Você está na página 1de 21

Sistemas de Gestão de Base de Dados

Access

Tecnologias da Informação e Comunicação

1
Objectivos da aula
 Introdução às bases de dados
 Compreender a necessidade e aplicações das bases de dados
 Distinguir dados e informação
 Definir Sistemas de Gestão de Bases de Dados
 Caracterizar os SGBD
 Definir Base de Dados
 Compreender as fases do ciclo de vida de uma Base de Dados
 Distinguir os Modelos de Bases de Dados
 O Modelo relacional
 Definir relação, tuplo e atributo
 Compreender o domínio de uma atributo
 Definir grau e cardinalidade de uma relação
 Distinguir chave primária, candidata e estrangeira

2
Breve História
A forma mais comum de guardar dados era, até poucas décadas, o suporte em papel.

Os primeiros computadores vieram facilitar a tarefa de armazenar informação. Fichas com


cartões perfurados foram usadas, nos primórdios da informática.

As bases de dados modernas são conjuntos de dados digitais, relacionados entre si.
Foi através de potentes bases de dados que recentemente foi sequenciado o genoma humano
(ADN).

3
Necessidade das bases de dados

 Permite guardar dados dos mais variados tipos;


 Permite um rápido e fácil acesso aos dados;
 Acelera os processos de manuseamento da informação, como, por exemplo,
consultas ou alteração de dados;
 Economiza toneladas de papel.

4
Dados, Campo, Registo e Tabela

5
Dados e Informação
 Dados
Elementos ou valores discretos que, isoladamente, não têm
qualquer valor.

 Informação
É um conjunto de dados, organizados e sujeitos a um tratamento,
tornando possível a sua utilização num determinado contexto.
 Caraterísticas para se ter uma boa informação:
• Ser atual;
• Ser correta;
• Ser relevante;
• Estar disponível;
• Ser legível. 6
Sistemas de Ficheiros
Inicialmente os dados eram guardados informaticamente através de ficheiros
isolados. Diferentes aplicações acediam a diferentes ficheiros de dados. Esta
tecnologia permitiu começar a automatizar algumas tarefas até então
realizadas manualmente.

Problemas na manutenção dos Sistemas de Ficheiros:


 Redundância
 Inconsistência
 Dependência dos dados em relação aos programas que os trabalham.

7
Sistemas de Gestão de Bases de Dados
Sistema de Gestão de Base de Dados é o software que faz a gestão de acesso
aos dados da BD e que garante a sua correcta manutenção. Isto é, serve de
interface entre os vários utilizadores e a BD.

 Exemplos de SGBD
 Grande porte Uso Doméstico ( pessoal )
 Oracle MySQL
 Microsoft SQL Server DBase
 Informix FoxPro
 DB2 Microsoft Access

8
Características dos SGBD
 Independência dos dados – em relação aos programas e procedimentos
predefinidos que os trabalham.

Redundância controlada – a redundância de informação não deve existir.


Podem existir excepções, em determinadas situações, para tornar mais rápido o
acesso aos dados.

Integridade dos dados - proteger a BD de utilizadores autorizados,


evitando que estes executem tarefas que ponham em risco a integridade da
informação (não permitindo, por exemplo, que se apaguem dados de um sitio, que
são necessários noutro sitio da BD).

Abstracção dos dados - o utilizador não sabe como os dados são


armazenados.

9
Características dos SGBD

 Permitem acesso simultâneo aos dados - vários utilizadores podem


aceder e alterar a base de dados ao mesmo tempo.

Facilidade de obtenção de informação actualizada


A versatilidade de representação – permite o crescimento da base de
dados sem grandes implicações a nível dos programas e procedimentos.

 Diferentes vistas da base de dados - diferentes utilizadores poderão


ter acesso limitado a determinadas partes, determinada informação da base de
dados.

10
Base de dados
 O que é uma Base de Dados?
Uma Base de Dados é um conjunto de ficheiros, colecção de dados
organizados, ligados de forma a responder aos mais variados pedidos.

 Razões para informatizar os dados:


 Maior rapidez de consulta
 Mais variedade na combinação dos dados – mais informação
 Menos repetições de dados – maior fiabilidade

11
Ciclo de vida de uma base de dados
É a expressão para designar todos os eventos que ocorrem desde que é
reconhecida a necessidade de uma base de dados até ao seu desenvolvimento,
implementação e eliminação.

12
Fases do ciclo de vida

 Planeamento - os objectivos do projecto devem ser comparados com


várias tecnologias.

