Você está na página 1de 116

MICROBIOLOGIA E

PARASITOLOGIA

MEIO DE
CULTURA
Infecção – penetração, alojamento, multiplicação e o desenvolvimento de
microrganismos patogênicos no corpo de um hospedeiro provocando neste,
reações orgânicas patogênicas.

vias de penetração – para ocorrer uma infecção o agente etiológico deve


conseguir algum tipo de penetração no organismo afetado. As vias naturais
de penetração são: nariz, boca e anus, uretra e vagina, pele e anexos.
INTRODUÇÃO

Microbiologia: È a ciência que estuda a vida na forma


microscópica, chamada de microrganismos ou germes.

Microrganismo : È uma forma de vida microscópica que


vive na natureza: no ar, na poeira, na água, e no solo.
Os microrganismos que causam doenças são chamados de
patogênicos e devem ser combatidos por causarem as
doenças
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES PARA ENTENDERMOS MELHOR

ESSE MUNDO INVISÍVEL

Higiene – conjunto de conhecimento e técnicas empregadas para evitar


doença infecciosa, usando a desinfecção e a esterilização.

Profilaxia – medidas preventivas aplicadas para evitar doença ou sua


propagação.

Precaução – medidas para impedir a disseminação de um agente infeccioso


do paciente infectado ou colonizado para outro indivíduo.

Incubação – tempo que decorre entre a exposição ao organismo patogênico


e a manifestação dos primeiros sintomas. A doença está a nível celular.
Entendendo!!

GOTÍCULAS - têm tamanho maior que 5 μm e podem atingir a via


respiratória alta, ou seja, mucosa das fossas nasais e mucosa da
cavidade bucal, geradas durante tosse, espirro, conversação ou na
realização de diversos procedimentos, tais como: inalação, aspiração

AEROSSÓIS -as partículas são menores ou iguais a 5μm,


permanecem suspensas no ar por longos períodos de tempo e, quando
inaladas, podem penetrar mais profundamente no trato respiratório,
são geradas durante tosse, espirro, conversação ou na realização de
diversos procedimentos, entre os quais pode-se citar a broncoscopia,
a indução de escarro, a nebulização ultra-sônica, a necropsia.
1 micron = milésima parte de 1 milímetro
ETAPAS DO PROCESSO INFECCIOSO
Para ter sucesso no estabelecimento de uma doença infecciosa, o
agente patogênico deve demonstrar-se competente para:

• Penetrar nos tecidos do organismo(pele/ruptura ou trauma)

• Alojar-se nas mucosas da porta de entrada do organismo do hospedeiro(muco


sistema respiratório retém e expulsa partículas pela tosse e espirro, lágrimas,
sistema digestório elimina pelas fezes)

• Multiplicar-se nos tecidos do organismo(depende de fatores idade, nutricional)

• Resistir aos mecanismos de defesa inespecíficos(pele, muco, secreções, lágrima,


temperatura) e específicos(vacinas e contatos anteriores)

• Provocar danos nos tecidos do hospedeiro


IMUNIDADE

É a capacidade orgânica de resistir a quase todos os tipos de organismos ou toxinas


que tendem a lesar os tecidos e órgãos. A imunidade pode ser ativa ou adquirida.

Ativa - nós mesmos produzimos o anticorpo, ex. pelos linfócitos(tipo de leucócito


(glóbulo branco) presente no sangue, responsável pela imunidade .

Adquirida – natural- nosso organismo produz os anticorpos ao ter contato com um


antígeno
Artificial – através da formação de anticorpos pela vacina.

Antígeno – substância estranha que, introduzida no organismo, desencadeia a


produção de anticorpos específicos , que reagirão contra determinado agente
infeccioso, neutralizando-o ou eliminando-o

Anticorpo – substância de natureza protéica formada espontaneamente no


organismo ou injetadas artificialmente, com o objetivo de aumentar as defesas
contra agente infeccioso.
Fonte de infecção é aquela onde o microrganismo está presente,
pode ser:

O homem doente – é aquele que tem o agente infeccioso, tem a


doença e a transmite para outra pessoa.

