Você está na página 1de 15

Segundo Reinado

Política Externa, Crise e Proclamação


da República.
Política Externa
• A política do Segundo Reinado era sustentada
economicamente pela expansão da produção
do café.
• Fim da Guerra do Paraguai: gerou uma grave
crise financeira no Brasil que, em grande
parte, levou a contestação do Estado Imperial
e o governo de D. Pedro II.
Questão Christie (1861-1865)
• Conflitos entre brasileiros e ingleses:
- Embaixador inglês no Brasil: William Christie.
-Apreensão de navios mercantes brasileiros por
exigência do embaixador,
- O conflito leva ao rompimento de relações, em
1863, entre Brasil e Inglaterra.
Guerra do Paraguai (1865-1870)
- Tríplice Aliança: Brasil, Argentina e Uruguai.
- Motivações: eleições no Uruguai.
- Exército Brasileiro: pequeno e mal equipado.
- “Voluntários da pátria”: programa de
alistamento que, devido à promessa de
liberdade, levou muitos escravos a se
alistarem.
Guerra do Paraguai (1865-1870)
Resultados
• Paraguai: morte de 50% da população, indústrias e
ferrovias destruídas, pagamento de indenização à
Tríplice Aliança.
• Brasil: grave crise financeira devido aos empréstimos
feitos para sustentar a guerra, falta de dinheiro no país.
*Desenvolvimento do Exército: passou a exigir
participação nos assuntos políticos após a guerra. A
Proclamação da República foi feita pela alta cúpula do
exército, liderada por Marechal Deodoro da Fonseca.
Crise do Segundo Reinado
Questão Militar:
• Baixos investimentos no Exército;
• Restrita participação política dos militares;
• Proibição de manifestações críticas por parte do
exército;
- Guerra do Paraguai: a vitória sobre os soldados
paraguaios trouxe prestígio e modernização. O
Exército passa a se colocar como agente
transformador da política brasileira com base na
ideia de “salvação nacional”.
Crise do Segundo Reinado
Questão Militar:
• A politização do Exército: tem como base a
abolição da escravidão. Devido à participação dos
negros na Guerra do Paraguai, o Exército passa a
apoiar o movimento, que era uma das bases do
Império, e, portanto, aderirem ao
republicanismo.
• Influência do positivismo: “Ordem e progresso”.
(A ordem seria a chave para o crescimento
intelectual, científico e urbano-industrial).
Crise do Segundo Reinado
Questão Religiosa
- 1864: o papa Pio IX proibiu a vinculação entre
a Igreja e a maçonaria.
- Os maçons tinham forte influência no governo
de D. Pedro II, que não autoriza a aplicação da
ordem do papa.
- Contestação à submissão da Igreja ao Estado
através do padroado e defesa do ESTADO
LAICO (pensamento tipicamente republicano).
Crise do Segundo Reinado
Questão Urbana
- Ampliação das atividades industriais e dos
centros urbanos.
- Ampliação da classe média e do grupo de
empresários, que possuíam pouca
participação política.
- Questionava-se a ligação de D. Pedro II às
oligarquias cafeeiras.
Movimento Republicano
• 1870: criação do partido republicano, com o
apoio dos segmentos urbanos e militares.
- Fim da vitaliciedade do Senado;
- Criação de um Estado Laico;
- Instalação de uma república federativa,
garantindo a autonomia das províncias;
*Não criticava o latifúndio e a escrativão.
*Evolucionistas e revolucionários.
Projeto Abolicionista
Movimento abolicionista:
- Apoio do Exército brasileiro e da Inglaterra.
- Intelectuais: Joaquim Nabuco, José do Patrocínio
e Silva Jardim reforçavam a propaganda
abolicionista.
- Radicais contrários à escravidão estimulavam
inssureições, invasão de fazendas para abrir as
senzalas e facilitar as fugas.
- Contradição: participação dos escravocratas no
governo e crescimento do movimento
abolicionista.
Projeto Abolicionista
Leis abolicionistas (1871):
• Lei do Ventre Livre: eram considerados livres
os escravos nascidos a partir da lei. Os recém-
nascidos, porém, ficavam sob a guarda do
senhor até os 8 anos, após esse período, o
senhor optava por libertá-lo em troca de
indenização ou fazer uso de seu trabalho até
os 21 anos.
Projeto Abolicionista
Leis abolicionistas:
• Lei dos Sexagenários (1885): libertava os escravos com
mais de 60 anos. Poucos eram beneficiados em razão
da baixa expectativa de vida.
• Leia Áurea (1888): determinava a liberdade imediata
dos cativos. No entanto, não previa integração
econômica dos ex-escravos, resultando em uma massa
de indivíduos com conhecimento profissional restrito,
sem moradia, e sujeitos a exclusão social (surgimento
das favelas e crescimento do racismo).
*Aristocracia se revolta com a falta de indenização e se
posiciona contra o governo de D. Pedro II.
A Proclamação da República
• Tentativas de contenção do avanço do
movimento republicano (reformas que
aumentava, por exemplo, a autonomia das
províncias).
• Reformas rejeitadas pelo congresso formado
por conservadores.
• Fechamento do Congresso, que se reuniria
novamente em 23 de novembro de 1889.
A Proclamação da República
• Deposição, pelo Exército, do Visconde de Ouro
Preto, ministro responsável pelas reformas.
• Proclamação da República em 15 de
novembro de 1889.
• Participação popular na Proclamação da
Republica: pág. 9.