Você está na página 1de 27

ARQUITETURA E URBANISMO

SANEAMENTO BÁSICO

MAREMOTRIZ

Ana Lara Grassi, Ana Paula Dadalto, Daniela Peterle, Isabela Rigamonte
9º período MB
Débora Marchini
O QUE É?
• Maremotriz é uma forma de geração de eletricidade a partir das alterações de nível
das marés, através de barragens ou de turbinas submersas.

• É uma fonte de energia renovável, limpa e alternativa.

Não gera poluição

Não se esgotam e virtude da sua utilização


COMPONENTES DE UMA USINA
MAREMOTRIZ
Os principais componentes de uma usina maremotriz são: barragem,
turbogeradores, além de um ou mais reservatórios.

Figura - Esquema ilustrativo dos componentes de uma usina maremotriz .


BARRAGEM

A construção da barragem representa uns dos fatores mais relevantes em uma


usina maremotriz, principalmente por se relacionar de forma bastante significativa
com os custos totais de implantação.

O projeto deve prever uma série de condições que são especificas pra este tipo de
aproveitamento, como os efeitos das ondas que se chocam contra ela. Estes efeitos
podem ser bastantes severos devido à variação constante de pressão entre ambos
os lados.

A localização e o formato da barragem podem alterar os fenômenos de


ressonância e reflexão que ocorrem dentro de um estuário. Desta forma, é possível
elevar ou atenuar a amplitude da maré e, consequentemente, a energia produzida
pela usina. Portanto, este é um fator que deve ser analisado cuidadosamente.
COMPORTAS

As comportas incorporadas à barragem de uma usina maremotriz tem a função


principal de controlar o nível de água do reservatório, sendo que a frequência em que
estas são abertas está relacionada ao tipo de maré e ao modo de operação da usina.

Operam com muito mais frequência do que em uma hidrelétrica convencional.


Portanto, é necessário que estas operem com maior rapidez e com elevado grau de
confiabilidade, de modo a evitar problemas operacionais e manutenções constantes.
Impactos das ondas e a corrosão podem resultar em problemas operacionais às
comportas e, portanto, devem ser levados em consideração.
RESERVATÓRIO
A principal função do reservatório em uma usina
maremotriz é o armazenamento de água, de
modo a gerar a queda d'água necessária para
geração de eletricidade através dos
turbogeradores. Estes reservatórios podem ser
reentrâncias costeiras, enseadas, corpos de águas
entre ilhas e continentes, ou estuários .

O projeto de uma usina maremotriz pode


envolver um ou mais reservatórios, sendo que a
primeira alternativa é a mais comum e mais
econômica, embora tenha menos flexibilidade.
Um dos principais projetos maremotrizes em que Figura - Ilustração de uma turbina utilizada para
conversão da energia cinética das correntes de maré
há propostas de se utilizar múltiplos reservatórios em eletricidade .
(ou múltiplos lagos) é no estuário de Severn, no
Reino Unido.
COMO FUNCIONA?

A energia maremotriz é uma forma de produção de energia proveniente da


movimentação das águas dos oceanos, por meio da utilização da energia contida no
movimento de massas de água devido às marés. Dois tipos de energia podem ser
obtidas:
• energia cinética das correntes devido às marés;
• energia potencial pela diferença de altura entre as marés alta e baixa.

O sistema aproveita o movimento regular de fluxo do nível do mar


(elevação e abaixamento). Funciona de forma semelhante a uma hidrelétrica: uma
barragem é construída, formando-se um reservatório junto ao mar; quando a maré
enche, a água entra e fica armazenada no reservatório, e, quando baixa, a água sai,
movimentando uma turbina diretamente ligada a um sistema de conversão, gerando
assim eletricidade.
COMO FUNCIONA?

