquinha de cote, (cabelos loiros,
mais branca que a neve pura; Mãos brancas mãos brancas)
vai fermosa, e não segura. Cabelos loiros • Cenário natural
(natureza, fonte)
Descobre a touca a garganta,
cabelos d’ouro o trançado,
fita de cor d’encarnado,
tão linda que o mundo espanta;
chove nela graça tanta
que dá graça à fermosura;
vai fermosa, e não segura.
Descalça vai para a fonte
Cantiga
a este moto:
Descalça vai para a fonte Mote
Como se caracteriza a
com 3 versos
Leanor pela verdura; ESTRUTURA EXTERNA?
vai fermosa e não segura. do poema?
Voltas
Leva na cabeça o pote, Voltas
com 7 versos
o testo nas mãos de prata,
Estrutura
cinta de fina escarlata,
estrófica
saínho de chamalote;
traz a vasquinha de cote,
mais branca que a neve pura;
vai fermosa, e não segura. O último verso do • Composição poética
mote repete-se constituída por um
Descobre a touca a garganta, no final das voltas mote de três versos
cabelos d’ouro o trançado, e duas voltas de
fita de cor d’encarnado, sete versos
tão linda que o mundo espanta; • O último verso do
chove nela graça tanta mote repete-se no
que dá graça à fermosura; final das voltas
vai fermosa, e não segura.
Descalça vai para a fonte
Cantiga Como se caracteriza a
a este moto: ESTRUTURA EXTERNA
Descalça vai para a fonte fonte a do poema?
Leanor pela verdura; verdura b
vai fermosa e não segura. segura b
Estrutura
Voltas c
Leva na cabeça o pote, pote d
rimática
o testo nas mãos de prata, prata d
cinta de fina escarlata, escarlata c
saínho de chamalote; chamalote c
traz a vasquinha de cote, cote b • Mote: um verso
mais branca que a neve pura; pura b branco seguido de
vai fermosa, e não segura. segura rima emparelhada
e (abb)
Descobre a touca a garganta, garganta f • Voltas: rima
cabelos d’ouro o trançado, trançado f
interpolada e
fita de cor d’encarnado, encarnado e
emparelhada
tão linda que o mundo espanta; espanta (cddccbb, effeebb)
e
chove nela graça tanta tanta b
que dá graça à fermosura; fermosura b
vai fermosa, e não segura. segura
Descalça vai para a fonte Como se caracteriza a
ESTRUTURA EXTERNA
do poema?
Descalça vai para a fonte
1 2 3 4 5 6 7
Estrutura
métrica
Leanor pela verdura;
1 2 3 4 5 6 7

• Redondilha maior
(influência tradicional)
vai fermosa e não segura
1 2 3 4 5 6 7

Redondilha maior
(7 sílabas métricas)
Tópicos de análise
O poema “Descalça vai para a fonte” ilustra algumas das características
das redondilhas de Camões:

• trata-se de uma composição poética em redondilha,


composta por um mote, que introduz o tema, e por
duas ou mais voltas/glosas, que o desenvolvem; o
último verso do mote repete-se no fim das voltas;
• desenvolve um tema já abordado nos cancioneiros da
poesia trovadoresca (retrato feminino, cena do
quotidiano – ida à fonte).
Tópicos de análise
A descrição de Leanor é bastante sugestiva, revelando características específicas
do lirismo camoniano:

• a descrição é plena de energia, aliando-se a um


visualismo vívido e sensual da figura feminina, em que
se destacam a atitude corporal, as peças de vestuário e
os acessórios que compõem o retrato;
• a beleza e a graciosidade de Leanor são concretizadas e
valorizadas com recursos expressivos variados,
em que se destacam:
- a hipérbole (vv. 9, 14, 15-16)
- a comparação (v. 9)
- a metáfora (vv. 5, 12, 15)
- a personificação (v. 14).

Interesses relacionados