Você está na página 1de 29

A queda de um jovem

chamado Êutico
Há algo que tenho visto muitas vezes na vida da igreja; crentes
cheios do Senhor que lentamente vão perdendo sua ebulição e
fervor no espírito.

Eles sentem como se todas as coisas estivessem se tornado uma


rotina cheia de tédio espiritual.

Talvez este seja exatamente o seu retrato neste momento. Você


acredita em Deus, está vinculado à igreja, participa do culto
semanalmente, vai à célula, dá ofertas e mesmo assim sente
tédio em sua vida espiritual, sente-se apático e embotado em
sua sensibilidade espiritual.

Você se senta no banco e ouve a mensagem até o fim, mas


quase dorme durante a mensagem do pastor.
Você ora e pede a Deus por muitas coisas, mas não tem certeza
de que suas orações serão respondidas. Simplesmente não
consegue ter encargo por elas.

Você sorri e aperta a mão dos irmãos, mas realmente não se


importa com a igreja.

Você canta durante o louvor, bate palmas e mesmo assim todas


essas coisas são feitas mecanicamente.

Você não consegue sentir o verdadeiro toque do Espírito Santo


em seu coração.

Em sua mente, você pode estar fazendo perguntas como: O que


há de errado comigo? Sou cristão verdadeiro?
Estou realmente salvo? O que devo fazer para experimentar o
poder de Deus em minha vida?

Você não está sozinho nessa condição. Deve haver milhões de


cristãos em todo o mundo sofrendo dessa mesma enfermidade
espiritual.

Se você tem sofrido de apatia espiritual, esta mensagem é para


você, meu irmão.

Vamos tomar a experiência de Êutico, o homem que dormiu e


caiu da janela enquanto Paulo estava pregando, como exemplo
de alguém apático que recebeu nova vida:
“No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim
de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia
imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite.
Havia muitas lâmpadas no cenáculo onde estávamos reunidos.
Um jovem, chamado Êutico, que estava sentado numa janela,
adormecendo profundamente durante o prolongado discurso
de Paulo, vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo e foi
levantado morto. Descendo, porém, Paulo inclinou-se sobre ele
e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a vida nele está.
Subindo de novo, partiu o pão, e comeu, e ainda lhes falou
largamente até o romper da alva. E, assim, partiu. Então,
conduziram vivo o rapaz e sentiram-se grandemente
confortados.” Atos 20.7-12
Há várias razões que Lucas, o escritor do livro de Atos, menciona
para explicar a sonolência de Êutico e sua consequente queda.

A lista inclui pelo menos quatro pontos:


1) A hora adiantada;
2) Havia muitas lâmpadas no cenáculo;

3) O fato de ele estar sentado numa janela;


4) O longo discurso de Paulo.

Embora cada um desses fatores que contribuíram para o sono de


Êutico sejam naturais, nós sabemos que este incidente está
registrado na Bíblia para ilustrar uma verdade espiritual.

Isso aconteceu para demonstrar algo mais importante sobre a


condição da nossa vida espiritual.
A sonolência e a queda de Êutico pode ser um espelho do nosso
embotamento espiritual, que em algum momento pode resultar
numa queda com consequências profundas.

No capítulo 2 do livro de Apocalipse, o apóstolo João descreve a


igreja com uma condição exterior muito louvável:

“Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança,


e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os
que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste
mentirosos; e tens perseverança, e suportaste provas por causa do
meu nome, e não te deixaste esmorecer.” Apocalipse 2.2-3

No verso 4, porém, aparece numa repreensão severa:


“Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro
amor.”Apocalipse 2.4
A igreja de Éfeso é um retrato de muitos cristãos de hoje.
Exteriormente piedosos, mas vazios por dentro.

O fervor e a paixão secaram. A empolgação e o zelo do primeiro


amor foram abandonados.

Foi sua condição espiritual que fez Êutico dormir enquanto Deus
estava movendo e a unção estava fluindo através de Paulo.

Infelizmente, é possível estarmos indiferentes mesmo em


lugares onde o Espírito de Deus está fluindo.

