Você está na página 1de 57

ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO

ADM110

Mário Celso N. Andrade


Período: 2010/2
AVALIAÇÕES DA DISCIPLINA

1. As datas serão as constantes do material


impresso, e seguem aproximadamente o
calendário da FANESE.

2. Serão 3 avaliações, uma ao final de cada


unidade, sem consulta.

3. Quarta Prova: todo o assunto do semestre.

4. Proibido o uso de celulares e empréstimo de


qualquer material durante as provas.
a
1 UNIDADE
Que país é este?

• Não existe método científico de gerenciamento;


• Planejamento estratégico é feito sem participação;
• Pouco ou quase nenhum treinamento em técnicas de
gestão;
• Qualidade / Gestão é assunto para especialistas;
• Os objetivos empresariais são baseados no passado;
• A educação e o treinamento são ineficazes e não estão
conectados às metas organizacionais;
• Divisão de interesses: departamentos disputam entre si.
Japão versus Brasil

• Sem analfabetos desde 1864 • Povo mais criativo do planeta

• 60% do território coberto de • Mais de 50.000 bêbados fazem


florestas naturais o maior espetáculo da Terra

• 80% da renda na mão de 70% • Maior crescimento de mercado


da população no mundo, em 1994 e 1999

• Não se fala de empresa • Clima privilegiado / maior


sem falar de Buda e de manancial de água doce do
família planeta
Falando em ANALFABETISMO...
(IBGE/2009)
- 299.192 sergipanos são analfabetos (25,2% população)
- Quase 60 mil não sabem escrever o nome;
- Quase 240 mil são “analfabetos funcionais”.

- ÍNDICES DE ANALFABETISMO EM SERGIPE:


- N. S. Aparecida = 47,5%
- Poço Redondo e Santa Luzia do Itanhy = 45%
- Carira = 43%
- São Miguel do Aleixo e Gararu = 41%
- Monte Alegre e Indiaroba = 40%
- Estância = 23,8%
- Aracaju = 9,95% Nordeste = 26,2%
Que tipo de ESTRATÉGIA
foi adotada pelo

Japão
a
para se tornar a 2 maior potência
do planeta
em cerca de 40 anos?
(1945 – final da década de 80)
Cena que só é possível onde não existe o
“jeitinho”
Cena que só é possível onde não existe o
“jeitinho”

Computador vai
fiscalizar
sorriso de
funcionários no
Japão

Brasil Acadêmico, 2010


DEFINA:

O QUE É PARADIGMA?
Os Paradigmas em ação...

QUE EMPRESA É ESTA?


Esta empresa é a...
Velhos Paradigmas

“Não gostamos do som de vocês. Além disso,


conjuntos de guitarristas não têm futuro.”

Executivo da gravadora Deka Studios - 1962.

ELE ESTAVA FALANDO DE...


THE BEATLES
“Você pode desistir!
Como sanfoneiro, tudo bem, mas
como cantor...”
Executivo-chefe de uma gravadora brasileira

ELE ESTAVA FALANDO DE...


LUIZ GONZAGA
Alguns “bons motivos” para
deixarmos as coisas como estão
• Vai custar caro
• Não temos profissionais
adequados
• Tentamos uma vez e não deu certo
• Em time que está ganhando não se mexe

• Vamos aguardar que os outros façam algo primeiro

• Isso vai dar “pobrema”!


Por que é que a gente “empaca”

• Adesão incondicional a modelos


“importados” de pensamento

• Ansiedade, medo, desconfiança

• “Dá trabalho? Tô fora! ”


FILME DE APOIO

A QUESTÃO DOS PARADIGMAS


DEBATE SOBRE O FILME

Discussão dos conceitos


passados no filme:

