Você está na página 1de 63

ARTRÓPODES

ARTRÓPODES CAUSADORES DE INTERESSE MÉDICO-


HUMANO
IMPORTÂNCIA

O filo Arthropoda é o maior de todos: >80% da vida


animal
• Parasitas e vetores
• Transmissão mecânica ou biológica
• Reações de hipersensibilidade imediata ou tardia
à picada
• Perda de sangue
• Infecção bacteriana secundária nos locais lesados
pelas picadas
• Inoculação de toxinas ou venenos
• Perdas na produtividade animal
CLASSIFICAÇÃO

Filo Classe Ordem


Acari (ácaros,
carrapatos)

Arachnida Scorpiones

Araneida

Arthropoda
Anoplura (piolhos)

Siphonaptera (pulgas)
Insecta Hemiptera (percevejos e
triatomíneos)
Diptera (moscas e
mosquitos)
PRINCIPAIS DIFERENÇAS

Aracnídeos: possuem
cefalotórax (fusão da
cabeça com o tórax),
abdome e 4 pares de patas

Insetos: possuem o corpo


dividido em 3 partes
(cabeça, tórax e abdome),
3 pares de patas, 1 par
de antenas
CLASSE ARACNIDA

Ordem Acari: compreende os ácaros e carrapatos


Os ácaros são importantes causadores de
dermatoses humanas
Ex: Sarcoptes scabiei
Causador da escabiose ou sarna
Sarcoptes scabiei

Morfologia
- Tamanho: 400mm x 300mm
- Forma ovóide
- 4 pares de pernas em
forma cônica
- Na extremidade dos dois (A) dorsal (B) ventral

primeiros pares de pernas


existem ventosas que estão fixas à apêndices
pedunculados
Sarcoptes scabiei
CICLO

As larvas
Eclosão de sofrem
ovos e mudas e
liberação de dão
novas larvas origem as
Ovos
ninfas
Diferenciação
Deposição de
em machos e
ovos por fêmeas
fêmeas.
adultas grávidas

O contagio ocorre quando as fêmeas fecundadas entram em contato com outras pessoas
SARCOPTES SCABIEI
MECANISMO DE TRANSMISSÃO
Sarcoptes scabiei
PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA

Os adultos perfuram galerias ou túneis na epiderme


reação inflamatória, escoriações, vesículas, urticária
e prurido intenso (manifesta-se principalmente à
noite).

Tempo de vida: 3 a 4 semanas


Sarcoptes scabiei
Diagnóstico

Aplicação de fita gomada sobre as crostas para


adesão do S. scabiei lâmina microscópio (10 e
40X)
Raspagem profunda da epiderme no limite das
crostas e pele sã lâmina NaOH ou lactofenol
(para clarificar) microscópio (10 e 40X)
Sarcoptes scabiei

Tratamento
• Benzoato de benzila (Escabiol)
• Deltametrina
• Tiabendozol

 Líquido, pomada ou sabonete

• Ivermectina (200mg - VO)

OBS.:
 Infecções bacterianas: Permanganato de potássio a água
(1:10.000)
CLASSE INSECTA
CLASSE INSECTA

Alguns benefícios gerais


• Polinização das plantas

• Fabricação de cera

• Alimentação de outras espécies

• Predação de animais nocivos

• Decomposição de matéria orgânica

• Auxílio em investigações criminais


CLASSE INSECTA

Podem causar doenças como:


• Miíases
• Alergias
• Sarna
• Pediculose
• “Bicho de pé”
• Psicose por fobias
• Vetores mecânicos de ovos e cistos de parasitos
• Vetores biológicos
CLASSE INSECTA

• Ordem Anoplura (piolhos sugadores de sangue):


• Pediculus humanus humanus, Pediculus humanus corporis
(pediculose),
• Pthirus pubis (ftiríase)

• Ordem Siphonaptera (pulgas):


• Tunga penetrans (tungíase)
• Pulex irritans (pulga do homem)
• Xenopsylla cheopis (pulga do rato – peste bubônica
causada por Yersinia pestis)
ORDEM: SIPHONAPTERA
PULGAS
ORDEM: SIPHONAPTERA
PULGAS

• Família: Tungidae – Tunga penetrans


• Pulicidae - Ctenocephalides felis felis
Ctenocephalides canis
• Pulex irritans
• Xenopsylla spp
ORDEM: SIPHONAPTERA
PULGAS

Características gerais
• Espoliadores sanguíneos
• Provocam irritações e lesões na pele
• Transmissoras de viroses, doenças bacterianas e
parasitoses
• Holometábolos
Tunga penetrans

Pulga do porco e “bicho de pé”.


