Você está na página 1de 1

XI CONGRESSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2018

O IMPACTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA NA QUALIDADE DE VIDA DA


SOCIEDADE
Gabriela Valvassori¹, Elisiana Alves Kleinschmitt²

1. Aluno(a) do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas (UDC)
2. Orientadora e professora do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas (UDC). E-mail: elisiana@udc.edu.br

Introdução

O urbanismo contemporâneo, tem como obstáculo, proporcionar qualidade de vida a partir da criação de
espaços urbanos que atendam as necessidades humanas, pois estudos realizados pela OMS (Organização
Mundial da Saúde) mostram a importância da arborização na saúde humana. A partir de tal fato, o objetivo
desta discussão é analisar as influências da arborização urbana na qualidade de vida da população.
Material e Métodos Resultados

Para a elaboração deste trabalho, foram feitas revisões As árvores desempenham um papel essencial para o bem-
bibliográficas em obras que abordassem o tema de estar das cidades, pois possuem capacidade de controle
pesquisa “arborização urbana” e “qualidade de vida”. dos efeitos adversos do meio urbano como, a melhora da

De acordo com Resende (2011), a arborização urbana são qualidade do ar, do solo, e do clima o que afeta

os elementos vegetais de porte arbóreo, dentro da cidade, diretamente os moradores destes locais contribuindo

ou seja, o conjunto de áreas públicas ou privadas com significativamente na melhoria da qualidade de vida da

cobertura arbórea que uma cidade apresenta. população urbana, estabelecendo desta forma, uma

Conforme Ulrich (2002), vários estudos mostraram crescente necessidade por áreas verdes urbanas a serem

consistentemente que simplesmente olhando para implantadas em prol de toda a comunidade, sendo

ambientes dominados por vegetação, flores ou água é necessário o planejamento urbano onde sejam observadas

significativamente mais eficaz na promoção de as características e necessidades de cada local.

recuperação ou restauração do estresse.

Existem evidências consideráveis de que os efeitos Conclusões

restaurativos das cenas da natureza são manifestados Com este, pode-se observar algumas das vantagens
dentro de apenas três a cinco minutos como uma obtidas para o homem e sua qualidade de vida com a
combinação de efeitos psicológicos; emocionais e arborização urbana, como a redução do estresse e
alterações fisiológicas (ULRICH, 1981; ULRICH, 1991). consequentemente nas doenças decorrentes deste.

