Você está na página 1de 28

Henri Wallon nasceu na França no ano de 1879 e faleceu em

1962.
Foi filósofo, médico, psicólogo e político.
Atuou, até 1931, como médico psiquiatra, dedicando-se ao
atendimento de crianças com deficiências neurológicas e
distúrbios de comportamento.
Tornou-se bem conhecido por seu trabalho científico
sobre Psicologia do Desenvolvimento, devotado principalmente
à infância, em que assume uma postura notadamente
interacionista, e por sua atuação política e posicionamento
marxista. Por sua formação, ocupou os postos mais altos no
mundo universitário francês, em que liderou uma intensa
atividade de pesquisa.
Wallon propõe estágios de desenvolvimento,
assim como Piaget, porém, ele não é adepto
da idéia de que a criança cresce de maneira
linear. O desenvolvimento humano tem
momentos de crise, isto é, uma criança ou
um adulto não são capazes de se
desenvolver sem conflitos. A criança se
desenvolve com seus conflitos internos e,
para ele, cada estágio estabelece uma forma
específica de interação com o outro.
Esse estágio se estende até por volta dos
3 anos de idade e tem predomínio das
relações exteriores e da inteligência.
Esta é eminentemente prática e, uma
vez que os campos funcionais são
indissociáveis, o pensamento via de
regra se projeta em atos motores.
Nesse período, destacam-se os aspectos
discursivos que, por meio da imitação
favorece a aquisição da linguagem.
A criança passa a pensar
conceitualmente, avançando
para o pensamento abstrato e
raciocínio simbólico,
favorecendo funções como a
memória voluntária, a atenção
e o raciocínio associativo.
As transformações físicas e psicológicas
da adolescência acentuam o caráter
afetivo desse estágio. Conflitos internos
e externos fazem o indivíduo voltar-se a
si mesmo, para autoafirmar-se e poder
lidar com as transformações de sua
sexualidade.
Para alcançarmos o enriquecimento das alternativas posturais é preciso romper com a visão
tradicional de disciplina, que tem por expectativa uma classe com alunos permanentemente
sentados e atentos à atividade proposta pelo professor.
É preciso deixar de olhar o movimento somente como transgressão e fonte de transtornos,
buscando enxergar nele sua multiplicidade de dimensões e significados. É preciso, enfim, olhar a
criança como ser concreto e corpóreo, uma pessoa completa.

A grande lição da psicogenética walloniana refere-se à


necessidade do refinamento nas trocas afetivas; a elaboração
cognitiva da emocionalidade do próprio educador, o ajuste das
formas de intercâmbio, tudo isto são exigências da própria
afetividade em sua marcha evolutiva, que é essencialmente
integradora.
De acordo com o que foi explanado sobre a teoria de desenvolvimento de
Wallon, constatou-se a suma importância deste conhecimento para a
Psicologia e para a área da educação.
A teoria de Henri Wallon ainda é um desafio para muitos pais, escolas e
professores. Sua obra faz uma resistência contumaz aos métodos
pedagógicos tradicionais. Numa época de crises, guerras, separações e
individualismos como a nossa, não seria melhor começar a pôr em prática
nas escolas ideias mais humanistas, que valorizem desde cedo a importância
das emoções?
ALFANDÉRY, Hélène Gratiot. Henri Wallon: Coleção Educadores MEC. Recife:
Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.
GALVÃO, Izabel. Henri Wallon : uma concepção dialética do desenvolvimento -
Petrópolis, RJ ; Vozes, 4ª edição, 1995.
http://cmapspublic2.ihmc.us/rid=1J7BS9CW0-13ZQWKF-
W63/vygotsky%20blog%202.jpg
Pesquisado dia 20/08/15 as 20h07mn.
http://reeduc.com.br/course/view.php?id=7
Pesquisado dia 27/08/15 as 15h18mn.
https://www.youtube.com/watch?v=M-n8rDxHu8s
Pesquisado dia 27/08/15 as 15h36mn.
By Elizângela Domingues