Você está na página 1de 22

Eletrotécnica Básica

Aula: Transformadores
Geração de energia
 A energia elétrica produzida nas usinas hidrelétricas é levada,
mediante condutores de eletricidade, aos lugares mais
adequados para o seu aproveitamento.

 Problemas:
 Nas linhas de transmissão as perdas por liberação de calor são
proporcionais à resistência dos condutores e ao quadrado da
intensidade da corrente que os percorre.

Perdas= R*I2
Definição
Definição da ABNT

Um dispositivo que por meio de indução


eletromagnética, transfere energia elétrica de um ou
mais circuitos (primário) para outro ou outros
circuitos (secundário), usando a mesma frequência,
mas geralmente com tensões e intensidades de
correntes diferentes.
Transformador
 Utilização de transformadores:
Adequar níveis de tensão em sistemas de
potência;
Casamento de impedâncias entre fonte e carga;
Isolamento de circuitos;
Medições (TCs e TPs), etc.

 A essência do seu funcionamento consiste na


existência de um fluxo comum, variável no
tempo, enlaçando 2 ou mais enrolamentos;
Tensões dos transformadores
Classe de transformador
 Transformadores abaixadores

 Transformadores elevadores
Aspectos Construtivos
 Os transformadores são constituídos, basicamente por:
 Núcleo;
 Enrolamentos.
Aspectos Construtivos
 Núcleo:
 Chapas de Aço-Silicio laminado, empilhadas e prensadas.
utilizadas para diminuir o aquecimento do núcleo.
Aspectos Construtivos
 Enrolamentos:
 Confeccionados com material condutor de alta condutividade,
normalmente cobre, envernizados e isolados do núcleo.
Princípio de Funcionamento
 Funcionam pelo princípio da indução eletromagnética.

 Uma tensão variável aplicada à bobina de entrada (primário)


provoca o fluxo de uma corrente variável, criando assim um fluxo
magnético variável no núcleo. Devido a este é induzida uma tensão
na bobina de saída (ou secundário). (Lei de Faraday).
Princípio de Funcionamento
 A bobina na qual se aplica a tensão CA é denominada de
primário do transformador e a bobina onde surge a tensão
induzida é denominada de secundário do transformador
Princípio de Funcionamento
 Efeito provocado pela colocação do núcleo no transformador.
Transformadores
 A relação entre as tensões no primário e no secundário, bem como
entre as correntes nesses enrolamentos são:
𝑉𝑝 𝑁𝑝
= =∝
𝑉𝑠 𝑁𝑠
𝐼𝑝 𝑁𝑠 Potência no primário e
= secundário é a mesma!
𝐼𝑠 𝑁𝑝

Onde:
Np é o número de espiras no primário;
Ns é o número de espiras no secundário;
Vp é a tensão no primário;
Vs é a tensão no secundário;
α é a relação de transformação.
Exemplo
Transformador Ideal
 Deve respeitar as seguintes premissas:
 Todo o fluxo deve estar confinado ao núcleo e enlaça os dois
enrolamentos;
 As resistências dos enrolamentos devem ser desprezíveis;
 As perdas no núcleo devem ser desprezíveis;
 A permeabilidade do núcleo deve ser tão alta que uma quantidade
desprezível de corrente de excitação é necessária para estabelecer o
fluxo.
Transformador Real
 R1 e R2: Resistência dos rolamentos
 X1 e X2: Reatância nos rolamentos
 Rm e Xm: Resistência e reatância de magnetização
Perdas no transformador
 Os transformadores modernos apresentam grande eficiência,
permitindo transferir ao secundário cerca de 98% da energia
aplicada no primário.

 As perdas - transformação de energia elétrica em calor - são


devidas principalmente à histerese, às correntes parasitas e
perdas no cobre.
 1. Perdas no cobre. Resultam da resistência dos fios de cobre nas espiras
primárias e secundárias. As perdas pela resistência do cobre são perdas sob a
forma de calor e não podem ser evitadas.
 2. Perdas por histerese. Correspondem à energia dispendida na orientação
dos domínios magnéticos do material, na direção do campo aplicado.
 3. Perdas por correntes parasitas. Quando uma corrente alternada está
fluindo pelo enrolamento, um campo magnético variável surge no núcleo. A
variação desse campo, aumentando e diminuindo, induz uma tensão no núcleo e
essa força eletromotriz causa a circulação de correntes parasitas.
Perdas no transformador

 Perda por histerese ocorre basicamente pelo fato do núcleo do


transformador ainda guardar certo magnetismo do ultimo
campo aplicado. É necessário um campo adicional para vencer
o residual.
 Perda por foucault é o resultado da tensão originada nas
laminas do ferro e curto circuitadas pela montagem do
mesmo. Quando uma lamina fica imersa em campo magnético
ela gera uma certa tensão, que depois é curto circuitada na
montagem do pacote do núcleo, gerando calor. Por isso as
laminas devem ser envernizadas.
Transformadores – perdas e eficiência

 Perdas no Cobre = IP2.RP + IS2.RS


 Perdas no Núcleo = Por histerese e por correntes Foucault

PS VSIS cos 
Eficiência  
PP VSIS cos   PerdasCobre  PerdasNúcleo
Exemplo

 S  IP  S S   x50  5A
IP N NI 1
IS NP NP  10 
Perdas no Cobre = IP2.RP + IS2.RS = 100W
100  15
52 x 0,6 + 502RS = 100  RS   0,034
2500
Perda de Potência Secundário = IS2.RS = 502x(0,034)= 85W
Tipos de transformadores
 Transformadores com mais de um secundário
 obter diversas tensões diferentes
 utilizados em equipamentos eletrônicos.
Outros tipos de transformadores
 Autotransformador: Apresentam um único enrolamento, que é comum
à entrada e à saída;
 “TAPS”
 Vantagens
 economia de fio no bobinamento, economia de núcleo (aço silício), economia de espaço,
melhor rendimento, etc
 Desvantagens
 não possuem enrolamentos completamente isolados e separados.