- Paralisia de paradigmas
- Regra de volta a zero
O QUE FAZEM AS ESTRATÉGIAS

Visão de Futuro
MODELO DE
MUITAS
ORGANIZAÇÕES
BRASILEIRAS

Missão

Valores
NÍVEIS DE ESTRATÉGIAS

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS

ESTRATÉGIAS SETORIAIS OU DE NEGÓCIO

ESTRATÉGIAS OPERACIONAIS
ESTÁGIOS COMPETITIVOS

Características
ESTÁGIOS COMPETITIVOS DA MANUFATURA

ESTÁGIO 1
 Empresa totalmente reativa em relação às operações

 Pouca ou quase nenhuma preocupação com a concorrência

 Desenvolvimento de produto quase nulo: cópia dos concorrentes mais


fortes

 Gerência de controle e corte de custos

 Baixa esforço de capacitação e desenvolvimento técnico

 Pouca importância à gestão, integração e uso de indicadores

 Empresa não reconhece seu papel estratégico


ESTÁGIOS COMPETITIVOS DA MANUFATURA

ESTÁGIO 2
 Empresa começa a se destacar no mercado onde atua

 Meta principal: “Não deixar os competidores ganharem muita vantagem”

 Adota as práticas usuais e padrões do segmento a que pertence

 Gerência de padrões rígidos e obediência às normas da empresa

 Baixo incentivo à improvisação, pouca ascendência funcional, mobilidade


de pessoal para a concorrência.

 Busca de paridade com os competidores, empresa “da média” e muita


cautela para introduzir mudanças. Investimentos reativos, sem pesquisa.
ESTÁGIOS COMPETITIVOS DA MANUFATURA

ESTÁGIO 3
 Alta direção se preocupa muito com “o que o cliente quer”.

 Correlação entre as áreas, com foco na qualidade, preço, flexibilidade e


seleção de produtos

 Funcionários são encorajados a mudar procedimentos e ter iniciativa

 Grande preocupação em “escutar o mercado”

 Decisões e investimentos planejados, adoção de estratégias de longo prazo.

 O desenvolvimento tecnológico é considerado muito importante como


resposta às mudanças pretendidas pelos clientes.
ESTÁGIOS COMPETITIVOS DA MANUFATURA

ESTÁGIO 4
 É o estágio mais difícil de ser alcançado, com mudanças pró-ativas

 Cria necessidades para os clientes, não apenas atende às necessidades

 Clientes como fontes de consulta e de idéias (inovações)

 Treinamento é constante e visa a atingir novos patamares de desempenho

 A tecnologia é vista como principal vantagem competitiva: classe mundial

 Aquisição de competência técnica antes dos concorrentes: excelência

 Credibilidade e influência no mercado: planejamento de longo prazo


ESTÁGIOS COMPETITIVOS DA MANUFATURA

Resumindo...

 ESTÁGIO 1 – minimiza aspectos negativos de seu potencial, “corre atrás


do prejuízo”

 ESTÁGIO 2 – atinge paridade com seus concorrentes

 ESTÁGIO 3 – desenvolve suporte para sua estratégia de negócio

 ESTÁGIO 4 – cria uma base de vantagem competitiva e estabelece


padrões que serão buscados pelos concorrentes
TRABALHOS EM GRUPO
APRESENTAÇÃO DAS REGRAS DE APRESENTAÇÃO
E DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS EM GRUPO
(UNIDADE I)

ATENÇÃO !
TODOS OS ASSUNTOS SERÃO COBRADOS NA 1ª AVALIAÇÃO
DEFINIÇÃO DE PROBLEMA

1. DESVIO DE UM PADRÃO

2. O QUE NÃO FOI ALCANÇADO

A PREVENÇÃO EVITA QUE UM PROBLEMA SE


MULTIPLIQUE
UMA DAS PRINCIPAIS FONTES
DE PROBLEMAS É A

INTRANSIGÊNCIA, a
INTOLERÂNCIA e a
ARROGÂNCIA
As normas exigem consenso, mas vêm
precedidas do bom senso.
PROBLEMAS TRAZEM:

1. SOLUÇÕES CRIATIVAS

2. MAIS PROBLEMAS

Lidamos com o difícil preconceito


de achar que os problemas
começam sempre com o outro
FILME DE APOIO

PORCO É PORCO
PRODUTIVIDADE

CONCEITO: Medida do desempenho de processos,


empresas, economias, etc.

