Você está na página 1de 18

“BEM-AVENTURADOS OS MANSOS E

PACÍFICOS”
JESUS CRISTO, MT, 5:4.; 9.

CAPÍTULO 9 – EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO


O QUE SE TRATA NO CAPÍTULO

INJÚRIAS e VIOLÊNCIAS

A AFABILIDADE e a DOÇURA

A PACIÊNCIA

A OBEDIÊNCIA e a RESIGNAÇÃO

A CÓLERA

Dicas importantes
EVANGELHO, SEGUNDO O ESPIRITISMO
1.Bem-aventurados os que são brandos, porque possuirão a Terra. (Mateus, 5:5.)

1. Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus. ( Mateus, 5:9.)

2.Sabeis que foi dito aos antigos: “Não matareis e quem quer que mate merecerá
condenação pelo juízo.” Eu, porém, vos digo que quem quer que se puser em cólera contra
seu irmão merecerá condenado no juízo; que aquele que disser a seu irmão: “Raca”,
merecerá condenado pelo conselho; e que aquele que lhe disser: “És louco”, merecerá
condenado ao fogo do inferno. (Mateus, 5:21 e 22.)

Raca – Expressão entre os Hebreus que


era uma expressão de desprezo que
significa homem inútil, desprezível. Se
pronunciava cuspindo e virando o rosto
para o lado
EVANGELHO, SEGUNDO O ESPIRITISMO
Injurias e Violências
FAZ LEI CONDENA
Por estas máximas, Jesus faz da
Mansuetude Cólera brandura, da moderação, da
mansuetude, da afabilidade e da
Em Relação ao paciência, uma lei. Condena,
SEMELHANTES por conseguinte, a violência, a
Moderação Violência cólera e até toda expressão
descortês de que alguém possa
Qualquer usar para com seus
Brandura expressão semelhantes.
descortês

Afabilidade

Paciência
EVANGELHO, SEGUNDO O
ESPIRITISMO
Evidente que a intenção agrava ou atenua a falta; mas em que pode uma simples palavra revestir-
se de tanta gravidade que mereça tão severa reprovação?
É que toda palavra ofensiva exprime um sentimento contrário à lei de amor e da caridade que
deve presidir às relações entre os homens e manter entre eles a concórdia e a união;

Lei de
Ofensa Caridade e
Amor
EVANGELHO, SEGUNDO O ESPIRITISMO

Uma palavra Ofensiva, além de alimentar o ódio e o rancor também é um insulto


à bondade e a Fraternidade que deve existir entre todos os irmãos.

• Concórdia, União
Lei de Caridade • Humildade para com todos
e Amor

• Alimenta Ódio e animosidade


Ofensa • Insulto à Bondade e a
Fraternidade
EVANGELHO, SEGUNDO O
ESPIRITISMO herdarão a terra”, Jesus quer dizer que ATÉ AGORA
Pelas palavras: “felizes aqueles que são mansos, porque

somente os violentos se apossaram dos bens terrenos,


em prejuízo daqueles que são mansos e pacíficos.
Enquanto os violentos possuem em excesso, para os
mansos, frequentemente, falta até o necessário. Jesus
lhes promete que a justiça será feita “assim na terra
como é no céu”, porque os mansos e pacíficos serão
chamados de filhos de Deus. Quando a Lei do Amor e da
caridade for a Lei da Humanidade, não haverá mais
egoísmo; o fraco e o pacífico não serão mais explorados
pelo forte e pelo violento. Assim será a terra quando,
de acordo com a Lei do Progresso e a promessa de
Jesus, ela se tornar um mundo feliz em razão do
afastamento daqueles que resistem em praticar o bem.
EVANGELHO, SEGUNDO O ESPIRITISMO
Afabilidade e a Doçura
QUEM AMA MANIFESTA
SEU BONDOSO AFABILIDADE
PRÓXIMO E DOÇURA

