Você está na página 1de 24

Estrutura Atômica e Ligações Químicas

O átomo é composto por um núcleo com prótons e nêutrons circundado


por elétrons.

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 1


Estrutura Atômica e Ligações Químicas
Ligação Iônica

Representação esquemática da ligação iônica no cloreto de sódio (NaCl)


(Callister, 2002).

Este tipo de ligação resulta da atração mútua entre íons positivos e


negativos. Átomos com um ou dois elétrons na sua camada de valência
perdem facilmente tornando-se íons positivos. Enquanto que átomos
com quatro, cinco elementos na camada de valência ganham elétrons
tornando-se íon negativo.

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 2


Estrutura Atômica e Ligações Químicas
Ligação Covalente

Elétron compartilhado do hidrogênio Elétron compartilhado do carbono

Representação esquemática da ligação covalente em uma molécula de


metano (CH4) (Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 3


Estrutura Atômica e Ligações Químicas
Ligação Metálica
Núcleo dos íons

Nuvem de elétrons de valência

Representação esquemática da ligação metálica (Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 4


Estrutura Atômica e Ligações Químicas
Ligação Secundárias

Dipolos atômicos ou moléculas


Representação esquemática da ligação de van der Waals (Callister, 2002).

Existem também forças secundárias que ligam moléculas umas às outras.


Estas ligações são fracas em relação às outras. Estas forças aparecem a
partir dos dipolos atômicos ou moleculares. Os dipolos elétricos existem
sempre que existir alguma assimetria entre as partes positivas e negativas
dos átomos e moléculas. A ligação resulta da atração coulombiana entre
um pólo positivo e a região negativa do adjacente.
Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 5
Estrutura Cristalina

Um material cristalino é aquele no qual os átomos estão situados em um


arranjo que se repete ou que é periódico ao longo de grandes distâncias
atômicas, ou seja, existe ordem de longo alcance, de tal modo que
quando ocorre a solidificação os átomos se posicionarão em um padrão
tridimensional repetitivo, no qual cada átomo está ligado aos seus átomos
vizinhos mais próximos.

Algumas das propriedades dos sólidos cristalinos dependem da estrutura


cristalina do material, ou seja, da maneira segundo a qual os átomos, íons ou
moléculas estão arranjados espacialmente.

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 6


Estrutura Cristalina

Representação esquemática de agregados de muitos átomos ou


íons (Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 7


Estrutura Cristalina
Células Unitárias

Representação esquemática da uma célula unitária através de


esferas rígidas e de esferas reduzidas (Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 8


Estrutura Cristalina de Metais

A ligação atômica neste grupo de materiais é metálica, de tal modo que sua natureza
é não-direcional. Conseqüentemente, não existem restrições em relação ao número e
à posição dos átomos vizinhos mais próximos, isto leva a números relativamente
grandes de vizinhos mais próximos, bem como a empacotamentos densos dos átomos
para a maioria das estruturas cristalinas dos metais.

No caso dos metais, ao se utilizar o modelo de esferas rígidas para representar a


estrutura cristalina, cada esfera representa um núcleo iônico.

Três estruturas simples são encontradas na maioria dos metais:

• Cúbica de faces centradas;


• Cúbica de corpo centrado;
• Hexagonal compacta

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 9


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Faces Centradas
Possuem uma célula unitária com geometria cúbica, com átomos localizados em cada
um dos vértices e nos centros de todas os lados do cubo.

Representação esquemática da uma célula unitária CFC


(Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 10


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Faces Centradas
Os átomos se tocam uns nos outros ao longo
de uma diagonal da face, cujo comprimento
equivale a 4R. Considerando o lado do cubo
igual a a, tem-se:

Representação esquemática da uma célula unitária CFC


(Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 11


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Faces Centradas

Para a estrutura CFC, cada átomo em um vértice é compartilhado por oito células
unitárias, nesse caso:

Enquanto que um átomo centrado em uma face pertence a apenas a duas células,
nesse caso:

Portanto, um total de 4 átomos por células

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 12


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Faces Centradas

Duas outras características importantes da estrutura cristalina são o número de


coordenação e o fator de empacotamento.