DEFINIÇÃO MATEMÁTICA:

Produtividade = Produtos e Serviços / Insumos

ou

Produtividade = Output / Input


PRODUTIVIDADE
Produtividade Geral = Saídas totais / Entradas totais
(produtividade multifatorial)

Produtividade específica = Saída y / Entrada x


(produtividade unifatorial)

Exemplos de produtividade específica:


1. Produtividade de processo
2. Produtividade de mão-de-obra
3. Produtividade de setor
PRODUTIVIDADE
Calcule a produtividade das seguintes operações:

1. Três funcionários processam 600 apólices de seguro por


semana. Eles trabalham 8 horas/dia, 5 dias/semana.

2. Uma equipe de trabalhadores produz 400 unidades de um


produto que é avaliado por seu custo padrão de R$ 10 cada
(antes do lucro). O depto de contabilidade relata que, para
este trabalho, os custos reais são de R$ 400 de mão-de-obra,
R$ 1.000 de materiais e R$ 300 de custos fixos.
PRODUTIVIDADE
Cálculo da produtividade das operações (SOLUÇÃO):

1. Produtividade = apólices processadas / horas trabalhadas


Produtividade = (600) / [(3 pessoas)(40 horas/pessoa)]
Produtividade = 600 / 120 = 5 apólices / hora

2. Produtividade = (quantidade x custo padrão) / Custo total

Produtividade = [(400 unid.)(R$10/unid.)] / [Custo Fixo +


Custo Material + Custo Mão-de-Obra]

Produtividade = [(400 unid.)(R$10/unid.) / [R$300 + R$ 1000


+ R$ 400] = 4000 / 1.700 = 2,35

ESSAS PRODUTIVIDADES SÃO GERAIS OU ESPECÍFICAS?


GESTÃO DA PRODUÇÃO

• Artesanato (desde 1765 – Idade Medieval)


• Idade do Capitalismo Técnico (1800 – 1850)
• Produção em Massa (1850 – 1890)
• Administração Científica (1890 – 1920)
• Anos Dourados da Manufatura (1920 – 1960)
• Declínio do Padrão Industrial Americano e Entrada de
Novos Competidores: CE e Japão (1960 – 1980)
• Manufatura como Estratégia Competitiva: Era Pós-
Industrial (1990 em diante)

QUAL SERÁ O PRÓXIMO PASSO?


APRESENTAÇÃO DOS

TRABALHOS EM GRUPO
ARTESANATO
ARTESANATO
• CONCEITO TEÓRICO
- Atividade primitiva de manufatura, caracterizada pela
exclusividade do ARTESÃO (artesanato = artesão +ato)
que domina, sozinho, todo o processo de produção.
ARTESANATO
• EVOLUÇÃO HISTÓRICA / LOCAL EM QUE
SURGIU
- Dados arqueológicos revelam produtos artesanais
datados de mais de 6.000 anos, inclusive no Brasil
(Canindé do S.Francisco (SE), Serra da Capivara (PI),
etc).

- Firmou-se como atividade econômica na Idade Média,


nas pequenas cidades da Europa. Manteve-se até a 1ª
Revolução Industrial (1800).

- Artesão detinha todo o conhecimento (tecnologia ou


“know how”), além das ferramentas e o local.

- As “Corporações de Ofício”
ARTESANATO
• PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

- Produção: cerâmica, sapatos, roupas, carroças

- Artesão é o único conhecedor do processo produtivo

- Mão de obra qualificada, escassa, fiel e barata

- Baixo volume de produção, descentralizada

- Qualidade variável (não há padronização)

- Alta flexibilidade do produto (grande customização)


ARTESANATO
• EXEMPLOS NO MUNDO DE HOJE

- Produção de roupas e artigos de moda (grifes)

- Artesanato artístico e tradicional das “feirinhas”

- Indústria de carros de luxo, iates, jatos executivos

- Indústria de softwares por encomenda (“Taylor-made”)

- Atividades que têm “ofícios” (ex: cartórios, ourivesaria)

- Projetos de arquitetura e de engenharia (encomendas).


