Você está na página 1de 31

HISTÓRIA DA FARMÁCIA

Introdução às Ciências Farmacêuticas


Profº. Edson Sidião, Farm. MSc.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA
•Os chineses, por exemplo, há mais de 2.600 anos já
preparavam remédios extraídos de plantas.

• Mil anos depois, os egípcios faziam o mesmo, utilizando


também sais de chumbo, cobre e ungüentos feitos com a
gordura de vários animais, como hipopótamo, crocodilo e
cobra.

• Na Índia, Roma e na Grécia, onde Hipócrates, ao


sistematizar os grupos de medicamentos - narcóticos,
febrífugos e purgantes - inaugurou uma nova era para a
cura.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA

• O primeiro documento farmacêutico data de cerca


de 2500 a.C.

• Na Antiguidade a Medicina e a Farmácia eram uma


só profissão, mas na antiga Roma começou a
separação daqueles que diagnosticavam a doença,
daqueles que misturavam matérias para produzir
porções de cura, era a época de Hipócrates e de
Galeno.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA

• Hipócrates (Pai da Medicina)


Patologia geral  apepsia (desequilíbrio)
 pepsis (febre, inflamação e pus)
 crisis ou lysis (eliminação)
• Galeno (Pai da Farmácia).
• Combatia as doenças por meio de substâncias ou
compostos que se opunham diretamente aos sinais e
sintomas das enfermidades.
• É precursor da alopatia.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA

Galeno (200 – 131 a.C.)


• Escreveu bastante sobre farmácia e medicamentos,
e em suas obras se encontraram cerca de quatro
centenas e meia de referências a fármacos.

• Elaborou uma lista de remédios vegetais,


conhecidos como "galênicos", a maioria dos quais era
composta com vinho.
• Observador e metódico, classificou e usou
magistralmente as ervas. Fazia preparações
denominadas "teriagas" feitas com vinho e ervas.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA
• No século II, os árabes fundaram a primeira escola de
farmácia de que se tem notícia, criando inclusive uma
legislação para o exercício da profissão.

• A partir do século X, foram criadas as primeiras boticas


- ou apotecas - na Espanha e na França. Eram as
precursoras das farmácias atuais.

• Cabia aos boticários conhecer e curar as doenças, e


para o exercício da profissão deviam cumprir uma série
de requisitos e ter local e equipamentos adequados para
a feitura e guarda dos remédios.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA

• No século XVI, o estudo dos remédios ganhou


impulso notável, com a pesquisa sistemática dos
princípios ativos das plantas e dos minerais capazes
de curar doenças.

• Também foi constatada a existência de


microorganismos úteis e nocivos.

• Com o tempo, foi implantada no mundo a indústria


farmacêutica e, com ela, novos medicamentos são
criados e estudos realizados, em velocidade
espantosa.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA
NO BRASIL
• Governador geral Thomé de Souza trouxe de
Portugal o 1° Boticário Diogo de Castro.
• No Brasil colônia, medicamentos e outros
produtos com fins terapêuticos podiam ser
comprados em boticas.
• O boticário em frente ao doente manipulava e
produzia medicamentos, de acordo com a
farmacopéia e a prescrição dos médicos.
•Nos locais distantes eram vendidos por mascates
O PAPEL DOS JESUÍTAS
• Foram os primeiros a instituir enfermarias e boticas
em seus colégios, tornando-se especialistas em
preparo de remédios, principalmente os feitos à base
de plantas medicinais.

• Era nos colégios que a população encontrava os


medicamentos, vindos de Portugal ou preparados pelos
próprios jesuítas.

• Carta de Aprovação como boticário.


HISTÓRIA DA FARMÁCIA
NO BRASIL
• Em 1640, as boticas foram autorizadas a
funcionar como comércio e se multiplicaram em
toda a colônia.