• Parasita a pele de suínos e acidentalmente o
homem
• Fêmea grávida penetra na pele mantendo a
extremidade posterior livre para ovoposição
• Alimenta-se de sangue
• Veiculação mecânica de:
• Clostridium tetani, C. perfrigens
Tunga penetrans

• Depois da ovoposição para o meio externo, a


fêmea é expelida
• Os pés são as regiões mais acometidas
• Causam tungíase: As lesões deixam o homem
suscetível a infecções secundárias como tétano,
micoses, etc
Tunga penetrans
Pulex irritans

Pulga do homem
• Cosmopolita
• Vive fora do hospedeiro
• Repasto sanguíneo
• Preferência por sangue humano
• Formação de halo eritematoso no local da picada
• Pouco transmissor de doenças
Pulex irritans
Xenopsylla cheopis

Pulga do rato
• Transmissora da peste bubônica
• Transmitida pela picada da pulga
• Agente etiológico: Yersinia pestis
• Pode sobreviver 16 meses nas fezes dessecadas
das pulgas, 5 meses no ID das pulgas secas e no
solo
• Doença aguda, fatal e endêmica
• Doença de notificação obrigatória
Patologia
• Bacilos são levados para corrente linfática
desenvolvendo linfoadenopatia regional (bubo)
principalmente nas regiões inguinal, axilar e
cervical.
• Desenvolvem lesões parenquimatosas
hemorrágicas e necróticas
• Podem desenvolver a forma pnemônica e
septicêmica
ORDEM ANOPLURA
ECTOPARASITOS DO HOMEM - PIOLHOS SUGADORES
COSMOPOLITAS
PIOLHOS

Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem : Anoplura
Familia: Pediculidae
Gênero: Pediculus Pthirus
Espécie: P.capitis P. pubis
P. humanus
PIOLHOS

Aspectos gerais:
• Pequenos e sem asas
• Hematófagos – aparelho picador-sugador
• Hemimetábolos
• Eliminação de ovos operculados (lêndeas)que se
aderem a pêlos , cabelos e roupas
• Causam pediculose
Pediculus humanus

• Habita as partes cobertas do corpo


• Normalmente ficam aderidos às roupas
• Realiza ovoposição nas fibras das vestes
• Liberação de 110 a 300 ovos por dia
• Longevidade de 90 dias
• Maior incidência em climas frios pela troca de
roupa e banho menos frequente.
• Hemimetábolos: metamorfose incompleta
Pediculus humanus

• Agentes causadores da febre recorrente


• Transmissores da Borrelia recurrentis
• Acessos febrís de 2 a 9 dias com intervalos
apirréticos de 2 a 4 dias
• Primeiro acesso: aparecimento de exantema do
tipo petequial
• Pode ser letal se não tratada
Pediculus humanus

• Transmissão de Rickettsia prowazeki


• Tifo exantemático
• Bacteremia, lesões vasculares, extravasamento de
plasma, hemoconcentração e choque
Pediculus humanus
Pediculus capitis

• Habita a cabeça
• Ovoposição junto a base dos fios da cabeça
• Produz 60 a 90 ovos por dia
• Preferência por temperatura próxima a 30 graus
• Temperatura baixa inviabiliza os ovos
Pediculus capitis
Pediculus capitis
Pediculus capitis
Pthirus pubis

Conhecido popularmente como “chato”


• Medem cerca de 1 mm
• Habita os pelos da região pubiana e do períneo,
mas podem ser encontrados nas regiões axilares e
faciais (barba e sobrancelha)
• Ovoposição junto a base dos pelos
• Peças bucais ficam inseridas nos tecidos por muitas
horas ou dias.
• Podem ser transmitidas por contato sexual
PTHIRUS PUBIS
Pthirus pubis
Transmissão

• Contato
• Roupas de cama e de uso pessoal (P.humanus)
• Pouca transmissão através de pentes e escovas
pela impossibilidade do piolho viver fora do
parasitismo
Patogenia

• Espoliação sanguínea
• Lesão papulosa e hiperêmica
• Prurido
• Reação de hipersensibilidade à saliva e as fezes do
inseto
• Infecções secundárias pela lesão da pele
Tratamento

• Catação manual
• Penteação ou escovação frequentes
• Corte de cabelo
• Uso de óleos e cremes
• Benzoato de benzila (Escabiol)
• Hexaclorobenzeno a 1% (Lindane)
• DDT em pó – 10% (Dicloro-Difenil-Tricloroetano)
CARRAPATOS
CARRAPATOS

• Cefalotórax fundido com o abdome


• Quelíceras e peças bucais reunidas em uma no
gnatossomo.
• Agentes causadores de doenças do homem ou de
animais
• Têm o corpo achatado
no sentido dorsoventral.
• Os segmentos do corpo
estão fundidos em uma
peça única ou idiossomo
ORGANIZAÇÃO DOS CARRAPATOS
• Presença de uma placa
quitinizada ou escudo.
• Olhos simples, quando
presentes, ficam nas
margens do corpo ou do
escudo (b).
• Sulcos diversos geram
aspecto festonado na
margem posterior de alguns
Ixodidae (e).

