Você está na página 1de 38

Geotectônica e Evolução Crustal

• Background
- Petrologia e Geoquímica
- Geocronologia
• Estática
- Sismologia e a estrutura do interior da Terra
- Composição química e mineralógica do interior da Terra
• Cinemática e dinâmica
- Tectônica de placas
- Plumas mantélicas
- Dinâmica da litosfera
• Evolução crustal
Estrutura e Composição do Interior da Terra

• Ondas sísmicas: fontes naturais (terremotos) e


artificiais (vibradores e explosões)
• Ondas P e S
• Composição: Petrologia, Geoquímica, Estudos
Experimentais
Caminhões vibradores

Fonte: http://www.geop.ubc.ca/Lithoprobe/transect/SOSS/photos/photos.html
Terremotos e ondas sísmicas Sísmica de reflexão e
refração

Refração sísmica e de grande ângulo de reflexão (R /


WAR) são um complemento essencial para as
pesquisas de reflexão sísmica profunda . A energia
gerada por grandes fontes de explosivos (200 a 3000
kg) viaja em linhas arqueadas, principalmente
horizontais para refrações e obliquamente para
reflexões de alto ângulo, e é registrada em distâncias
da fonte de uns poucos a muitas centenas de
quilômetros. O método R/ WAR proporciona velocidade
e informação estrutural com uma resolução da ordem
de kms, em vez de centenas de metros, como no caso
de levantamentos de reflexão. Como cobre distâncias
maiores, refração sísmica descreve a imagem regional,
enquanto a reflexão sísmica fornece os detalhes em
www.lithoprobe.ca/media/slideset/slides/tools6.asp
áreas menores.
Terremotos e ondas sísmicas
Ondas P e S e a
estrutura da Terra
Ondas P e S e a estrutura da Terra

Romanowics, 2008. Nature 451


Li et al., 2008, G3
Características sísmicas das camadas da Terra
Crosta continental Crosta oceânica

7 km
Características sísmicas das camadas da Terra
Manto e Núcleo
Composição da Crosta Continental

• Superior
- Dominam rochas ígneas e metamórficas félsicas capeadas por
rochas sedimentares
- Estimativas da composição química média: (a) determinação de
médias ponderadas da composição de rochas expostas na
superfície; (b) determinação das composições médias de
elementos insolúveis em sedimentos clásticos finos (argilitos); (c)
determinação da composição química média de depósitos glaciais
e loess.
• Média/inferior
- Dominam rochas ígneas e metamórficas intermediárias e máficas
- Estimativas da composição química média: (a) xenólitos; (b)
petrologia experimental; (c) física dos minerais e dados sísmicos
Velocidades de ondas sísmicas em rochas

Velocidades de ondas P em diferentes litologias para 600 MPa


de pressão e 600ºC de temperatura (Christensen e Mooney, 1995)
Velocidades de ondas sísmicas em rochas

Lowry e Pérez-Gussinyé, 2012, Nature 471, 353-359


Tabela 3.1. Estimativa para a composição química da crosta continental
(Rudnick e Gao, 2005). Óxidos em %; elementos em ppm.
Óxido/ Crosta Crosta Crosta Crosta total
Elemento superior média inferior
SiO2 66,6 63,5 53,4 60,6
TiO2 0,64 0,69 0,82 0,72
Al2O3 15,4 15,0 16,9 15,9
FeOT 5,04 6,02 8,57 6,71
MnO 0,10 0,10 0,10 0,10
MgO 2,48 3,59 7,24 4,66
CaO 3,59 5,25 9,59 6,41
Na2O 3,27 3,39 2,65 3,07
K2O 2,80 2,30 0,61 1,81
P2O5 0,15 0,15 0,10 0,13
Sc 14,0 19 31 21,9
V 97 107 196 138
Cr 92 76 215 135
Co 17,3 22 38 26,6
Ni 47 33,5 88 59
Cu 28 26 26 27
Zn 67 69,5 78 72
Ga 17,5 17,5 13 16
Rb 82 65 11 49
Sr 320 282 348 320
Y 21 20 16 19
Zr 193 149 68 132
Nb 12 10 5 8
Ag 53 48 65 56
Sn 2,1 1,30 1,7 1,7
Sb 0,4 0,28 0,10 0,2
Ba 628 532 259 456
La 31 24 8 20
Ce 63 53 20 43
Pr 7,1 5,8 2,4 4,9
Nd 27 25 11 20
Sm 4,7 4,6 2,8 3,9
Tabela 3.1. Estimativa para a composição química da crosta continental (Rudnick e Gao, 2005). Óxidos em %; elementos em ppm.

