Você está na página 1de 18

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

DIRECÇÃO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

INSTITUTO INDUSTRIAL E COMERCIAL DE NAMPULA

CONTABILIDADE INDUSTRIAL IV
Repartições intermédias, Centros de custos e
Centros de responsabilidade e Método das secções
homogéneas;

PROF: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC.


IICN - 4TC/2019
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 1
4. Repartições Intermédias
4.1 Centros de custos e Centros de responsabilidade
Muitas das empresas estão organizadas por departamentos e/ou secções
dentro destes., por exemplo, numa oficina de carros tem a secção mecânica,
secção eléctrica, a secção de limpeza, ou uma secção de roupa, produtos de
limpeza, ferramentas, etc. Cada departamento geralmente tem um responsável
que é responsável pelo desempenho financeiro desse departamento e para
executar uma actividade especifica, e isto, permite um maior controlo de cada
actividade.
Quando existe descentralização a contabilidade assume um papel importante
para os responsáveis de cada departamento avaliarem e controlarem as suas
áreas de responsabilidade – centros de responsabilidade. Estes, são divisões
(centros) que possuem responsabilidade pela avaliação e controle de um
conjunto específico de actividades.
Centro de Responsabilidade abrange a gestao, que por sua vez, a contabilidade
considerara como Centro de Custos.

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 2


Conteúdos
4. Repartições intermédias
4.1. Introdução
4.2. Centros de custos
4.2.1 Centros de custos e Centros de
responsabilidade
4.3. Método das secções homogéneas;
4.4. Prestações Reciprocas.

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 3


4.1 Centros de custos e Centros de responsabilidade
Os custos ocasionados pelo funcionamento dos diversos órgãos da empresa
devem ser repartidos por centros de responsabilidade. A análise dos custos de
determinado centro de responsabilidade nem sempre é possível sem decompor
esse centro de responsabilidade em unidades contabilísticas que designamos por
centros de custos.

Repartição dos custos de funcionamento Composição dos centros de


por centros de responsabilidade responsabilidade por centros de custos

responsabilidade A
Centros de custos A
Centros de responsabilidade A
funcionamento

Centros de
Custos de

Centros de custos B
Centros de responsabilidade B
Centros de custos C
Centros de responsabilidade C
Centros de custos D
Centros de responsabilidade D

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 4


O Método das Secções Homogéneas
As SH, vulgarmente designados de centros de custo/proveito, surgem após o
desenvolvimento conceptual da estrutura organizacional das unidades fabris, e é
a partir da estrutura organizacional que se identificam os centros de custos.
Uma SH, é uma divisão real da empresa, correspondente a um agrupamento de
meios que concorrem para um objectivo comum, e cuja actividade é quantificada
em unidades de obra.
NB. para que seja secção homogénea deverá agregar, dever caracterizar-se por:
1. Responsabilização: A secção homogénea deve ter um responsável pelo
controlo dos custos;
2. Homogeneidade de funções: Os custos apurados em cada secção
homogénea, devem respeitar funções idênticas;
3. Existência de uma unidade de medida da actividade: Deverá definir-se,
sempre que possível, uma unidade de medida de forma a permitir quantificar as
funções da secção.
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 5
Objectivo do Método das SH
O grau de divisão em secções depende do objectivo
definido:
a) Apuramento mais correcto ou o mais razoavelmente possível, do
custo dos produtos/serviços;
b) Controlo de gestão;
c) Apuramento dos custos de funcionamento inerentes aos
diferentes segmentos organizacionais da empresa para efeitos de
controlo;
d) Compatibilização entre as vantagens de dispor de determinada
informação e os custos inerentes à obtenção da mesma, aos
custos associados à pormenorização;

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 6


Escolha da Unidade de Obra
A unidade de obra é uma unidade que permite medir a actividade da secção e
em relação à qual todos os custos da secção são proporcionais.

Unidade de Custeio - unidade definida para medir os custos de cada secção.


Unidade de Imputação - unidade que permite fazer a imputação dos gastos aos
produtos.

𝑼𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒅𝒆 𝑪𝒖𝒔𝒕𝒆𝒊𝒐
𝑼𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒅𝒆 𝑶𝒃𝒓𝒂 =
𝑼𝒏𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒅𝒆 𝑰𝒎𝒑𝒖𝒕𝒂çã𝒐