O homem portador – é aquele que possui o agente infeccioso, não


está doente mas transmite aos outros.
DIVISÃO DA MICROBIOLOGIA

A Microbiologia se divide em quatro áreas, distinguidas pelo


tipo de micro-organismo estudado, sendo elas:

BACTERIOLOGIA: Estuda as bactérias

MICOLOGIA: Estuda os fungos


VIROLOGIA: Estuda a vida
dos virus

RIKETTSIOLOGIA : Estuda a
forma intermediaria entre
bactérias e vírus
Bactérias: São seres unicelulares, podem apresentar isoladas ou
reunidas com outros micro-organismos semelhantes formando
colônias
IDENTIFICAÇÃO DE BACTERIAS GRAN NEGATIVAS E
POSITIVAS

Gran negativa: Coloração vermelha,mais complexa, mais


resistente

Gran positiva: Coloração roxa, são mais frágeis não


patogênicas
QUANTO Á MORFOLOGIA, ELAS PODEM SER:

COCOS: tem forma de pequenas esferas;


DIPLOCOCOS: se formas pares de esferas;

ESTREPTOCOCOS: formam colares de esferas;

ESTAFILOCOCOS: formam cachos de uva;

ESPIRILADOS: formam espirilos, cobrinhas;

VIBRIÕES: forma de virgula;

BACILOCOCOS: forma de bastões alongados.


QUANTO À RESPIRAÇÃO, PODEM SER:

Aeróbias – são as que necessitam de oxigênio para crescer e se


desenvolver (utiliza o O2 do ar)

Anaeróbias – crescem e se desenvolvem sem necessidade de


oxigênio (utiliza o CO2)
DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS
COCOS GRAM POSITIVOS

Pneumonia pneumocócica (cocos / anaeróbios) –

Causada pelo ¨streptococus pneumoneae¨ relacionado à exposição ao


frio e a diminuição da resistência imunológica, compromete
principalmente as vias superiores.

Sintomas: como calafrios, hipertermia, mal estar geral.

Transmissão: se dá através das gotículas de saliva e de objetos


contaminados com secreção do portador.

Profilaxia: consiste em lavar as mãos, usar lenço ao tossir e espirrar,


evitar ambiente pouco arejado e aglomerações
Linfangite
Se caracteriza cordões ao longo dos vasos linfáticos que se estende
das mãos aos pés, atinge a rede ganglionar que se torna infartada e
muito dolorosa.

Sintomas: Mal estar geral, hipertemia, cefaleia, emese

Profilaxia: Higiene pessoal, dos objetos de uso pessoal


Linfangite
Amigdalite
Infecção das amígdalas,a transmissão da amigdalite ocorre pelo

contato direto com a saliva ou a secreção nasal de pessoas doentes ou

portadoras da bactéria, principalmente quando o indivíduo se

encontra com baixa resistência.

Sintomas: presença de dor de garganta, febre alta, cansaço e

aparecimento de placas brancas nas amígdalas

Profilaxia: Higiene pessoal, do lar, dos objetos de uso pessoal.


Escarlatina
Doença infectocontagiosa aguda, surge especialmente em crianças em idade
escolar, transmitida através da saliva ou secreção nasal, período de incubação de 1 a
10 dias.
Sintomas :como dor na garganta, mal estar, dor de cabeça,dor de barriga, dor no
corpo, inapetência, febre alta nos primeiros dias, aparição de erupção cutânea, que
são pequenas manchas vermelhas com textura áspera que surgem no corpo da
criança, iniciando, normalmente pelo tronco, seguindo para o rosto, pescoço,
membros, axilas e por fim a virilha, não surgindo na região palmar e plantar e ao
redor da boca, com a progressão da doença inicia-se um processo de descamação,
língua com aparência de moranguinho.

Profilaxia: evitar contato com pessoas com tosse e espirros, evitar lugares fechados
e pouco arejados, nunca utilizar os objetos de pessoas contaminadas.
Infecção puerperal

Consequência de restos placentários após o parto ou aborto que pode

evoluir com peritonite e septicemia.

Sintomas : hipertermia, calafrios, taquicardia e taquisfigmia,

secreção vaginal fétida.

Profilaxia: se dá através de assepsia rigorosa durante o parto e após

o parto.
INFECÇÃO PUERPERAL
Erisipela
Processo linfático inflamatório agudo da pele causado pelo
estreptococo, com edema pardacento maciço que evolui com
vesículas que se rompem eliminando um líquido seroso contagioso.

Sintomas: dor aguda e inflamação local, hipertermia, calafrios e


mal estar geral.

Profilaxia: consiste em tratamento do doente e do portador do


estafilococo, educação sanitária e fervura do leite pasteurizado.
ERISIPELA
Doenças causada pelo estafilococo
Foliculite

Inflamação do folículo piloso, exemplo o terçol. Pode ocorrer em


qualquer parte do corpo da pessoa contaminada pelo estafilococo.
Furúnculo
È uma infecção maior do folículo piloso ou das glândulas sebáceas,
formando um abscesso. Apresenta sintomas como prurido, dor,
calor, rubor e edema, que desaparece depois de drenado.
Antraz
É uma doença comum em animais herbívoros (Selvagens ou
domésticos). Nos seres humanos os casos da doença se devem por
exposição aos animais infectados, ingestão de carne contaminada, ou
pele. A doença se manifesta de três maneiras: Cutânea, pulmonar e
gastrointestinal. Não há relatos de transmissão de doenças entre
humanos por contágio direto, na forma cutânea aparece um conjunto
de furúnculos que produz febre e aumento dos glóbulos brancos.

