Você está na página 1de 66

Profº Hélio Miranda

:
ENTENDE-SE POR ORÇAMENTO A
DETERMINAÇÃO, COM MARGEM DE ACERTO
TÃO ELEVADA QUANTO POSSÍVEL, O PREÇO
DE UMA OBRA OU DE UM SERVIÇO DE
ENGENHARIA, ANTES DE SUA EXECUÇÃO,
ELABORADO COM BASE EM DOCUMENTOS
ESPECÍFICOS, TAIS COMO, PROJETOS,
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, MEMO-RIAIS,
CADERNO DE ENCARGOS, CONDIÇÕES
CONTRATUAIS E DEMAIS FATORES QUE
POSSAM INFLUENCIAR O PREÇO FINAL.
COM BASE NO ORÇAMENTO A ADMINISTRAÇÃO:

 I) AVALIARÁ SE OS RECURSOS
ORÇAMENTÁRIOS DISPONÍVEIS PODEM
ATENDER AS RESPECTIVAS DESPESAS;

 II) QUAL A MODALIDADE DE LICITAÇÃO


QUE DEVERÁ SER ADOTADA;

 III) SERVIRÁ COMO REFERENCIAL AOS


INTERESSADOS QUE PRETENDAM APRESENTAR
PROPOSTA.
O ORÇAMENTO A SER ELABORADO DEVERÁ
CONTER CLARAMENTE TODOS OS SERVIÇOS,
MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E DEMAIS
ELEMENTOS A SEREM APLICADOS NA OBRA
EM CONSONÂNCIA COM O PROJETO BÁSICO
E/OU EXECUTIVO REFERENTE AO OBJETO A
SER LICITADO.
O ORÇAMENTO DEVERÁ SER
ELABORADO A PARTIR DO
LEVANTAMENTO DOS QUANTI-TATIVOS
FÍSICOS DOS PROJETOS, DAS
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, DOS
MEMORIAIS DESCRITIVOS,
OBEDECIDAS RIGOROSAMENTE AS
LEIS SOCIAIS E ENCARGOS
TRABALHISTAS E DEMAIS CUSTOS.
OS ENCARGOS COMO REFEIÇÕES,
TRANSPORTE, EPI, UNIFORMES,
FERRAMENTAS MANUAIS, SEGURO DE
VIDA EM GRUPO, DIRETAMENTE
RELACIONADAS COM A MÃO-DE-OBRA,
DEVEM SER ACRESCIDOS ÀS LEIS
SOCIAIS COMO ENCARGOS
COMPLEMENTARES DE MÃO-DE-OBRA,
CONFORME DETERMINA A ATUAL
LEGISLAÇÃO CONTÁBIL E
TRABALHISTA.
TODOS OS CUSTOS INDIRETOS
COMO A INSTALAÇÃO DO CANTEIRO
DE OBRA, ADMINISTRAÇÃO LOCAL
(CANTEIRO DE OBRAS),
MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO E
CORRELATOS, DEVEM SER APOSTOS
NA PLANILHA ORÇAMENTÁRIA, E
NÃO NO BDI OU LDI.
A COMPOSIÇÃO DO BDI OU LDI
DEVERÁ CONTER TODOS OS ITENS
RELATIVOS AO CUSTO INDIRETO
DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL,
EVENTUAIS TAXAS DE RISCO,
CUSTOS FINANCEIROS,
TRIBUTOS, LUCRO OPERACIONAL.
OS TRIBUTOS IRPJ E CSLL QUE
SÃO PERSONALÍSTICOS NÃO
DEVEM SER INCLUÍDOS NA
COMPOSIÇÃO DO BDI, FOSSE
COMO ITEM ESPECÍFICO DA
PLANILHA OU ORÇAMENTO,
INCLUSIVE PARA OS CASOS DE
DISPENSA E DE INEXIGIBILIDADE
DE LICITAÇÃO
O ORÇAMENTO ALÉM DE SER PAUTADO POR
PRINCÍPIOS, NORMAS, CRITÉRIOS E
EXPERIÊNCIA, DEVE SER CAPAZ DE
RETRATAR A REALIDADE DO PROJETO E
DEMAIS PECULARIEDADES,COMO:

I - O ORÇAMENTO É APROXIMADO.
TODO ORÇAMENTO NÃO É EXATO, PORÉM
DEVE SER O MAIS PERFEITO POSSÍVEL.
DEPENDE DE VARIÁVEIS INTRÍNSECAS, A
SABER:
 - PROCESSOS PRODUTIVOS DIFERENTES
 - DEPENDE DA PRODUTIVIDADE DAS EQUIPES

 - ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS

 - CONDIÇÕES MÉDIAS DE CONSUMO

 - PREÇOS DOS INSUMOS E IMPOSTOS (ISS)

 - PERDA

 - REAPROVEITAMENTO DE INSUMOS

 - EQUIPAMENTO

 - SALÁRIO E BONIFICAÇÕES DE PESSOAL

 - DESPESAS GERAIS

 - IMPREVISTOS E OUTROS

O ORÇAMENTO NÃO É MATEMATICAMENTE EXATO


II - O ORÇAMENTO É ESPECÍFICO

O ORÇAMENTO DE UM MESMO OBJETO VARIA


EM FUNÇÃO DE NOVAS CONDIÇÕES DE
EXECUÇÃO, COMO:

- PARA CADA EMPRESA


- A UM DETERMINADO CONTRATANTE
- AO LOCAL DE EXECUÇÃO DO OBJETO

O ORÇAMENTO NÃO PODE SER GENÉRICO


III - O ORÇAMENTO É DINÂMICO
O ORÇAMENTO DE UM MESMO OBJETO VARIA EM
FUNÇÃO DE CONDIÇÕES TEMPORAIS, COMO:
- AS CONDIÇÕES LEGAIS
- POLÍTICAS
- METODOLOGIAS TÉCNICAS INOVADORAS
- ALTERAÇÃO DE CUSTOS E PREÇOS
- INSUMOS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
- TRIBUTOS
- CENÁRIOS FINANCEIROS
- SISTEMAS GERENCIAIS

O ORÇAMENTO TORNA-SE INEXPRESSIVO/SUPERADO


O ORÇAMENTISTA DEVERÁ OBSERVAR
QUAL A PRIORIDADE A SER ADOTADA
PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO, VISTO
QUE, CADA UMA DELAS GERARÁ UM
ORÇAMENTO DIFERENTE. SÃO ELAS:

-QUALIDADE
-CUSTO
-PRAZO
PRIORIDADE DE EXECUÇÃO É QUALIDADE:

- PROJETOS EXECUTIVOS BEM DETALHADOS


- TODOS OS PROJETOS COMPLEMENTARES ESTÃO
DISPONÍVEIS
- MEMORIAL DESCRITIVO BEM DETALHADO
- EXISTÊNCIA DE NORMAS ESPECIFICAS DO CLIENTE
- EXISTÊNCIA DE UM “PROGRAMA DE CONTROLE DE
QUALIDADE”
- FISCALIZAÇÃO RÍGIDA
PRIORIDADE DE EXECUÇÃO É CUSTO

- PROJETOS BÁSICOS E/OU EXECUTIVOS BEM


DETALHADOS E DISPONÍVEIS

- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BEM DETALHADAS

- MEMORIAIS DESCRITIVOS BEM DETALHADOS

- POUCA EXIGÊNCIA DO CLIENTE

- FISCALIZAÇÃO NORMAL
PRIORIDADE DE EXECUÇÃO É PRAZO:

- PROJETOS BÁSICOS E/OU EXECUTIVOS BEM


DETALHADOS E DISPONÍVEIS
- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BEM DETALHADAS
- MEMORIAIS DESCRITIVOS BEM DETALHADOS
- CRONOGRAMA FÍSICO DETALHADO
- FISCALIZAÇÃO RÍGIDA SOBRE O ANDAMENTO
- MULTAS PESADAS POR DIA DE ATRASO
- ALTA EXIGÊNCIA DO CLIENTE
 Gráficos ou tabelas formatados de forma
específica:

◦ Facilita observação de comportamentos específicos.

 Representatividade de um item ou grupo de itens. –


Curva ABC
 Evolução do cronograma ideal (e se ela está sendo
cumprida) – Curva S
Curva ABC Curva S
 Curva de representatividade.
◦ Fornece a informação de quais itens tem maior, média ou
menor representatividade no custo final da obra.

 10 a 20% dos itens são da Classe A.


◦ Representam 50% do orçamento.

 20 a 40% são da Classe B.


◦ Representam 30% do orçamento.

 30 a 50% são da Classe C.


◦ Representam 50% do orçamento.
 1º Passo: Calcular a representatividade de cada
item.
◦ Na planilha de Orçamento, acrescenta-se uma coluna de
porcentagem daquele item em relação ao total da obra.

 2o Passo: Ordem crescente de representatividade.


◦ Organizar uma segunda tabela com ordem crescente de
representatividade dos ítens.
◦ Criar uma coluna nesta tabela com as representatividades
acumuladas.