• Com o tempo, foram surgindo outros


componentes de remédios, como mercúrio,
arsênico e ópio.
Regimento 1744

•Proibia a distribuição de drogas e medicamentos


para estabelecimentos não habilitados;
• Multas e apreensões em caso de
descumprimentos;
• Criação da figura de Responsável Técnico
• Exigia a existência de balanças, pesos e
medidas, medicamentos galênicos, vasilhames,
livros, etc.
CURSOS DE FARMÁCIA
NO BRASIL
• Vinda da família Real para o Brasil
• 1832 – Faculdade de medicina na Bahia
• 1834 – Faculdade do Rio de Janeiro
• 1837 – Formados os 6 primeiros farmacêuticos
brasileiros
• 1839 – Escola de Farmácia de Ouro Preto
• 1896 – Escola de Farmácia de Porto Alegre
• 1899 – Escola de Farmácia de São Paulo
• 1912 – Escola de Farmácia da UFPR
HISTÓRIA DA FARMÁCIA NO BRASIL
 Com a fundação das primeiras Faculdades
de Farmácia (1839 - 1898), o boticário foi
lentamente sendo substituído pelo
Farmacêutico.
 A botica, onde o boticário pesquisava e
manipulava fórmulas extemporâneas,
originou dois novos tipos de
estabelecimentos:
 Farmácia
 Laboratório Industrial Farmacêutico
(VOTTA, 1965; COELHO, 1980).
DECRETO 19.606/31

• Reconhece a competência para o farmacêutico


exercer: Análises clínicas, químico bromatologista,
biologista e legista;
• Controle de venda de substâncias causadoras de
dependência, retenção de receita e guarda em
armários;
• Obrigatoriedade da direção por farmacêutico nos
laboratórios privativos de hospitais, casa de saúde,
sanatórios, cooperativas, estabelecimentos
religiosos.
HISTÓRIA DA FARMÁCIA NO BRASIL
 Até a década de 30, a indústria nacional de
medicamentos eram em sua maioria de reduzidas
dimensões e tinham uma origem familiar (BARROS, 1995).

 Baseava-se no emprego de matérias-primas de origem


vegetal e mineral, apresentando condições adequadas ao
suprimento do mercado existente, àquela época bastante
reduzido (COELHO, 1980; BARROS, 1995).

 Embora a produção de medicamentos satisfizesse o


mercado, é imperioso ressaltar que isto se deve ao fato
de que grande parte da população não tinha acesso aos
serviços de saúde (BARROS, 1995).
INDUSTRIALIZAÇÃO
 Introdução bastante rápida dos antibióticos e
produtos de síntese no campo da terapêutica
 Abertura de nossa economia ao capital
estrangeiro, esta indústria nacional emergente
foi totalmente absorvida pelos oligopólios
internacionais do medicamento
 da procura por farmácias de manipulação.
 Foco passa a ser o médico
 Afastamento do farmacêutico para as outras
áreas
(FRENKEL, 1978; COELHO, 1980; GIOVANNI, 1980; RECH, 1985; BARROS, 1995; BERMUDEZ, 1995).
CRIAÇÃO DOS CONSELHOS
 Ordem dos Farmacêuticos após a II semana de
Farmácia em São Paulo (1936);

 Em 1957 encaminhado projeto ao governo  em


11 de novembro de 1960 são criados os CFF e
CRFs;

 Em 1969 reforma universitária com implantação do


currículo mínimo.
Símbolo da Farmácia
A taça com a serpente nela
enrolada é
internacionalmente
conhecida como símbolo da
profissão farmacêutica. Sua
origem remonta à
antigüidade, sendo parte das
histórias da mitologia grega.
Segundo as literaturas
antigas, o símbolo da
Farmácia ilustra o poder
(cobra) da cura (taça).
LEI 5991/73
 Lei sanitária com forte pressão de associações de
donos de farmácias além da indústria
farmacêutica;
 Criam-se Posto e dispensários de medicamentos
em estabelecimentos hospitalares;
 Permitem a venda de anódinos em hotéis e
similares;
 Drogaria é estabelecimento de venda e varejo de
produtos farmacêuticos;
 Admitem a abertura por leigos;
 A farmácia é caracterizada por comércio
"Projeto Biomédico"
 Na década de 80 o projeto mobilizou a categoria
farmacêutica, inclusive o movimento estudantil, no
sentido de preservar a profissão farmacêutica.