Energia potencial pela diferença de altura


entre as marés alta e baixa

Energia cinética das correntes devido às marés


VANTAGENS
É uma fonte de energia limpa e renovável ;

É uma alternativa para países que por diversos motivos não podem gerar energia
elétrica através de outras formas;

A constância e previsibilidade da
ocorrência das marés;

Sua segurança.
DESVANTAGENS
Necessidade de ter uma situação geográfica favorável, ou seja, presença de marés no
litoral e desnível no solo do oceano e enquanto houver onda;

A implementação do sistema de uma usina maremotriz ainda é caro em relação ao


sistema de hidrelétrica. Assim, a relação custo/benefício ainda não é vantajosa para
muitos países;

Pode ocorrer impacto ambiental na implantação do sistema, principalmente com


relação ao ecossistema marinho;

Baixo aproveitamento energético;

Impossibilita a navegação;

São necessárias amplitudes de marés superiores a 5 metros para que este tipo de
energia seja rentável;

Só funcionam dez horas por dia.


APLICABILIDADE

Hoje, essa forma de geração de energia é utilizada principalmente no Japão,


na Inglaterra e no Havaí - mas há usinas maremotrizes em construção ou em fase de
planejamento no Canadá, no México, no Reino Unido, nos EUA, na Argentina, na
Austrália, na Índia, na Coréia e na Rússia.

Para a implementação desse sistema, é necessária uma situação geográfica


favorável e uma amplitude de maré relativamente grande, que varia de local para local.
A utilização deste tipo de energia poderá ser uma opção para um futuro bem próximo,
porém devem ser levados em conta, neste tipo de empreendimento, os possíveis
impactos ambientais associados à construção das usinas, além da necessidade de
análise econômica da viabilidade do sistema.
IMPACTOS GERADOS
ASPECTOS AMBIENTAIS

A exploração da energia maremotriz não produz nenhuma poluição direta ao


meio-ambiente, é importante ressaltar que os efeitos da construção e operação de uma
usina maremotriz em um estuário devem ser cuidadosamente avaliados, pois a sua
instalação pode modificar algumas características naturais do local.

A construção de uma barragem em um estuário pode resultar em efeitos


diretos sobre o ecossistema local. Portanto, é importante ressaltar que tais efeitos
devem ser considerados tanto no projeto e construção, quanto na operação da usina.

Alguns dos aspectos que devem ser analisados são as possíveis alterações na
qualidade da água, ou seja, alterações nas características químicas da água, tais como
oxigenação e salinização.
IMPACTOS GERADOS
Um dos principais aspectos ambientais que devem ser verificados está
relacionado às alterações no ecossistema do estuário. Estas alterações variam de
acordo com o local e podem ser formuladas levando-se em consideração os
seguintes aspectos:

• Alterações na distribuição das espécies dentro do estuário;

• Alterações na composição do grupo de espécies: algumas podem deixar de existir,


enquanto novas espécies podem surgir;

• Alterações nos ciclos de vida de algumas


espécies: taxas de crescimento e reprodução,
por exemplo.
IMPACTOS GERADOS

Embora estes aspectos devam ser cuidadosamente verificados, a intensidade


em que estes podem ocorrer, varia de um local para outro. Tomando-se como
referência a usina maremotriz de La Rance, observou-se que os impactos mais
significativos aconteceram apenas durante a sua construção, onde o fluxo natural do
estuário foi interrompido através de ensecadeiras, para a construção a seco da
barragem.

