Você está na página 1de 86

LOGÍSTICA

Uma breve revisão

1
A LOGÍSTICA DEFINIDA

“Logística é o processo de planejamento, implementação e


controle eficiente e eficaz do fluxo e armazenagem de
mercadorias, serviços e informações relacionadas, do ponto
de origem ao ponto de consumo, visando atender os
requisitos dos consumidores.”
CLM (Council of Logistic Management-1991)

Prof. Rogério Nery 2


1 Logística. Definição e História.
• Em 2004, O próprio CLM alterou a
definição, passando a ser

• "a parte da cadeia de suprimentos que


planeja, implementa e controla de modo
eficiente o fluxo, para frente e reverso, e a
estocagem de bens, serviços e
informações relativas desde o ponto de
origem até o ponto de consumo de modo
a atender os requisitos do consumidor"
(CLM, 2004). Prof. Rogério Nery 3
1 Logística. Definição e História.
DEFINIÇÃO
• Logística empresarial associa estudo e administração dos
fluxos de bens e serviços e da informação associada que os
põe em movimento” e define como:
• “A Logística empresarial trata de todas as atividades de
movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de
produtos (bens e serviços) desde o ponto de aquisição da
matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como os
fluxos de informação que colocam os produtos (bens e
serviços) em movimento, com o propósito de providenciar níveis
de serviço adequados aos clientes a um custo razoável”

Prof. Rogério Nery 4


1 Logística. Definição e História.
Prof. Rogério Nery 5
1 Logística. Definição e História.
A MISSÃO DA LOGÍSTICA

Colocar as mercadorias ou serviços no lugar certo, na


hora certa, nas condições acertadas com o cliente ao
menor custo possível.

Prof. Rogério Nery 6


1 Logística. Definição e História.
Missão da Logística

Prof. Rogério Nery 7


1 Logística. Definição e História.
Nível de Serviço

Nível de Serviço

Prof. Rogério Nery 8


1 Logística. Definição e História.
COMPREENDENDO A
CADEIA DE SUPRIMENTOS

9
Prof. Rogério Nery 10
1 Logística. Definição e História.
• Assim a nova definição de Logística traz dificuldades para
o ensino, fazendo-se necessário a explicação de cadeia de
Suprimentos para que o conceito possa ser compreendido
em sua plenitude.

• "O gerenciamento da cadeia de suprimentos envolve o


planejamento e a administração de todas as atividades
envolvidas no fornecimento, requisição, transformação e
todas as atividades da administração logística.
Fundamentalmente, se inclui a coordenação e a
cooperação entre todos os canais produtivos, podendo ser
fornecedores, intermediários, provedores de serviços
terceirizados e consumidores. O gerenciamento da cadeia
de Suprimentos integra o fornecimento e demanda ao longo
de todas as empresa envolvidas" (CLM, 2004).

Prof. Rogério Nery 11


1 Logística. Definição e História.
O que é uma Cadeia de Suprimento?

• Uma cadeia de suprimento engloba todos os


estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no
atendimento de um pedido de um cliente.
• Não inclui apenas fabricantes e fornecedores, mas
também transportadoras, depósitos, varejistas e os
próprios clientes.
• Inclui todas as funções envolvidas no pedido do
cliente, como desenvolvimento de novos produtos,
marketing, operações, distribuição, finanças e o
serviço de atendimento ao cliente, entre outras.

12
O que é uma Cadeia de Suprimento?
• Uma cadeia de suprimento é dinâmica e
envolve um fluxo constante de informações,
produtos e dinheiro (fundos) entre os
diferentes estágios.
• Cada estágio da cadeia de suprimento
executa diferentes processos e interage com
outros estágios da cadeia.
• O motivo principal para a existência de
qualquer cadeia de suprimento é satisfazer
as necessidades do cliente, em um processo
gerador de lucros. 13
O que é uma Cadeia de
Suprimento?

• As atividades da cadeia de suprimento


iniciam-se com o pedido de um cliente e
terminam quando um cliente satisfeito
paga pela compra.