Modelo: CAPITALISMO TÉCNICO
CAPITALISMO TÉCNICO (1800-1850)
• O modelo colonizador inglês
• Produção de têxteis e de teares (Boston Manufacturing Co.)
nasce a “mecanização” americana
• Conhecimento técnico do proprietário: projeto e construção
das fábricas; supervisão e controle contratadas, com poder
absoluto sobre os trabalhadores. Primeiros conflitos.
• Mão-de-obra: de agricultores para operários
• Características: - conceito de peças intercambiáveis
- logística das ferrovias americanas
- começa a padronização da produção
- a “decolagem” da indústria de rifles
- baixa flexibilidade do produto

ONDE EXISTE HOJE O CAPITALISMO TÉCNICO?


(lembrar a “estratégia” da sala de aula)
Modelos: PRODUÇÃO EM MASSA
e ADMINISTRAÇÃO
CIENTÍFICA
PRODUÇÃO EM MASSA (1850-1890)
• Máquina a vapor é inventada, da eletricidade e do motor
elétrico: mudança da fonte de energia industrial e início da
urbanização
• Cresce a demanda por produtos manufaturados
• Donos detinham o capital; preocupação com os custos da
mão-de-obra treinada; encarregados eram responsáveis
pela produtividade e pelos resultados. Primeiros sindicatos.
• Poder crescente dos encarregados nas fábricas.
• Características: - mão-de-obra qualificada
- alto volume de produção; baixo custo
- nasce a verticalização
- baixa flexibilidade do produto

ONDE EXISTE HOJE A PRODUÇÃO EM MASSA?


ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA (1890-1920)
• Advento de novas tecnologias (telégrafo e telefone)
• Nascem os “administradores do processo produtivo”
• Aparecem as teorias científicas de administração (Taylor)
• Nasce o staff administrativo, mais poderoso e maior, em
substituição ao “encarregado”. A crítica de Charlie Chaplin.
• Características: - nasce a “Era Ford” e o “Fordismo”
- Filosofia do “One Best Way”
- alta padronização da produção
- produção em série, foco no produto
- baixa flexibilidade do produto

ONDE EXISTE HOJE A ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA?


Modelo: ANOS DOURADOS DA
MANUFATURA
ANOS DOURADOS DA MANUFATURA (1920-1960)
• Estados Unidos começam a se projetar no cenário mundial
• Surgimento das “transfer lines”, linhas automatizadas para
substituir trabalhadores (reduzir conflitos sindicais)
• Conflitos entre as áreas de marketing e produção; áreas de
apoio crescem em importância (logística); nascem as
ferramentas de gestão: PERT, LP e MRP.
• Cresce a especialização da mão-de-obra (computadores)
• Características: - mão-de-obra qualificada
- nasce a automação da produção
- aumenta força de trabalho terceirizada
- hegemonia dos produtos americanos

QUE PAÍSES VIVEM HOJE OS ANOS DOURADOS?


Modelo: MUDANÇA DO PARADIGMA
NORTE-AMERICANO DE PRODUÇÃO
MUDANÇA DO PADRÃO AMERICANO (1960-1980)
• Aparecimento dos “sistemas de produção”
• Nasce o “Sistema Toyota de Produção” (STP)
• Desenvolvem-se as técnicas de PCP e de uso da “tecnologia
disponível”.
• Nasce a chamada “Produção Enxuta”
• Características do STP:
- agilidade, fluxo contínuo, kanban
- criação dos CCQ
- política anti-desperdício: 5-S
- flexibilidade nos processos
- relação com fornecedores: Just in Time

ONDE É APLICADO NO BRASIL O MODELO DO STP?


Resolução de Exercícios

Produtividade
Resolução de Exercícios

Unidade I
1a AVALIAÇÃO

09/09/2010
ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO

Mário Celso Neves de Andrade


mariocelso@fanese.edu.br

ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO