Você está na página 1de 23

ASSUNTO

Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

2. Ligação  química  nos 


sólidos
- Energias e forças de ligações
- Ligações interatômicas primárias
- Ligação de Van der Waals 
LIGAÇÕES QUÍMICAS 
EM MATERIAIS 
SÓLIDOS
(Breve Revisão)
Por quê estudar?
O tipo de ligação interatômica geralmente explica a
propriedade do material.
Exemplo: o carbono pode existir na forma de grafite que é mole, 
escuro e “gorduroso” e na forma de diamante que é 
extremamente duro e brilhante. Essa diferença nas propriedades 
é diretamente atribuída ao tipo de ligação química que é 
encontrada no grafite e não no diamante.
Veja
 
mais informações no site www.cimm.com.br
 
(material didático)
LIGAÇÕES QUÍMICAS EM 
MATERIAIS SÓLIDOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Os elementos se ligam para formar os sólidos 
para atingir uma configuração mais estável: 
oito elétrons na camada mais externa
 A ligação química é formada pela interação 
dos elétrons de valência através de um dos 
seguintes mecanismos:
- Ganho de elétrons
- Perda de elétrons
-  Compartilhamento de elétrons
TIPOS DE LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Metálica
 Covalente
 Iônica
 Van der Waals

A eletronegatividade dos átomos é o que determina o tipo


de ligação
FORÇAS E ENERGIAS DE 
LIGAÇÃO

   
FORÇA E DISTÂNCIA DE 
LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 A distância entre 2 átomos é 
determinada pelo balanço das 
forças atrativas e repulsivas
 Quanto mais próximos os 
átomos maior a força atrativa 
entre eles, mas maior ainda são 
as forças repulsivas devido a 
sobreposição das camadas 
mais internas 
 Quando a soma das forças 
atrativas e repulsivas é zero, os 
átomos estão na chamada 
distância de equilíbrio.
FORÇA DE LIGAÇÕES E RIGIDEZ
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 A inclinação da curva no ponto de 
equilíbrio dá a força necessária 
para separar os átomos sem 
promover a quebra da ligação. 
 Os materiais que apresentam uma 
inclinação grande são 
considerados materiais rígidos,. 
Ao contrário, materiais que 
apresentam uma inclinação mais 
tênue são bastante flexíveis. 
 A rigidez e a flexibilidade também 
estão associadas com módulo de 

Tensão ( )
elasticidade (E) que é determinado 
da inclinação da curva 
tensãoxdeformação obtida no  Inclinação
ensaio mecânico de resistência à  fornece
tração. Módulo E

Deformação medida
ENERGIA DE LIGAÇÃO
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Algumas vezes é mais conveniente trabalhar com energia 
(potencial) do que forças de ligações.
 Matematicamente, energia (E) e força de ligações (F) estão 
relacionadas por : E= F.dr
 A menor energia é o ponto de equilíbrio
Quanto mais profundo o
poço de potencial maior a
temperatura de fusão do
material
Devido as forcas de
repulsão aumentarem
muito mais com a
aproximação dos átomos
a curva não é simétrica.
Filme
Por isso, a maioria dos
materiais tendem a se
expandir quando
aquecidos
ENERGIA DE LIGAÇÃO
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Quando energia é fornecida a um material, a 
vibração térmica faz com que os átomos 
oscilem próximos ao estado de equilíbrio.
 Devido a assimetria da curva de energia de 
ligaçãoxdistância interatômica, a distância 
média entre os átomos aumenta com o 
aumento da temperatura.
 Então, quanto mais estreito e mais profundo 
o mínimo de potencial menor é o coeficiente 
de expansão térmica do material
TIPOS DE LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Metálica  Forma-se com átomos de baixa
eletronegatividade (apresentam no 
máximo 3 elétrons de valência)
 Covalente  Então, os elétrons de valência são 
 Iônica divididos com todos os átomos (não 
 Van der Waals estão ligados a nenhum átomo em 
particular) e assim eles estão livres 
para conduzir
 A ligação metálica não é direcional 
porque os elétrons livres protegem o 
átomo carregado positivamente das 
forças repulsivas eletrostáticas
 A ligação metálica é geralmente 
forte (um pouco menos que a iônica 
e covalente)= 20-200 Kcal/mol
 Ex: Hg e W

Elétrons de valência
Átomo+elétrons das camadas mais internas
TIPOS DE LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Os elétrons de valência são 
 Covalente compartilhados
 Metálica  Forma-se com átomos de alta
eletronegatividade 
 Iônica  A ligação covalente é direcional 
e forma ângulos bem definidos 
 Van der Waals (apresenta um certo grau de 
ligação iônica)
 A ligação covalente é forte = 
125-300 Kcal/mol
 Esse tipo de ligação é comum 
em compostos orgânicos, por 
exemplo em materiais 
poliméricos e diamante.