14
O que é uma Cadeia de
Suprimento?
• O termo “cadeia de suprimento”
representa produtos ou suprimentos
que se deslocam ao longo da seguinte
cadeia:
• Fornecedores
• Fabricantes
• Distribuidores
• Lojistas
• Clientes
15
O que é uma Cadeia de
Suprimento?
• É importante visualizar os fluxos de
informações, monetário e de produtos
em ambos os sentidos dessa cadeia.

16
Estágios da Cadeia de
Suprimento
Fornecedor Fabricante Distribuidor Varejista Cliente

Fornecedor Fabricante Distribuidor Varejista Cliente

Fornecedor Fabricante Distribuidor Varejista Cliente

17
Suprimento Suprimento

FLUXO DE MATERIAIS

Suprimento
Suprimento Suprimento Suprimento
Sub CLIENTES
Fornecedor
F
O V
R A
N R
Sub E COMPRAS FÁBRICA DISTRIBUI- E CLIENTES
Fornecedor C DOR J
E I
D S
O T
R A
E S
Sub S CLIENTES
Fornecedor
Demanda Demanda Demanda Demanda

Demanda FLUXO FINANCEIRO Demanda

FLUXO DE INFORMAÇÕES

18
Objetivo da Cadeia de
Suprimento

• O objetivo de toda a cadeia de suprimento é


maximizar o valor global gerado.
• O valor gerado por uma cadeia de suprimento é
a diferença entre o valor do produto final para o
cliente e o esforço realizado pela cadeia de
suprimento atender ao seu pedido.

19
Fases de Decisão na Cadeia de Suprimento
• O gerenciamento da cadeia de suprimento bem-
sucedido exige diversas decisões relacionadas ao
fluxo de informações, de produtos e monetário.
• Essas decisões se encaixam em três categorias:
• Estratégia ou projeto da cadeia de suprimento
• Planejamento da cadeia de suprimento
• Operação da cadeia de suprimento

20
Visão do Processo de uma
Cadeia de Suprimento
• A cadeia de suprimento é uma
seqüência de processos que
acontecem dentro e entre diferentes
estágios da cadeia, e que se combinam
para atender à necessidade de um
cliente por um produto.

21
Visão do Processo de uma
Cadeia de Suprimento
• Há duas maneiras de visualizar os
processos realizados na cadeia de
suprimento:

– Visão Cíclica:

– Visão Push/Pull (empurrados/puxados)

22
Visão do Processo de uma
Cadeia de Suprimento
– Visão Cíclica:

• Os processos em uma cadeia de


suprimento são divididos em uma série
de ciclos, cada um realizado na
interface entre dois estágios sucessivos
de uma cadeia de suprimento.

23
Visão Cíclica dos Processos
da Cadeia de Suprimento
• Todos os processos da cadeia de
suprimento podem ser desmembrados
nos seguintes ciclos de processos:
– Ciclo de pedido do cliente
– Ciclo de reabastecimento
– Ciclo de fabricação
– Ciclo de suprimento

24
Visão Cíclica dos Processos
da Cadeia de Suprimento
• Nem todas as cadeias de suprimento terão
os quatro ciclos nitidamente separados.
• A visão cíclica de uma cadeia de suprimento
é muito útil ao considerarmos as decisões
operacionais, porque ela especifica
claramente os papéis e as responsabilidades
de cada componente da cadeia de
suprimento.

25
Ciclos de Processos da Cadeia de
Suprimentos
Estágio Cliente
Ciclo de pedido do cliente
Estágio Varejista
Ciclo de Reabastecimento
Estágio Distribuidor
Ciclo de Fabricação
Estágio Fabricante
Ciclo de Suprimentos
Estágio Fornecedor
26
Visão do Processo de uma
Cadeia de Suprimento
• Visão Push/Pull (empurrados/puxados)

– Os processos em uma cadeia de suprimento são


divididos em duas categorias: acionados em
resposta aos pedidos dos clientes (pull) ou
antecipação aos pedidos dos clientes (push).
– Todos os processo da cadeia de suprimento
recaem em uma das duas categorias,
dependendo do tempo de sua execução
compatível com a demanda do cliente.

