Você está na página 1de 31

Módulo B2

Processos de reprodução

Ciclos de Vida
• De que modo as estratégias reprodutivas podem
condicionar a sobrevivência das populações dos
seres vivos?

Que relação pode estabelecer-se entre as estratégias


de reprodução e os desafios que o meio impõe aos
organismos?
Os organismos que produzem
simultaneamente gâmetas
masculinos e femininos
denominam-se hermafroditas.
De que são exemplos os
caracóis, as minhocas ou as
orquídeas.
A meiose é um mecanismo constituído
por duas divisões nucleares – divisão I e
divisão II – durante a qual há redução do
número de cromossomas para metade. A
divisão I é reducional e a divisão II é
equacional.
Replicação do DNA.
Cromossomas com
Divisão I da Meiose
dois cromatídios. Os cromossomas
unem-se através dos
centrómeros ao fuso
acromático.
Alinhamento na placa
Interfase I equatorial.
Rotura dos pontos de
Prófase I quiasma e separação
aleatória dos
Condensação dos homólogos. Cada
cromossomas. cromossoma possui
Formação de bivalentes. Metáfase I
dois cromatídios.
Ocorrência de crossing-
over.
Anáfase I
Em cada pólo existe um cromossoma de dois
cromatidíos de cada um dos homólogos.
Desaparecimento do fuso acromático, Telófase I e Citocinese
formação de um invólucro nuclear.
Condensação dos Divisão II da Meiose
cromossomas.
Alinhamento dos cromossomas
cada um constituído por dois
cromatídios. Centrómeros
dispostos na zona equatorial.
Prófase II Separação dos cromatídios de
cada cromossoma e migração
para pólos opostos.
Anáfase II
Metáfase II

Em cada pólo os cromossomas


têm apenas um cromatídio.
Reaparecimento do invólucro
nuclear. Individualização das
células-filhas. Telófase II
Durante a meiose podem ocorrer
alterações do material genético
denominadas por mutações tanto ao
nível dos genes (mutação génica) como
da estrutura e número de
cromossomas – mutação
cromossómica.
A meiose e a fecundação promovem a variabilidade genética
A meiose e a
fecundação
promovem a
variabilidade
genética
Ciclos De Vida

O ciclo de vida dos organismos que se reproduzem


sexuadamente é marcado por dois processos: a meiose e a
fecundação que, em conjunto, permitem a manutenção do
número de cromossomas característico de cada espécie.
O ciclo de vida é aplicável a todos os
organismos e corresponde à sequência dos
acontecimentos desde a conceção do indivíduo
até à sua própria reprodução.

A meiose e a fecundação
promovem a alternância de fases
nucleares: haplófase e diplófase.
Ciclos de Vida
 Alternância de fases nucleares
 Num ciclo de vida uma fase haplóide (entidades com núcleo
haplóide) alterna com uma fase diplóide (entidades com núcleo
diplóide).
Ciclo de vida de um ser vivo haplonte

Meiose pós-zigótica;
Os gâmetas são produzidos
por mitose;
Única célula diplóide é o
zigoto
Indivíduo adulto com células
haplóides;
Maior extensão da haplofase;
Ocorre em fungos e algas.
Ciclo de Vida da Espirogira

 Alga verde;
 Habitat: água doce;
 Forma agregados filamentosos com células
dispostas topo a topo;
 Reprodução assexuada – fragmentação
(condições favoráveis – Primavera);
 Reprodução sexuada – em condições
desfavoráveis
Ciclo de vida da Espirogira

• Os filamentos colocam-se lado


a lado e emitem
protuberâncias;
• União das protuberâncias,
origina o tubo de conjugação;
• O conteúdo celular de uma
célula desloca-se pelo tubo de
conjugação e une-se ao
conteúdo da célula do outro
filamento;
• Ocorre fecundação
• Forma-se o zigoto;
Célula recetora (n)

Zigoto(2n)

Tubo de conjugação
Célula dadora (n)

 O zigoto rodeia-se de uma parede espessa e entra em latência -


zigósporo;
 Quando as condições são favoráveis o zigoto sofre meiose, dando
4 núcleos;
 3 núcleos degeneram o que fica sofre mitoses e origina novo Zigósporo (2n)
filamento.
Ciclo de vida da Espirogira
 gâmetas morfologicamente indiferenciados - isogâmicos.
 o conteúdo de um filamento move-se (gâmeta dador) em
direção ao conteúdo celular de outro filamento (gâmeta
recetor).
 meiose pós-zigótica – a seguir à formação do zigoto.
 alternância de fases nucleares – entidades de núcleo
haplóide alternam com entidades de núcleo diplóide.
 organismo haplonte - só o zigoto pertence à fase diplóide.
Nos organismos haplontes, a meiose é pós-zigótica e a única estrutura diplóide é o
zigoto.
Ciclo de vida de um ser vivo haplodiplonte

 Meiose pré-espórica
 Existe alternância de gerações – existe uma
geração esporófita e uma geração
gametófita;
 Geração gametófita (n) – resulta do
desenvolvimento de um esporo (n) e
termina com a formação de gâmetas (n);
 Geração esporófita (2n) – inicia-se com o
desenvolvimento do zigoto (2n) e termina
aquando da formação dos esporos.
 Ocorre na maioria das plantas e também nas
algas;
Ciclo de Vida do Polipódio
 Feto vulgar
 Planta sem sementes nem flores e
com um caule subterrâneo
(rizoma)
 Reprodução assexuada:
fragmentação do rizoma
 Habitat: locais húmidos
Ciclo de Vida do Polipódio
Ciclo de Vida do Polipódio
• O polipódio é um feto em que a planta adulta constitui o esporófito. Em
determinadas alturas do ano observam-se, na página inferior das folhas,
pontuações granulosas constituídas por pequenos sacos – os esporângios. O
conjunto de vários esporângios denomina-se de soro.

Esporângio

Esporos
Soro
Ciclo de Vida do Polipódio
• Nos esporângios, as células-mães dos esporos, por meiose, dão origem a
esporos. A rutura do esporângio permite a dispersão dos esporos, que caindo
na terra germinam e dão origem ao gametófito que possui vida livre.
Ciclo de Vida do Polipódio

 meiose pré-espórica – aquando da formação dos esporos.


 fecundação dependente da água.
 alternância de fases nucleares – entidades de núcleo haplóide alternam com
entidades de núcleo diplóide.
 alternância de gerações – uma geração produtora de esporos (g. esporófita)
alterna com uma geração produtora de gâmetas (g. gametófita).
 organismo haplodiplonte
Os organismos haplodiplontes têm as fases diplóide e haplóide bem desenvolvidas em
consequência da meiose pré-espórica. A geração esporófita é mais desenvolvida e
integra a planta adulta diplonte.
Ciclo de vida de um ser vivo diplonte

Meiose pré-gamética;
Os gâmetas são as únicas células
haplóides;
Indivíduo adulto constituído por
células diplóides;
Maior extensão da diplofase;
Ocorre na maioria dos animais;
Os organismos diplontes têm meiose pré-gamética. Ocorre dominância quase
absoluta da fase diplóide. As únicas estruturas haplóides são os gâmetas.
Ciclo de Vida do Homem

 Gametas morfologicamente
diferenciados e produzidos em
ovários e testículos.
 meiose pré-gamética – aquando da
formação dos gâmetas.
 alternância de fases nucleares –
entidades de núcleo haplóide
alternam com entidades de núcleo
diplóide.
 organismo diplonte – só os gâmetas
pertencem à fase haplóide.
Ciclos de Vida – quadro comparativo