Referências Bibliográficas
CASCO, Maria Teresa Báez; SANTIAGO, Alina Gonçalves. Critérios de arborização urbana. Estudo de caso: cidade de Foz do Iguaçu – PR. 2010, 15f. Tese (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.
CABRAL, Pedro Ivo Decurcio. Arborização Urbana: Problemas e Benefícios. Resvista Especialize on-line IPOG, Goiânia, v. 1, 2013. Disponível em: < https://www.ipog.edu.br/revista-especialize-online/edicao-n6-2013/arborizacao-urbana-problemas-e-beneficios/>. Acesso em: 02 out. 2018.
CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARANÁ (CREA-PR). Arborização Urbana. Disponível em: < http://www.crea-pr.org.br/ws/wp-content/uploads/2016/12/arborizacao-urbana.pdf>. Acesso em: 02 out 2018.
CONSTANTINO, Norma Regina Truppel. Jardins educativos e terapêuticos como fatores de qualidade de vida urbana. In: Congresso Luso-Brasileiro para o planejamento Urbano, Regional, Integrado, Sustentável, 4., 2010, Portugal. Anais... Portugal: PLURIS, 2010. Disponível em: <http://pluris2010.civil.uminho.pt/Actas/PDF/Paper56.pdf>. Acesso em: 18 out. 2018.
FONTES, Maria Solange Gurgel de Castro. Qualidade espacial e conforto térmico em ruas de pedestres. Arquitetura, urbanismo e paisagismo: contexto contemporâneo e desafios, Bauru – SP, v. 1, p. 79-89, 2011. Canal 6 Editora. Disponível em:< https://www.researchgate.net/profile/Juliana_Antunes_De_Azevedo/ publication/268077617_Indices_edilicios_para_uma_abordagem_climatico-energetica_contemporanea/links/54611d710cf2c1a63bff7de1/Indices-edilicios-para-uma-abordagem-climatico-energetica-contemporanea.pdf>. Acesso em: 17 out. 2018.
GRAHN, Patrik; STIGSDOTTER, Ulrika. Landscape planning and stress. Urban & Fischer Verlag, v. 2, n. 1, 2003, p. 1-18. Disponível em: < http://www.urbanfischer.de/journals/ufug>. Acesso em: 07 out. 2018.
KAPLAN, Stephen; TALBOT, Janet Frey. Psychological benefits of a wilderness experience. In: ALTMAN, Irwin; WOHLWILL, Joachim. Behavior and the Natural Environment. Nova Iorque: 1983. P. 163–203.
LORENZI, Harri. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 1992. 384p.
MASCARÓ, Lucia; MASCARÓ, Juan. Vegetação Urbana. Porto Alegre: UFGRS, 2002. 242p.
MENDONÇA, Mauro das Graças. Políticas e condições ambientais de Uberlândia – MG no contexto estadual e federal. 2000. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2000.
MILANO, Miguel; DALCIN, Eduardo. Arborização de Vias Públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000. 226p.
RESENDE, Otávia Melina de. Arborização Urbana. 2011. 28f. Monografia (Bacharelado em Geografia e Meio Ambiente) - Universidade Antônio Carlos, Barbacena, 2011.
SEGAWA, Hugo. A. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1996. 256p.
SOARES, Mozart Pereira. Verdes Urbanos e Rurais: Orientação para arborização de cidades e sítios campesinos. Rio de Janeiro: Cinco Continentes, 1998. 242p.
TUDINI, Odilon Groxiatti. A arborização de acompanhamento viário e a verticalização na zona 7 de maringá – PR. 2006. 150f. Dissertação (pós-Graduação em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá. 2006.
ULRICH, Roger. Natural versus urban scenes: Some psychophysiological effects. Environment and Behavior, v.13, n. 5, 1981, p. 523-556. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/249623753_Natural_Versus_Urban_ScenesSome_Psychophysiological_Effects>. Acesso em: 07 out. 2018.
ULRICH, Roger. Effects of health facility interior design on wellness: Theory andrecent scientific research. In: ANNUAL NATIONAL SYMPOSIUM ON HEALTH CARE INTERIOR DESIGNJOURNAL OF HEALTH CARE DESIGN. Anais... US, 1991. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/13173950_Effects_of_interior_design_on_wellness_Theory_and_recent_scientific_research>. Acesso em: 07 out. 2018.
ULRICH, Roger. Effects of healthcare environmental design on medical outcomes. In: DESIGN AND HEALTH: PROCEEDINGS OF THE SECOND INTERNATIONAL CONFERENCE ON HEALTH AND DESIGN. Anais… Suécia, 2001. Disponível em: < http://www.capch.org/wp-content/uploads/2012/10/Roger-Ulrich-WCDH2000.pdf>. Acesso em: 07 out. 2018.

ULRICH, Roger. Health Benefits of Gardens in Hospitals. In: INTERNATIONAL EXHIBITION FLORIADE, 2002. Anais…Países Baixos: FLORIADE, 2002. Disponível em:<https://www.researchgate.net/publication/252307449_Health_Benefits_of_Gardens_in_Hospitals>. Acesso em: 07 out. 2018.
VIOLA, Vagner Marcos; MOURA, Jeani Delgado Paschoal. Arborização viária: uma colaboração à qualidade de vida da comunidade escolar e seu entorno. Cadernos PDE, 2016.
WHOQOL. World Health Organization Quality Of Life. MEASURING QUALITY OF LIFE. WHO. World Health Organization. Suiça, 1997. Disponível em: < http://www.who.int/mental_health/media/68.pdf>. Acesso em: 16 out. 2018.
WHOQOL. The world health organization quality of life assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Soc. Sci. Med., Grã-Bretanha, v. 46, n. 12, 1998. Disponível em: <http://www.psychology.hku.hk/ftbcstudies/refbase/docs/thewhoqolgroup/1998/71_TheWHOQOLGroup1998.pdf>. Acesso em: 17 out. 2018.