Sintomas: prostração, leucocitose e sinais locais de inflamação,


desaparece com tratamento.
DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS– COCOS GRAM
NEGATIVA
Gonorréia (infecção gonocócica)

Pertence ao grupo das doenças sexualmente transmissíveis, causa


inflamação das membranas mucosas do trato gênito - urinário.

Transmissão: ocorre através da relação sexual sem proteção.


Sintomas: são mais comuns nos homens, raro nas mulheres, tem
início entre três a cinco dias depois do contato, sintomas como disúria,
corrimento uretral purulento, uretrite, epididimite, algia, hipertermia,
prostração, infertilidade. Sua profilaxia consiste no uso de
preservativo nas relações sexuais.
Meningite meningocócica
Infecção das meninges, altamente contagiosa, tem como agente
causador ¨neisseria meningitides¨, seu período de incubação e de três
a quatro dias.
Transmissão: acontece através de gotículas de saliva expelidas
através da fala, de espirros e da tosse. Apresenta sintomas como
hipertermia, rigidez da nuca, cefaléia intensa, sonolência, convulsão,
vômito em jato.
Profilaxia: se dá através da vacinação (pentavalente), vigilância dos
comunicantes/contatantes, ambiente arejado, quimioprofilaxia e
notificação compulsória
MENINGITE MENINGOCÓCICA
Coqueluche

Doença infecciosa da infância que atinge as vias respiratórias, seu

agente etiológico é ¨bordetella pertussis ou hemophilus pertussis¨,

seu período de incubação é de sete a dez dias.

Sintomas: como tosse catarral no início, seguida de espirros, mas

evolui com tosse paroxística, causando asfixia, onde a criança emite

um ¨chiado¨ alto e estridente.

Transmissão : ocorre através de gotículas das vias respiratórias,

sua profilaxia consiste na vacinação (pentavalente).


Coqueluche
COQUELUCHE
Salmonelose
Doença alimentar causada pela bactéria do gênero salmonela typhi.
O agente se aloja no trato gastrointestinal superior causando a gastroenterite que
pode, evoluir para sepse e afetar outros órgãos do corpo.

Transmissão: direta e indireta

Sintomas: Distúrbios gastrointestinais com diarreias esverdeadas e fétidas , mal


estar geral, febre,cefaleia, dor articular e muscular, hipotensão e desidratação.

Profilaxia: Higiene pessoal, do lar, alimentos, combate aos vetores biológicos,


tratamento da água e do esgoto.
Shigelose
Também conhecida como disenteria bacteriana, é uma forma de
intoxicação alimentar com diarreia sanguinolenta, que tem como
agente etiológico a bactéria do gênero Shigella. Adquire-se a infecção
por meio da ingestão de água contaminada ou alimentos
contaminados, pode ser transmitida por contato pessoal.
A pessoa apresenta diarreia sanguinolenta e mucóide, denominada
disenteria. Essa diarreia vem acompanhada de febre, dores intestinais
e dor ao evacuar as fezes (tenesmo), náuseas, vômitos, cefaleia,
convulsões nas crianças e mialgia.
Doenças causada por bacilos e vibriões gran
negativos
Cólera
Doença causada pelo vibrião colérico (Vibrio cholerae), uma bactéria que se

