Você está na página 1de 43

Convite ao estudo

• Quais as representações das pessoas com


deficiência e como o lugar dessas pessoas foi
resignificado no decorrer da história?
• Quais os marcos legais, internacionais e nacionais
da educação inclusiva?
• Como foi a evolução histórica da Educação
Especial no Brasil e o atendimento às pessoas
com necessidades especiais?
• Qual a importância dessa discussão para a prática
pedagógica?
• Pensando a aula:
• situação geradora de aprendizagem
• Esse livro apresentará duas personagens, Vitória Tatiana ,
que por meio da Arte nos auxiliarão com os
questionamentos e conceitos relativos à disciplina de
Educação Inclusiva.
• Vitória é uma moça nascida no interior do Rio Grande do
Sul e apaixonada pela História da Arte. Mesmo sem
recursos e acesso a museus durante a fase escolar,
procurava nos livros de história, jornais e revistas da
biblioteca registros que retratassem a cultura e a arte em
• suas mais diversas manifestações.
• Situação-Problema 1
• A obra revela um sacerdote fazendo uma
oferenda à deusa Astarte, acompanhado da
família. A representação aponta claramente uma
pessoa com deficiência física que utiliza uma
espécie de “bengala” para auxiliar sua
mobilidade.

• Fonte: https://goo.gl/NW77uq.
• Acessado em 28/02/2016
• Situação-Problema 1
• Vitória, então, ao contemplar a obra, indaga:
—Professora, sempre acreditei que Antiguidade
as pessoas com deficiência eram “eliminadas”
e essa obra desconstruiu tudo que acreditava.
Tatiana se aproximou de Vitória e teceu um
comentário que provocou algumas reflexões.
• Situação-Problema 1
• —Vitória, pessoalmente já desconstruí muitas verdades
dentro do meu repertório histórico e artístico e afirmo que
essa desconstrução nos permite aprender sempre mais e a
ampliar nosso olhar para questões diferenciadas. Por
exemplo: quando você poderia imaginar que estaríamos
aqui em um processo de fruição da Arte Egípcia, uma arte
mortuária com rituais extremamente fortes, analisando o
papel da pessoa com deficiência neste período?
• Como será que os demais povos foram construindo a
concepção de extermínio que ainda permeia fortemente
em algumas culturas?
Problematizando a Situação -Problema
1

O contexto social da pessoa com deficiência no período
da Antiguidade e Idade Média:
• A história da pessoa com deficiência passou por
diversos períodos e, em momentos e civilizações
diferentes, concebeu essas pessoas de forma muito
específica. A desaprovação de características que
fogem às normas sociais e culturais, que acabavam
rotulando as pessoas. Um estigma enraizado desde a
Antiguidade e que em muitas sociedades prevalece até
os dias atuais.
• Fonte: Tatiana dos Santos (2016 ).
• Linha do tempo da História da Deficiência

• Fonte: Tatiana dos Santos (2016


• Resolvendo a Situação -Problema 1
• Como os demais povos foram construindo a concepção de
extermínio que ainda permeia fortemente em algumas
culturas? A civilização egípcia respeitava as pessoa com
deficiência. Os gregos faziam uma pressão para a
eliminação, ocultação ou abandono das pessoas disformes.
• Na Antiguidade, a prática do extermínio não garantia uma
sociedade de pessoas “não disformes”, pois
constantemente guerreiros perdiam pernas e braços em
batalhas, desenvolvendo, assim, deficiências físicas, que
deram origem ao atendimento hospitalar, precário, mas
que marcava certa mudança nas relações sociais desses
guerreiros, gerando um atendimento muitas vezes
caritativo.
Resolvendo a Situação -Problema 1