Algumas soluções podem ser adotadas no sentido de amenizar os impactos


sócio-ambientais. A exemplo da construção da usina de Kislaya Guba- Rússia, a
utilização de elementos pré-fabricados em terra firme para a construção da barragem
torna-se uma solução menos ofensiva ao meio-ambiente do que a utilização de
ensecadeiras.
IMPACTOS GERADOS
ASPECTOS ECONÔMICOS

A avaliação econômica de um projeto de usina maremotriz deve ponderar tantos


aspectos diretos quanto indiretos. Entre os aspectos diretos estão os custos de construção,
operação e manutenção da usina, além dos benefícios promovidos pela própria geração de
eletricidade. Os aspectos indiretos estão relacionados aos impactos ambientais e sócio-
econômicos associados á usina. O desenvolvimento de atividades turísticas no entorno da
usina e a utilização da barragem como via de acesso rodoviário são exemplos de benefícios
indiretos.
Além de a fonte primária ser virtualmente inesgotável, os custos associados à
operação da usina são mínimos, portanto, os investimentos em construção e operação
podem ser facilmente recuperados através de "economia em combustíveis".

Ao contrário de outras fontes energéticas, a geração maremotriz está livre de


alguns problemas tais como: emissões de gases poluidores, poluição da água,
derramamentos de óleo, produção de resíduos.
IMPACTOS GERADOS
A vida útil de uma usina maremotriz pode chegar de duas a três vezes a de uma
térmica ou nuclear.

O custo da geração maremotriz e consequentemente a sua viabilidade, varia de


um país para outro, de acordo com as condições energéticas, sociais e ambientais
diversas. O Japão, por exemplo, produz eletricidade a baixos custos a partir de fontes
nucleares e térmicas a gás e a óleo. Uma usina maremotriz produziria eletricidade a um
custo de 3 a 4 vezes maior, o que a tornaria
não-atrativa.

A construção de uma barragem pode


representar um dos maiores custos para
a implantação de uma usina maremotriz.
USINA DE ONDAS - CEARÁ

Localizada no quebra-mar do Porto de Pecém, a 60km de Fortaleza, a


usina de ondas é a primeira na América Latina responsável pela geração de energia
elétrica por meio do movimento das ondas do mar. Com tecnologia 100% nacional,
a estimativa é de que o equipamento de baixo impacto ambiental esteja
completamente pronto para funcionar até o ano de 2020. O projeto dos
pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia
(COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é financiado pela
Tractebel Energia, dentro do programa de P&D da Aneel, e conta com apoio do
Governo do Estado do Ceará. O custo estimado é de R$ 18 milhões. Deverão ser
gerados 100 quilowatts (KW) para o abastecimento de energia do principal porto
cearense. Ou seja, é possível abastecer cerca de 60 famílias.
USINA DE ONDAS - CEARÁ
Cada módulo é formado por um
flutuador, um braço mecânico e uma
bomba conectada a um circuito de
água doce. A medida que as ondas
passam, os flutuadores sobem e
descem, o que aciona bombas
hidráulicas, que fazem com que a
água doce contida em um circuito
fechado, no qual não há troca de
líquido com o ambiente, circule em
um local de alta pressão.

Essa água que sofre grande pressão vai para um acumulador, que tem água e ar
comprimidos em uma câmara hiperbárica. Além das ondas, o mar oferece a possibilidade
de geração de energia impulsionada pela movimentação das marés. De acordo com
estudos, o Brasil tem condições de explorar todas essas fontes.

Vídeo do projeto, divulgado pela Coppe UFRJ: https://www.youtube.com/watch?v=FZSO21oCx1M


ESTUÁRIO DA BACANGA

Situado na cidade de São Luís

Representa um caso bastante


interessante para exploração da
energia das marés.

Ainda na década de 70 foi construída


uma barragem no estuário visando a
interligação da cidade com o porto de
Itaquí. Na época da construção já se
pensava em aproveitá-la para geração
de eletricidade.
Figura - Vista aérea do estuário e da barragem do Bacanga .
ESTUÁRIO DA BACANGA
.
Entre os principais motivos que justificam a implantação da usina-piloto de
Bacanga, destaca-se a oportunidade de impulsionar o desenvolvimento
tecnológico e humano visando outros projetos maremotrizes no Brasil

Figura - Ilustração do layout proposto para a usina maremotriz do Bacanga, Brasil [10].
ESTUÁRIO DA BACANGA
Uma das alternativas de projeto consistia na utilização de 6 turbogeradores do tipo
bulbo de 4500 kW cada, operando em regime de efeito simples. Desta forma, a
geração anual da usina seria estimada em 56,3 GWh .