Entretanto, nem sempre se deve confiar nas APARÊNCIAS. Uma


pessoa bem educada e experiente pode parecer possuir as
qualidades da afabilidade e da doçura. Muitos apenas fingem ter
bondade. Utilizam-na apenas como uma máscara para uso
externo, como se fosse um traje, cuja aparência bem talhada
disfarça as deformidades do corpo! O mundo esta cheio deste tipo
de pessoas que têm o sorriso nos lábios e o veneno no coração;
que são mansas desde que nada as incomode, mas que agridem a
APARÊNCIAS Afável e Bondoso de
menor contrariedade; que costumam falar bem quando estão pela (fingem ser Verdade -
frente, mas pelas costas suas palavras transformam-se em dardos bondosos) Máscara ATITUDES
venenosos.
A essa classe ainda pertencem os homens que são bondosos
quando estão fora de casa, mas que no lar são verdadeiros tiranos,
fazendo com que sua família e seus subordinados suportem o peso
de seu orgulho e de sua opressão.
EVANGELHO, SEGUNDO O ESPIRITISMO
Afabilidade e a Doçura
...Sua vaidade alegra-se quando podem dizer: “Aqui eu mando e sou obedecido”, sem lhes ocorrer
que poderiam acrescentar: “e sou detestado”.
Aquele cuja afabilidade e doçura não são fingidas nunca se contradiz. É sempre o mesmo, diante
da sociedade ou na intimidade, pois ele sabe que pelas aparências pode enganar os homens, mas
não pode enganar a DEUS.
Lázaro. (Paris, 1861.)
A Paciência
A dor é uma bênção que Deus envia a seus eleitos. Portanto, não se aflijam quando sofrerem, pelo
contrário, bendigam a deus Todo-Poderoso que através da dor neste mundo concede
oportunidade para evoluir.
Sejam PACIENTES. A paciência também é caridade e devem praticar a lei de caridade ensinada pelo
Cristo, enviado por Deus. A caridade que consiste na esmola dada aos pobres é a mais fácil de
todas. Outra há, porém, muito mais difícil e, por consequência, muito mais meritória: que é a de
perdoar a quem Deus colocou em nosso caminho para serem os instrumentos do nosso
sofrimentos e colocar a prova nossa paciência.
CARIDADE CARIDADE
MATERIAL MORAL

Dar esmola aos


pobres
Perdoar quem
nos faz sofrer AGIR COM PACIÊNCIA

Pais
Auxiliar Irmãos
materialmente
Filhos
Chefes
Amigos
Inimigos
A Paciência
A vida é difícil, bem o sei. Compõe-se de mil nadas, que são outras tantas picadas de alfinetes, mas
que acabam por ferir. Se, porém, atentarmos nos deveres que nos são impostos, nas consolações e
compensações que, por outro lado, recebemos, havemos de reconhecer que são as bênçãos muito
mais numerosas do que as dores. O fardo parece menos pesado, quando se olha para o alto, do que
quando se curva para a terra a fronte.
CORAGEM, amigos! Tendes no Cristo o vosso modelo. Mais sofreu Ele do que qualquer de vós e
nada tinha de que se penitenciar, ao passo que vós tendes de expiar o vosso passado e de vos
fortalecer para o futuro. Sede, pois, pacientes, sede cristãos. Essa palavra resume tudo.
Um Espírito amigo. (Havre, 1862.)
Obediência e Resignação
A doutrina de Jesus ensina, em todos os seus pontos, a OBEDIÊNCIA e a RESIGNAÇÃO, duas virtudes
companheiras da DOÇURA e muito ativas, se bem os homens erradamente as confundam COM A
NEGAÇÃO DO SENTIMENTO E DA VONTADE. A OBEDIÊNCIA é o consentimento da razão; a RESIGNAÇÃO é
o consentimento do coração, forças ativas ambas, porquanto carregam o fardo das provações que a revolta
insensata deixa cair.
O pusilânime não pode ser resignado, do mesmo modo que o orgulhoso e o egoísta não podem
ser obedientes.
OBEDIÊNCI A RESIGNAÇÃO
( consentimento da (consentimento DOÇURA
RAZÃO) do CORAÇÃO)

Jesus foi a encarnação dessas virtudes que a antiguidade material desprezava.