Amblyomma cajennense,
ORGANIZAÇÃO DOS CARRAPATOS

Abertura genital (b);


Placas ou escudos
quitinosos (a, c, e, g, h);
Placas espiraculares (d);
Ânus (f) e alguns sulcos.
• Durante a cópula, macho
introduz com seu
hipostômio e as quelíceras,
um espematóforo na
vagina da fêmea, a ser
estocado no receptáculo
seminal.
• A eclosão pode dar-se em
Ovos e larva hexápode de um ixodídeo.
cerca de 40 dias, nascem
larvas com 3 pares de
pernas.
• Elas se alimentam-se e
crescem
• A 1ª muda as transforma em
ninfas, com 4 pares de
pernas.
CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS ESPÉCIES
Ixodidae
• IXODIDAE - com gnatossomo
na extremidade anterior do
corpo, presença de escudo
dorsal e estigmas depois do 4º
par de pernas.

• ARGASIDAE - com
gnatossomo na face ventral
do corpo (exceto nas larvas),
sem escudo dorsal,
tegumento rugoso ou
mamilonado e com estigmas
entre o 3º e o 4º par de
pernas.

Argasidae
FAMÍLIA IXODIDAE

Amblyomma cajennense
• É conhecido por carrapato-
de- cavalo ou carrapato-
estrela.
• Alimentadas, as larvas deixam
o hospedeiro após 3-6 dias,
para a ecdise no solo.
• Esta espécie é a principal
A. cajennense
transmissora da Rickettsia
rickettsii, agente da febre
maculosa.
FEBRE MACULOSA

Patologia
• As rickéttsias atacam de início os pequenos vasos, provocando
tumefação e degeneração das células endoteliais, formação de
trombos e oclusão vascular.
• Febre durante 2 ou 3 semanas, mal-estar, cefaléia intensa, dores
musculares e prostração. Por volta do 3º ou 4º dia, aparece um
exantema característico que ajuda o diagnóstico.
• O exantema torna-se macropapular e, depois, petequial. As lesões
hemorrágicas podem tornar-se coalescentes e formar grandes
manchas equimóticas.
• Nos casos graves surgem delírio, insuficiência renal e choque.
• A falência circulatória pode levar à anóxia e necrose dos tecidos,
com gangrena das extremidades. Sem tratamento, a letalidade
fica em torno de 20%.
FEBRE MACULOSA
• O diagnóstico é sorológico, com antígenos específicos para o
grupo da febre maculosa.
• O tratamento é feito com doxiciclina durante 7 dias ou até 2
dias após cessar a febre; ou com eritromicina.
• Epidemiologia – Rickettsia rickettsii circula em um ecossistema
formado por campos e bosques, do Brasil ao Canadá.
• Ela tem como reservatórios pequenos mamíferos: lebres,
coelhos, esquilos, ratos silvestres e marsupiais, assim como
mantém-se em carrapatos que vivem sobre eles.
FEBRE MACULOSA

• Nos artrópodes a transmissão • Os cães devem ser tratados


da rickettsiose é transovariana também.
e se mantém indefinidamente. • Outras medidas, além de
• Na América do Sul, o maior evitarem-se as áreas de
transmissor é o Amblyomma risco, são: usar botas e
cajennense; e no México, roupas que impeçam o
Rhipicephalus sanguineus. ataque dos ixodídeos;
• As pessoas são infectadas impregná-las com
apenas ocasionalmente pela repelentes.
picada dos carrapatos. • Estes devem ser aplicados
• Controle - Combater os também à pele.
carrapatos com aplicação de
inseticidas de efeito residual e
com banhos carrapaticidas
para o gado.
Ordem Espécie Nome comum Moléstia
Siphonaptera Tunga pulga da areia bicho do pé
penetrans
Siphonaptera Pulex pulga do alergias
irritans homem
Siphonaptera Xenopsylla pulga do peste
spp. homem
Ordem Espécie Nome comum Moléstia
Anoplura Pediculus piolho da dermatoses
capitis cabeça
Anoplura P. humanus piolho do corpo dermatoses, tifo
exantemático
Anoplura Pthirus pubis piolho do pubis dermatoses
ou chato
Acari várias carrapatos dermatites,
alergias, vários
vírus e rickettsias
Acari Sarcoptes ácaro da sarna escabiose ou
scabiei sarna
Acari várias ácaros alergias
respiratórias
FAMÍLIA CIMICIDAE

• Percevejos de cama

Transmissor
• T. cruzi
• Borrelia recurrentis
• Yersinia petis
SUBFAMÍLIA CIMICINAE

• Cimex lectularis
• 5 mm
• Cor cinza-amarronzada
• Protórax 2x mais largo que alto e cerdas lisas

• Cimex hemipterus
• 6,5 mm
• Cor cinza-amarronzada
• Protórax 4x mais largo que alto e cerdas com rebarbas em
um dos lados
Biologia
• Hematófagos
• Paurometábolos
Ciclo:
Ovo – ninfa – muda-ninfa 1 – muda-ninfa 2 – muda-ninfa
3 – muda-ninfa 4 – muda-ninfa 5 – adulto.

Controle
• Deltametrina
• Cipermetrina