multiplica rapidamente no intestino humano produzindo uma potente toxina que

provoca diarréia intensa. Ela afeta apenas os seres humanos e a sua transmissão

é diretamente dos dejetos fecais de doentes por ingestão oral, principalmente em

água contaminada.
Colera
Doença causada por bactéria toxigenas

Tétano

Doença infecciosa, não contagiosa, com elevada letalidade para jovens e idosos. Sua
principal característica é causar espasmos dolorosos, rigidez dos músculos e
distúrbios neurológicos. É causada pela neurotoxina tetanospasmina que é produzida
pela bactéria gram-positiva e anaeróbica Clostridium tetani. A contaminação ocorre
pela introdução dos esporos da bactéria em ferimentos externos, geralmente
perfurantes, contaminados com terra, poeira, fezes de animais ou humanas, é
associada com objetos de metal enferrujado, mas o esporo do bacilo tetânico está em
todo lugar e pode ser encontrado na terra, em plantas, em vidro, em madeira e em
outros objetos, entrando no organismo por perfuração ou corte.
A incubação pode variar de 3 a 21 dias (sendo o mais comum 8 dias). Em casos de
recém-nascidos, o período de incubação é de 4 a 14 dias, sendo 7 o mais comum. Na
maioria dos casos, quanto mais afastada do sistema nervoso estiver a ferida, mais
longo é o período de incubação. O período de incubação e a probabilidade de morte
são inversamente proporcionais.
Sinais e Sintomas : Trismus (dificuldade de abrir a boca); Rigidez do pescoço e
costas; Risus sardonicus (riso causado pelo espasmo dos músculos em volta da
boca),Dificuldade de deglutição; Rigidez muscular do abdômen; Contração de
músculos dos braços e pernas; Opstotóno, (espasmo tetânico em que se recurvam
para trás a cabeça e os calcanhares, arqueando-se para diante o resto do corpo);
Insuficiência respiratória.
TETANIA
Doença causada por bactéria toxigenas
Difteria ou crupe
É uma doença às vezes fatal, causada pela bactéria ¨corynebacterium diphteriae¨. É
um bacilo gram positivo que se aloja no nariz, laringe e faringe, que produz uma
toxina que é lançada na corrente sanguínea atingindo locais distantes
comprometendo o coração, nervos periféricos, glândulas supra renais e rins. Seu
período de incubação é de dois a cinco dias.

Transmissão: ocorre por contato direto com secreções das vias aéreas superiores
e da garganta da pessoa contaminada e indireta por objetos contaminados.

Sintomas: como dor de garganta, hiperemia da faringe e das amigdalas, placas


branco amareladas na orofaringe que pode evoluir para paralisia da musculatura
respiratória. A profilaxia consiste em vacinação (tríplice bacteriana, tetravalente),
educação sanitária, isolamento respiratório, notificação compulsória e vigilância
sanitária.
DIFTERIA
Hanseníase – agente etiológico ¨mycobacterium leprae, existem
quatro formas de hanseníase:

1 – forma intermediária que apresenta manchas hipocrônicas ou


eritematosas indolores na pele

2 – forma virchowiana com eritema e infiltração difusa, placa


eritematosa infiltrada e de bordas difusas, tubérculos e nódulos
madarose e lesões na mucosa

3 – forma tuberculoide com placas eritematosas violáceas


edematosas, com limite externo nítido, de localização facial, palmar
e plantar

4 – forma dimorfa com lesões eritematosas planas com o centro


claro, lesões infiltradas com centro deprimido e lesões
eritematopigmentar (ferruginosa ou parda)
A incubação é de dois a cinco anos, uma vez instalada pode
apresentar a forma benigna ou uma forma grave.
Transmissão: é através de contato intimo prolongado com o
portador ou doente, pela saliva, secreções nasais ou das lesões
cutâneas do doente, uma vez iniciado o tratamento a doença não se
transmite mais.
Sintomas: como surgimento de manchas brancas ou amarelas na
pele, insensíveis a estímulos dolorosos, placas com bordas difusas,
placas eritematoso violáceas e ainda placas escuras com o centro
deprimido claro. Sua profilaxia consiste em vacinação (BCG),
educação sanitária, desinfecção dos objetos do portador e isolamento
dos doentes sem tratamento.
• Forma Dimorfa • Forma Tuberculoide
• orma tuberculoide

• Forma Virchowiana
Tuberculose pulmonar
Doença causada pela bactéria ¨mycobacterium tuberculosis¨,
descoberta por Robert Koch.
Transmissão: através de gotículas de saliva do doente ao falar, tossir,
espirrar, pelo catarro, pela poeira contaminada e por fômites. A
incubação ocorre de quatro a seis semanas entre a infecção.
Sintomas: perda de peso, fadiga, febre vespertina, sudorese noturna e
hemoptise.
Profilaxia: vacinação (BCG), evitar aglomerações, pasteurização de
leite, isolar a pessoa infectada, manter vigilância epidemiológica e
notificação compulsória.
TUBERCULOSE
Sífilis
1– fase primária surge uma lesão inicial característica chamada de
cancro duro que aparece um mês depois do contagio, no local onde
houve o contato, podendo ser nos órgãos sexuais, na boca, depois
desaparece em 3 a 4 semanas, sem deixar cicatrizes , porém a doença
continua progredindo
fase secundária é a fase de disseminação da doença na corrente
sanguínea, ocorre de 4 a 8 semanas do aparecimento do cancro, onde
surge erupção cutânea maculosa conhecida como roséolas sifilíticas, o
pêlo costuma cair em tufos, dando uma aparência de «roído por
traças». Outros sintomas incluem sensação de mal-estar , perda de
apetite, náuseas, vômitos, fadiga, febre e anemia
fase terciária, é nessa fase que ocorre a disseminação da doença para
os diversos órgãos denominando-se sífilis cardiovascular, neurosífilis
e outros órgãos com as denominações conforme o órgão afetado,Esta
etapa pode durar anos ou décadas ou durante o resto da vida,nesta fase
a sífilis não é contagiosa.
Sífilis congênita
A criança pode ou não apresentar sinais da doença ao nascer.