Óxido/ Crosta superior Crosta média Crosta inferior Crosta total


Elemento

SiO2 66,6 63,5 53,4 60,6


TiO2 0,64 0,69 0,82 0,72
Al2O3 15,4 15,0 16,9 15,9
FeOT 5,04 6,02 8,57 6,71
MnO 0,10 0,10 0,10 0,10
MgO 2,48 3,59 7,24 4,66
CaO 3,59 5,25 9,59 6,41
Na2O 3,27 3,39 2,65 3,07
K2O 2,80 2,30 0,61 1,81
P 2O 5 0,15 0,15 0,10 0,13
Sc 14,0 19 31 21,9
V 97 107 196 138
Cr 92 76 215 135
Co 17,3 22 38 26,6
Ni 47 33,5 88 59
Cu 28 26 26 27
Zn 67 69,5 78 72
Ga 17,5 17,5 13 16
Rb 82 65 11 49
Sr 320 282 348 320
Y 21 20 16 19
Rudnick e Gao, 2003
Abundância de elementos traço na crosta superior

Hawkesworth e Kemp, 2006, Nature


Composição da Crosta Oceânica

• Métodos:
- amostras dragadas do
assoalho oceânico
- testemunhos colhidos
através de perfurações
- amostras obtidas com o uso
de submersíveis em zonas
de fratura
- comparação com a
composição de ofiolitos
Composição da crosta oceânica

Condie, 2005
Tipos Crustais
Tipos Crustais
Tipos e Províncias Crustais
Escudos e Plataformas

http://www.geology.ohio-state.edu/~vonfrese/gs100/lect34/index.html
Províncias Crustais
Limites:
-Mesmo intervalo de idades - Falhas,
-Histórias geológicas similares - Zonas de cisalhamento
- Discordâncias
- Mudanças bruscas no grau metamórfico
-Contatos intrusivos
Composição do Manto
• Evidências:
- Exposições do manto no assoalho
oceânico
- Xenólitos em kimberlitos e
basaltos alcalinos
- Sequências ofiolíticas
- Comparação com meteoritos
- Modelagem geoquímica: pirólito

Descontinuidade de Mohorovicic:
mudança de composição
Manto no Assoalho Oceãnico

Macleod et al., 2009, EPSL

Blackman et al., 2009, Geophys. J. Int.


Composição do Manto
Xenólito de peridotito em basalto
(Ilhas Canárias; Volanthen et al., 2006)
Óxido/ (1) (2) (3) (4) (5)
Elemen
to
SiO2 45,0 44,33 44,87 45,4 45,86
TiO2 0,20 0,10 0,20 0,16
Al2O3 4,45 2,41 4,33 4,49 4,60
Contato crosta/manto (ofiolito de Oman)
FeO 8,05 8,07 8,09 8,1 8,10
MnO 0,13 0,13 0,15 0,14
MgO 37,8 41,84 38,13 36,77 37,46
CaO 3,55 4,85 3,52 3,65 3,74
Na2O 0,36 0,29 0,42
K2O 0,03 0,01 0,02
P2O5 0,02 0,03 0,01
1 – Pirólito, 2 – Xenólitos, 3 – Manto empobrecido, 4
– Manto primitivo, 5 – Modelo cosmoquímico
http://my.opera.com/nielsol/archive/monthly/?month=200701

Manto ultramáfico
Manto Superior

CaAl2Si2O8 (An) + 2Mg2SiO4 (Fo) = MgAl2O4 (Sp) +


Mg2Si2O6 (Opx) + CaMgSi2O6 (Cpx)

MgAl2O4 (Sp) + 2Mg2Si2O6 (Opx) = Mg3Al2Si3O12 (Py) +


Mg2SiO4 (Fo)
Zona de Baixa Velocidade

Causas:
-Presença de água
-Fusão parcial incipiente
-Anisotropia sísmica

Thybo, 2006, Tectonophysics


Zona de Baixa Velocidade

Schmerr, 2012. Science


Zona de Transição e Manto Inferior

Olivina Wadsleyita Ringwoodita

(Mg,Fe)2SiO4 = (Mg,Fe)SiO3 + (Mg,Fe)O


Manto Inferior e Camada D”

Shim, S.H, 2008, Ann. Rev. Earth Planet. Sci.


Manto Inferior e Camada D”

Hirose, 2006, RG
Duffy, 2008, Nature 251
Água no Manto

Modelos mais consistente com


observações geofísicas
Núcleo
• Externo: líquido
• Interno: sólido
Tabela 3.3. Estimativas para a composição química
do núcleo externo. (1) Allègre et al. (1995); (2)
McDonough (2005); (3) Badro et al. (2007); (4)
Rubie et al (2011).
Óxido/ (1) (2) (3) (4)
Elemento
Fe (%) 79,4 85,5 83,
7
Ni (%) 4,9 5,2 5,3
Si (%) 7,3 6 2,8 8,3

S (%) 2,3 1,9 0 2,0


O (%) 4,1 0 5,3 0,5
C (%) 0 0,2
P (%) 0,11 0,2
Cr (%) 0,78 0,9
Co (%) 0,28 0,25 0,2
4
Mn (ppm) 5820 300