Você está na página 1de 49

Aula de

PROCESSAMENTO
RADIOGRÁFICO
FILMES Radiográficos
Filmes Intrabucais - Composição 1) EMBALAGEM OU
ENVELOPE.
2) LÂMINA DE CHUMBO.
3) PAPEL PRETO

4 4) FILME PROPRIAMENTE
DITO (ou “Película”)

3
2
1
Filmes Intrabucais - Composição

3
2
1
Filmes Intrabucais - Composição

1) Embalagem ou Envelope.
FACE DE NÃO
FACE DE EXPOSIÇÃO
EXPOSIÇÃO

Referências do
Filme
Filmes Intrabucais - Composição

1) Embalagem ou Envelope.
Filmes Intrabucais - Composição

2) Lâmina de chumbo.

Lado de
não
exposição
a) Impedir exposição
a)
do paciente.
b) Impedir VELAMENTO da filme pela Radiação
secundária.
Filmes Intrabucais - Composição

2) Lâmina de chumbo.

a)
Filmes Intrabucais - Composição

3) Papel Preto.

Proteção
mecânica do
filme e contra
luminosidade
Filmes Intrabucais - Composição
4) Filme ou Película.

 Local onde a imagem será formada.

 Flexível

 Apresenta um relevo
Côncavo/Convexo denominado
PICOTE, para identificar a superfície
Filmes Intrabucais - Composição

4) Filme ou Película.

O Filme é composto por


CAMADAS
Filmes Intrabucais - Composição

4) Filme ou Película.
Filmes Intrabucais - Composição

4) Filme ou Película.

•Revestem as 02
superfícies externas do
filme de danos
mecânicos.
Filmes Intrabucais - Composição

4) Filme ou Película.

• Tem a função simples


de aderir as EMULSÕES à
base
Filmes Intrabucais - Composição

4) Filme ou Película.

• A Base é constituída de
POLIÉSTER, no passado de
celulose,

• Dá sustentação ao Filme

• É Translúcida

• Tem coloração
esverdeada ou azulada
normalmente.
Filmes Intrabucais - Classificação

1) QUANTO AO TAMANHO 4

2
0

1
2
3
Filmes Intrabucais - Classificação
2) QUANTO À QUANTIDADE

SIMPLES: 01 PELÍCULA POR DUPLOS : 02 PELÍCULAS


EMBALAGEM POR EMBALAGEM
Filmes Intrabucais - Classificação
2) QUANTO À SENSIBILIDADE
Quantidade de Radiação para que se forme uma
imagem radiográfica:
Menor Radiação > Sensibilidade < Dose Paciente
Filme F
Filme E+

Filme E
Filme D -20%

- -
50% 60%
Processamento
Radiográfico -

FILME - FILME -
FILME IMAGEM IMAGEM
EXPOSTO LATENTE REAL

SÉRIE DE ETAPAS QUE PRODUZEM UMA IMAGEM VISÍVEL E


PERMAMENTE. Objetivos:
A) Converter imagem Latente – Invisível, em Real – Visível
B) Preservar esta Imagem, para não desaparecer na radiografia.
Estudaremos:

1) Etapas do Processamento

3) Ambientes de Processamento

2) Tipos de Processamento
Processamento Radiográfico - AMBIENTES

Quarto
Escuro

Quarto Escuro
Tipo Labirinto
Tipos de Câmara Escura :
• Labirinto

Área úmida

Área Seca
Tipos de Câmara Escura :
• Quarto escuro:

Área úmida

Área Seca
Processamento Radiográfico - AMBIENTES
Tanques de Processamento

REVELADO ÁGUA FIXADO ÁGUA


R R
Processamento Radiográfico - AMBIENTES
COLGADURAS
Colgaduras
Grampos Extrabucais
Processamento Radiográfico - AMBIENTES
CÂMARA
ESCURA
PORTÁTIL

Delta/Portaria 453
Processamento Radiográfico - AMBIENTES
CÂMARA
ESCURA
PORTÁTIIL

R A F A
Processamento Radiográfico – TIPOS DE PROCESSAMENTO
1) MANUAL –
Sensores de estado Sólido (tipo CCD ou CMOS)

Sensor Sólido CCD ou


CMOS:
Acoplado a cabo rígido de
fibra óptica- vai dentro
cavidade bucal

Imagem em segundos
na Tela do
Computador

Conversor
analógico/digital

cabo rígido de fibra


óptica
Sensores de estado Sólido (tipo CCD ou CMOS)

Controle de Infecção
Sensores de estado Sólido (tipo CCD ou CMOS)

Posição em Boca para


Radiografia Digital

Posicionador
Especifico

Sensor Sólido com


cabo óptico
Imagem em segundos na

Você também pode gostar