Recolha de requisitos - deve ser elaborada e documentada uma descrição


precisa daquilo que o projecto visa atingir.

Desenho conceptual - envolve o desenho de todos os modos de vista


externas da aplicação e base de dados. O aspecto dos formulários, relatórios,
páginas Web e outras formas de entrada e modos de apresentação dos dados são
finalizados nesta fase.

Desenho lógico - o trabalho é executado pela aplicação é segmentado em


módulos, acompanhado por uma descrição detalhada.
13
Fases do ciclo de vida
 Desenho físico - o desenho lógico é convertido para o hardware actual
e sistemas de software que serão usados para implementar a aplicação e a base
de dados.

Construção - as unidades individuais são codificadas e testadas pelas


equipas de desenvolvimento.

Implementação - é implementada a nova aplicação de base de dados,


durante algum tempo, para reduzir os riscos, a nova e a velha versão devem
funcionar em paralelo.

Manutenção - uma equipa técnica assegura o suporte à aplicação. Deve


corrigir quaisquer anomalias ou erros, quer ao nível da aplicação, quer ao nível
da base de dados.

14
Modelos de Bases de Dados

 Modelos conceptuais – modelos baseados em objectos.


A criação do modelo conceptual de dados é fundamental para o
desenvolvimento de qualquer base de dados. É apenas um modelo lógico, que
traduz a abstracção da realidade, sendo posteriormente convertido num dos
modelos de implementação de bases de dados existentes.

Modelos de implementação – modelos baseados em registos.


Permitem descrever a forma como os dados estão representados num SGBD.
Inicialmente eram usados os modelos Hierárquico e de Rede, surgindo em
1970, o Modelo Relacional, desenvolvido por Ted Codd.

15
O Modelo relacional
O modelo é constituído somente por relações, onde cada relação é uma tabela.

16
Nome de uma relação
 Os nomes das tabelas deverão ser baseados nas entidades que representam;

 O nome da tabela deve ser único;

Se adoptar um nome singular dever-se-á utilizar nomes singulares em todas as


tabelas.

 Não incluir palavras como “tabela” ou “ficheiro” nos nomes das tabelas;

Deve-se optar por escrever o nome da tabela todo em maiúsculas ou em


minúsculas.

 Usar abreviaturas quando necessário, para diminuir os nomes que atinjam o


número máximo de caracteres permitidos pelo SGBD.
17
Nome de um atributo
 Os nomes dos campos deverão ser baseados no nome do atributo definido

no desenho lógico;

 Os nomes dos campos devem ser únicos dentro da tabela;

 Os nomes dos campos devemos utilizar unicamente letras maiúsculas e o


underscore (_) para separar palavras;

 Utilizar abreviaturas quando necessário, por exemplo, para diminuir nomes


maiores que o máximo permitido pelos SGBD.

 A maioria dos peritos preferem que os campos das chaves externas tenham
exactamente o mesmo nome que o campo da chave primária correspondente.
18
Atributos chave
Para cada relação (tabela) deve existir uma chave, que vai ser constituída por um
conjunto de um ou mais atributos (campos), que identifica cada tuplo (registo)
de um modo único.
 Chave candidata
São todos os conjuntos de um ou mais atributos possíveis de identificar cada tuplo
de um modo único.
 Chave primária
De entre todas as chaves candidatas apenas uma será a escolhida para identificar
cada tuplo de forma única.
 Chave estrangeira
Conjunto de um ou mais atributos que são chave primária numa outra relação.
19
Resumo da aula
Relação, Tuplo Necessidades das DB
e atributo

Domínio de Dados e Informação


um atributo Modelo Introdução
Relacional ás Bases de Sistemas de Ficheiros
Grau e Dados
cardinalidade de Exemplos
uma relação Sistemas de
Gestão de BD
Características
Nome de
uma relação Definição de Camadas
BD
Nome de um
atributo
Ciclos de Vida
de uma BD Modelo
Chave Atributos
Conceptual
Primária Chave
Modelos de
Chave BD Modelo de
Candidata Implementação

20
Chave
Estrangeira
Objectivos da próxima aula
 Programa de gestão de bases de dados
Relatórios
 Criar uma base de dados
 Compreender o ambiente de trabalho do Microsoft Access
 Abrir uma base de dados existente
 Saber quais os elementos de uma base de dados
 Utilizar as funções de ajuda do Microsoft Access
 Personalizar o ambiente de trabalho
Correio
Electrónico

21

Você também pode gostar