Você está na página 1de 16

Histórico dos Direitos Humanos

A ciência Psicológica e os Direitos


Humanos
 O reconhecimento pelos direitos humanos, iniciou-
se no século XIX com a luta de trabalhadores
socialistas, embora não estejam aplicados de
maneira precisa e exata em diversos países a
maioria das práticas dos direitos humanos, ocorre
pelo fato de que se generalizarmos o mesmo
acabará sendo naturalizado o que retira seu
caráter histórico que foi o que justifica sua
existência.

 A redemocratização se deu no final dos anos


80,quando vários movimentos da sociedade civil
surgiram contra o autoritarismo e regime militar.
 Instituído pelo golpe militar 1964,a expressão
“Direitos Humanos” já fazia parte do vocabulário
de militares e políticos de esquerda naquela
época,uma prova de sua força ao combate
sistemático que na época associava “direitos
humanos” á “direito de bandido”

 Após a segunda guerra mundial foi reconstruído


da sociedade ocidental, contudo a Declaração
Universal dos Direitos Humanos de 1948 foi um
marco para responder as desumanidades que
aconteceram durante a guerra.
Propor um diálogo entre Psicologia e Direitos
Humanos significa algo de extrema
importância, já que o campo dos Direitos
Humanos sempre foi tradicionalmente ligado
ao Direito. Cada vez mais, torna-se
indispensável, explicar o diálogo entre esses
dois campos, não apenas para demonstrar os
pontos que possuem em comum, mas
principalmente para fundamentar teoricamente
quais as conexões entre Psicologia e Direitos
Humanos.
 Após a (re) democratização do país, o campo da
psicologia se ampliou e havendo uma quebra com
o que inicialmente foi a proposta da profissão. Já
não era mais possível manter uma Psicologia
individualizante.

 A psicologia implicada aos Direitos Humanos


sustentam pilares da ideia Marxista. O profissional
da Psicologia, através do seu compromisso ético e
o seu conhecimento teórico está submetido a essas
declarações de forma categórica, pois seu público-
alvo é o ser humano, independente da sua raça,
religião, condição econômica, gênero, idade, grau
de instrução, etc.
 Em 11 de março de 1979 foi criada uma ONG
Centro de Direitos Humanos Maria das Graças
Paz, com estudantes de Psicologia e Direito
atuando como estagiários atendendo as demandas
sociais entre violações de direitos, moradias,
sistema de atendimento em plantão. Totalizou-se
96 casos atendidos com diversas demandas sendo
moradia, segurança, e afins.
 Com o auxilio da psicologia com a escuta e
acolhimento facilita-se a compreensão da demanda
e da intervenção para além das probabilidades
jurídicas propicia um espaço de reflexão e
organização coletiva
 A psicologia e seu compromisso com os direitos
humanos tem adquirido um caráter particular,
dado que é uma ciência e uma profissão com um
elevado nível de compromisso e de
responsabilidade social.
 Buscamos saber sobre a psicologia frente aos
direitos humanos e o sofrimento mental.
O sofrimento mental é tudo aquilo que são
enquadrados em rótulos dentro dos padrões do
DSM IV, como entre outros. O sofrimento mental
vem de certa forma quebrando alguns direitos
naturais do homem, como a liberdade.
 Pensando no sofrimento mental podemos
trazer a questão do homossexualismo, os
paradigmas construídos que acabam excluindo
e causando sofrimento físico e mental, de
acordo com Artigo 1º dos Direitos Humanos :
Todos seres humanos nascem livres e iguais
em dignidade e em direitos. Dotados de razão
e consciência, devem agir um para com os
outros em espírito de fraternidade..
 A questão polêmica atual sobre “Bandido bom e
bandido morto”, podemos nos embasar também de
acordo com Artigo 5º :Ninguém será submetido a
tortura nem a penas ou tratamentos cruéis,desumanos
ou degradantes.
Ou seja, a questão não é apoiar o individuo que
cometeu atos errôneos, mas sim que ele tenha seu
direito de se redimir de forma humana.

 Para muitos a ideia de pessoas em situações carcerárias,


os direitos humanos são privilégios, quando na verdade
é um direito garantido a todo e qualquer cidadão, a
finalidade de se resguardar a dignidade de qualquer
indivíduo.
 O sofrimento mental através de atitudes que
vão contra os Direitos Humanos e que de
acordo com a psicologia que nos propõe pensar
e agir de forma empática para com o outro.

 O objetivo comum, é o de preservar o bem-


estar físico, psicológico e social dos indivíduos
e das comunidades que participam em tarefas
de investigação, incluídas nas investigações
psicológicas.
 A psicologia no contexto de Direitos Humanos
não somente assume um campo de atuação
como também diversas intervenções com
demandas reais a qual se comprometeu, se
dando autênticas possibilidades de atuação
concreta com intervenção diretiva.
 Direitos humanos não é apenas uma questão
social, política ou jurídica.
 O jurídico compete em impedir que os Direitos
humanos sejam violados.
 No Político e social é preciso considerar quais
políticas públicas e de Estado são as
“melhores” para garantir o sucesso a estes
Direitos
 Considerando como um desdobramento
ÉTICO, significa falar em valores como o
direito à vida, a paz, a justiça social, a
democracia.
 É preciso pensar não só em políticas publicas
que garantam o acesso de todos aos Direitos
assegurados pela Constituição Federal, como
também é preciso pensar uma política de
Direitos Humanos com base na ética e na
participação cidadã que garanta aos indivíduos
a condição de ser no plano econômico, político,
intelectual, conscientes das relações de poder, e
no plano da ética, um cidadão comprometido
com a transformação e realidade social.
É possível compreender toda a evolução da histórica do homem,
onde sempre se reuniu em grupos para melhor organizar sua vida, razão
pela qual torna-se difícil saber quando começou a se falar sobre os
Direitos Humanos.
Existe diversas equivocações sobre Direitos humanos, contudo o seu
objetivo é de garantir e preservar a todo e qualquer cidadão, o bem-estar
físico, psicológico e social dos indivíduos e das comunidades.
Em virtude disso, podemos concluir que o exercício profissional da
psicologia, em qualquer dos seus campos de aplicação, deverá sustentar-
se não só em um desenvolvimento científico e técnico da maior
qualificação possível, se não também em um iniludível compromisso
ético, baseado no respeito irrestrito pelos direitos humanos.