Profilaxia: consiste em reduzir o número de parceiros sexuais, evitar relações


sexuais no período de contágio, usar preservativos nas relações sexuais, controlar os
hemoderivados para transfusão, fazer exames de VDRL em gestantes, e fazer
notificação compulsória. O contágio se faz por via placentária, exclusivamente após
o quarto mês. Até então, a placenta contém uma muralha de células que detém a
bactéria. Em caso de infecção maciça, o feto morrerá após o quinto mês.
Se sobreviver, o feto poderá adquirir lesões que se manifestam após o nascimento ou
muitos anos mais tarde. Retardamento mental, imbecilidade, surdez, ceratite,
defeitos dentários e outras conseqüências de lesões degenerativas do SNC poderão
surgir.
Uma pessoa que tenha sido curada de sífilis não fica imune e pode voltar a infectar-
se . A infecção pode durar muitos anos
SIFILIS CONGENITA
Doença causada por espirilos

Leptospirose – é uma zoonose de índice elevado, causado por ratos e porcos


que carregam as bactérias que podem ser transmitidas ao homem. Seu agente
causador é a ¨leptospira icterohemorrhagiae¨, seu modo de transmissão é através da
pele, principalmente pele com lesões, em contato com água, solo úmido, ou
vegetação contaminada com a urina do animal infectado, a incubação ocorre de seis
a doze dias, apresenta sinais e sintomas de início súbito como hipertermia,
calafrios, mialgia intensa, manchas na pele, o tronco e nos membros, náusea,
hematúria e hemorragia.
Profilaxia: é pelo controle dos roedores, higiene adequada da água e dos
alimentos, tratamento adequado do lixo e evitar contato com a água contaminada
com a urina dos ratos.
MICOLOGIA
• É a parte da microbiologia que estuda os fungos, que são
considerados parasitos, mas os danos por eles causados são
conhecidos como micoses e estão disseminados na natureza, solo,
vegetação em decomposição e excrementos dós pássaros.

• O metabolismo dos fungos – se nutre de plantas, animais vivos e


matéria orgânica em decomposição

• Existe três tipos de micoses: micose sistêmica, micose subcutânea


e micose superficial.

• As principais patologias causadas por fungos são dermatofitoses,


candidíase ou monilíase, onicomicoses, criptococose e
bastomicose.
DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS

DERMATOFITOSES - Popularmente conhecida como impingem, conhecida

como pé de atleta a dermatofitose é uma micose da pele provocada fungos que se


alimentam da queratina (proteína presente na camada mais superficial da pele). A
doença pode ser adquirida através do solo, do contato com animais como o cão e o
gato e de outras pessoas contaminadas.

Se manifesta pela formação de lesões avermelhadas e descamativas, geralmente


acompanhadas de prurido. Elas se iniciam por um pequeno ponto e tem
crescimento, formando lesões arredondadas ou ovalares, com as bordas bem
delimitadas, avermelhadas e descamativas,as lesões podem ser únicas ou múltiplas,
formando grandes placas avermelhadas e descamativas, que se extendem
progressivamente. Pode haver a presença de pústulas (pequeninas bolhas de pus).
DERMATOFITOSE
CANDIDÍASE OU MONILÍASE-
Provocadas por fungos do grupo das leveduras. O mais comum é a ¨cândida
albicans¨ que causa a candidíase vaginal.
Sintomas: como prurido intenso, leucorréia vaginal (aumento do fluxo vaginal,
popularmente chamado de corrimento), placas esbranquiçadas na parede vaginal,
ainda provoca estomatite cremosa (inflamação da boca, aparecem bolhas ou
feridas (aftas), na boca (gengiva, língua, dentro das bochechas, céu da boca e
garganta muito dolorosas), faringite, esofagite e proctite (inflamação do
revestimento interno do reto ou mucosa retal) .
Existem vários fatores que predispõem esta proliferação, a obesidade, o Diabetes
descompensado, o contato com substâncias alérgicas (perfume, talco,
desodorantes), o uso constante de biquínis molhados, absorventes diários e roupas
íntimas de tecidos que diminuem a ventilação da região vaginal.
O tratamento é a base de fungicidas sob forma de cremes, soluções e pomadas.
ONICOMICOSES - é uma doença da unha causada por fungos
CRIPTOCOCOSE