 3o Passo: Elaborar a curva seguindo os critérios


apresentados (ou outros escolhidos pela sua
experiência).
 Permite avaliar quantos e exatamente quais itens
mais influenciam no custo da obra.

 Desta forma o gerente pode escolher quais itens


são mais compensadores ao realizar:
◦ Compras e contratações,
◦ Políticas de economia de quantidade de material, etc.

 Normalmente a “Classe A” é composta de 10% dos


itens da obra e representa cerca de 60% do custo
da obra.
◦ Vale a pena lembrar que o preço de venda de uma
edificação tem sempre muito a ver com estética e valores
subjetivos que não são contados em uma planilha de
orçamento.
 Organização de informações apresentando
evolução com o tempo.
◦ Cronograma físico (serviço).
◦ Cronograma financeiro (embolso/desembolso).
◦ Cronograma físico-financeiro (correlação dos dois).

 Uma boa gestão deve estar atenta ao físico-


financeiro.
 Independência, Paralelismo e Exigibilidade.

◦ Independência: quando um serviço pode ser


executado de forma independente de qualquer
outro.
 Observar que pode haver um paralelismo ou
exigibilidade implícito.

◦ Paralelismo: quando um serviço deve ser executado


concomitante a outro.

◦ Exigibilidade: quando é estritamente necessária a


conclusão de um serviço para a realização de outro.
 Independência, Paralelismo e Exigibilidade.

A15

◦ Atividade 12 só pode ser executada após o cumprimento da


exigência 9.
◦ A exigência 10 só é satisfeita após o cumprimento da exigência 8
e da atividade 12.
◦ A atividade 13 e 14 podem ser executadas de forma paralela.
◦ A atividade 14 e 15 devem ser executadas de forma paralela.
 Diagrama de eventos/atividades.

◦ Para executar a estrutura é


necessário estar pronta a
fundação.
◦ Alvenaria externa pode ser
executada em paralelo com a
externa.
◦ Deve haver concordância
com os eventos 3 e 4.
◦ Deve haver concordância
com os eventos 5 e 6.

◦ Observar que não estou


falando que este diagrama é
perfeito ;-)
 Orçado:
◦ Cronograma concebido após a elaboração da
planilha orçamentária, antes do início da realização
da obra.

 Realizado Embolsado:
◦ Valores recebidos pelos trabalhos realizados
(sempre compatível com a planilha orçamentária
acordada – ferramenta para gestão de tempo).

 Realizado Desembolsado:
◦ Valor pago pelos trabalhos realizados (juntamente
com o embolsado torna-se ferramenta para gestão
de recursos).
 Diagrama de barras (simplificado):
 Cronograma Físico-Financeiro.
 Cronograma Físico-Financeiro (detalhado e
em evolução).
 É um cronograma acumulado apresentado forma
de gráfico.

 Como todo cronograma, pode (deve) ser


reprogramado de acordo com o andamento real.

 Como todo cronograma, pode (deve) ser


reconfigurado a partir da necessidade de
informação.
◦ Valor físico executado,
◦ Valor financeiro executado.
◦ Valor desembolsado.
 O comportamento do
gráfico fornece várias
informações:
 Exemplo genérico:
 Muito alongado –
morosidade.

 Muito “em pé” – evolução


rápida.

 Diferença entre custo


realizado (desembolso) e
curso orçado (embolso).

 E ainda comparar com o


que foi “idealizado”.
 Cronograma planejado
 Cronograma realizado (9º bimestre)
PORQUÊ COMPATIBILIZAR?
PORQUÊ COMPATIBILIZAR?
PORQUÊ COMPATIBILIZAR?
 Identificar possíveis interferências existentes
entre os projetos de concepção.
Reduzir custos;
Evitar erros devido a interferências entre
projetos;
Minimizar o retrabalho;
Reduzir prazos de execução;
Reduzir desperdício de materiais;
A COMPATIBILIZAÇÃO deve acontecer em cada
uma das etapas do projeto: estudos
preliminares, anteprojeto, projetos legais e
projeto executivo, indo de uma integração geral
das soluções até as verificações de
interferências geométricas das mesmas.
Planejamento, organização, direção e controle
do processo de projeto, que envolve tarefas de
natureza estratégica, tais como:

*estudos de demanda ou de mercado;


