Você está na página 1de 39

Professor/socorrista: Ronnalty

Cronograma da Matéria

Conhecer os principais aspectos do comportamento


e da conduta de um Profissional que presta um
atendimento de primeiros socorros;
Conhecer os aspectos legais do socorro;
Conhecer as fases do socorro;
Saber avaliar, estabilizar, monitorar e encaminhar a
vítima ao socorro especializado.
E agora o que fazer?
Já sei!
O que são os primeiros socorros?
São os cuidados imediatos prestados a uma pessoa,
fora do ambiente hospitalar, cujo estado físico,
psíquico e ou emocional coloquem em perigo sua
vida ou sua saúde, com o objetivo de manter suas
funções vitais e evitar o agravamento de suas
condições (estabilização), até que receba assistência
médica especializada.
Acidentes e situações de urgências são
possibilidades reais onde quer que haja um ser
humano presente, trabalhando, estudando ou
praticando exercícios.
Atendimentos
• PC ( Parada Cardíaca)
• PR ( Parada Respiratório)
• PCR ( Parada cardiorrespiratória )
• Afogamento
• Desmaio
• Engasgo
• Choque elétrico
• Fraturas ( Interna e Exposta)
• Queimaduras
• Convulsão
Existem situações nas quais não se deve, em
hipótese alguma, movimentar a vítima. São elas:

inconsciência;
traumatismo craniano;
pacientes com dor no pescoço, ou que não
conseguem movimentar braços ou pernas;
grandes acidentes.
A importância do oxigênio
Importante lembrar que um ser humano pode
passar até três semanas sem comida, uma semana
sem água, porém, pouco provável, que sobreviva
mais que cinco minutos sem oxigênio.
Cuidado com a coluna!
A coluna vertebral é composta de 33 vértebras
sobrepostas, localizada do crânio ao cóccix, e no seu
interior há a medula espinhal, que realiza a condução dos
impulsos nervosos.
As lesões da coluna vertebral mal conduzidas podem
produzir lesões graves e irreversíveis de medula, com
comprometimento neurológico definitivo (tetraplegia ou
paraplegia).
Todo o cuidado deverá ser tomado com estas vitimas para
não surgirem lesões adicionais.
Análise primária
1- Verifique a inconsciência;
2- Abra as vias aéreas respiratórias;
3- Verifique a respiração;
4- Verifique os batimentos cardíacos;
5- Aplicar colar cervical
06- AVDI; Se a vítima está em Alerta, Se responde ao
estimulo da Voz, se responde ao estimulo Doloroso
ou Inconsciente - (inconsciente).
Análise secundária
1- Proceda o exame da cabeça aos pés;
2- Questione a vítima (se possível);
3- Escala de coma de Glasgow; Essa escala permite ao examinador
classificar objetivamente as três principais respostas do paciente ao
ambiente: abertura dos olhos, verbalização e movimento.
4- Avaliar os 4 sinais vitais:
-pulso.
-respiração. VOS Ver, Ouvir e Sentir
- (PA), Pressão Arterial
- quando possível a temperatura.
5- Questione as testemunhas (se houver).
Sinais Vitais
Pulsação
Artéria carótida: localizada no pescoço ao
lado do traqueia .
Artéria Radial: localizada no centro do pulso
dois dedos antes da mão, podemos sentir tanto
no braço esquerdo quanto no direito. Obs.
mesmo lado do dedão!
Pupilas dilatadas
As causas graves ou com risco de vida das pupilas
dilatadas
Aneurisma cerebral (risco de vida e
enfraquecimento da parede de uma artéria que pode
estourar e causar hemorragia grave)
Tumor cerebral
Edema cerebral (inchaço do cérebro)
Traumatismo craniano
Hemorragia intracraniana (sangramento dentro do
crânio)
Fratura de crânio Pupila dilatada Pupila normal
Golpe
Remoção da vítima ou das vitimas!
• Manobra 90° Graus - 1 socorrista
• Manobra 180°. 90°+ 90°- 1 á 2 socorristas.
• Manobra á cavaleira.
• Manobra Em Bloco - de 5 á 6 pessoas.
Remoção com um socorrista Manobra á cavaleira
5 atitudes corretas de um socorrista
1- A calma, o bom-senso e o discernimento
são elementos primordiais neste tipo de
atendimento.
2- Agir rapidamente, porém respeitando os
seus limites e o dos outros.
3- Transmitir á(s) vítima(s), tranquilidade,
alívio e confiança. informar-lhes que o
atendimento especializado está a caminho.
4- Utilize-se de conhecimentos básicos de
primeiros socorros, improvisando se
necessário.
5-Nunca tome atitudes das quais não tem
conhecimento, apenas auxilie dentro de sua
capacidade.
Cena segura socorrista protegido
O tempo no atendimento...
Quando se está lidando com vidas, o tempo é um
fator que não deve ser desprezado em hipótese
alguma.
A demora na prestação do atendimento pode
definir a vida ou a morte da vítima, assim como
procedimentos inadequados.
Nomenclaturas...
Prestador de socorro: Pessoa leiga, mas com o
mínimo de conhecimento capaz de prestar atendimento
a uma vítima até a chegada do socorro especializado.
Socorrista: Titulação utilizada dentro de algumas
instituições, sendo de caráter funcional ou operacional,
tais como: Corpo de Bombeiros, Cruz Vermelha
Brasileira, Brigadas de Incêndio, etc.
Manutenção da Vida: Ações desenvolvidas com o
objetivo de garantir a vida da vítima, sobrepondo à
"qualidade de vida".
Qualidade de Vida: Ações desenvolvidas para reduzir
as sequelas que possam surgir durante e após o
atendimento.
PC ( Parada Cardíaca):
É a interrupção da função de bombeamento do coração. Pode
ser constatada pela falta de batimentos cardíacos, de pulso e
pela dilatação das pupilas. Essa ocorrência pode estar
associada a diversos fatores como, arritmia cardíaca,
hemorragia, estado de choque, uso de drogas, choques
elétricos e infarto agudo do miocárdio.
Como agir:
 Chame imediatamente o serviço médico de emergência
 Deite a vítima de costas e verifique o pulso dela Inicie os
procedimentos de reanimação: coloque as mãos entrelaçadas
no centro do tórax e comprima-o entre 4 e 5 cm, e começa a
reanimação 30 compressões sobre o tórax, repetindo o
procedimento 100 vezes por minuto até o socorro chegar.
 A cada 30 vezes, verifique se há pulso e continue.
PR (PARADA RESPIRATÓRIA)
Ela acontece quando há falta de oxigênio e excesso de gás
carbônico no sangue. Pode ocorrer sozinha ou com parada
cardíaca. Pode estar associada a diversos fatores, como
arritmia cardíaca, hemorragia, estado de choque, uso de
drogas, choques elétricos e infarto agudo do miocárdio.
Portanto, é necessário redobrar a atenção se a pessoa tem
um ou mais fatores de risco para doença cardíaca:
Como agir:
 Sem fazer nenhuma manobra de reanimação, a cada
minuto se perde 10% da chance de reanimar a vítima.
 Se a reanimação não for feita em 10 minutos, a pessoa
tem chances muito reduzidas de se salvar.
 É importante identificar a parada e começar
imediatamente a manobra
Parada cardiorrespiratória
É a ausência das funções vitais, movimentos
respiratórios e batimentos cardíacos. A
ocorrência isolada de uma delas só existe em
curto espaço de tempo; a parada de uma acarreta
a parada da outra. A parada cardiorrespiratória
leva à morte no período de 3 a 5 minutos.
Sinais e sintomas
– Inconsciência;
– Ausência de movimentos respiratórios e
batimentos cardíacos.
Reanimação cárdio pulmonar

• Um ou Dois socorristas

PROCEDA 04 CICLOS E REPITA A ANÁLISE PRIMÁRIA


Desmaio
É a perda súbita e temporária da consciência e da
força muscular, geralmente devido à diminuição de
oxigênio no cérebro, tendo como causas:
hipoglicemia, fator emocional, dor extrema,
ambiente confinado, etc.
• Sinais e sintomas
– Tontura;
– Sensação de mal estar;
– Pulso rápido e fraco;
– Respiração presente de ritmos variados;
– Tremor nas sobrancelhas;
– Pele fria, pálida e úmida;
– Inconsciência superficial;
Convulsão
Perda súbita da consciência acompanhada de contrações
musculares bruscas e involuntárias, conhecida
popularmente como “ataque”. Causas variadas: epilepsia,
febre alta, traumatismo craniano, etc.
• Sinais e sintomas
– Inconsciência;
– Queda abrupta da vitima;
– Salivação abundante e vômito;
– Contração brusca e involuntária dos músculos;
– Enrijecimento da mandíbula, travando os dentes;
– Relaxamento dos esfíncteres (urina e/ou fezes soltas);
– Esquecimento.
Engasgo