Micose profunda que provoca processo infeccioso grave no esqueleto e no sistema


nervoso central, o agente causador é o ¨cryptococcus neoformans¨, que está presente
em frutas, mucosa oronasal de animais, pele de animais e seres humanos, e
principalmente, no solo contaminado por excretas de aves, permanecendo viável por
até dois anos.
A infecção se dá, geralmente, pela via aérea, através da inalação de esporos desse
fungo, resultando em infecção do sistema respiratório, afetando principalmente a
cavidade nasal. Após a infecção, o C. neoformans pode espalhar-se através da
circulação sanguínea ou linfática.
Apresenta sintomas como febre, caquexia, tosse hemoptoica, dor torácica, dispnéia,
empiema (colecção de pus dentro de uma cavidade natural) com aparência
achocolatada.
O tratamento é com anfotericina B
BLASTOMICOSE

Causada pelo Blastomyces dermatitidis. Provocando, geralmente,


danos pulmonares, a infecção se dá pela inalação de esporos deste
fungo, presentes em solo rico em matéria orgânica. O paciente
apresenta episódios de febre, calafrios, sudorese, tosse e dispnéia.
Espalhando-se pelo corpo, podem surgir feridas cutâneas, com ou sem
pus. Ocorrem também lesões ósseas e, e casos mais graves, problemas
no trato genito- urinário e sistema nervoso central.
comprometem os órgãos internos,
MICOSES SISTÊMICAS-

geralmente os pulmões.
MICOSES SUPERFICIAIS- afetam a camada externa da pele,
cabelos e unhas.
MICOSES SUBCUTÂNEAS- afetam a pele, o tecido subcutâneo,
e algumas vezes os ossos.
VIROLOGIA
É a parte da microbiologia que estuda os vírus. Os vírus são
formados essencialmente por uma molécula de ácido nucleico, que é
o DNA ou RNA. Eles não tem metabolismo próprio, só tem vida no
interior das células de outros seres vivos, estes infectam as células e
causam doenças.

Como as bactérias, os vírus estimulam o hospedeiro a produzir


anticorpos. Eles não se propagam fora do tecido vivo, se cristalizam,
ao contrário das bactérias que crescem nos meios de culturas
artificiais.

Quanto à morfologia, distinguem-se em três tipos: poliedros,


tubulares e complexos.
POLIEDROS – exemplo: vírus da
poliomielite

TUBULARES – exemplo: vírus da


caxumba

COMPLEXOS – exemplo: vírus da


varíola
SARAMPO

Doença altamente contagiosa que atinge crianças até a idade escolar, mas pode
ocorrer em qualquer idade.
O agente causador, o vírus do sarampo do gênero ¨morbillivirus¨ da família
¨paramyxovírus¨.
O período de incubação é de duas semanas
Transmissão: ocorre de pessoa para pessoa, por eliminação do vírus pela via
respiratória por gotículas aéreas e por fômites.
Sintomas : hipertermia, tosse seca, mal estar geral, fotofobia, erupção cutânea,
lesões vermelhas irregulares na cavidade oral (manchas de Koplic)
Profilaxia: se baseia na vacinação (tríplice viral) a partir do nono mês, isolamento
do doente com máscara N95, notificação compulsória, educação sanitária.
VARICELA

Doença infectocontagiosa altamente contagiosa, que atinge principalmente as


crianças, tem elevado índice de morbidade. O agente etiológico é o vírus varicellae
O período de incubação é de doze a quinze dias.
Sintomas: febre passageira no início, prostração, cefaléia seguida de febre alta
podendo convulsionar. Depois de três dias surgem vesículas com bordas e
dimensões irregulares repletas de líquido claro, depois de três dias começam a
formar crostas que permanecem por mais três dias, podem deixar cicatrizes. A
doença dura em média duas a três semanas.
Transmissão: ocorre através de gotículas de saliva, do contato com as lesões
cutâneas, com os fômites.
Profilaxia: se baseia no isolamento de contato e precaução para aerossóis com
máscara N95, durante sete dias. Notificação compulsória, vacina tríplice viral.
Rubeola

Doença infecciosa , febril conhecida como sarampo alemão, causada


pelo vírus da rubéola. Sua incubação é de 14 a 21 dias.

Transmissão: secreção nasofaringea da pessoa infectada.

Sintomas: mal estar geral, dor no corpo, cefaleia, febre, conjuntivite


branda, tosse, coriza e exantema.

Profilaxia: Vacinação, isolamento da pessoa doente.

OBS: Mulheres que tomaram a vacina só podem engravidar depois


de seis meses. Gestantes não podem ter contato com a doença, no
primeiro trimestre da gravidez, ambas pelo risco da sindrome da
rubéola congênita e malformação fetal.
Poliomielite
Infecção aguda com gravidade variável . Causada pelo virus polivirus 1, 2, 3.