 As bandeiras de luta e a necessidade de


articulação da categoria, neste momento,
propiciaram as condições fundamentais para
avaliações e constatações sobre uma possível
crise de identidade do Farmacêutico, uma vez que
este encontrava-se afastado de seu eixo principal
de atuação: o medicamento (VI SEMINÁRIO, 1994).
A FARMÁCIA NO MUNDO

“Uma sociedade sem médicos não tem


saúde, uma saúde sem medicamentos
não tem remédios, um remédio sem
farmacêutico não tem cura”.
PORTUGAL

Desde 1521, D. Manuel instituiu o


Regimento do Físico-Mor do Reino, em
que somente os farmacêuticos (boticários)
poderiam ser proprietários, após exame
de conhecimento realizado por um júri,
composto pelo Físico-Mor, físicos da corte
e pelos boticários do rei e da rainha
PORTUGAL

 Ensino em 5 anos com possibilidade de


Farmácia Pública, Hospitalar, Industrial e
Análises Clínicas;

 Limitação do número de farmácias por


distância;
FRANÇA
 Rei Luís XV mandou chamar de
farmacêutico em vez de boticário;
 Farmácias funcionam com farmacêuticos
durante todo o horário. Fecham nas férias;
 São identificados por uma cruz verde, os
remédios ficam atrás do balcão;
 O farmacêutico é remunerado por uma
margem fixa sobre o preço da venda. Os
medicamentos são reembolsados pela
seguridade.
FRANÇA

 Não há propriedade sem direção técnica;

 No caso de falecimento do farmacêutico, os


herdeiros podem ficar no máximo 1 ano mas
com farmacêutico.
ESPANHA
 São bem tradicionalistas com laboratórios de
manipulação;

 Farmácia somente de farmacêuticos, em


caso de falecimento 18 meses;

 Nas férias ou quando não há farmacêuticos,


as farmácias fecham;

 Zoneamento das farmácias.


ITÁLIA
 A abertura de farmácias é exclusiva de
farmacêuticos, não há redes;
 A presença de farmacêutico é necessária
durante todo o horário de funcionamento,
fecha nas férias;
 Lei obriga uma farmácia a cada 4.000
habitantes. E não menos de 200 m.
 Lei obriga farmacêuticos em hospitais
ALEMANHA

 Propriedade do farmacêutico;
 Presença durante todo o período de
funcionamento, na ausência e férias fecham;
 Placa com o nome na entrada;
 Pode cobrar por consultas e serviços como
profissional de saúde, independentemente da
venda;
REINO UNIDO

 Propriedade exclusiva;
 Recebimento por margem média de 33%;
 Medicamentos são vendidos a granel;
 Farmácias fecham na ausência ou férias do
farmacêutico.
Contudo...
 Muito além de ser um simples dispensador
de remédios, o farmacêutico está envolvido
no processo de pesquisa de novas drogas,
no estudo de efeitos colaterais e de reações
adversas dos medicamentos já existentes, na
fabricação de cosméticos, na medicação de
doentes hospitalares, na fiscalização
sanitária e em outras atividades que
asseguram a qualidade de vida.
REFLEXÃO
“O papel do Farmacêutico no mundo é tão nobre
quão vital. O Farmacêutico representa o elo de
ligação entre a medicina e a humanidade sofredora.
É o atento guardião do arsenal de armas com que o
Médico dá combate às doenças. É quem atende às
requisições a qualquer hora do dia ou da noite. O
lema do Farmacêutico é o mesmo do soldado: servir.
Um serve à pátria; outro à humanidade, sem
nenhuma discriminação de cor ou raça”.

Monteiro Lobato

Você também pode gostar