O que fazer: A técnica indicada para crianças de até


sete anos é a da tapotagem, que consiste em inclinar
o corpo da criança para frente e com as mãos em
concha bater nas costas até que o objeto seja
expelido pela boca.
Segunda tentativa
Primeira tentativa
Acima de 5 Anos
Depois dessa idade, pode-se aplicar a manobra de
Heimlich, também conhecida como compressão
abdominal. Essa técnica é parecida com abraçar uma
pessoa pelas costas e fazer compressão com a mão
para dentro e para cima ao mesmo tempo.
Queimaduras
Queimadura é uma lesão produzida no tecido de
revestimento do organismo, por agentes térmicos,
elétricos, produtos químicos, irradiação ionizante e
animais peçonhentos.
Sinais e sintomas
1º Grau
Atinge somente a epiderme;
Dor local e vermelhidão da área atingida.

2º Grau
Atinge a epiderme e a derme;
Apresenta dor local, vermelhidão e bolhas d’água.

3º Grau
Atinge a epiderme, derme e alcança os tecidos mais profundos,
podendo chegar até ao osso.
Como proceder no caso de Queimaduras
• Primeiros socorros
– Isolar a vítima do agente agressor;
– Diminuir a temperatura local, banhando com água fria
(1ºGrau);
– Proteger a área afetada com plástico;
– Não perfurar bolhas, colocar gelo, aplicar medicamentos,
nem produtos caseiros;
– Retirar parte da roupa que esteja em volta da área
queimada;
– Encaminhar para atendimento hospitalar;
Hemorragias
Hemorragia capilar (cortes superficiais)
Hemorragia venosa
Hemorragia arterial
Hemorragia interna
Principais tipos de fraturas
 Fraturas traumáticas: representam a maioria das fraturas e são
causadas pela aplicação sobre o osso de uma força maior que sua
resistência.
 Fraturas patológicas: muitas vezes ocorrem espontaneamente ou
em razão de traumatismos mínimos sobre um osso previamente
fragilizado por osteoporose ou por um tumor ósseo.
 Fraturas interna: apenas o osso é atingido e não há perfuração
da pele ou lesão de outras estruturas adjacentes.
 Fraturas expostas: a pele é rompida e o osso fica exposto ao
exterior. Nesse tipo de fratura com frequência
ocorre infecção bacteriana.
 Fraturas complicadas: quando são atingidas outras estruturas além
dos ossos, como vasos sanguíneos, nervos, músculos, etc.
Fratura Interna

Fratura traumatológica

Fratura complicada Fratura externa


Choque Elétrico
• É o fenômeno da passagem da corrente elétrica
pelo corpo quando em contato com partes
energizadas.
• Sinais e sintomas
– Parada cardiorrespiratória;
– Queimaduras;
– Lesões traumáticas.
Como proceder
Interromper imediatamente o contato da vítima com a
corrente elétrica, utilizando luvas isolantes de borracha de
acordo com a classe de tensão, com luvas de cobertura ou
bastão isolante;
– Certificar-se de estar pisando em chão seco, se não estiver
usando botas com solado isolante;
– Realizar avaliação primária (grau de consciência,
respiração e pulsação);
– Aplicar as condutas preconizadas para parada
cardiorrespiratória, queimaduras e lesões traumáticas;
– Encaminhar para atendimento hospitalar.
Omissão de Socorro
Segundo o artigo 135 do Código Penal, a omissão
de socorro consiste em "Deixar de prestar
assistência, quando possível fazê-lo sem risco
pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à
pessoa inválida ou ferida, em desamparo ou em
grave e iminente perigo; não pedir, nesses casos, o
socorro da autoridade pública.
Atividade I
01- O que são primeiros socorros?
02- Qual a diferença de emergência para
urgência?
03- Quantas e quais são as manobras de remoção
das vítimas?
04- Por que o tempo é tão importante em um
atendimento de primeiros socorros?
05- Como é feita a analise primaria em um
atendimento?
06- Fale de 5 atitudes corretas de um socorrista.
07- Como devo proceder no caso de uma PCR?
08- Exemplifique a remoção acavaleira.