Ocorre naturalmente nos seres humanos, produz grande variedade de manifestações.

Na forma grave atinge o sistema nervoso central podendo causar paralisia.

Transmissão: Contato direto com pessoa a pessoa, sendo a boca a porta de entrada ,
o intestino é a principal fonte de disseminação.

O vírus a partir das fezes contamina o ambiente, daí levado a boca infectando a
orofaringe e o tubo intestinal.

Sintomas: Infecção inaparente, pólio não paralitica, pólio paralitica

Profilaxia: Vacinação ( Sabin), higiene pessoal, do lar, alimentos, proteção contra


moscas, educação sanitária
HEPATITE

Inflamação do fígado que pode provocar a destruição do seu tecido


comprometendo a sua função, se não for tratado corretamente pode evoluir para
cirrose, insuficiência hepática e câncer no fígado .
O agente causador o vírus da hepatite.
O período de incubação - esse período é variável
Sinais e sintomas, mais ou menos 50% das pessoas infectadas são assintomáticas,
as principais manifestações são cefaleia, hipertermia, inapetência, náusea e vômito,
aumento dor à palpação do fígado, que evolui com icterícia e hepatomegalia
(aumento do fígado), urina escura colúrica ("cor de coca-cola") e fezes descoradas
(acolia).
Transmissão: se dá através do sangue, saliva e do sêmem, lesões na pele e
mucosa, agulhas compartilhadas, da mãe para o feto por via placentária,
instrumental médico, odontológico e estético.
Profilaxia:

Se baseia em vacina contra hepatiteA/ B, individualizar seringas e


alicates, controle rigoroso de sangue e derivados, manipulação
cuidadosa com instrumental perfuro cortantes, uso de água tratada
ou fervida; lavar bem legumes, frutas e verduras; lavar bem as mãos
após usar o toalete e antes de preparar os alimentos e de se
alimentar; uso de preservativo nas relações sexuais; uso de material
de proteção, por profissionais de saúde; acompanhamento pré-natal
para aconselhamento adequado e prevenção da transmissão; evitar
uso abusivo de álcool, medicamentos e drogas
TIPOS DE HEPATITES
Hepatite por vírus A: esse vírus é eliminado nas fezes e seu modo de transmissão
é chamado fecal-oral, ou seja, ingestão de água e/ou alimentos contaminados, esse
tipo de hepatite não se cronifica.
Hepatite por vírus B: o modo de transmissão desse vírus é através do uso
compartilhado de seringas e agulhas (entre usuários de drogas), relação sexual
sem preservativo, acidentes pérfuro-cortantes (como durante cirurgias) e durante o
parto, quando a mãe pode transmitir o vírus para o recém-nascido. Uma forma de
transmissão comum no passado era a transfusão de sangue, apresenta importante
taxa de cronificação .
Hepatite por vírus C: o modo de transmissão é semelhante ao do vírus B, porém
a transmissão durante o parto é bem menor, potencial para desenvolvimento de
formas crônicas.
Hepatite por vírus D: o modo de transmissão é o mesmo do vírus B, e esse tipo
de hepatite só ocorre em indivíduos infectados pelo vírus B, pois o vírus D precisa
dele para poder multiplicar-se.
Hepatite por vírus E: o modo de transmissão é o mesmo do vírus A. Ocorre em
países menos desenvolvidos, em formas de epidemias. Em grávidas, pode levar
mais comumente a formas graves.
Caxumba
Doença viral contagiosa aguda caracterizada pelo aumento da glândula parótida.

Transmissão: Via respiratória e secreção orofaríngea e salivar.

Sintomas: edema da glândula parótida, faringite, dor cervical, mal estar geral,

febre.

Profilaxia: vacinação na infância e isolamento da pessoa doente


HERPES ZOSTER
Doença infecto contagiosa altamente contagiosa com afinidade para pele e mucosa.
É na maioria das vezes, uma recorrência da varicela, tendo seu vírus permanecido
em estado latente no organismo recuperado. Isso ocorre porque a varicela é uma
doença imunoprevenível, razão pela qual ocorre só uma vez. Assim, uma nova
agressão pelo agente etiológico acarreta o surgimento da herpes zoster.

O agente etiológico é o herpes vírus varicellae.

O período de incubação não se conhece, geralmente é de três a sete dias.


Os sintomas que podem surgir são febre, dor intensa, cefaleia e mal estar geral,
manifestações cutâneas com manchas eritematosas, edematosas e vesicais, que
evoluem para pápulas purulentas, reunidas em pequenos grupos, seguindo um
trajeto venoso.