27
Os Processos PULL (puxado)
• A execução é iniciada em resposta aos
pedidos dos clientes.
• A demanda é conhecida com certeza.
• São processos reativos porque reagem
à demanda do cliente.

28
Os Processos PUSH
(empurrados)
• São executados em antecipação aos
pedidos dos clientes.
• A demanda não é conhecida e deve ser
prevista.
• São processos especulativos porque
respondem a uma especulação (ou
previsão e não a uma demanda real.

29
Visão PUSH/PULL
• É útil ao considerarmos decisões estratégicas
relacionadas ao projeto da cadeia de suprimento.
• Força uma análise mais global dos processos da
cadeia de suprimento ligados ao pedido do cliente.
• Pode resultar na transferência de responsabilidades
de determinados processos para um estágio
diferente da cadeia, desde que essa transferência
permita que um processo PUSH se transforme em
um processo PULL.

30
Apenas um exemplo
PUSH/PULL
PROCESSOS
Ciclo do
pedido do PULL Ciclo do
cliente Pedido do
cliente
Chegada do
Pedido do
cliente Ciclo de
Reabastecimento
PROCESSOS e de
Ciclo de
reabastecimen PUSH Fabricação
to, fabricação
e suprimentos
Ciclo de
Suprimento
31
Estratégia Competitiva e a
Estratégia de Cadeia de
Suprimento
• Estratégia Competitiva:
– Define o conjunto de necessidades do consumidor
que ela pretende satisfazer por meio de seus
produtos e serviços.
– As empresas em geral podem adotar três tipos de
estratégia competitiva:
• estratégia de liderança em custos,
• estratégia de diferenciação e
• estratégia de foco.

32
Estratégia Competitiva e a
Estratégia de Cadeia de
Suprimento
• Estratégia de Liderança em Custos
– Visa obter vantagens competitivas pela oferta de produtos e
serviços (em geral padronizados) a custos mais baixos do
que os concorrentes.
• Estratégia de Diferenciação
– Busca alcançar vantagens pela introdução de um ou mais
elementos de diferenciação nos produtos e serviços, que
justifiquem preços mais elevados.
• Estratégia de Foco
– Objetiva obter vantagens competitivas ou pela oferta de
produtos e serviços com menores custos, ou pela
diferenciação dos mesmos, mas em um segmento de
mercado mais localizado ou restrito.
33
Estratégia Competitiva e a
Estratégia de Cadeia de
Suprimento
• A estratégia competitiva de uma empresa
será desdobrada em geral em estratégias
funcionais como as estratégias de marketing,
de produção, financeira e tecnológica,
buscando-se compor um todo coeso e
harmônico de planos e ações que propiciem
a aquisição de vantagens competitivas pela
melhoria dos processos de negócios ou de
elementos na “cadeia de valor”
34
Estratégia Competitiva e a Estratégia
de Cadeia de Suprimento
• A Estratégia Competitiva tem como alvo um
ou mais segmentos de consumidores e
pretende oferecer produtos e serviços
capazes de satisfazê-los de acordo com suas
necessidades.
• Para compreender a relação entre estratégia
competitiva e estratégia de cadeia de
suprimento, temos que compreender o
conceito de “cadeia de valor”
35
Cadeia de Valor

36
Cadeia de Valor
Finanças, Contabilidade,
Tecnologia da Informação, Recursos Humanos

Desenv. Marketing
De Novos E Operações
Distribuição
Produtos Vendas Serviço

Cria Produção Levar o produto Responde às


Cria demanda Do Ou Solicitações do
Especificações Produto Trazer o cliente Cliente
Durante e pós venda

37
Cadeia de Valor
• Para colocar a estratégia competitiva da
empresa em prática é necessário que todas
essas funções desenvolvam sua própria
estratégia uma vez que cada um tem seu
papel.
• Estratégia, nesse caso, refere-se ao que
cada função tentará fazer particularmente
bem.