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 7


• Método das Secções Homogéneas
-Centros Principais e Auxiliares.
De forma a dar cumprimento ao preceituado, definem-se as actividades
diferenciadas, sendo as empresas Industriais agrupam as actividades em:
1. Secções principais/Linhas de Produção: as que concorrem directamente
para a actividade principal da empresa (por exemplo, Produção de Iogurtes
Naturais, Aromas ou diferenciados; Queijo vaca, cabra, mistura ; Leite magro,
meio gordo, gordo);
2. Secções auxiliares: as que concorrem com os seus serviços para outras
secções, subdividem-se em:
a) Secções Auxiliares de Apoio as secções principais (por exemplo,
Produção de embalagens para os iogurtes, leite e Queijo);
b) Secções Auxiliares de Apoio Geral (por exemplo, Transportes, Reparação
de Equipamentos, Higiene e Segurança, Controlo da Qualidade).
3. Secções administrativas: secções que correspondem a actividades gerais,
tais como, administração, contabilidade, aprovisionamento, etc.
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 8
APURAMENTO DOS CUSTOS PELAS S.H.
Custos das Secções.
1º Estagio – Repartição primaria - faz-se a repartição dos custos directos e
comuns respectivos centros/secções (principais e auxiliares).
2º Estagio - Valor dos Reembolsos ou Repartição Secundária: do Repartição
dos custos dos centros/secções auxiliares pelos centros/secções receptoras do
serviço prestado por cada um dos centros/secções auxiliares. Estes, em conjunto
dos custos directos, constituem a totalidade dos custos da secção.
A forma de apuramento dos custos directos, da empresa e da contabilidade. Há
casos em que são determinados previamente em conjunto para diversas secções
e que, sendo necessário distribui-los por cada uma delas através de bases de
repartição, como por exemplo:
3º Estagio - Repartição Terciária: Determinação do Custo Global dos Produtos
/ Serviços ou Imputação dos custos totais das secções principais aos
produtos/serviços.
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 9
4.2.2.5 Custo das secções principais e auxiliares
A divisão das secções é feita de acordo com a estrutura orgânica da empresa e,
como tal, uma divisão necessária é a seguinte:
Secções de Produção Principais: englobam os custos das secções fabris ou a
produção dos bens e prestação de serviços. Nestas secções é fácil utilizar uma
unidade de obra. A unidade de obra mais aceitável é a que se relaciona com as
horas de funcionamento da secção ou das máquinas, ou as horas de MOD.
Secções de Produção Auxiliares: são aquelas, cuja actividade reverte a favor de
outras secções (por exemplo, a secção de manutenção que se ocupa da
manutenção e conservação dos equipamentos industriais) ou que engloba custos
comuns, cujo montante não justifica a sua discriminação por secções (por
exemplo, uma secção de gastos gerais ou de gastos comuns). Nem sempre é
possível encontrar unidades de obra adequadas, utilizando-se com frequência as
unidades de imputação (% do total do custo da mão-de-obra e a % da quantidade
das matérias-primas consumidas) para repartir os gastos dessas secções para as
principais (reembolsos).
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 10
4.2.2.7 Imputação do custo das
secções principais aos produtos
Da soma dos custos directos com os reembolsos, resulta o total dos custos da
secção durante o mês. Se este valor for dividido pelo número de unidades de
obra verificado no mês, chegamos ao custo unitário da unidade de obra. Quando
apurado o custo da unidade de obra da secção podem repartir-se os seus custos
pelos respectivos utentes com base no número de unidades de obra que a cada
um foram fornecidas durante o mês;
Depois do apuramento do custo das secções será necessário proceder à sua
imputação. Os custos das secções consideradas auxiliares ou secundárias
devem, como vimos, ser imputados às secções utilizadoras da respectiva
actividade. Por sua vez, o custo das secções principais devem ser imputados
aos produtos ou serviços proporcionalmente à actividade de cada secção
principal despendida na produção de cada produto. A este estádio designa-se de
repartição terciária.
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 11
Método de Distribuição Recíproca
É o único dos três métodos que reproduz fielmente todas as relações de prestação de
serviços presentes numa empresa, permitindo que as denominadas prestações
recíprocas possam ser tidas em conta na distribuição dos custos.
As prestações recíprocas são, por vezes, também chamadas de prestações mútuas;
trata-se dos casos em que, por exemplo, secção A fornece serviços à secção B e,
simultaneamente, recebe serviços da secção B.

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 12


Vantagens do Método das Secções
Homogéneas:
 A segmentação da empresa em centros menos complexos e mais homogéneos.
 A medida da actividade de cada secção por intermédio de chaves adaptadas à
respectiva secção.
 Uma melhor repartição dos gastos gerais pelas secções.
 A imputação por unidades de obra dos elementos indirectos e semi-directos aos
produtos.
 Mostra bem o contributo de cada secção para o apuramento do custo dos
produtos.
 Apuramento mais correcto do custo dos produtos.
 Uma análise pormenorizada do custo das secções.
 Uma boa tomada de decisões.
 Eficiente controlo da gestão.

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 13


Inconvenientes do método
das secções homogéneas:

 Dificuldade em decompor a empresa em secções homogéneas.


 Arbitrariedade das repartições e da sub-repartição entre secções.
 Dificuldade em transferir os custos entre secções principais em
casos de prestações recíprocas.

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 14


Quadro de repartição dos Gastos Indirectos
de Fabrico ou dos Gastos de Transformação

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 15


4.2.2.8 Mapas de apuramento dos custos da
Produção

3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 16


Exemplo 1: A Companhia NOVAELA
Sobre a Companhia NOVA I sabem-se as seguintes informações:

O departamento A serve todos os outros, sendo a base de rateio o n.º de empregados.


 O departamento B serve todos os outros, excepto o departamento A, sendo a base de rateio as horas de
MOD.
 O departamento C serve somente os departamentos Y e Z, sendo a base de rateio os custos de MOD.
 O departamento D serve somente o departamento X.
 O departamento E serve os departamentos X, Y e Z de acordo com as proporções 2; 2; 1,
respectivamente.
PEDIDO:
Elaboração de um mapa de trabalho com toda a distribuição dos gastos gerais de fabrico, segundo os
dados do problema.
Registos das operações nos “T”s.
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 17
Exemplo 1: Empresa XXX.
Exercício 3. Empresa XXX.
Na Empresa XXX, no mês de Janeiro, a secção de Distribuição de Energia
forneceu electricidade à secção de Reparações Eléctricas e esta última fez
reparações no posto de transformação de energia da primeira.
A actividade das secções no mês em causa foi a seguinte:
Distribuição de Energia: 50 000 Kwh, dos quais 1 000 Kwh se destinaram à
secção das Reparações Eléctricas;
Reparações Eléctricas: 800 Hh, das quais 100 Hh se destinaram a servir a
secção de Distribuição de Energia.
Os custos das secções foram os seguintes:
Distribuição de Energia: 163 000 MT
Reparações Eléctricas: 92 500 MT
3/1/2019 PROFESSOR: JUVÊNCIO G. CHIGONA, LIC. IICN- 4TC/2019 18