Você está na página 1de 37

TÍTULO VI – DOS CRIMES

CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL


CORRUPÇÃO DE MENORES

• Art. 218. Induzir alguém menor de 14


(catorze) anos a satisfazer a lascívia de
outrem:

• Pena – Reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos.


• OBJETIVIDADE JURÍDICA

• OBJETO MATERIAL

• NÚCLEO DO TIPO
• SUJEITO ATIVO

• SUJEITO PASSIVO

• CONSUMAÇÃO
AÇÃO PENAL

• A regra geral nos crimes contra a dignidade


sexual

• Exceção legal: CP, art. 225


QUESTIONS
A) Dentro da conduta traçada no CP, art. 218, é possível ocorra
conjunção carnal ou outro ato libidinoso diverso por parte do
menor de 14 anos? Caso ocorra, qual será o tipo penal?
Possível DUAS hipóteses:
I) “A” induz “B” (menor de 14 anos) a satisfazer a lascívia de “C”
(voyeur), em ato meramente contemplativo deste último, por
exemplo, realizando posição erótica. “A” responde pelo CP, art.
218.
II) “A” induz “B” (menor de 14 anos) a praticar conjunção carnal com
“C”. Neste caso, “A” responde pelo auxílio moral a “C”, incidindo
também no CP, art. 217-A.
CONCLUSÃO: o tipo em que “A” estará incurso depende da finalidade
da indução de “C”: se para realizar conjunção carnal ou outro
ato libidinoso ou se para simplesmente satisfazer a lascívia de
outrem por mero ato contemplativo.
QUESTIONS
b) Qual a diferença entre o tipo do CP, art. 218 e aquele
do CP, art. 218-B?

Art. 218. Induzir alguém menor de 14 (catorze) anos a


satisfazer a lascívia de outrem:

Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à prostituição ou


outra forma de exploração sexual alguém menor de
18 (dezoito) anos ou que, por enfermidade ou
deficiência mental, não tem o necessário
discernimento para a prática do ato (...)
CP, ART. 218-B

CP, ART.
218
RESPOSTA:
A DIFERENÇA NÃO É SOMENTE QUANTO A
INDETERMINAÇÃO DA VÍTIMA, MAS
TAMBÉM QUANTO A HABITUALIDADE DA
PRÁTICA DO PROXENETISMO.
QUESTIONS
c) Caso a vítima tiver mais de 18 anos ou mais,
qual será o crime?

d) E se a vítima tiver entre mais de 14 e menos


de 18 anos?

e) E se a vítima tiver exatos 14 anos?


CP, art. 227 – Mediação para servir a
lascívia de outrem
Art. 227. Induzir alguém a satisfazer a lascívia de
outrem:
Pena – Reclusão, de um a três anos.
§ 1º - Se a vítima é maior de 14 (catorze) e menor
de 18 (dezoito) anos, ou se o agente é seu
ascendente, descendente, cônjuge ou
companheiro, irmão, tutor ou curador ou pessoa
a quem esteja confiada para fins de educação,
de tratamento ou de guarda:
Pena – Reclusão, de dois a cinco anos.
QUESTIONS
f) Para a consumação do tipo penal, basta a mera
indução ou é preciso também que o ato
destinado à satisfação da lascívia venha a se
concretizar?
MASSON e ROGÉRIO SANCHES: crime material
CELSO DELMANTO: Com a efetiva satisfação da
luxúria de outrem, independentemente , porém,
deste alcançar o “gozo genésico” (Magalhães de
Noronha, Direito Penal, 1995, v. III, p. 249)
g) Quais as diferenças entre o tipo de corrupção
de menores (CP, art. 218) e o tipo do art. 244-
B, do ECA?

Art. 218. Induzir alguém menor de 14 (catorze)


anos a satisfazer a lascívia de outrem:

Art. 244-B. Corromper ou facilitar a corrupção


de menor de 18 (dezoito) anos, com ele
praticando infração penal ou induzindo-o a
praticá-la:
OBJETIVIDADE CONSUMAÇÃO CONDUTA DO
MENOR
JURÍDICA

CP, ART. 218 DIGNIDADE SEXUAL CRIME MATERIAL ATO TENDENTE A


DO MENOR DE 14 SATISFAZER A
ANOS LASCÍVIA DE OUTREM

ECA, ART. 244-B Idoneidade moral da CRIME FORMAL (STJ, INDUÇÃO OU PRÁTICA
criança ou SÚMULA 500) DE QUALQUER
adolescente INFRAÇÃO PENAL
SATISFAÇÃO DE LASCÍVIA MEDIANTE
PRESENÇA DE CRIANÇA OU
ADOLESCENTE
• Art. 218-A. Praticar, na presença de alguém
menor de 14 (catorze) anos, ou induzi-lo a
presenciar, conjunção carnal ou outro ato
libidinoso, a fim de satisfazer lascívia própria
ou de outrem:

• Pena – Reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.


• OBJETIVIDADE JURÍDICA

• OBJETO MATERIAL

• NÚCLEO DO TIPO
• SUJEITO ATIVO

• SUJEITO PASSIVO

• CONSUMAÇÃO (crime formal)


AÇÃO PENAL

• A regra geral nos crimes contra a dignidade


sexual
QUESTIONS
A) E se houver envolvimento corporal do menor
de 14 anos?