38
Estratégia Competitiva e a Estratégia
de Cadeia de Suprimento

Estratégia de Estratégia de
Estratégia de
Marketing e Cadeia de
Desenvolvimento
Vendas Suprimentos
De Produto

39
Estratégia de Cadeia de Suprimento

• Uma estratégia de Cadeia de


Suprimento determina:
– a natureza da obtenção de matérias-
primas,
– o transporte de materiais de “e” para “a”
empresa,
– A fabricação do produto ou operação para
prover o serviço,
– A distribuição do produto e serviço ao
consumidor.
40
Estratégia de Cadeia de Suprimento

• Pela perspectiva de cadeia de valor, a


estratégia da cadeia de suprimento
especifica o que operações, distribuição
e serviço deverão tentar fazer
particularmente bem.
• A Cadeia de valor enfatiza a estreita
relação entre todas as estratégias
funcionais dentro da empresa.
41
Estratégia de Cadeia de Suprimento

• Cada função é essencial para que a


empresa possa satisfazer às
necessidades de seus clientes de
maneira lucrativa.
• Assim, as diferentes estratégias
funcionais não podem ser planejadas
isoladamente, e sim estreitamente
conectadas e devem se apoiar e se
alinhar entre si para que a empresa42
Alinhamento Estratégico
• Alinhamento Estratégico significa que ambas as
estratégias, competitiva e de cadeia de suprimento,
possuem os mesmos objetivos.
• Refere-se à compatibilidade entre as prioridades do
cliente, satisfeitas pela estratégia competitiva, e às
habilidades da cadeia de suprimento, que a
estratégia de suprimento visa a criar.
• Tais funções não são operadas isoladamente. Uma
única função não é capaz de assegurar o sucesso da
cadeia.

43
Alinhamento Estratégico
• O sucesso ou o fracasso da empresa estão assim estreitamente
ligados aos seguintes tópicos:
– A Estratégia competitiva e todas as estratégias funcionais devem
estar alinhadas para formarem uma estratégia global coordenada.
Cada estratégia funcional deve apoiar outras estratégias funcionais
e ajudar a empresa a alcançar o objetivo da sua estratégia
competitiva.
– As diferentes funções em uma empresa devem estruturar
apropriadamente seus processos e recursos para que possam
executar essas estratégias com êxito.
• Uma empresa pode fracassar tanto por falta de alinhamento
estratégico como pelo fato de seus processos e recursos não
oferecerem condições para apoiar o alinhamento estratégico
desejado.

44
Como Atingir o
Alinhamento Estratégico?
• Uma estratégia competitiva vai especificar, explícita
ou implicitamente, um ou mais segmentos de clientes
que uma determinada empresa espera satisfazer.
• Para alcançar o alinhamento estratégico, a empresa
deve garantir que suas habilidades na cadeia de
suprimento apóiem sua habilidade de satisfazer os
segmentos de clientes-alvo.
• Há três etapas básicas para o alcance do
alinhamento estratégico:

45
Etapas do Alinhamento
Estratégico
• ENTENDER O CLIENTE
– Primeiramente, a empresa precisa entender as necessidades do
cliente em cada segmento visado. Tais necessidades ajudam a
empresa definir o custo desejado e os serviços exigidos.
• ENTENDER A CADEIA DE SUPRIMENTO
– Existem vários tipos de cadeias de suprimento e cada uma dessas
cadeias é projetada para desempenhar diferentes tarefas com
sucesso. A empresa deve entender para qual tarefa sua cadeia de
suprimento foi designada.
• REALIZAR A ALINHAMENTO ESTRATÉGICO
– Se houver qualquer incompatibilidade entre o que a cadeia de
suprimento realiza com sucesso e as necessidades dos clientes, a
empresa precisará reestruturar sua cadeia de suprimento para
apoiar a estratégia competitiva ou, então, deverá alterar sua
estratégia.
46
ENTENDENDO A CADEIA DE
SUPRIMENTO
• A criação do alinhamento estratégico é,
fundamentalmente, a criação de uma
estratégia de cadeia de suprimento que
atenda ao tipo especifico de demanda visado
pela empresa.
• A idéia de RESPONSIVIDADE E
EFICIÊNCIA é comum a todas as
características de cadeias de suprimento.

