Você está na página 1de 20

Hospital da Restauração

Residência Médica
Ortopedia e Traumatologia

LUXAÇÃO DO QUADRIL NA
PARALISIA CEREBRAL

MR2 – José Dias de Oliveira Neto


Abril de 2018
Subluxação progressiva dos quadris
• Mais comum em não deambuladores

• Extrusão da cabeça femoral pelo índice de Reimers > 30%

• Relação linear entre o nível motor

• A luxação total ocorre dos 6 aos 10 anos

• Sintomatologia costuma surgir na segunda década de vida 50% dos casos


Subluxação progressiva dos quadris

• Os quadris são geralmente normais ao nascimento, e, em virtude da


espasticidade dos adutores e flexores de quadril, em conjunto à
presença de valgo e anteversão acentuados do fêmur proximal
gerados pelo atraso na aquisição das etapas motoras e ausência de
ortostatismo, ocorre extrusão gradual e progressiva.
Subluxação progressiva dos quadris

Índice de Reimers
Subluxação progressiva dos quadris

Objetivos do Tratamento
• Manutenção dos quadris locados e indolores, com amplo arco de
movimento

• Evitar progressão e tratar a subluxação.

• Proporcionar o adequado posicionamento na posição sentada e


prevenir a instalação de obliquidade pélvica e deformidade vertebral
secundária.
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
• Espasticidade de adutores de quadril, porém sem encurtamento
(abdução com joelhos estendidos > 30°) e radiografia em extrusão
menor que 25%.

• Toxina botulínica
• Fenolização do ramo anterior do nervo obturador
• Fisioterapia motora
• Estímulo de ortostatismo
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
• Encurtamento dos adutores de quadril, com extrusão dos quadris
superior a 30%

• Tenotomia do adutor longo, curto e grácil - >6ª


• Teste de Thomas positivo – tenotomia do psoas no pequeno trocânter
• Espuma para manutenção da abdução com tiras de velcro para
fixação nas coxas e pernas
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
• Extrusão superior a 40%, sem displasia acetabular

• Tenotomia dos adutores


• Osteotomia derrotativa externa e varizante
• Placas-lâminas de ângulo fixo ou placas LCP para quadril infantil
• Imobilização pós-operatória é a mesma da tenotomia dos adutores.
• Não indicada em menores que 4ª pela dificuldade em haver
implantes adequados, alto risco de recidiva e pelo fato de a
subluxação ser tratada de maneira satisfatória com procedimentos de
partes moles nessa faixa etária
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
• Extrusão maior que 40% e displasia acetabular (índice acetabular
maior que 25°)

• Necessário considerar a acetabulolastia tipo Dega, junto a tenotomia


dos adutores e psoas, alongamento dos isquiotibiais e osteotomia
varizante do fêmur
Subluxação progressiva dos quadris

Tratamentos e Indicações
Subluxação progressiva dos quadris

Complicações
• Relacionadas com a utilização do gesso pelvicopodálico, como a
formação de escaras em áreas de pressão.
• Fratura da região supracondiliana do fêmur após a retirada da
imobilização gessada
• Necrose avascular da epífise femoral após a redução do quadril na PC
• Encurtamento femoral
• No pós-operatório imediato - distúrbiosrespiratórios e as alterações
secundárias ao sangramento cirúrgico são os principais componentes
desse grupo.
Luxação inveterada dos quadris

• Quando a reconstrução cirúrgica dos quadris não é mais possível de


ser realizada
• Pacientes na segunda década de vida
• Dor, dificuldade no posicionamento sentado, dificuldade para
realização da higiene e troca do vestuário, formação de escaras
• O tratamento é paliativo e visa, em última instância, ao alívio dos
sintomas.
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
• Dificuldade para a realização da higiene e limitação no
posicionamento, mas sem dor

• Tenotomia dos adutores longo, curto e grácil e do psoas no pequeno


trocânter além da tenotomia distal dos isquiotibiais mediais
• Fenolização
• Caso os procedimentos sejam insuficientes para promover a abdução,
pode-serealizar a osteotomia valgizante do fêmur proximal.
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
• Dor com ou sem problemas para a higiene e o posicionamento

• Liberação de partes moles + ressecção do fêmur proximal


• As técnicas mais utilizadas são a de McHale, Castle e a ressecção da
cabeça e colo femorais na linha intertrocantérica, em conjunto a
capsuloplastia e interposição de partes moles
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
• Técnica de McHale

• Ressecção do fêmur proximal ao nível da linha intertrocantérica


• Osteotomia valgizante subtrocantérica

• Objetivos: aumentar a abdução dos quadris e locar o pequeno


trocânter ao nível do acetábulo para evitar a migração proximal e
dispensar a utilização de tração no pós-operatório
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
• Técnica de McHale

• Ressecção do fêmur proximal ao nível da linha intertrocantérica


• Osteotomia valgizante subtrocantérica

• Objetivos: aumentar a abdução dos quadris e locar o pequeno


trocânter ao nível do acetábulo para evitar a migração proximal e
dispensar a utilização de tração no pós-operatório
Luxação inveterada dos quadris

Tratamentos e indicações
• Técnica de McHale
Obrigado!