Embora fosse um projeto bastante promissor, a sua implantação tornou-se inviável


economicamente devido a uma série de fatores: ocupação urbana desordenada em
áreas do reservatório e a criação de uma avenida que também margeia o reservatório,
obrigaram que este fosse mantido, através do controle das comportas da barragem, a
uma cota máxima bem inferior ao previsto no projeto inicial.

Atualmente, existem propostas da criação de uma usina-piloto para fins de


pesquisa apenas, tendo em vista que este conhecimento possa ser revertido para
outras regiões do Brasil que possuam potencial mais significativo.
CURIOSIDADES!
A primeira usina maremotriz do mundo foi construída em 1966 na cidade de La Rance
(França).

Usina La Race, na França


Usina maremotriz de La Rance, na França.
USINA MAREMOTRIZ DE LA RANCE
A usina maremotriz de La Rance é atualmente a maior do mundo em potência
instalada - 240 MW.

A estratégia de operação da usina é uma combinação de efeito duplo e


bombeamento. A produção anual da usina pode chegar a 544 GWh, sendo que 10 %
deste total é usado para fins de bombeamento.

É composta de 24 grupos-geradores do tipo bulbo, cada um com potência nominal


de 10 MW.

As turbinas possuem sistema de reversão das hélices para permitir a geração em


ambos os sentidos, além do bombeamento, que é feito pelo mesmo grupo de
máquinas. No estuário de La Rance, as marés podem alcançar até 14 m, portanto, o
bombeamento geralmente é utilizado em marés abaixo de 9 m.

Além da geração de eletricidade, outros benefícios provenientes da construção da


usina foram observados: tornou-se um atrativo turístico na região; a indústria
pesqueira não sofreu qualquer dano durante os anos de operação; surgimento de
novas comunidades planejadas ao seu redor.
CURIOSIDADES!

• Atualmente, os países que mais utilizam este sistema de geração de energia são:
Japão, França, Coreia do Sul, Inglaterra e Estados Unidos (principalmente
instaladas no Havaí).

• Embora tenha uma situação geográfica favorável, principalmente no litoral


maranhense, em que a amplitude dos níveis das marés chega a oito metros, o
Brasil ainda não produz energia através deste sistema.

• Os estados do Pará e do Amapá também apresentam condições favoráveis.

• Algumas das principais referências em termos de projetos já implementados são


a França (La Rance), Canadá (Annapolis Royal) e Rússia (Kislaya Guba), além de
inúmeros projetos de pequeno porte em operação na China.
CURIOSIDADES!
Os principais modelos de turbinas utilizadas para conversão da energia
maremotriz são as do tipo Kaplan, STRAFLO e as do tipo Bulbo.

Detalhes da turbina bulbo instalada na usina Detalhes da turbina STRAFLO antes de sua
maremotriz de La Rance, França. instalação na usina maremotriz de
Annapolis Royal, Canadá .
CONCLUSÃO

O setor energético mundial possui grandes desafios nos dias


atuais, o que colocam as fontes alternativas de geração de energia
em posição de destaque. Dessa forma a ampliação dos estudos
sobre a exploração da energia maremotriz e o seu uso, tornam-se
bastante interesse sob o ponto de vista estratégico.
REFERÊNCIAS

• http://www.suapesquisa.com/energia/energia_mares.htm

• http://ifbaer.blogspot.com.br/p/energia-maremotriz.html

• http://www.mma.gov.br/clima/energia/energias-
renovaveis/energia-maremotriz

• http://www.scielo.cl/scielo.php?pid=S071833052011000200007&s
cript=sci_arttext

• https://www.youtube.com/watch?v=aM3lSbrv2O4