Você está na página 1de 25

|  

   


  


2 


 




 

 
 
  
 
  
|    

Intervenção
precoce


6 Introdução
6 Intervenção precoce
6 orque intervir precocemente
6 Intervenção precoce é eficaz
6 importância da família
6 rocessos positivos de Intervenção recoce
6 odelos de intervenção precoce
6 entrados: na comunidade, na equipa interdisciplinar, na
família e na criança
6 emplos de actividades de intervenção precoce: crianças
com baia visão, deficiência motora, deficiência auditiva,
mental, crianças hiperactivas, crianças sobredotadas.
6 onclusão
6 ibliografia
2

4 retendemos com este trabalho recolher e
organizar informação sobre a prática da
Intervenção recoce como também
fundamentar, reflectir, investigar e dar a
conhecer este conceito já que uma
intervenção atempada é o ponto decisivo
na eliminação de factores de risco da
criança com N ou de risco biológico,
socioeconómico e cultural.
ë 
         

 V V  V
 VV  
V  V 
VV

VV     V  
 V
 V V     V V
VV

VV  
  V   
      VV  V   V  V
    
   V
 V 
  
V  V V
   
VV
 VV
2     
4  intervenção precoce, consiste na prestação de
serviços educativos, terapêuticos e sociais, a
crianças e às suas famílias, com o objectivo de
minimizar efeitos negativos durante o seu
desenvolvimento.
4 stes programas destinam-se a todas as crianças,
desde a nascença até á idade escolar que estejam
em risco de atraso de desenvolvimento,
manifestem deficiência ou necessidades
educativas especiais.
2     
4  Intervenção recoce deve resultar no
desenvolvimento de melhores atitudes parentais
perante um filho com deficiência. Deve
proporcionar mais informação e melhores
competências para lidar com a criança e
incentivar o tempo para o descanso e lazer.
i      
istem três razões fundamentais:
4 -uanto mais cedo se iniciar a intervenção maior
é o potencial de desenvolvimento de cada
criança;
4 ara proporcionar apoio e assistência à família
nos momentos mais críticos;
4 ara maimizar os benefícios sociais da criança
e família
2   i  

4 erca de cinquenta anos de investigação nesta
área permitiram obter informação quantitativa
(baseada nos resultados de investigações
longitudinais) e qualitativa (depoimentos de pais e
professores) que demonstra que a Intervenção
recoce proporciona ganhos, ao nível do
desenvolvimento e educação das crianças que
dela beneficiam, melhora o nível de funcionamento
da família e produz benefícios económicos e
sociais a longo prazo.
2     
4  investigação, efectuada com um grupo de crianças
provenientes de meios sociais economicamente
desfavorecidas, demonstrou, que estas crianças
obtiveram melhores resultados escolares e muitas
acabaram o ensino básico obrigatório e seguiram
programas de formação profissional
ë
2   
i  
Depende de:
4 Da idade da criança (quanto mais nova melhor)
4 Do envolvimento dos pais;
4 Da intensidade e/ou estruturação do modelo do
programa de Intervenção recoce adoptado.
2 

4 rs serviços de Intervenção recoce podem ter um
impacto significativo nos pais e irmãos das
crianças em risco. s famílias destas crianças
geralmente vivem sentimentos de decepção,
isolamento social, stress, frustração e desespero.
r stress acrescido que a presença de uma criança
com deficiência implica pode afectar o bem-estar
da família e interferir no desenvolvimento da
criança.
2 

4 r envolvimento dos pais na intervenção é muito
importante;
4 s famílias de crianças, com deficiência ou em
risco, necessitam de um maior apoio social e
instrumental e de desenvolver as competências
necessárias para lidar com os filhos com
necessidades especiais.
2 

4 rs principais resultados da Intervenção com a
família dizem respeito ao aumento da
capacidade dos pais para lidarem com o
problema da criança o que leva à redução do
stress familiar. stes factores desempenham um
papel importante no sucesso dos programas de
intervenção precoce junto da criança.
      
 
4 Definem operacionalmente e monitorizam
frequentemente os objectivos;
4 Identificam com precisão os comportamentos a
desenvolver e as actividades que serão
desenvolvidas em cada sessão;
4 Utilizam procedimentos de análise de tarefas;
4 valiam regularmente o desenvolvimento da
criança e utilizam os registos de progressão no
planeamento da intervenção.
4  intervenção individualizada e dirigida às
necessidades específicas da criança também
surge associada a bons resultados, o que não
significa necessariamente um trabalho de um
para um. s actividades de grupo podem ser
estruturadas de forma a ir ao encontro das
necessidades educativas de cada criança.
ÔV V

VV
 VV
om a entrada do século XXI, há todo um
conjunto de questões com que,
necessariamente, a educação especial se está
a debater.
Desde qual será o melhor modelo de
atendimento para o aluno com necessidades
educativas especiais, incluindo aquele com
problemáticas severas, até ao papel que o
professor do ensino regular e da educação
especial, os pais e demais agentes educativos
devem ter.
-uanto mais precocemente forem
accionadas as intervenções e as políticas que
afectam o crescimento e o desenvolvimento das
capacidades humanas, mais capazes se tornam
as crianças de participar autonomamente na
vida social e mais longe se pode ir na correcção
das limitações funcionais de origem.
jrata-se essencialmente de um odelo
ultidisciplinar de trabalho em equipa que tem
implicações ao nível da Formação ontínua e
ao nível do apoio de Supervisão, que são úteis
e fundamentais.
 faia etária das crianças acompanhadas
é dos zero aos três anos de idade, sendo que
esta idade poderá ser prolongada até aos seis
anos, quando daí advierem melhorias para o
desenvolvimento da criança.
rs estudos nesta área sublinham a importância de
identificar objectivos claros tendo em conta a finalidade
da: detecção das deficiências (diagnóstico), prevenção
das dificuldades futuras, a intervenção precoce e
estimulação da criança e/ou do seu ambiente.
jrês questões-chave são aqui abordadas: em
primeiro lugar a intervenção precoce diz respeito à
primeira infância (especialmente dos 0 aos 3 anos), pelo
que não deve ser confundida com educação pré-
escolar; em segundo lugar a intervenção precoce
pressupõe uma abordagem multidisciplinar (diversas
áreas disciplinares estão envolvidas e devem trabalhar
em conjunto) e também uma abordagem ecológica (o
enfoque não é eclusivamente centrado na criança mas
na criança, na família e na comunidade).
r trabalho de uma equipa multidisciplinar e
multifuncional é essencial.  necessidade de uma
intervenção alargada, já que envolve em todas as etapas
a família da criança, deverá como é evidente ter então em
linha de conta alguns dos seguintes aspectos: os
interesses das famílias, os seus saberes, as suas
dificuldades e as causas que originaram essas mesmas
dificuldades.
Respeitadas estas prioridades vamos possibilitar
respostas adequadas para cada criança em particular. É
na forma como se vai agir, que se faz a diferença entre
uma intervenção de qualidade, oportuna e pertinente e
uma intervenção ao acaso em que muitos ficarão pelo
caminho.
rs odelos de Intervenção recoce
podem ter um impacto significativo nos
pais e irmãos das crianças em risco. s
famílias de crianças com deficiência são
mais susceptíveis a viver situações como
o divórcio e o suicídio e, de igual forma,
as crianças com deficiência são mais
susceptíveis ao abuso e negligência do
que, as crianças sem deficiência.