Você está na página 1de 13

Prof. Esp.

Rodrigo Amorim
INTRODUÇÃO
A vida estudantil no ensino superior requer o desenvolvimento de
práticas de estudos que contribuem com o crescimento e
amadurecimento intelectual do acadêmico;

Aprender a ler textos científicos e a registrar sínteses, resumos,


fichamentos, ideias e outros comentários é fundamental para o
aprofundamento teórico e para a reflexão prática;

O objetivo desta aula é, portanto, discutir a importância da


documentação com método de estudo no contexto do ensino
superior.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


POR QUE DOCUMENTAR?
• A documentação auxilia na assimilação dos
conhecimentos historicamente acumulados;
• Auxilia na organização de conteúdos e seleção de
informações;
• Severino (2005, p. 35) afirma:
“O estudante tem de se convencer de que sua aprendizagem é uma
tarefa eminentemente pessoal; tem de se transformar num
estudioso que encontra no ensino escolar não um ponto de
chegada, mas um limiar a partir do qual constitui toda uma
atividade de estudo e de pesquisa, que lhe proporciona
instrumentos de trabalho criativo em sua área.”

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


• O amadurecimento intelectual não pode ser obtido
por uma atitude passiva diante do conhecimento;

• O saber constitui-se prática reflexiva a partir do


conhecimento das diversas teorias;

• O ato de filosofar pressupoe dialética e não


mecanicidade; quem filosofa reflete “a partir de” e
não “até em”!

“Eu tentei 99 vezes e falhei, mas na centésima


tentativa eu consegui, nunca desista de seus
objetivos mesmo que eles pareçam impossíveis, a
próxima tentativa pode ser vitoriosa.” Eistein

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


Severino (2005, p. 36) aponta:

“Assim sendo, a posse de informação completa de sua


área de especialização é razoável nas áreas afins, assim
como certa cultura geral é uma exigência para qualquer
estudante universitário, cujos objetivos signifiquem algo
mais que um diploma.”

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


Ainda Severino (2005, p. 36-37), afirma:

“Não traz resultados positivos para o estudo ouvir aulas,


por mais brilhantes que sejam, nem adianta ler livros
clássicos e célebres. Isso só tem algum valor à medida que
se traduzir em documentação pessoal, ou seja, à medida
que esses elementos puderem estar à disposição do
estudante, a qualquer momento de sua vida intelectual.
[…] A prática da documentação pessoal deve, pois, tornar-
se uma constante na vida do estudante: é preciso
convencer-se de sua necessidade e utilidade, colocá-la
como integrante do processo de estudo e criar um
conjunto de técnicas para organizá-la.”

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


TIPOS DE DOCUMENTAÇÃO:
Glossários

Crei seu próprio glossário, à


semelhança de um dicionário!

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


Notas de aulas, palestras, seminários, etc.

Crie o hábito de fazer anotações.

Assim você aprende mais além de ter à


mão aquela preciosa informação quando
precisar.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


Esquemas, resumos ou sínteses

São atividades mentais que auxiliam você na apreensão


de diversos tipos de conteúdos. Indispensáveis para o seu
amadurecimento intelectual.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


FICHAMENTOS

Requerem leitura minuciosa


e registro das principais
partes de uma obra.

QUAIS OS TIPOS ?
Bibliográficos
Biográficos
Temáticos

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


ORGANIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

• Ficheiros;
• Pastas;
• Diretórios no computador;
• Ambientes virtuais – nuvens;
• Não importa como, importa que cada um organize
suas anotações da melhor maneira possível.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


CONCLUSÕES

A prática da documentação deve ser aprendida logo no início


do curso superior e deve-se tornar um hábito na vida estudantil.

A prática da documentação é garantia de um amadurecimento


intelectual autônomo e proativo do parte do estudante universitário.

A prática da documentação facilita a realização dos


Trabalhos acadêmicos, principalmente, na fase de elaboração
do projeto de pesquisa e do Trabalho de Conclusão do Curso – TCC.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim


REFERÊNCIAS

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed.


SãoPaulo: Cortez, 2005.

Prof. Esp. Rodrigo Amorim