47
ENTENDENDO A CADEIA DE
SUPRIMENTO
• RESPONSIVIDADE:
– È a disposição de prestar o serviço prontamente e
auxiliar os clientes.
• RESPONSIVIDADE: é a habilidade da cadeia de
suprimento realizar:
– Respostas a amplos escopos de quantidades exigidas;
– Atender com”lead times” curtos;
– Manejar uma grande variedade de produtos;
– Produzir produtos altamente inovadores;
– Atender a um nível de serviço muito alto

48
ENTENDENDO A CADEIA DE
SUPRIMENTO
• Essas habilidades são semelhantes a muitas das
características de demanda que levaram à alta
incerteza implícita.
• Quanto maior for o número dessas habilidades em
uma cadeia de suprimento, mais responsiva ela será.
• Maior a Responsividade, maior é o Custo.
• A Eficiência da Cadeia de Suprimento é o custo de
fabricação e entrega do produto ao cliente.

49
ENTENDENDO A CADEIA DE
SUPRIMENTO
• Aumento nos custos reduzem a eficiência.
Para cada decisão estratégica visando o
aumento da responsividade, existem custos
adicionais que reduzem a eficiência.
• O limite eficiente de custo-responsividade é
representado pela figura a seguir,
demonstrando o custo baixo possível pra um
determinado nível de responsividade.
• As empresas devem equilibrar eficiência e
responsividade.
50
Limite Eficiente de Custo-Responsividade

Responsividade

Alta

Baixa Custo

Alto Baixo

51
FATORES-CHAVE E
OBSTÁCULOS DA CADEIA
DE SUPRIMENTO

52
Fatores-Chave de Desempenho da
Cadeia de Suprimento
• Para entendermos como uma empresa pode
melhorar o desempenho de sua cadeia de
suprimento em termos de responsividade e
eficiência, devemos examinar os quatro
fatores-chave de desempenho da cadeia:
– Estoque
– Transporte
– Instalações
– Informação

53
Estrutura de Tomada de Decisões na
Cadeia de Suprimento
Estratégia Competitiva

Estratégia da Cadeia de
Suprimento Responsividade
Eficiência

Estrutura da Cadeia de Suprimento

Estoque Transporte Instalações Informação

Fatores-Chave

54
O ESTOQUE
• Estoque é a matéria –prima, os produtos em
processamento e os produtos acabados dentro de uma
cadeia de suprimento.
• As mudanças em suas políticas podem alterar
drasticamente a eficiência e a responsividade da cadeia.
• Um estoque bem abastecido, há uma grande
possibilidade de atender imediatamente á demanda do
cliente;
• No entanto, Aumentará os custos , tornando-os menos
eficiente.
• A redução de seu estoque fará com que a empresa seja
mais eficiente, mas comprometerá sua responsividade.

55
O Papel do Estoque na
Cadeia de Suprimento
• O Estoque existe na cadeia de suprimento devido a
inadequação entre suprimento e demanda.
• Um papel importante executado pelo estoque na
cadeia de suprimento é o de aumentar a quantidade
de demanda que pode ser atendida, pois ele permite
que o produto esteja pronto e disponível para o
momento que o cliente quiser.
• Outro papel é o de reduzir custos explorando
quaisquer economias de escala que possam vir a
existir durante a produção e a distribuição.

56
O Papel do Estoque na
Cadeia de Suprimento

• O Estoque é o principal fator gerador de


custos em uma cadeia de suprimento e
exerce um forte impacto na
responsividade.

57
O Papel do Estoque na
Estratégia Competitiva
• O estoque tem participação crucial na capacidade da cadeia de
suprimento em apoiar a estratégia competitiva da empresa.
• 1a - Se a estratégia competitiva da empresa exige um alto nível
de responsividade, a empresa pode usar o estoque para
alcançar essa responsividade, disponibilizando grandes
quantidades de estoques próximas ao cliente, ou
• 2a - a empresa também pode usar o estoque para se tornar
mais eficiente, reduzindo-o com a utilização de armazenagem
centralizada.
• Observa-se que 2a opção apoiaria um estratégia competitiva
que tem como meta ser um fabricante com custos baixos.
• A escolha implícita sobre o estoque está entre a responsividade
(resultante da manutenção de maiores estoques), e a eficiência
(resultante de estoques menores).
58
Componentes das Decisões sobre
Estoque
• As principais decisões relacionadas a estoques que
devem ser tomadas pelos gerentes para a criação de
cadeias de suprimento mais responsivas e eficientes,
são sobre:
• Estoque Cíclico
• Estoque de Segurança
• Estoque Sazonal