Ex: metano (CH4)


Figura copiada do material do Prof. Sidnei Paciornik do
Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS
TIPOS DE LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Os elétrons de valência são 
 Iônica transferidos entre átomos 
produzindo íons
 Metálica  Forma-se com átomos de
diferentes
 Covalente eletronegatividades (um alta e 
outro baixa) 
 Van der Waals  A ligação iônica não é
direcional, a atração é mútua
 A ligação é forte= 150-300 
Kcal/mol (por isso o PF dos 
materiais com esse tipo de 
ligação é geralmente alto)
 A ligação predominante nos 
materiais cerâmicos é iônica
LIGAÇÃO IÔNICA
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 As forças atrativas eletrostáticas entre os átomos é 
não-direcional  os átomos num material 
iônico arranjam-se de forma que todos os íons 
positivos têm como vizinho mais próximo íons 
negativos, sendo as forças atrativas igual em todas 
as direções. 
 A magnitude da força obedece a Lei de Coulomb
Figura copiada do material do Prof. Sidnei Paciornik do
Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS
FORÇAS DE ATRAÇÃO E REPUSÃO 
ENVOLVIDAS EM SÓLIDOS IÔNICOS
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 FA= -A/r2

 FR= B/rn
 A, B e n são valores que 
dependem do sistema iônico em 
questão
LEI DE COULOMB
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Forças atrativas

FA
 r é a distância interatômica
 z1 e z2 são as valências dos 2 tipos de íons
 e é a carga do elétron (1,602x10 -19 C)
  0 é a permissividade do vácuo (8,85x10 -12 F/m)
CONSIDERAÇÕES SOBRE 
LIGAÇÃO IÔNICA E COVALENTE
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Muito poucos compostos exibem ligação iônica e covalente 
puras
 A maioria das ligações iônicas tem um certo grau de ligação 
covalente  e vice –versa  transferem e compartilham 
elétrons
 O grau do tipo de ligação depende da eletronegadividade 
dos átomos constituintes.
 Quanto maior a diferença nas eletronegatividades mais 
iônica é a ligação
 Quanto menor a diferença nas eletronegatividades mais 
covalente é a ligação
CONSIDERAÇÕES SOBRE 
LIGAÇÃO IÔNICA E COVALENTE
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Fração de 
ligação covalente=

onde E é a diferença nas 
eletronegatividades dos átomos
 
Ex: SiO2
Eletronegatividade do Si= 1,8
Eletronegatividade do O= 3,5
Fração de ligação covalente= 0,486= 48,6%
TIPOS DE LIGAÇÕES
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 São ligações secundárias ou 
físicas
 Van der Waals  A polarização (formação de 
dipólos) devido a estrutura da 
 Metálica ligação produz forças atrativas e 
repulsivas entre átomos e 
 Covalente moléculas 
 Iônica  A ligação de van der Waals não 
é direcional
 A ligação é fraca< 10 Kcal/mol
 Exemplo desse tipo de ligação 
acontece entre átomos de H e 
em estrut. moleculares e 
moléc. polares

A ligação é gerada por pequenas assimetria


na distribuição de cargas
LIGAÇÃO DE VAN DER WAALS 
EXEMPLO: MOLÉCULA DE ÁGUA
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

oH A molécula de água apresenta 
H 
á polarização de carga (formação de 
dipólos): positiva proxima aos átomos 
g de H e negativa onde os elétrons de 
valência do oxigênio estão 
u localizados
 Isto produz forças de van der Waals
a entre as moléculas, fazendo com
que as mesmas tendam a alinhar-
se os pólos negativos com
positivos. Como o angulo de ligação 
109,5o, as moléculas formam uma 
estrutura quase hexagonal (veja 
figura)
 O gelo tem estrutura hexagonal 
devido a este tipo de ligação. Ë 
menos denso por isso flutua sobre a 
água.
DIAMANTE GRAFITA
Ligação forte
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

Ligação fraca

Os átomos de carbono na grafita também são unidos fortemente através


de ligações covalentes, mas só dentro de um plano, diferentemente da
rede 3D das ligações do diamante. Estes planos de átomos de carbono
simplesmente empilham-se uns sobre os outros, sendo as forças de
união entre os planos, muito fracas. Os planos de átomos de carbono
podem então deslizar facilmente uns sobre os outros, e por isto a grafita
é importante lubrificante!
NANOTUBOS DE CARBONO
Eleani Maria da Costa - DEM/PU CRS

 Foi descoberto em 1991 por um 
japonês
 São 100 mil vezes mais finos que um 
fio de cabelo 
 A espessura é de apenas um átomo
 O diâmetro é de cerca de um 
nanômetro — a bilionésima parte do 
metro 
 Possuem a maior resistência 
mecânica dentre todos os materiais 
conhecidos — não quebram nem 
deformam quando dobrados ou 
submetidos à alta pressão. 
 Destacam-se também como dos 
melhores condutores de calor que 
existem e, para completar, podem ser 
capazes de transportar eletricidade 

Fonte: B.Piropo