Você está na página 1de 34

Direitos da Personalidade

Pessoa x Personalidade
◦ Qual a diferença entre pessoa e personalidade?
Pessoa x Personalidade
“Para fixar de forma geral a separação entre os conceitos, pode-se iniciar dizendo que a
pessoa é o ente e a personalidade é o modo de ser do ente; pessoa é o sujeito que existe e a
personalidade é a disposição do sujeito em agir de determinada maneira na condução de sua
existência.” (ALMEIDA, Kellyne Laís Laburú Alencar de. O direito ao livre desenvolvimento da
personalidade – perspectiva do direito português. Direitos da personalidade. (Org. Jorge
Miranda,; Otavio Luiz Rodrigues Junior; Gustavo Bonato Fruet). São Paulo: Atlas, 2012, p.
70/71)
Direitos da Personalidade
◦ A personalidade é o bem jurídico protegido pelos Direitos da Personalidade?

◦ A personalidade é um direito da pessoa?

◦ O que são os Direitos da Personalidade?


Direitos da Personalidade
“A expressão [direitos da personalidade] foi concebida por jusnaturalistas franceses e
alemães para designar certos direitos inerentes ao homem, tidos como preexistentes ao seu
reconhecimento por parte do Estado. Eram, já então, direitos considerados essenciais à
condição humana, direitos sem os quais ‘todos os outros direitos subjetivos perderiam
qualquer interesse para o indivíduo, ao ponto de se chegar a dizer que, se não existissem, a
pessoa não seria pessoa’” (SCHREIBER, Anderson. Direitos da personalidade. São Paulo: Atlas,
2012, p. 5)
Direito ao Livre Desenvolvimento da Personalidade
◦ Permite o desenvolvimento da pessoa naquilo que ela é, naquilo que vai sendo e naquilo que
virá a ser;
◦ Respeito pelas escolhas de cada um;
◦ Preservação da individualidade e dignidade;
◦ Desenvolvimento livre e voluntário da personalidade humana.

Liberdade para fazer o que a pessoa quiser?


◦ Tribunal Constitucional Federal alemão: fiança da filha de 21 anos;
◦ Liberdade contratual x valores existenciais da pessoa;
◦ Segurança jurídica x mais fortes vs mais fracos.
Direito Natural x Direito Positivo
DIREITO NATURAL DIREITO POSITIVO

• Em toda parte tem eficácia • Tem eficácia apenas em comunidades singulares;

• Universal e imutável; • Particular no tempo e espaço;

• Estabelece o que é bom; • Estabelece o que é útil;

• Independe da vontade humana. • Decorre da atuação humana.


Direito Natural x Direito Positivo
Antiguidade clássica:
◦ O Direito Positivo se sobrepunha ao Direito Natural (O Decreto de Creonte - Sófocles).

Idade Média:
◦ O Direito Natural, fundado na vontade de Deus, se sobrepunha ao Direito Positivo.

E nos dias atuais?


(Julgamento de Nuremberg)
Direitos da Personalidade
“A concepção dos ‘direitos da personalidade’ sustenta que, a par dos direitos
economicamente apreciáveis, outros há, não menos valiosos, merecedores de amparo e
proteção da ordem jurídica. Admite a existência de um ideal de justiça, sobreposto à
expressão caprichosa de um legislador eventual. Atinentes à própria natureza humana,
ocupam eles posição supra-estatal, já tendo encontrado nos sistemas jurídicos a objetividade
que os ordena, como poder de ação, judicialmente exigíveis.” (PEREIRA, Caio Mário da Silva.
Instituições de direito civil: introdução ao Direito Civil. Teoria Geral de Direito Civil. 22ª ed. Rio
de Janeiro: Forense, 2007, p. 237/238)
Direitos Objetivos x Direitos subjetivos
“[...] a palavra direito ora exprime o que o Estado ordena, impõe, proíbe ou estatui, ora
significa o que o indivíduo postula, reclama e defende.” (PEREIRA, Caio Mário da Silva.
Instituições de direito civil: introdução ao Direito Civil. Teoria Geral de Direito Civil. 22ª ed. Rio
de Janeiro: Forense, 2007, p. 13)
Natureza Jurídica
Discussão doutrinária:
◦ Poderes que o homem exerce sobre a própria pessoa;

◦ Direitos sem sujeito que não se encontra na pessoa, mas nos demais indivíduos, que os
devem respeitar;

◦ Direitos ínsitos à pessoa.