• Número de coordenação – significa o número de vizinhos mais próximos ou de


átomos em contato.

• Fator de empacotamento – representa a fração de volume de uma célula unitária


que corresponde a esfera sólida.

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 13


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Corpo Centrado
Possuem uma célula unitária com geometria cúbica, com átomos localizados em cada
um dos vértices e um único átomo localizado no centro do cubo

Representação esquemática da uma célula unitária CCC


(Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 14


Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Corpo Centrado
Os átomos no centro e nos vértices tocam-se ao longo da diagonal do cubo, e o
comprimento da célula unitária a e o raio atômico R estão relacionados através da
expressão:

Para a estrutura CCC, cada átomo em um vértice é compartilhado por oito células
unitárias, nesse caso:

Enquanto que um átomo se encontra totalmente contido no centro da célula, nesse


caso:

Portanto, um total de 2 átomos por células


Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 15
Estrutura Cristalina de Metais
Cúbica de Corpo Centrado
O número de coordenação para a estrutura CCC é igual a 8.

Representação esquemática da uma célula unitária CCC


(Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 16


Estrutura Cristalina de Metais
Hexagonal Compacta

Representação esquemática de agregados de muitos átomos ou


íons de uma estrutura HC (Callister, 2002).

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 17


Estrutura Cristalina de Metais
Hexagonal Compacta
As faces superior e inferior da célula unitária são compostas por seis átomos que
formam hexágonos regulares e que se encontram em torno de um único átomo no
centro. Três átomos adicionais para a célula unitária está localizado entre os planos
superior e inferior contidos dentro da célula.

Representação esquemática da uma célula unitária HC (Callister,


2002).
Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 18
Estrutura Cristalina de Metais
Hexagonal Compacta

Para a estrutura HC, cada átomo em um vértice é compartilhado por seis células
unitárias, nesse caso:

Enquanto que dois átomos nas faces superior e inferior compartilha com duas células,
nesse caso:

Por fim, três átomos estão contidos entre as faces superior e inferior do hexágono.

Portanto, um total de 6 átomos por células

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 19


Estrutura Cristalina de Metais
Raios atômicos e estruturas cristalina para 16 metais

Metal Estrutura Cristalina" Raio Atômico1' (nm) Metal Estrutura Cristalina Raio Atômico (nm)
Alumínio CFC 0,1431 Níquel CFC 0,1246

Cádmio HC 0,1490 Ouro CFC 0,1442

Chumbo CFC 0,1750 Platina CFC 0,1387

Cobalto HC 0,1253 Prata CFC 0,1445

Cobre CFC 0,1278 Tântalo CCC 0,1430

Cromo CCC 0,1249 Titânio (a) HC 0,1445

Ferro (a) CCC 0,1241 Tungstênio CCC 0,1371

Molibdênio CCC 0,1363 Zinco HC 0,1332

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 20


Estrutura Cristalina de Metais
Cálculo da Densidade

Um conhecimento da estrutura cristalina de um sólido metálico permite o cálculo


da sua densidade verdadeira , que é obtida através da relação:

Onde: n = número de átomos associados a cada célula unitária


A = peso atômico do elemento
VC = volume da célula unitária
NA = número de Avogadro (6,023 x 1023 átomos/mol)

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 21


Exemplos 1:
Calcule literalmente o volume de uma célula unitária CFC em função do raio atômico

OBS: O volume da célula unitária corresponde ao volume do cubo que é gerado a


partir dos centros dos átomos dos vértices, ou seja:

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 22


Exemplos 2:
Determine o fator de empacotamento atômico para estrutura cristalina CFC e CCC.

CFC CCC

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 23


Exemplos 3:
O cobre possui raio atômico de 0,128 nm (1,28 angstrons), uma estrutura cristalina
CFC, e um peso atômico de 63,5 g/mol. Calcule a densidade e compare com a sua
densidade medida experimentalmente..

O valor encontrado na literatura para a densidade do Cu é 8,94 g/cm3

Disciplina Materiais Elétricos – Prof. Cícero da Rocha Souto 24

Você também pode gostar