• Com a queda do Império Romano e ascensão


da Igreja, a sociedade atribui novos conceitos
acerca da concepção da pessoa com
deficiência.
• Uma concepção caritativa e exploratória, pois
os dogmas cristãos proibiam o extermínio.
Quem sempre determinou a representação
dessas pessoas na sociedade foram os
governantes da época
• Resolvendo a Situação -Problema 1
A obra de arte mencionada no decorrer da nossa
discussão comprova que as pessoas com
deficiência passaram por períodos diferenciados,
os quais envolveram respeito, abandono,
extermínio, escravidão e assistencialismo.
Tanto as obras, como a história, contribuíram
para a compreensão desses conceitos e das
relações de poder estabelecidas, as quais ditavam
as regras e o modo como a sociedade concebia a
existência dessas pessoas
• Resolvendo a Situação -Problema 1
• Os governantes ditavam as regras para
exterminar ou amparar os diferentes. As
representações sociais na Antiguidade e na Idade
Média eram ditadas pelos mais abastados e
governantes. Era comum as práticas de
exorcismo, escravidão e de exposição da pessoa
com deficiência, que constantemente trabalhava
como servo ou divertia as pessoas em praça
pública.
• Vitória e Tatiana iniciaram uma discussão
sobre a representação da pessoa com
deficiência na Antiguidade e avançaram na
reflexão sobre alguns outros conceitos acerca
desta temática. Vitória levanta mais um
questionamento: com tantas mudanças,
revoluções e disputas em busca de poder,
como ficou a condição das pessoas com
deficiência na sociedade do século XVIII?
• ituação-Problema 2
• Ainda no museu, Vitória iniciou uma busca por obras e
artistas que representaram a vida das pessoas com
deficiência no decorrer da história e percebeu que as
pessoas com deficiência começaram a se destacar em
algumas áreas, principalmente nas artes.
• Quais representações artísticas revelam tal
representação e quais nomes marcaram a época como
exemplo de superação? Como descobrir as influências
para o desenvolvimento das primeiras políticas que
ampararam essas pessoas?
• Problematizando a Situação -Problema 2
• A pessoa com deficiência nos
• séculos XVIII e XIX.
• Como a sociedade caracterizava-se como o mundo do
comércio e da produção, aqueles que não se
enquadravam para o trabalho e as necessidades de
mão de obra eram excluídos e condenados à
marginalização. Criou-se, então, uma “[...] categoria de
homens: os deficientes mentais, os loucos, os
incapazes e idiotas”. (FERNANDES, 2011, p. 44).
Com essas categorias pré-estabelecidas, a sociedade
entrou em um período de grande expansão das
instituições filantrópicas, que funcionavam como
asilos, escolas e oficinas de produção. A segregação
institucionalizada
• Problematizando a Situação -Problema 2
• A super compensação biológica e social lVygotsky (1925)
criou o conceito de compensação social
• e biológica - “fundamentos da defectologia”.
• Existe uma compensação biológica do cérebro, que, ao
perceber a “falta” de um sentido, o supercompensa com
outro e a compensação social, ou seja, a influência do meio
e do contexto para o desenvolvimento da criança com
deficiência. A compensação social interfere diretamente no
desenvolvimento de crianças com deficiência.
• É importante conhecer a deficiência e, também, a criança
em seu contexto histórico e social. Por exemplo, caso de
• Victor de Aveyron
• Problematizando a Situação -Problema 2

• Os ma rcos i nter na ci o na i s par a a Educ aç


ão In cl u siva
• Vitória sinalizou o fato de que nesse período muitas
• pessoas superaram a deficiência e supercompensaram
• um sentido pelo outro, como foi o caso de Beethoven.
• Este foi um conceito desenvolvido por Vygotsky (1925)
• denominado “fundamentos da defectologia”.
• O autor alertava que “não é importante saber só qual
• doença tem a pessoa, mas também que pessoa tem a
• doença. O mesmo é possível com relação à deficiência.
• É importante conhecer não só o
• defeito que tem afetado a criança,
• mas que criança tem tal defeito”.
• (VYGOTSKY, 1995, p. 104).
• Resolvendo a Situação -Problema 2
• Vitória também nos auxiliou na contextualização de três obras que
• revelavam diferentes revoluções e trouxe à tona uma concepção um
• pouco diferente do modo como apreciamos a obra de arte ou do que
• vem a ser “belo”. Contemplar a obra não apenas como técnica, mas
• como uma representação social que marca e revela características de
• determinada época é de suma importância. Assim, obras de
• Delacroix, Otto Dix e Picasso revelam, em diferentes épocas, o horror
• e a condição miserável em que as pessoas se encontravam após as
• revoluções. As pessoas precisavam de algo que garantisse educação,
• moradia, alimentação para todos e a proteção aos soldados
• sobreviventes. Estas situações reais
• desencadearam um problema social
• relacionado à deficiência.
• O que, consequentemente, gerou a
• necessidade de desenvolver Políticas
• Públicas para amparar o público alvo
• Resolvendo a Situação -Problema 2
• Criação dos quatro principais documentos
• internacionais que norteiam a Educação
Inclusiva :
• a Declaração Universal dos Direitos Humanos;
• as Declarações de Jomtien e Salaman ca; e
• a Convenção da Guatemala
• Situação-Problema 3
• Vitória ao compreender as mudanças e os avanços nesta área,
• mostrou-se ainda mais interessada e, observando u ma obra
• específica no MASP, indagou:
• —Tatiana, essa obra é datada do século XVIII e o nome desse
• artista revela uma deficiência! É a obra de Aleijadinho, não é?
• Tatiana respondeu:
• —Sim, é uma obra datada do século XVIII,
• do famoso artista do barroco mineiro,
• deficiente físico, Aleijadinho.
• Vitória ficou ainda mais curiosa
• e vejam a situação-problema (SP)
• que criou para resolvermos agora.
• Problematizando a Situação -Problema 2
• Decl ar a ção U nive r sal do s Di re ito s Human os ( 1948)
• Foi o primeiro documento que norteou as ações sociais e alertou para
• algo, até então desconhecido. Assegurava a igualdade de direitos, que
• retomou os ideais da Revolução Francesa de 1789, que “[...] buscavam
• reconhecer os valores supremos da igualdade, da liberdade e da
• fraternidade entre os homens”. (FERNANDES, 2011, p. 53).
• A partir da promulgação da Declaração Universal dos Direitos
• Humanos, surgiu uma série de movimentos sociais em prol das
• minorias, e com as pessoas com deficiência
• não foi diferente. Especificamente no
• campo das Políticas Públicas, a partir de
• 1948, tivemos uma explosão de
• documentos que traçaram as
• especificidades dessa área e buscavam
• defender o direito das pessoas
• com deficiência.
• O que aconteceu no Brasil no século XVIII?
• Se no século XVIII já tínhamos um a
representação
• do profissional da arte com deficiência no
Brasil, o
• que revela a história das pessoas com
deficiência
• em nosso país?
• Quais movimentos, representantes, legislação
• Situação-Problema 3

