Você está na página 1de 36

O QUE É O PROJETO ARQUITETÔNICO?

• O projeto arquitetônico é uma proposição de


solução a um problema;
• Projetar: ato de idealizar, inventar, imaginar o
objeto que ainda será construído;
• O projeto arquitetônico é a representação de
uma ideia;
• Estado inicial a um futuro imaginado
• Leitura do Espaço
• Compreensão do problema
• Definição do Conceito
• Definição do projeto
LEITURA DO ESPAÇO

• Análise da estrutura física;


• Condições climáticas;
• Análise do Entorno imediato;
• Legislações vigentes e planos urbanísticos da área.
Análise da estrutura física: Estrutura geofísica,
hidrográfica e vegetal
Condições climáticas
Entorno: Identificação de usos
Predominantes e acessos.
Legislações vigentes e planos urbanísticos da área.
Estes dados são importantes por fornecer um diagnóstico do
estado inicial que se pretende alterar.

Nesta etapa são identificados obstáculos e oportunidades


para o projeto arquitetônico.
COMPREENSÃO DO PROBLEMA

O programa arquitetônico
• Elaboração de organograma- fluxograma
• Pré-dimensionamento
• Legislações específicas referentes ao projeto.
• Estudos de referência
O programa arquitetônico: identifica as necessidades espaciais
Organograma-fluxograma: apresenta as relações
desejáveis entre os distintos espaços
Pré-dimensionamento: define a área necessária
para cada espaço
Legislações específicas referentes ao projeto.
Estudos de referência
Nesta etapa são identificadas as necessidades, expectativas e
aspirações que o projeto arquitetônico deve atender.
• Leitura do espaço+ compreensão do problema= primeiras ideias/ inicio do
processo projetual
O QUE É PARTIDO ARQUITETÔNICO?

•Ideia preliminar do edifício a ser projetado;

•O partido arquitetônico fixa a concepção básica de um projeto, a sua


essência em termos de organização planimétrica e volumétrica, assim como
suas possibilidades estruturais e de relação com o contexto.
PARTIDO = CONTEXTO OBJETIVO DO PROGRAMA EINTERPRETAÇÃO DOS
CONDICIONANTES + INTENÇÃO PLÁSTICA DO PROJETISTA
“enquanto satisfaz apenas às exigências técnicas e funcionais - não é
ainda arquitetura; mas quando - popular ou erudita - aquele que a
ideou para e hesita ante a simples escolha de um espaçamento de pilar
ou de relação entre altura e largura de um vão e se detém na procura
obstinada da justa medida entre ‘cheios’ e ‘vazios’, na fixação dos
volumes e subordinação deles a uma lei e se demora atento ao jogo de
materiais ao seu valor expressivo - quando tudo isso vai a pouco
somando, obedecendo aos mais severos preceitos técnicos e funcionais,
mas também àquela intenção superior que seleciona, coordena e
orienta em determinados sentido toda essa mas a confusa e
contraditória de detalhes, transmitindo assim ao conjunto ritmo,
expressão, unidade e clareza - o que confere à obra o seu caráter de
permanência. Isto sim é arquitetura"

Lúcio Costa COSTA, Lúcio (1902-1998). Considerações sobre arte


contemporânea (publicado em 1952). In: Lúcio Costa, Registro de uma vivência.
São Paulo: Empresa das Artes, 1995
DE ONDE VEM O PARTIDO ARQUITETÔNICO?
DA ANÁLISE DO TERRENO "Minha preocupação foi projetar essa residência
com inteira liberdade, adaptando-a aos desníveis do terreno, sem o modificar, fazendo-a
em curvas, de forma a permitir que a vegetação nelas penetrasse, sem a separação
ostensiva da linha reta. E criei para as salas de estar uma zona em sombra, para que a parte
envidraçada evitasse cortinas e a casa ficasse transparente como preferia“ Oscar Niemeyer CASA
DAS CANOAS, Rio de Janeiro [1956]
DO PROGRAMA DE NECESSIDADES

A nova casa deveria liberar o marido da prisão na qual sua casa antiga e a cidade medieval
se transformaram após o acidente de carro que deixou o marido paraplégico. O arquiteto
propôs uma casa – ou melhor, três casas – uma sobre a outra. O homem tinha sua própria
sala, ou melhor, estação: a plataforma elevatória. O movimento do elevador muda
continuamente a arquitetura da casa. A máquina é o coração. (REM KOOLHAAS)
DO CONTEXTO “Eu quis que o edifício refletisse a situação da sociedade da
Tchecoslováquia durante a Revolução de Veludo. Duas partes. Como uma
sociedade que esqueceu seu passado totalitário – uma parte estática – e uma
sociedade que esqueceu seu passado totalitário mas estava se movendo para um
mundo cheio de mudanças. Esta foi a ideia principal” Vlado Milunic
DO VOLUME PRETENDIDO “Less is more” = “Menos é mais” Mies
van der Rohe “Todo elemento físico foi destilado a sua essência irredutível. O
interior é transparente para o entorno e seu interior organizado em si mesmo.
Toda a parafernália da vida tradicional – salas, paredes, portas, imagens nas
paredes e até mesmo bens pessoais – foram abolidos em uma visão puritana da
existência simples e transcendental “Maritz Vandenburg , historiador CASA FARNSWORTH - Plano,
Illinois, EUA [1951]
DO ESPAÇO PRETENDIDO "Na Catedral, por exemplo, evitei as
soluções usuais das velhas catedrais escuras, lembrando o pecado. E, ao contrário,
fiz escura a galeria de acesso à nave e esta toda iluminada, colorida, voltada com
seus belos vitrais transparentes para os espaços infinitos.“ Oscar Niemeyer CATEDRAL, BRASÍLIA
[1958]
DA IDENTIDADE / IMAGEM DO LUGAR “Foi observando o pessoal nativo – os
seringueiros, para mim, gigantes que cruzam a floresta amazônica a pé e passam meses
embrenhados na mata, levando uma bagagem mínima, enfrentando toda sorte de
problemas até grande onças que a gente pode encontrar mesmo perto de Manaus – que
aprendi sobre o fazer regional” Severiano Porto Centro de Proteção Ambiental de Balbina [1968-1989]
DA LEGISLAÇÃO REGULAMENTADORA “A casa é uma
resultante direta da complicada geometria do terreno. Em planta, todas as
linhas perimetrais são dadas pela maior ocupação possível da propriedade,
descontando-se os recuos (restritos ora por legislação municipal, ora por
regramento do loteamento). Daí, o apelido de Casa Offset: uma casa que é um
reflexo preciso do intricado terreno”. Shieh Arquitetos Associados