Transmissão ocorre através das gotículas de saliva, do contato com as lesões e dos
fômites.

Profilaxia: ocorre atraves do isolamento de contato com precaução para aerossóis


com máscara N95, durante a fase exsudativa.
HERPES SIMPLES

Causada pelo herpes vírus hominis, são dois tipos de vírus o HSV-1 e HSV-2, tipo
1 é responsável pelo herpes labial,e o tipo 2 pelo herpes genital.

Doença de alto índice de recorrência, o vírus conserva-se em estado latente,


manifesta-se pela excessiva exposição solar, estresse, infecções, exercícios
excessivos. Recebe a denominação de acordo com a área acometida, assim temos
herpes labial, herpes oral, herpes facial, herpes nasal, herpes genital e herpes
visceral.

Transmissão se dá através do contato direto com as vesículas e com o material de


usos pessoal, quando os genitais, através do contato sexual durante a fase ativa

Profilaxia é o isolamento da área afetada durante a fase exudativa.


HERPES SIMPLES

Causada pelo herpes vírus hominis, são dois tipos de vírus o HSV-1 e HSV-2, tipo
1 é responsável pelo herpes labial,e o tipo 2 pelo herpes genital.

Doença de alto índice de recorrência, o vírus conserva-se em estado latente,


manifesta-se pela excessiva exposição solar, estresse, infecções, exercícios
excessivos. Recebe a denominação de acordo com a área acometida, assim temos
herpes labial, herpes oral, herpes facial, herpes nasal, herpes genital e herpes
visceral.

Transmissão se dá através do contato direto com as vesículas e com o material de


usos pessoal, quando os genitais, através do contato sexual durante a fase ativa

Profilaxia é o isolamento da área afetada durante a fase exudativa.


DENGUE

Virose transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o agente etiológico é


o Arbovirus da família Flaviviridae
Transmissão: ocorre através do mosquito, que pica uma pessoa
doente depois uma pessoa sadia, contaminando –a.
A pessoa contaminada apresenta sinais e sintomas como, hipertermia,
cefaleia, artralgia, fraqueza, inapetência, náuseas e vômitos, manchas
exantematosas na pele e prurido.
Profilaxia: consiste em educação ambiental, evitar acúmulo de água
parada, manter rede básica de saneamento, emprego de inseticidas,
uso de telas protetoras, mosqueteiros e repelentes
HPV
AIDS
Causada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana
(HIV), ataca o
sistema imunológico, as células mais atingidas são
os linfócitos T
CD4 ( células de defesa que contem enzima
reversa), com isso altera
seu DNA, ou seja o vírus faz copias de si mesmo,
se multiplicando
rompendo os linfócitos em busca de outro, dessa
forma o CD4 deixa
de ser defesa e passa a ser “ fabrica do vírus”
SINTOMAS

O individuo apresenta febre alta, diarreias constantes, crescimento dos gânglios,


perda de peso, erupções cutâneas, diminuição de linfócitos , pneumonia, disfunção
neurológica , coordenação motora, sarcoma de Kaposi resenta febre alta, diarreias
constantes, crescimento dos gânglios, perda de peso, erupções cutâneas, diminuição
de linfócitos , pneumonia, disfunção neurológica , coordenação motora, sarcoma de
Kaposi
RICKETSIOLOGIA

É a parte da microbiologia que estuda as


rikettsias, uma forma de vida intermediária entre
bactérias e vírus. Como no caso dos vírus, esses
organismos fazem o seu habitat nas células dos
tecidos. São seres unicelulares obrigatórios.
Os transmissores são as pulgas, piolhos e os carrapatos.
Os indivíduos portadores podem apresentar distúrbios do
sistema nervoso central, febre e erupção cutânea e
prurido.
Quando a transmissão ocorre através do carrapato
(micuim ou carrapato-pólvora é a larva do carrapato-
estrela) e o percevejo, eles inoculam suas rikettsias na
pele enquanto se alimentam e transmitem a febre
maculosa.
Febre maculosa

É uma doença febril grave, que apresenta erupção cutânea,

cefaléia e aumento do fígado e do baço.

Profilaxia: se dá pela erradicação de piolhos e carrapatos, é uma

doença de notificação compulsória


A fêmea do carrapato, cada
uma delas põe cerca de 7 mil
ovos
Tifo Endêmico
As pulgas e os piolhos colocam suas fezes contaminadas

no local da picada e transmitem o tifo endêmico que é uma

doença febril grave transmitida pelo piolho.

Sintomas: hipertermia, calafrios, cefaleia e erupção

cutânea.

Profilaxia: eliminação do piolho, sendo de notificação

compulsória
Tifo Endêmico