Você está na página 1de 1

A FORMAÇÃO PASTOS BONS NA REGIÃO DE AMARANTE-PI, JURÁSSICO-CRETÁCEO DA BACIA DO PARNAÍBA

Oliveira Neto, P.C.1; Pinto, E.S.1; Sena, W.A.O.1; Reis, L.N.1; Paraense, R.M.A.1; Salomão Neto, M.P.1; Telis, D.L.1; Cardoso, A.R.1,2; Nogueira, A.C.R.1,2

1 Universidade Federal do Pará; 2 Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica da UFPA

INTRODUÇÃO
A Formação Pastos Bons está enquadrada na sequência basal do Grupo
Mearim, sucessão sedimentar de idade Jurássica da Bacia do Parnaíba e
compreende três segmentos deposicionais. O mais basal engloba arenitos brancos,
esverdeados e amarelados, finos a médios, com grãos subarredondados,
apresentando estratificação paralela e localmente lentes de calcário. A porção
média é formada por siltitos e folhelhos/argilitos cinza esverdeados intercalados
com arenitos (Vaz et al., 2007). A porção superior é composta por arenitos
vermelhos finos, gradando para siltito e envolvendo níveis de folhelhos (Caputo,
1984). Estes segmentos representam depósitos relacionados a paleodepressões
continentais lacustrinas e com relativa contribuição fluvial (Vaz et al., 2007).
O estudo foi realizado a partir da atividade de campo da disciplina
“Mapeamento Geológico I”, do curso de Geologia da Universidade Federal do Pará
e a área selecionada se encontra na porção Oeste do estado do Piauí, entre as
coordenadas de latitude e longitude do polígono 6°33'29''S 42°52'57"W, 6°33'29"S
42°48'36"W, 6°36'10"S 42°48'36"W, 6°36'10"S 42°52'57"W, especificamente entre
os municípios Amarante e Francisco Ayres (Figura 1).
LOCALIZAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

Figura 2. Afloramentos representativos das fácies sedimentares dos paleoambientes Lacustre


Central e Lacustre Marginal da Formação Pastos Bons. I) Siltito com laminação plano-
paralela; II) Siltito maciço; III) Ritmito Arenito/Siltito com laminação plano-paralela; IV) Arenito
com laminação cruzada de baixo ângulo; V) Arenito maciço em contato erosivo com o Sl; VI)
Arenito maciço.
Figura 1. Mapa de localização da área de estudo.

METODOLOGIA
O desenvolvimento deste trabalho se sucedeu em três etapas: pré-campo,
campo e pós-campo. Na fase pré-campo foi elaborado uma síntese da Bacia do
Parnaíba, com ênfase na Formação Pastos Bons e construção do mapa de
localização e logística como planejamento para o mapeamento em si, com a utilização
de softwares como o Google Earth, Zoner Photo Studio 15 e Arcgis 10.4. A atividade
de campo consistiu na identificação e descrição das fácies estratigráficas a partir de
afloramentos da Formação Pastos Bons, baseando-se principalmente na geometria
das camadas, cor, estruturas sedimentares, granulometria e seleção dos grãos. No
estágio pós-campo, com a aferição das feições representativas das estruturas
sedimentares descritas foram confeccionados perfis litoestratigráficos com o auxílio
da ferramenta CorelDRAW X9 e realizado uma interpretação paleoambiental da
unidade estudada.

RESULTADOS
A FPB ocorre em contato discordante (desconformidade) com a Formação Poti,
com exposições intermitentes do tipo morros e morrotes, com espessura máxima de
10m. Foram descritas e interpretadas 5 fácies sedimentares: Siltito com laminação
plano-paralela (Sl), Siltito maciço (Sm), Arenito com laminação cruzada de baixo
ângulo (Ab), Arenito maciço (Am) e Ritmito Arenito/Siltito com laminação plano-
paralela (Rp). As fácies ocorrem em camadas com geometria tabular; os siltitos da
fácies Sl, marrom-avermelhados com níveis cinza-esverdeado, apresentam até 2m de
espessura, com lentes de arenito fino. A fácies Sm é formada por siltitos marrom- Figura 3. Perfis estratigráficos da associação de fácies AF1 do paleoambiente lacustre central
avermelhados de até 0,5m de espessura. A fácies Ab é constituída por arenitos finos e AF2 do paleoambiente lacustre marginal.
rosa-esbranquiçados em camadas de até 2m de espessura. Os arenitos da fácies Am
amarelo-esbranquiçados, variam de finos a médios, com os grãos subarredondados,
moderadamente selecionados apresentando até 0,7m de espessura, em contato
erosivo com a fácies Sl. A fácies Rp é caracterizada pela alternância de arenitos finos CONCLUSÇÕES
e siltitos laminados com espessura de até 3m. Os dados apresentados permitem confirmar que a FPB na área estudada
De acordo com as litofácies descritas e perfis verticais elaborados, foi possível representa uma sucessão lacustre e de rios efêmeros. Existe a necessidade de mais
agrupá-las em duas associações de fácies em concordância com a prévia estudos faciológicos na região para definir as porções proximais deste sistema
interpretação paleoambiental para esta unidade: lacustre central (AF1) e marginal lacustre que permitirá compor um modelo deposicional e relacioná-lo com a evolução
(AF2). A AF1 apresenta um padrão granocrescente ascendente transicionando para do Pangea central na transição Jurássico-Cretáceo.
as camadas arenosas da AF2 e espessamento ascendente destas últimas. A AF1 é
constituída por siltitos e arenitos finos intercalados, referente às fácies Rp, Sl e Sm, REFERÊNCIAS
com predomínio de sedimentação por decantação e subordinada ocorrência de
CAPUTO, M. V. & LIMA E.C. 1984. Estratigrafia, idade e correlação do Grupo Serra Grande – Bacia do
processos trativos; a AF2 constitui arenitos finos a médios e siltitos das fácies Am, Ab Parnaíba. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 33°, Anais, v. 2, p.740-759.
e Rp, evidenciando maior influxo de terrígenos que desaguam esporadicamente VAZ, P. T.; REZENDE, N. G. A. M.; WANDERLEY FILHO, J. R.; TRAVASSOS, W. A. S. 2007. Bacia do
proporcionando expansão de fluxos densos (hiperpicnais) e migração de formas de Parnaíba. Petrobras Geoscience Bulletin, v. 15(2): p. 253-263.
leito no fundo do lago.