Você está na página 1de 22

ACIDENTES OCUPACIONAIS COM RISCO

BIOLÓGICO:
O QUE FAZER PARA EVITAR CONTAMINAÇÃO?

Grupo Prev-Bio
FAMEMA
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?
OS EPIs CORRETOS FORAM UTILIZADOS
DE ACORDO COM O RISCO?
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

1. ACONSELHAR O PROFISSIONAL DA
SAÚDE
 Esclarecer as condições do acidente
 Esclarecer os riscos envolvidos
 Acalmar o profissional
 “Preocupar” o profissional se o mesmo não
estiver se importando muito...
ATENÇÃO

A MELHOR PREVENÇÃO É SEGUIR AS


ORIENTAÇÕES ADEQUADAMENTE,
SEMPRE!!
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

2. CUIDADOS COM A ÁREA DA LESÃO


Exposição percutânea: Exposição em mucosa
 Lavar com água e  Irrigar com água ou
sabão soro fisiológico
2. CUIDADOS COM A ÁREA DA LESÃO

 O uso de antisséptico tópico pode ser


utilizado
 Não é recomendado agentes como éter,
glutaraldeído ou hipoclorito
 Não se recomenda “espremer” o ferimento
ATENÇÃO

INFORME SEUS SUPERIORES, NÃO


OCULTE O PROBLEMA
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

3. IDENTIFICAR O PACIENTE-FONTE
 Conhecer a status sorológico da fonte
 Aconselhar e coletar sangue
 Testes rápido anti-HIV (não entregar)
 Anti-HIV convencional, vírus B e C
 Agendar retorno para resultados em 3-4
semanas
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

4. AVALIAR O RISCO DO ACIDENTE

X
AVALIAÇÃO DO RISCO DO ACIDENTE

EXPOSIÇÕES GRAVES
Grande Volume de Sangue Altos Títulos de HIV

 Lesão profunda  Paciente-fonte com infecção


 Agulha de grosso calibre aguda pelo HIV
 Agulha previamente em  Paciente-fonte em estágio
veia/artéria da fonte terminal da doença
 Presença de sangue visível  Carga viral elevada
no dispositivo utilizado
MATERIAL BIOLÓGICO COM RISCO DE
TRANSMISSÃO DE HIV, HBV E HCV

 Sangue ou fluido contendo sangue


 Secreção vaginal e sêmen
 Liquidos: peritoneal, pleural, pericárdico,
amniótico, articular, LCR e saliva em
ambiente odontológico
 Material concentrado de HIV em laboratório
de pesquisa
MATERIAL BIOLÓGICO SEM RISCO
DE TRANSMISSÃO DO HIV, HBV E
HCV

 SUOR
 LÁGRIMA
 FEZES
 URINA
 SALIVA (EXCETO EM AMBIENTE
ODONTOLÓGICO)
ATENÇÃO

A MELHOR PREVENÇÃO É NÃO SE


ACIDENTAR!!
ATENDIMENTO DOS ACIDENTES
OCUPACIONAIS COM RISCO BIOLÓGICO

ATENDIMENTO NO
PS PELO MÉDICO
RESPONSÁVEL

1. PEDIR SOROLOGIAS DO
1. ENCAMINHAR À FARMÁCIA EM CASOS DE DÚVIDAS
ACIDENTADO E DA FONTE
AS PRESCRIÇÕES COM OS CHAMAR :
ARV RECOMENDADOS 1. ENFERMEIRA CHEFE
2. VER SE HÁ EXPOSIÇÃO
A MATERIAL DE RISCO 2. CHEFE DE PLANTÃO
2. AVALIAR INDICAÇÃO QUE ESTARÁ DEVIDAMENTE
DE HBIG (ESQUEMA II) INFORMADO DAS MEDIDAS
3. CONSIDERAR GRAU DE
RISCO (ESQUEMA I ) A SEREM TOMADAS
ATENÇÃO

ACIDENTE COMUNICADO PREVINE


FUTUROS ACIDENTES
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

5. CONDUTAS COM O PROFISSIONAL


DE SAÚDE ACIDENTADO
ACONSELHAR E COLETAR SANGUE PARA:
Anti-HIV convencional
Hemograma
Provas de função hepática e renal
Sorologia anti- HCV e anti-HBsAg (?)
PEP – QUANDO INICIAR?

 Idealmente dentro de 1 a 2 horas após o


acidente
 Até 48-72 h ainda pode ser benéfico
 Manter o PEP por 4 semanas
PEP – ACIDENTADAS GRÁVIDAS

 As profissionais acidentadas que estiverem


grávidas devem ser esclarecidas sobre os
riscos dos ARV
 Não existe motivo para não prescrever PEP
para as grávidas
 Não utilizar EFAVIRENZ na PEP das
gestantes
ACONSELHAMENTO PÓS-EXPOSIÇÃO

 Efeitos adversos das drogas  Prevenir transmissão


 Sinais e sintomas de secundária:
infecção aguda pelo HIV 1. Abstinência sexual ou
preservativos
2. Não doar sangue

 Nutrizes devem ser


aconselhadas sobre os
riscos de transmissão e
sobre as drogas utilizadas
ACOMPANHAMENTO PÓS-EXPOSIÇÃO

 Exame clínico semanal


 Anti-HIV:em 6 semanas
em 3 meses
em 6 meses
em 1 ano, em condições especiais
O QUE FAZER NO MOMENTO DO
ACIDENTE?

 Notificação do acidente
 Comunicação de Acidente de Trabalho
(CAT)