59
Estoque Cíclico
• Estoque Cíclico:
– É a quantidade média de estoque utilizada para satisfazer a
demanda entre o recebimento das entregas vindas dos
fornecedores. O resultado do estoque cíclico é o resultado
da produção ou da compra de material em grandes lotes.
– A escolha básica que os gerentes das cadeias de
suprimento devem fazer é :
• Entre o custo pela manutenção de lotes maiores de
estoque (estoque cíclico alto) e o custo da constante
emissão de pedidos (estoque cíclico baixo).

60
Estoque Cíclico
• O aumento do tamanho do lote muitas vezes
reduz os custos contraídos por diferentes
estágios de uma cadeia de suprimento.
• Os principais custos considerados da cadeia
são:
– Custo do Material
– Custo fixo do Pedido
– Custo de Manutenção

61
Estoque Cíclico
• Custo do Material:
– É o preço pago por unidade.

• Custo Fixo do Pedido:


– Inclui todos os custos que não variam de acordo com o
tamanho do lote, mas que são contraídos a cada emissão
de um pedido.
• Custo de Manutenção de Estoques:
– É o custo de manutenção de uma unidade em estoque por
um período de tempo especifico, normalmente um ano. È a
combinação do custo do capital, do custo da armazenagem
física do estoque e do custo gerado pelo produto que torna
obsoleto. 62
Estoque Cíclico

• O papel principal do estoque cíclico é permitir


que diferentes estágios da cadeia de suprimento
comprem produtos em lotes que minimizem a
soma dos custos do material, do pedido e da
manutenção de estoques

63
Estoque de Segurança
• Estoque de Segurança
– É o estoque mantido como precaução no caso de a
demanda exceder as expectativas e serve para combater a
incerteza.
– Determinar a quantidade de estoque de segurança a ser
mantido é uma decisão crucial.
– A escolha do estoque de segurança envolve a opção entre :
• Os custos pela manutenção de um estoque muito grande e
os custos ocasionados pelas perdas das vendas causadas
pela manutenção de um estoque de segurança
insuficiente.

64
Estoque Sazonal
• Estoque Sazonal
– É o estoque criado para combater a variabilidade previsível
da demanda. As empresas que adotam o estoque sazonal o
fazem em períodos de baixa demanda armazenando-os
para os períodos de alta demanda, quando terão a
capacidade de produzir tudo que é pedido.
– A escolha básica que os gerentes devem tentar fazer na
determinação sobre a quantidade de estoque sazonal a ser
mantido é:
• Entre o custo de armazenamento de estoque sazonal adicional
e o custo de ter uma taxa de produção mais flexível

65
Estoque
Responsividade x Eficiência
• A escolha fundamental realizada pelos gerentes ao
tomarem decisões relacionadas a estoque é entre
responsividade e eficiência.
• O aumento dos estoques, em geral, tornará a cadeia
de suprimento mais responsiva ao cliente, porém
reduzirá a eficiência.
• Assim, devemos utilizar o estoque com um dos
fatores-chave para atingir o nível de responsividade
e de eficiência que a estratégia competitiva
estabelecer como alvo.

66
O TRANSPORTE

• Significa movimento de estoque de um ponto a outro


na cadeia de suprimento.
• Pode ser feito a partir de várias combinações de
meios e rotas, cada uma com características
particulares de desempenho.
• As escolhas sobre o transporte exercem um forte
impacto na responsividade e na eficiência da cadeia
de suprimento.