Teorias Monista x Pluralista
Teoria Pluralista:
◦ Os Direitos da Personalidade necessitam estar tipificados na legislação.

Teoria Monista:
◦ Os Direitos da Personalidade abrangem uma infinidade de situações, não tipificadas de forma
expressa em Lei.
Direito Geral de Personalidade
◦ É possível que o legislador consiga positivar toda e qualquer hipótese de violação aos Direitos
da Personalidade?
Direito Geral de Personalidade
Tribunal de Justiça de São Paulo
Processo: 9079708-44.2003.8.26.0000
Relator: Gonzaga Franceschini
Data de Julgamento: 19/08/2009
Trata-se de ação ordinária movida por IONE [...] em face de DERSA [...] objetivando a
condenação da ré ao pagamento de indenização por dano moral [...] no valor de R$200.000,00,
em decorrência de acidente sofrido por seu falecido esposo, [...] em embarcação da ré, que
resultou no esmagamento do estômago para baixo, deixando-lhe sequelas irreversíveis que
vieram a afetar a vida social, fisiológica e sexual da autora, uma vez que o esposo teve
significativa redução peniana, com impotência sexual pela incapacidade de ereção. [...]
Direito Geral de Personalidade
Tribunal de Justiça de São Paulo
Processo: 9079708-44.2003.8.26.0000
Relator: Gonzaga Franceschini
Data de Julgamento: 19/08/2009
[...]
Tais circunstâncias revelam o dano moral sofrido pela autora durante os seis anos que se viu
obrigada a abdicar de sua vida pessoal para cuidar e conviver com os problemas físicos e de
saúde do marido. Sem falar, na vida sexual do casal que foi completamente afetada.
Direito Geral de Personalidade
Tribunal de Justiça de São Paulo
Processo: 0533279-71.2010.8.26.0000
Relator: Maria Olívia Alves
Data de Julgamento: 25/07/2011
APELAÇÃO [...] Imposição de impedimento à Fundação Casa de raspar o cabelo dos
adolescentes internados [...] Violação ao livre desenvolvimento da personalidade dos
adolescentes e ao Direito à dignidade (um dos fundamentos da nossa República) - Pretensão
respaldada em normas da Constituição Federal e do Estatuto da Criança e do Adolescente [...]
Direito Geral de Personalidade
IV Jornada de Direito Civil
Enunciado 274: Os direitos da personalidade, regulados de maneira não-exaustiva pelo
Código Civil, são expressões da cláusula geral de tutela da pessoa humana, contida no art. 1º,
inc. III, da Constituição (princípio da dignidade da pessoa humana). Em caso de colisão entre
eles, como nenhum pode sobrelevar os demais, deve-se aplicar a técnica da ponderação.
Direito Geral de Personalidade
Constituição (1988)
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como
fundamentos:
[...]
III - a dignidade da pessoa humana;
Direitos Fundamentais
“Os direitos fundamentais são situações jurídicas das pessoas perante os poderes públicos
consagrada na Constituição; visam proteger poderes e esferas de liberdade das pessoas na
sua relação com o Estado, por meio do impedimento de ingerências, da imposição de deveres
de proteção e da configuração da própria ordem jurídica.” (MAZUR, Maurício. A dicotomia
entre os direitos de personalidade e os direitos fundamentais. Direitos da personalidade. (Org.
Jorge Miranda,; Otavio Luiz Rodrigues Junior; Gustavo Bonato Fruet). São Paulo: Atlas, 2012, p.
31)
Direitos Fundamentais
“A expressão “direitos fundamentais” tem sido utilizada, nas últimas décadas, pela doutrina e
pelos testos constitucionais, para designar o direito das pessoas, em face do Estado, que
constituem objeto da Constituição.” (CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional
didático. 6ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1999, p. 194)
Direitos Fundamentais
U.S. Constitution
Second Amendment
A well regulated militia, being necessary to the security of a free state, the right of the people
to keep and bear arms, shall not be infringed.

