Você está na página 1de 20

Doença de Parkinson e

Periodontite: Ligação Perdida?


Artigo de revisão
Parkinson’s disease and periodontitis – the missing link? A
review

Dirigido por Profª Dra. Silvana Meyrelles


Discentes: Ghustavo Guimarães, Henrique Laranja, Mariana Caixeta e Nicollas Borgo
Fisiologia UFES 2019/1
Artigo: Periodontite e Mal de Parkinson: Ligação Perdida?

• Publicado por Gerodontology


O Artigo

Objetivo Material e Métodos


 Revisão para postular uma • Literatura médica e odontológica
possível ligação entre a ressaltando processos infecciosos e
periodontite e a doença de inflamatórios
Parkinson
Antecedentes

 Doenças e inflamação sistêmica - relação com periodontite;


 A doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa progressiva crônica
com etiologia multifatorial. Até hoje, Parkinson e periodontite associadas apenas
com base no mau controle motor e cognitivo do paciente de Parkinson, o que
leva a uma má manutenção da saúde bucal.
 As evidências sugerem agora que a inflamação crônica está consistentemente
associada à fisiopatologia da doença de Parkinson. Além disso, recentemente, a
inflamação sistêmica tem sido sugerida como um dos fatores que contribuem
para a neurodegeneração
Introdução

 Parkinson: doença comum após Alzheimer.


 Taxa de prevalência de 0,5% a 1% entre pessoas com mais de 65 anos.
 A doença resulta na perda seletiva de neurônios dopaminérgicos dentro da substância negra
(SN) do mesencéfalo.
 Degeneração das conexões neurológicas na via nigroestriatal, produzindo deficiência
psiquiátrica, cognitiva e mais notável a perda motora. Embora vários fatores de risco, como
idade, predisposição genética, toxinas ambientais, infecções e estresse oxidativo tenham sido
propostos, o mecanismo exato ainda permanece incerto. No estudo em questão, indivíduos
com anti-inflamatórios não esteroidais regulares tiveram um risco ligeiramente reduzido de
doença de Parkinson, o que serve para destacar a importância da resposta inflamatória na
patogênese e progressão.
• Embora a periodontite seja conhecida por ser polimicrobiana, acredita-se que o papel
patogênico principal seja desempenhado por bactérias gram-negativas.

• Estas bactérias produzem várias toxinas que aumentam a carga inflamatória local e
sistemicamente. Há um aumento na produção de mediadores pró-inflamatórios, como
IL-1, IL-6, TNF-a e espécies reativas de oxigênio (ROS). Esse desequilíbrio nos
mediadores inflamatórios formou a base para uma possível ligação entre a doença
periodontal e o desenvolvimento e progressão da doença de Parkinson, sendo a ligação
entre os dois a inflamação.
Efeito da doença de Parkinson em Periodonto

 Comprometimento motor
 Distúrbios cognitivos frequentes
 Medicamentos
 Fluxo salivar
 https://www.youtube.com/watch?v=eiFRB0-9ziE
Inflamação sistêmica e Parkinson

 As células microgliais residentes são as principais células imuno-defensivas inatas


do SNC.
 Há liberação de radicais livres, como radicais superóxido, óxido nítrico (NO),
óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e citocinas pró-inflamatórias
imunomoduladoras e antiinflamatórias, como IL-1b, TNF-a, IL-6 , IL-8, IL-12, IL- 15
e IL-10.
Papel dos patógenos
periodontais em Mal de
Parkinson
Entrada de patógenos e mediadores inflamatórios da
cavidade oral para a circulação sistêmica

• A cavidade bucal, em condições normais, apresenta barreiras físicas,


químicas e imunológicas

• Barreiras violadas por doença periodontal, trauma ou imunidade


suprimida Disseminação de microrganismos Infecção aguda
ou crônica
• Certas bactérias são capazes de invadir o epitélio das bolsas
periodontais, as quais fornecem grande área de superfície

• As ulcerações no revestimento da bolsa proporcionam fácil


acesso para os patógenos à circulação sistêmica
Entrada de patógenos e mediadores inflamatórios
da cavidade oral para a circulação sistêmica

• Os patógenos periodontais e seus produtos podem induzir


citocinas pró-inflamatórias, incluindo IL-1, IL-6 e TNF-a.
• Os receptores de citocinas podem ficar saturados e podem
entrar na circulação sistêmica.
A inflamação sistêmica causada pela doença periodontal
pode afetar o SNC por várias vias

• Devido à infecção periodontal, existe uma resposta inflamatória tanto local como
sistemicamente e mediadores inflamatórios que circulam sistemicamente podem
afetar o cérebro através de várias vias, das quais as vias humorais e neurais são de
importância principal.
• A via humoral está principalmente relacionada à presença da barreira
hematoencefálica (BHE).
• A injestão sistêmica de lipopolissacarídeo endotoxina (LPS) leva à quebra da BHE e
à invasão de granulócitos ou moléculas solúveis e induz uma forte ativação da
microglia e degeneração do neurônio dopaminérgico no SN do mesencéfalo.
Dados atuais indicam que o LPS produzido por bactérias
gram-negativas é um importante fator que contribui para o
desenvolvimento da doença de Parkinson
Via Neural
Aumento dos níveis
de citocinas pró-
inflamatórias no
cérebro

Transmissão de
sinais inflamatórios a
partir da cavidade
oral
Formação de microglia ativa que leva à degeneração de
neurônios dopaminérgicos na SN do mesencéfalo

TNF-a, IL-1b, IL-6, iNOS e


ROS
O possível elo entre a periodontite e o mal de Parkinson
Conclusão

Você também pode gostar