67
O Papel do Transporte na
Cadeia de Suprimento
• O Transporte mobiliza o produto entre diferentes estágios na
cadeia de suprimento.
• Exerce grande influência tanto na responsividade, quanto na
eficiência.
• Um transporte mais rápido, utilizando diferentes meios ou
diferentes quantidades a serem transportadas, contribui para
que a cadeia de suprimento seja mais responsiva, mas acaba
reduzindo sua eficiência.
• O tipo de transporte adotado por uma empresa também afeta os
estoques e a localização das instalações na cadeia de
suprimento.

68
O Papel do Transporte na
Estratégia Competitiva
• Se a estratégia competitiva tem como alvo o cliente que
demanda um nível muito alto de responsividade e esse cliente
está disposto a pagar por essa responsividade, a empresa pode
então utilizar o transporte como um fator-chave para tornar a
cadeia mais responsiva.
• Contudo, se a estratégia competitiva da empresa tem como
alvo clientes que apresentam o preço com principal critério de
decisão de compra, a empresa pode antão utilizar o transporte
para baixar o custo do produto, sacrificando a responsividade.
• Tanto o estoque quanto o transporte, a empresa pode utilizá-los
para aumentar a responsividade ou a eficiência. A solução é
encontrar o equilíbrio exato entre ambos.

69
Componentes das Decisões Sobre
Transporte
• Os principais componentes do transporte que devem
ser analisados pelas empresas nos momentos de
projeto e operação da cadeia de suprimento são:
• Meios de Transporte

• Seleção de Rota e Rede

• In House ou Terceirização

70
TRANSPORTE
Responsividade x Eficiência

• A escolha fundamental para o


transporte se dá entre o custo de
transporte de um determinado produto
(eficiência) e a velocidade com que o
produto é transportado (responsividade)

71
AS INSTALAÇÕES

• São os locais na rede da cadeia de suprimento onde


o estoque é armazenado, montado ou fabricado.
• Os principais tipos de instalações são os locais de
armazenamento e de produção.
• Qualquer que seja a função da instalação, as
decisões a respeito da localização, capacidade e
flexibilidade das instalações influenciam
significativamente o desempenho da cadeia de
suprimento

72
O Papel das Instalações na
Cadeia de Suprimento
• Se relacionarmos o estoque com o que está sendo
passado pela cadeia de suprimento e o transporte
com o modo como está sendo passado, então as
instalações são o onde da cadeia de suprimento.
• São os locais para ou de onde o estoque é
transportado.
• Dentro de uma instalação, o estoque pode ser
transformado em outro estado (fabricação) ou
armazenado antes de ser despachado para o
próximo estágio (armazenagem).

73
O Papel das Instalações na
Estratégia Competitiva
• As instalações impactam no desempenho da cadeia
de suprimento em termos de responsividade e
eficiência.
• As empresa podem obter economias de escala
quando um produto é fabricado e armazenado em
apenas um local. Essa centralização aumenta a
eficiência.
• Contudo, a redução de custos sacrifica a
responsividade, pois muitos dos clientes da empresa
podem estar distantes da instalação fabril.

74
O Papel das Instalações na
Estratégia Competitiva
• Contudo, a localização das instalações em locais
próximos aos clientes, aumenta o número de
instalações necessárias e, conseqüentemente, reduz
a eficiência.
• No entanto, se o cliente exige responsividade e está
disposto a pagar por esse recurso proporcionado por
numerosas instalações, então essa decisão sobre
instalações corresponde aos objetivos da estratégia
competitiva da empresa.

75
Componentes das Decisões Sobre
INSTALAÇÕES
• Os principais componentes das decisões sobre
instalações são os seguintes:
• LOCALIZAÇÃO

• CAPACIDADE (flexibilidade x eficiência)

• METODOLOGIA DE FABRICAÇÃO

• METODOLOGIA DE ARMAZENAGEM

76
Responsividade x Eficiência
INSTALAÇÕES
• A escolha fundamental que deve ser feita
pelos gerentes ao tomarem decisões sobre
as instalações se dá entre:

O custo da quantidade, da localização e do tipo de


instalações (eficiência)
X
Nível de responsividade que essas instalações
oferecem aos clientes da empresa

77
A INFORMAÇÃO

• Consiste em dados ou análises a respeito de


estoque, transporte, instalações e clientes, que
fazem parte da cadeia de suprimento.
• A informação é potencialmente o maior fator-chave
de desempenho da cadeia de suprimento, pois afeta
diretamente cada um dos demais fatores-chave.
• Ela propicia ao gerenciamento a oportunidade de
tornar as cadeias de suprimento mais responsivas e
eficientes.