*prospecção de terrenos;
*captação de investimento/ financiamento;
*definição de características do produto;
*formação das equipes de projeto;
*contratação de projetistas;
*prazos para etapas de projeto;
*gestão da interface com os clientes.
Práticas do PMBOK-Project Management Body of Knowledge:
É um conjunto de práticas em gestão de projectos ou gerenciamento de
projetos
* POR RESPONSABILIDADE DO CLIENTE:
 Postergação de decisões que influem no
desenvolvimento dos projetos;
 Fornecimento de dados incorretos ou
incompletos como base
 Para o desenvolvimento dos projetos;
 Falta de elemento capacitado para análise
técnica dos diversos
 Projetos e tomadas de decisão.
* POR RESPONSABILIDADE DO PROJETISTA:
 Desinteresse e ignorância sobre os demais
projetos (sua fases e necessidades);
 Descomprometimento com a interação;
 Falta de normalização na troca de
informações entre projetistas
(documentação sem padronização; arquivos
eletrônicos);
 Pouco conhecimento das técnicas
executivas de obra.
COMPATIBILIZAÇÃO
OBJETIVOS DO BIM:
 MODELO VISUAL 3D DO EDIFÍCIO.
 PERMITE DETECTAR ATECIPADAMENTE AS
POSSÍVEIS INCOMPATIBILIDADES DE PROJETOS.
 BANCO DE DADOS COM INFORMAÇÕES
MULTIDISCIPLINARES RELATIVAS A TODO
CICLO DE VIDA DO EMPREENDIMENTO, DA
CONCEPÇÃO AO PROJETO, ORÇAMENTO,
PLANEJAMENTO, CONSTRUÇÃO E ATÉ A FASE
DE USO.
COMPATIBILIZAÇÃO - BIM
COMPATIBILIZAÇÃO
GANHOS GERADOS PELO BIM:
 GANHO DE VELOCIDADE NOS PROJETOS.
 ERRA-SE MENOS.
 HÁ MENOS RETRABALHO.
 A EXECUÇÃO SAI MAIS RÁPIDA.
 DISPENDE DE RELATÓRIOS DE REVISÕES DE
PROJETOS.
COMPATIBILIZAÇÃO
METODOLOGIA DO DEPARTAMENTO DE
PROJETOS:
(INTERAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DO
PROJETO)
CONVENCIONAL (SEM O CONCEITO
BIM):
1. ARQUITETURA;
2. ESTRUTURA;
3. COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE
ARQUITETURA E ESTRUTURA;
4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS;
5. COMPATIBILIZAÇÃO;
6. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS;
7. COMPATIBILIZAÇÃO.
COMPATIBILIZAÇÃO
METODOLOGIA DO DEPARTAMENTO DE
PROJETOS:
(INTERAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DO
PROJETO)
COM O CONCEITO BIM:
Projeto de
Arquitetura

Projeto Compatibilização Projeto Elétrico


Estrutural

Projeto INTERAÇÃO MAIS


Hidrossanitário RÁPIDA E
EFICIENTE.
COMPATIBILIZAÇÃO
INVESTIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO
DO BIM:
 LICENÇA DE SOFTWARES;
 TRABALHAR COM BIM DEMANDA TREINAMENTO E
CUSTOMIZAÇÃO.
 IMPLANTAÇÃO DO CONCEITO NAS EMPRESAS PÚBLICA E
PRIVADAS.
 ASSIM COMO QUALQUER NOVO PROCESSO, O
APERFEIÇOAMENTO SE DÁ COM O USO – E O USO É
RELATIVAMENTE RECENTE.
 SOFTWARES DE MESMA EXTENSÃO (FORMATO .ifc).
INSERÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE
TRABALHO
APLICAÇÃO DO CONCEITO BIM NO
BRASIL:

Escritório de arquitetura SPBR, de São Paulo. Para desenvolver o


projeto, o arquiteto Ângelo Bucci conta que implantou o sistema BIM há um
ano. "Optamos pela nova tecnologia porque tínhamos folga no cronograma
do projeto", revela o arquiteto. Ele afirma que, até o momento, não teve
problemas de adaptação ao software. Atualmente no anteprojeto de
arquitetura, as obras devem ter início no ano de 2009 e durar três anos. No
entanto, a SPBR fará um vôo solo: não será possível integrar os projetos
com outras áreas, porque a empresa é a única a usar a tecnologia no
empreendimento.
APLICAÇÃO DO CONCEITO BIM NOS
EUA:

O edifício terá mais de 530 m de altura e será construído no


terreno onde um dia existiram as torres gêmeas do World Trade Center, em
Nova York, Estados Unidos. A SOM (Skidmore, Owings and Merril),
escritório responsável pelos projetos de arquitetura, estrutura e instalações
prediais da nova torre, decidiu desenvolvê-los de forma integrada sob a
plataforma BIM.
Os construtores também utilizarão o banco de dados, importando os
quantitativos para compor a planilha de custos.

Interesses relacionados