• Fonte: https://goo.gl/yR5qRb. Acessado em:


25/03 / 2016.
• Problematizando a Situação -Problema 3
• O ate nd i me nto esp e cia l iza d o
• No Brasil, as primeiras instituições
• especializadas no atendimento às pessoas com
• deficiência visual e auditiva foram o Instituto
• Benjamin Constant (1854) e o Instituto
• Nacional de Educação de Surdos (INES) (185 7).
• Posteriormente, os movimentos
• sociais que envolviam
• as famíl ias e também essas
• instituições buscavam
• a igualdade de direitos
• e a integração escolar
• Problematizando a Situação -Problema 3

• Fonte: https://goo.gl/lq4nU4. Acessado em


10/03 / 2016
• Problematizando a Situação -Problema 3

• Fonte: https://goo.gl/lq4nU4. Acessado em


10/03 / 2016
• Problematizando a Situação -Problema 3

• Fonte: https://goo.gl/lq4nU4. Acessado em


10/03 / 2016
Problematizando a Situação -Problema 3
A leg is l ação b r as ile i r a p ar a a i nte gr açã
o e sco la r
Problematizando a Situação -Problema
3
• Problematizando a Situação -Problema 3
• Fonte: Tatiana dos Santos (2016 ).
• Uma política é
• constituída por meio
• de um ciclo que
• envolve, no mínimo,
• três contextos:
• o de influência,
• o da produção de
• texto e o da prática
• (BALL, 2011) Problematizando a Situação -Problema 3
• Fonte: Tatiana dos Santos (2016 ).
3
Evol ução do a tendi men to ao pú bl