78
O Papel da Informação na
Cadeia de Suprimento
• A informação serve como uma conexão entre os
diversos estágios da cadeia de suprimento,
permitindo que possam coordenar suas ações e
colocar em prática muitos dos benefícios de
maximização da lucratividade total da cadeia.

• A informação também é crucial para as operações


diárias de cada estágio na cadeia de suprimento

79
O Papel da Informação na
Estratégia Competitiva
• As empresas usam a informação para se tornarem mais
eficientes e mais responsivas.
• O crescimento da Tecnologia da Informação (TI) é aprova do
impacto por ela exercido nas melhorias das empresas.
• A informação exige que as empresas, em um determinado
momento, optem entre eficiência e responsividade.
• Escolher qual informação é mais valiosa para a redução de
custos e para a melhoria da responsividade dentro da cadeia de
suprimento.
• Pode variar de acordo com a estrutura da cadeia de suprimento
e com os segmentos de mercado atendidos

80
Componentes das Decisões sobre
Informação
• Push x Pull:
– Os sistemas push normalmente exigem uma informação em
forma de sistemas elaborados de planejamento de
necessidades de materias (MRP) para acompanhar ao
máximo a programação da produção e reduzir seus custo,
criando programações para fornecedores com tipos de
peças, quantidades e prazos de entrega.
– Os sistemas pull exigem uma informação sobre a demanda
real a ser transmitida com extrema agilidade por toda a
cadeia de suprimento para que a produção e a distribuição
de peças e produtos possam refletir a demanda real com
precisão.

81
Componentes das Decisões sobre
Informação

• Coordenação e Compartilhamento
de Informações
• Previsão
• Planejamento Agregado
• Tecnologias Disponíveis:

82
A Informação
Responsividade x Eficiência
• Muitos sistemas de informações podem aumentar
tanto uma quanto a responsividade quanto a
eficiência. Entretanto, os gerentes logo precisarão
fazer a escolha entre:

O custo da informação (redução na eficiência)


X
A responsividade criados pela informação dentro
da cadeia de suprimento

83
Obstáculos Para Alcançar o
Alinhamento Estratégico
• Os principais obstáculos que as empresa enfrentam
no momento de decisão sobre o local onde o
equilíbrio deve se posicionar no espectro de
responsividade são os seguintes:
– Aumento na Variedade de Produtos
– Redução dos Ciclos de Vida do Produto
– Clientes cada Vez mais Exigentes
– Fragmentação da propriedade na Cadeia de Suprimento
– Globalização

84
Obstáculos Para Alcançar o
Alinhamento Estratégico
• Muitos obstáculos dificultam
progressivamente o alcance do alinhamento
estratégico pelas cadeias de suprimento.
• A superação desses obstáculos oferece uma
oportunidade extraordinária para as
empresas utilizarem o gerenciamento da
cadeia de suprimento para a obtenção de
vantagem competitiva.

85
Questões Para Discussão
1. Como um varejista de uma mercearia pode utilizar o estoque
para aumentar a responsividade da cadeia de suprimento da
empresa?
2. Como um fabricante de automóveis pode utilizar o transporte
para aumentar a eficiência de sua cadeia de suprimento?
3. Como um fabricante de bicicletas pode aumentar a
responsividade por meio de suas instalações?
4. Como um distribuidor de peças industriais pode utilizar a
informação para aumentar sua responsividade
5. Como a Globalização fez o alinhamento estratégico se tornar
ainda mais importante para o sucesso da empresa?
6. Como o conjunto completo dos quatro fatores-chave
pode ser usado para alcançar o alinhamento estratégico
por um fabricante de PCs com clientes-alvo com
exigência de responsividade.

86