Constituição dos EUA


Segunda Emenda
Sendo necessária uma milícia bem regulamentada, para a segurança de um Estado livre, o
direito das pessoas de possuir e portar armas não deve ser infringido. (tradução livre)
Direitos da Personalidade x Direitos Fundamentais
Constituição (1988)
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade,
à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
[...]
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o
direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
Direitos da Personalidade x Direitos Fundamentais
◦ Os Direitos da Personalidade são Direitos Fundamentais?

◦ Os Direitos Fundamentais são Direitos da Personalidade?


Direitos da Personalidade x Direitos Fundamentais
◦ Direitos de cunho patrimonial e coletivo:

Constituição (1988)
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, [...] garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros
residentes no País a inviolabilidade do direito [...] à propriedade, nos termos seguintes:
[...]
XXX - é garantido o direito de herança;
[...]
Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a
oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.
Direitos da Personalidade x Direitos Fundamentais
Direitos Fundamentais:
Proteção da pessoa humana no âmbito do direito público

Direitos da Personalidade:
Proteção da pessoa humana no âmbito do direito privado

Direitos Humanos:
Proteção da pessoa humana no âmbito internacional
Direitos da Personalidade x Direitos Fundamentais
Constituição (1988)
Art. 5º [...]
[...]
§ 1º As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.
§ 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do
regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República
Federativa do Brasil seja parte.
Pessoas Jurídicas
[o termo] “pessoas naturais” deixa perceber que naturais não são [...] as outras pessoas que
não são entes humanos; entretanto que “tão natural é o mundo visível como o ideal, tão
natural a matéria como o espírito, o corpo do homem como sua alma” (ALMEIDA, Francisco
de Paula Lacerda de. Das pessoas jurídicas: ensaio de uma teoria. Rio de Janeiro: Revista dos
Tribunais, 1905. p. 33-34)
Pessoas Jurídicas
Teorias sobre a natureza das pessoas jurídicas:

◦ Teoria da ficção;

◦ Teoria da Instituição;

◦ Teoria da Realidade Orgânica;

◦ Teoria da Realidade Técnica.


Pessoas Jurídicas – Teoria da Ficção
◦ A pessoa jurídica é uma mera ficção decorrente da Lei;

◦ E o Estado?

◦ Para parte desta corrente, a pessoa jurídica sequer pode ser sujeito de direitos, os quais são
atribuídos à coletividade de membros componentes. Crítica: exercício de direitos por um
membro, contra si próprio?
Pessoas Jurídicas – Teoria da Instituição
[...] instituição é uma ideia de obra ou de empresa que se realiza e perdura juridicamente em
um meio social e, para a realização desta ideia, organiza-se um poder que dele extrai os
órgãos necessários, e, de outro lado, entre os membros do grupo social interessado na
realização dessa ideia, produzem-se manifestações de comunhão dirigidas por órgãos do
poder e regulamentadas por procedimentos. (HARIOU, Maurice. La teoria de la institución y
de la fundación. (trad. Arturo Enrique Sampay). Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1968. p. 49.)

◦ Sobrepõe o interesse público ao dos membros;

◦ Valoriza excessivamente o elemento sociológico.


Pessoas Jurídicas – Teoria da Realidade Orgânica
◦ A pessoa jurídica é tida em mesma condição de uma pessoa natural;

◦ Dotada de vontade, interesse e patrimônio próprios;

◦ A vontade da pessoa jurídica pode se confundir com a da pessoa natural?


Pessoas Jurídicas – Teoria da Realidade Técnica
◦ Corpo social distinto dos membros;

◦ Dotada de vontade, interesse e patrimônio próprios;

◦ Exprime vontade por meio de seus órgãos (corpus);

◦ Manifesta sua vontade por meio da deliberação dos membros (animus).


Pessoas Jurídicas

“Assim, naturalmente, se constituem dois gêneros de pessoas: as corpóreas ou físicas e as


morais ou jurídicas. Umas e outras são igualmente reais; a distinção está em que umas são
dotadas, naturalmente, de razão, ao passo que, às outras, a racionalidade é parcialmente
adquirida, mediante um arranjo especial do homem; umas receberam seu organismo da
própria natureza, ao passo que as outras somente conseguem a forma orgânica, porque as
penetra na natureza humana. Assim, ao lado das pessoas corpóreas, estão as jurídicas.”
(BEVILAQUA, Clovis. Teoria geral do direito civil. Campinas: Red Livros, 2001. )
FIM