Você está na página 1de 28

Armando Paulo da Silva

armando@utfpr.edu.br
www.pessoal.utfpr.edu.br/armando

Limites
Reta tangente

Tangente vem do latim “tangens”, que significa


tocando. Assim uma tangente é uma reta que
toca a curva.

COMO TORNAR PRECISA A IDÉIA DE TANGENTE?

Para um círculo, poderíamos simplesmente,


como Euclides, dizer que a tangente é uma reta
que intercepta o círculo uma única vez.

Prof. Armando Paulo da Silva


Reta tangente

Prof. Armando Paulo da Silva


Reta tangente

• No caso geral não parece ser verdade como


podemos ver no exemplo abaixo:

Prof. Armando Paulo da Silva


Graficamente o limite quando em

Prof. Armando Paulo da Silva


Interpretação de limite

Prof. Armando Paulo da Silva


Definição:

• Se os valores de f(x) puderem ser tomados tão


próximos quanto queiramos de L, desde que
tomemos os valores de x suficientemente
próximos de a mas não iguais a a), então
escrevemos lim f ( x )  L , que deve ser lido
x a
como “o limite de f(x) quando x tende a a é L”.
x2  9
• Exemplo: Tomemos a função f ( x)  .
x 3

Prof. Armando Paulo da Silva


Comportamento da função f(x)
quando x se aproxima de 3
x f(x) x f(x)
2,5 5,5 3,4 6,4
2,8 5,8 3,2 6,2
2,9 5,9 3,1 6,1
2,99 5,99 3,01 6,01
2,999 5,999 3,001 6,001
2,9999 5,9999 3,0001 6,0001
... ... ... ...
Prof. Armando Paulo da Silva
Note que:

- quanto mais x se aproxima de 3


por valores menores do que 3, mais
o valor de f(x) se aproxima de 6.
- quanto mais x se aproxima de 3
por valores maiores do que 3, mais
o valor de f(x) se aproxima de 6.
Logo, Matematicamente, afirma-se:

lim f ( x)  6
Prof. Armando Paulo da Silva x 3
Definição de limites laterais
• Se os valores de f(x) • Se os valores de f(x)
puderem ser tomados puderem ser tomados
tão próximos de L tão próximos de L
quanto queiramos quanto queiramos
desde que tomemos desde que tomemos
os valores de x os valores de x
suficientemente suficientemente
próximos de a (mas próximos de a (mas
maiores do que a), menores do que a),
então escrevemos então escrevemos
lim  f ( x)  L lim  f ( x)  L
x a x a
Prof. Armando Paulo da Silva
Relação entre limites laterais e
bilaterais

O limite bilateral de uma função


f(x) existe em um ponto a se, e
somente se, existirem os limites
laterais naquele ponto e tiverem o
mesmo valor, isto é: lim f ( x)  L
x a
se, e somente se,
lim f ( x)  L  lim f ( x)
x a x a
Prof. Armando Paulo da Silva
Prof. Armando Paulo da Silva
Definição formal de limites

Seja f(x) definida num intervalo aberto


I, contendo a, exceto possivelmente no
próprio a. Dizemos que o limite de f(x)
quando x aproxima-se de a é L, e
escrevemos: lim f ( x)  L
x a

se para todo  > 0, existe um  > 0,


tal que f ( x)  L   sempre que
0 xa 
Prof. Armando Paulo da Silva
Definição formal de limite

Prof. Armando Paulo da Silva


Definição de limite

Prof. Armando Paulo da Silva


Dando a definição formal de uma
maneira que não contenha o símbolo
de valor absoluto:
i) 0  x  a   equivale a a    x  a  
e xa

ii) f ( x)  L   equivale a L    f ( x)  L  

Prof. Armando Paulo da Silva


Reformulando a definição de
limites, teremos:

lim f ( x)  L
x a
Significa que,   0 existe um   0
tal que x está no intervalo aberto ( a   , a   ) e x  a,
então f(x) está no intervalo aberto ( L   , L   ).

Prof. Armando Paulo da Silva


Prof. Armando Paulo da Silva
Exemplo 1:

• Usando a definição de limite, prove que

lim(3x  1)  2
x 1

Prof. Armando Paulo da Silva


Sabendo que

lim( x  1)  3 ;  =0,2
x 4
Determine um   0 para o  dado,
tal que

se 0  x  a   então f ( x)  L  

Prof. Armando Paulo da Silva


Exemplo 2:

• Usando a definição de limite, prove que

lim x  16
2
x 4

Prof. Armando Paulo da Silva


Sabendo que

lim( x  2 x  1)  1 ;  =0,001
2
x 2
Determine um   0 para o  dado,
tal que

se 0  x  a   então f ( x)  L  

Prof. Armando Paulo da Silva


PROPRIEDADES

• P1. Sejam a e c números reais quaisquer,


então lim c  c , isto é, o limite de uma
x a
constante é a própria constante.
• P2. Se a, b, m são números reais, então
lim(mx  b)  ma  b
x a

Exemplo:

lim(3x  5) 
x 4
Prof. Armando Paulo da Silva
PROPRIEDADES
P3. Se lim f ( x)  L e lim g ( x)  M então:
x a x a

a) lim[ f ( x)  g ( x)]  L  M
x a

b) lim[ f ( x).g ( x)]  L.M


x a

f ( x) L
c) lim = desde que M  0
x a g ( x) M
d) lim  f ( x)  Ln ( p/  inteiro positivo n)
n

x a

e) lim n f ( x)  n L , desde que L  0 p/ n par


x a

f) lim ln  f ( x)  ln.L , desde que L  0


x a

g) lim cos f(x)  cos( L)


x a

h) lim sen f(x)  sen( L)


x a

i) lim e f ( x )  e L
x a
Prof. Armando Paulo da Silva
Exemplo: Determine o seguinte
limite:

lim ( x  3x  1)  2
x 2
Teorema: Se f é uma função polinomial, então
lim f ( x)  f (a)
x a

Prof. Armando Paulo da Silva


Exemplo: Calcule
5x2  2 x  1
lim
x 3 6x  7

Teorema: Se f é uma função racional, e


a pertence ao domínio, então

lim q( x)  q(a)
x a

Prof. Armando Paulo da Silva


Limites indeterminados

Em alguns casos não é possível calcular o valor


do limite por simples substituição. Ao adotar tal
procedimento nos deparamos com resultados
do tipo

Prof. Armando Paulo da Silva


Calcular os limites abaixo:

x x2 2
x 4
2
a) lim b) lim
x  2 ( x 2  4) x  2 ( x  2)

x32 3
x 2
c) lim d) lim
x 1 ( x  1) x 8 ( x  8)

27 x  1
3
e) lim
x
1 3x  1
3
Prof. Armando Paulo da Silva

Você também pode gostar