B) O tipo alcança os demais vulneráveis (as


pessoas que, por deficiência ou enfermidade
mental, não tenham o necessário
discernimento ou que, por qualquer outra
causa, não possam oferecer resistência)?
QUESTIONS
b) Qual a diferença entre o tipo do CP, art. 218-A e aquele
do ECA, art. 241-D?

• Art. 218-A. Praticar, na presença de alguém menor de


14 (catorze) anos, ou induzi-lo a presenciar, conjunção
carnal ou outro ato libidinoso, a fim de satisfazer
lascívia própria ou de outrem:

Art. 241-D. Aliciar, assediar, instigar ou constranger,


por qualquer meio de comunicação, criança, como
fim de com ela praticar ato libidinoso.
RESPOSTA
No artigo 241-D, do ECA, o agente busca a
efetiva prática do ato sexual com a criança.

No artigo 218-A, do CP (em estudo), o agente


contenta-se com a mera presença da criança
ou adolescente (menor de 14 anos).
FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA
FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU
ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

• Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à


prostituição ou outra forma de exploração
sexual alguém menor de 18 (dezoito) anos ou
que, por enfermidade ou deficiência mental,
não tem o necessário discernimento para a
prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar
que a abandone:
• Pena – Reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos.
• OBJETIVIDADE JURÍDICA

• OBJETO MATERIAL

• NÚCLEO DO TIPO
• SUJEITO ATIVO

• SUJEITO PASSIVO

• CONSUMAÇÃO (crime formal)


AÇÃO PENAL

• A regra geral nos crimes contra a dignidade


sexual
QUESTIONS
A) Por que o tipo utiliza como elemento as
expressões exploração sexual e prostituição?
Não são atividades idênticas?

B) O tipo é instantâneo ou permanente?


QUESTIONS
c) É preciso habitualidade para a prática do tipo penal
descrito no “caput”?

d) É preciso, para a consumação do tipo descrito no


“caput”, que a vítima pratique conjunção carnal ou
outro ato libidinoso?

e) Para a incidência no § 2º, I, é preciso que o “cliente”


tenha conhecimento da idade da vítima? De igual
modo, é preciso habitualidade na manutenção das
relações sexuais com o “cliente” para o § 2º, I?
RESPOSTA
f) Em um confronto de normas, qual a distinção
entre o tipo do CP, art. 218-B, § 2º, inciso II e
o tipo do CP, art. 229?
• Art. 218-B. Incorre nas mesmas penas:
• II – o proprietário, o gerente ou o responsável
pelo local em que se verifiquem as práticas
referidas no “caput” deste artigo.

• CP, art. 229: Manter, por conta própria ou de


terceiro, estabelecimento em que ocorra
exploração sexual, haja, ou não, intuito de lucro
ou mediação direta do proprietário ou gerente.
DIVULGAÇÃO DE CENA DE ESTUPRO OU DE CENA DE
ESTUPRO DE VULNERÁVEL, DE CENA DE SEXO OU DE
PORNOGRAFIA
• Art. 218-C. Oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir,
vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou
divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de
comunicação de massa ou sistema de informática ou
telemática --, fotografia, vídeo ou outro registro
audiovisual que contenha cena de estupro ou de
estupro de vulnerável ou que faça apologia ou induza a
sua prática, ou, sem o consentimento da vítima, cena
de sexo, nudez ou pornografia:
• Pena – Reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, se o fato
não constitui crime mais grave.
DIVULGAÇÃO DE CENA DE ESTUPRO OU DE CENA DE
ESTUPRO DE VULNERÁVEL, DE CENA DE SEXO OU DE
PORNOGRAFIA
§ 1º. A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois
terços) se o crime é praticado por agente que mantém ou
tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou
com o fim de vingança ou humilhação.

Exclusão de ilicitude
§ 2º. Não há crime quando o agente pratica as condutas
descritas no caput deste artigo em publicação de
natureza jornalística, científica, cultural ou acadêmica
com a adoção de recurso que impossibilite a identificação
da vítima, ressalvada sua prévia autorização, caso seja
maior de 18 (dezoito) anos.
IMPORTANTE

Ao contrário do ECA, não são


punidas as condutas de aquisição,
posse e armazenamento.
IMPORTANTE

A expressão qualquer meio


envolve e-mail, Skype, Whatsapp,
Messenger, etc e streaming.
ATENÇÃO COM O ENQUADRAMENTO
LEGAL
O “vulnerável” a que se refere o tipo penal é
somente:
a) O que não tem discernimento para a prática
do ato e
b) Aquele que não pode oferecer resistência.
Os demais vulneráveis (menores de 14 anos),
quando vítimas, mudam a tipificação para o
ECA, arts. 241 e 241-A (“criança ou
adolescente”)
IMPORTANTE

Não é necessário a distribuição de


vídeo com imagens de cenas
sexuais. A simples apologia ao
estupro (passado ou futuro) é
suficiente!
EXCLUDENTE DE ILICITUDE

EX.: Caso de matéria jornalística


para se identificar o autor de um
estupro, por exemplo.
AUMENTO DE PENA

REVENGE PORN