A virtude da vossa geração é a atividade intelectual; seu vício é a indiferença moral.
Infeliz do espirito preguiçoso, daquele que fecha as portas para o entendimento! Infeliz porque nós, que
somos os guias da humanidade em marcha, vamos agir contra sua vontade rebelde e, através do
sofrimento, iremos controla-lo e fazer com que ele nos obedeça. Assim toda a resistência orgulhosa,
cedo ou tarde, deverá ceder. Bem-aventurados, portanto, aqueles que são mansos, pois receberão com
doçura os ensinamentos.Lázaro. (Paris, 1863.)
A Cólera
O orgulho vos induz a julgar-vos mais do que sois; a não suportardes uma comparação que
vos possa rebaixar; a vos considerardes, ao contrário, tão acima dos vossos irmãos, quer em
espírito, quer em posição social, quer mesmo em vantagens pessoais, que o menor paralelo
vos irrita e aborrece. Que sucede então? Entregai-vos à cólera.
Pesquisai a origem desses acessos de demência passageira que vos assemelham ao bruto,
fazendo-vos perder o sangue-frio e a razão; pesquisai e, quase sempre, deparareis com o
orgulho ferido.
Que é o que vos faz repelir, coléricos, os mais ponderados conselhos, senão o orgulho ferido
por uma contradição? Até mesmo as impaciências, que se originam de contrariedades
muitas vezes pueris, decorrem da importância que cada um liga à sua personalidade, diante
da qual entende que todos se devem dobrar. Em seu frenesi, o homem colérico a tudo se
atira: à natureza bruta, aos objetos inanimados, quebrando-os porque lhe não obedecem.
Ah! se nesses momentos pudesse ele observar-se a sangue-frio, ou teria medo de si próprio,
ou bem ridículo se acharia!
A Cólera
Se ponderasse que a cólera a nada remedeia, que lhe altera a saúde e compromete
até a vida, reconheceria ser ele próprio a sua primeira vítima.

Outra consideração, sobretudo, devera contê-lo, a de que torna infelizes todos os que
o cercam. Se tem coração, não lhe será motivo de remorso fazer que sofram os entes
a quem mais ama? E que pesar mortal se, num acesso de fúria, praticasse um ato que
houvesse de deplorar toda a sua vida!

Em suma, a cólera não exclui certas qualidades do coração, mas impede se faça muito
bem e pode levar à prática de muito mal. Isto deve bastar para induzir o homem a
esforçar-se pela dominar. O espírita, ademais, é concitado a isso por outro motivo: o
de que a cólera é contrária à caridade e à humildade cristãs. – Um Espírito protetor.
(Bordeaux, 1863.)
Dicas da Espiritualidade Hahnemann – Paris,1863

• PERSEVERANÇA – para corrigir seus defeitos


• Combater seu ORGULHO
• Não justificar sua CÓLERA
• Todas as VIRTUDES e todos os VÍCIOS pertencem a
natureza do próprio espírito
• VONTADE Firme e determinada
LIVRO DOS ESPÍRITOS
924. Há males que independem da maneira de proceder do homem e
que atingem mesmo os mais justos. Nenhum meio terá ele de os
evitar?
“Deve RESIGNAR-SE e sofrê-los sem murmurar, se quer progredir.
Sempre, porém, lhe é dado haurir consolação na própria consciência,
que lhe proporciona a esperança de melhor futuro, se fizer o que é
preciso para obtê-lo.”
LIVRO DOS ESPÍRITOS
O Espírito goza sempre do livre-arbítrio. Em virtude dessa liberdade é que escolhe, quando
desencarnado, as provas da vida corporal e que, quando encarnado, decide fazer ou não uma
coisa procede à escolha entre o bem e o mal.
O esquecimento das faltas praticadas não constitui obstáculo à melhoria do Espírito,
porquanto, se é certo que este não se lembra delas com precisão, não menos certo é que a
circunstância de as ter conhecido na erraticidade e de haver desejado repará-las o guia por
intuição e lhe dá a ideia de resistir ao mal, ideia que é a voz da consciência, tendo a
secundá-la os Espíritos superiores que o assistem, se atende às boas inspirações que lhe
dão.
O homem não conhece os atos que praticou em suas existências pretéritas, mas pode sempre
saber qual o gênero das faltas de que se tornou culpado e qual o cunho predominante do seu
caráter. Bastará então julgar do que foi, não pelo que é, sim, pelas suas tendências.
As vicissitudes da vida corpórea constituem expiação das faltas do passado e, simultaneamente,
provas com relação ao futuro. Depuram-nos e elevam-nos, se as suportamos resignados e
sem murmurar. A natureza dessas vicissitudes e das provas que sofremos também nos podem
esclarecer acerca do que fomos e do que fizemos, do mesmo modo que neste mundo
julgamos dos atos de um culpado pelo castigo que lhe inflige a lei.
Façamos a diferença, que nossa vida seja marcada pelo
amor, pela justiça, pela honestidade, pela alegrias e pela
vitória no bem.