ico -al vo da Educaçã
Resolvendo a Situação -Problema 3
o Esp eci al
• Ao analisar a história do artista Aleijadinho podemos
• afirmar que ele foi excluído da sociedade d a época.
• Aleijadinho viveu no Brasil no século XIX, mu ito antes
• das políticas para Evolução Histórica da Educação
• Especial no Brasil e o Atendimento às Pessoas com
• Necessidades Especiais serem criadas. Ele trabalhava
• intensamente na sua arte e adaptava os materiais
• para superar a deficiência, amarrando as ferramentas
• nos punhos. Contudo, viveu em
• uma sociedade excludente que,
• apesar de valorizar sua arte, não
• permitia sua participação
• em sociedade
• A Declaração dos Direitos Humanos foi o grande
• marco precursor de movimentos sociais em busca
• da Educação Especial e do atendimento ao s eu
• público-alvo. As primeiras i nstituições
• especializadas do Brasil foram fundadas para
• o atendimento às pessoas com deficiênci a
• auditiva e visual. Posteriormente, os m ovimentos
• sociais que envolviam
• as famíl ias e também essas
• instituições buscavam
• a igualdade de direitos
• e a integração escolar
Os primeiros documentos buscaram a
integração
dos excepcionais nas escolas e o atendimento
ao
público, que obteve maior proporção n a
década
de 1990. O Bras il, impulsionado pelos
movimentos e ações desenvolvidas em países
internacionais, buscou dis cutir e garantir
a integração nos documentos nacionai s.
Assim, leis e decretos
específicos foram criados,
como a Constituição Brasileira
e a Lei de Diretrizes e Bas es
da Educação Nacional
• Nossa personagem Vitória, ainda no museu,
percebeu no interior
• de uma sala uma obra com uma iluminação
intensa, forte, triste
• e sofrida. É uma obra de Frida Kahlo, artista
mexicana que teve
• poliomielite na infância, sofreu um acidente na
juventude e acabou
• apresentando vários comprometimentos físicos
• Vitória, diante da obra, indagou :
• —Frida viveu no século XX. Quais aspectos relativos à
• deficiência e à inclusão social revelam sua história?
• Como pintava? Ela adaptava materiais? Como viveram e como
• vivem as pessoas com deficiência nos séculos XX e XXI?
• Como foi o processo de integração e inclusão dessa artista e de
• todos os outros que nasceram no mesmo período que ela?
• Frida sofreu um acidente ao voltar da escola. Quantas pessoas
• já passaram por isso? Quantos alunos? Quantos professores?
• Chegamos ao nosso século
• e precisamos descobrir como
• conceituar, contextualizar
• e compreender os
• processos de inclusão.
Problematizando a Situação -Problema
4
• A leg is l ação b r as ile i r a p ar a a i ncl u sã o es col ar
• Na perspectiva da educação inclusiva, a educação
• especial passa a integrar a proposta pedagógica da
• escola regular, promovendo o atendimento aos
• estudantes com deficiência, transtornos globais do
• desenvolvimento e altas habilidades/superdotação.
• Nestes casos e em outros,
• como os transtornos funcionais
• específicos, a educação especial
• atua de forma articulada com o
• ensino comum, orientando para
• o atendimento desses
• estudantes. (BRASIL, 2008, p.11)
• Problematizando a Situação -Problema 4

• In c l u s ã o
• O conceito de inclusão
• escolar envolve a inserção
• do público-alvo da
• educação especial em
• classes de ensino regular,
• com garantia de
• adequações necessárias.
• Os alunos são partícipes do
• processo d e socialização e
• aprendizagem

• Fonte: https://goo.gl/lq4nU4.
• Acessado em 10/03/ 2016
• Frida Kahlo viveu em uma época em que as pessoas
• com deficiência iniciaram um processo de integração.
• Assim, desenvolveu adaptações para produzir sua arte e viver sua
• vida pessoal e social. Ela continuou pintando e hoje é reconhecida
• como uma das maiores artistas da sua geração.
• A função da escola passou a ser redesenhada e buscou- se
• inicialmente integrar as pessoas com deficiência em classes comuns.
• Em seguida, a partir da Política Nacional de Educação Especial na
• Perspectiva da Educação Inclusiva, buscou-se incluir o público-alvo
• da Educação Especial no ensino regular e
• garantir o Atendimento Educacional
• Especializado (AEE) nas salas
• de recursos multifuncionais e núcleos
• de acessibilidade
• Quando uma escola desenvolve cultura
• inclusiva e s e prepara para atender a todos os
• alunos, ela supera i ncidentes como o que
• aconteceu com Frida, pois se adapta à
• condição do aluno e não espera que o aluno
• com deficiência se adapte à escola
• Provocando novas situaçõ es
• Vamos transferir o conceito de inclusão para a sala de aula?
• Que tal iniciarmos com uma afirmação muito comum nas
• comunidades escolares:
• “EU NÃO FUI PREPARADO E NÃO TIVE FORMAÇÃO PARA
• TRABALHAR COM ALUNOS COM DEFICIÊNCIA”?
• Imagine a seguinte situação: uma escola recebe um aluno
• com Síndrome de Down e alguns professores organizam um
• movimento alegando falta de conhecimento
• e preparo para trabalhar com ele.
• Vamos refletir acerca dessa
• problemática a partir de três
• pontos de vista: o olhar do aluno,
• da escola e do professor
• Em um contexto de escola i nclusiva,
• os professores mani festariam tal reação?
• 2. Diante da reação de resistência, quais
• deveriam ser as estratégias organizadas
• pela gestão da escola para garantir a
• inclusão do aluno?
• 3. Como a família poderia auxiliar
• no desenvolvimento
• dessas estratégias?
• 4. Qual o respaldo legal existente
• para resolver esta questão?
• Diálogo do professor com alunos
• Perguntas?
• Próxima aula
• Conhecer o processo de inclusão das pessoas com
• necessidades especiais e refletir, criticamente, sobre o
• desafio do profissional da educação acerca da sua
prática
• no desenvolvimento e aprendizagem dos alunos com
• deficiência visual, auditiva, física e intelectua