A queda de Êutico também revela algo do seu coração; ele não


amava a Palavra de Deus o suficiente para apreciá-la e não
importava muito com Paulo a ponto de ficar acordado em sua
reunião de despedida.
Seu amor por Deus e aos irmãos era indiferente.

1 - A hora exaustiva da meia-noite


O primeiro culpado natural é a meia-noite. O texto de Atos 20.7
diz que Paulo “exortava-os e prolongou o discurso até a meia-
noite”.

Realmente Paulo se prolongou, mas, além de Êutico, o escritor


de Atos não menciona qualquer outro irmão que tenha dormido
enquanto Paulo estava falando o seu longo discurso.

Em vez disso, eles ouviram Paulo até o dia amanhecer. Assim,


podemos concluir com segurança que não se tratava de uma
reunião normal, eles estavam fazendo uma vigília durante toda a
noite.
Por que algumas pessoas gostam de ouvir a exposição da Palavra
de Deus, enquanto outras sentem-se incapazes de suportar ouvir
uma mensagem curta de 30 minutos?

A resposta, claro, é a condição do coração. Falar com alguém que


você ama durante toda a noite não exige nenhum esforço,
enquanto alguns minutos na frente do seu chefe podem
representar uma eternidade.

A meia-noite é um horário em que as pessoas normalmente


sentem sono.

Portanto, essa apatia, esse tédio que às vezes você sente é algo a
que todos estamos sujeitos.
Sentimos isso de tempos em tempos. Existem épocas em que
sentimos um fluir e o nosso coração fica sensível, e há outras
épocas em que precisamos lutar contra a apatia.

Em nossa vida, há momentos em que é dia, e noutros é noite;


há épocas de inverno, e outras em que é verão; há temporada de
chuva, mas também passamos pela estiagem.

Esses ciclos e estações nos ensinam a necessidade de


perseverança.
A meia-noite pode ser a hora mais perigosa.

Ela simboliza muitas coisas na vida espiritual. Primeiro, sabemos


que era meia-noite quando o anjo da morte passou pelo Egito
para ferir os primogênitos.
Poderia ser a qualquer hora, mas Deus o colocou à meia-noite
porque é um momento de ataque espiritual.

É nesse momento de tédio que o diabo virá sorrateiramente


tentar dar uma rasteira. Não vai ser naquelas horas em que você
está mais fervoroso, será no momento de uma certa apatia.

Portanto, ele virá à meia-noite, num momento de sonolência, e


é nessa hora que precisamos vigiar.

No capítulo 25 de Mateus, lemos que foi à meia-noite que se


ouviu o grito do arcanjo: “Eis o noivo!”. E as virgens despertaram.

A meia-noite é importante porque é um momento em que Deus


libera Sua Palavra.
Meia-noite também pode significar um novo início da manhã ou
um ponto de ruptura.

Em Atos 16, descobrimos que era meia-noite quando Paulo e


Silas transformaram sua dor em louvor.

Era a hora em que a dor era mais excruciante, e a solidão e o


silêncio, mais profundos.

Quando eles começaram a cantar, o lugar tremeu, as cadeias se


romperam e eles foram libertos.

Portanto, a meia-noite também pode simbolizar mudança de


época em nossa vida, o tempo em que experimentaremos
rupturas e avançaremos para novos limiares.
É a meia-noite que se encerra um dia e começa outro. É nesse
momento de transição que temos vontade de dormir, porque
toda época de transição traz desafios novos diante dos quais
precisamos sair de nossa zona de segurança.

Em momentos assim, somos tentados a fugir nos refugiando no


sono profundo.

Na hora da ansiedade de um vestibular, por exemplo, somos


tomados de grande sonolência. Portanto, a meia-noite nos fala
de um tempo de transição e decisão.

Era meia-noite quando Êutico caiu. É fácil perceber que o


momento da queda era um momento de apatia e de sonolência.
Aqueles que estão dormindo quando deveriam estar vigiando e
orando serão pegos de surpresa pelo súbito ataque do inimigo.

​“Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que
o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da
orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para
que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um
laço. Pois há de sobrevir a todos os que vivem sobre a face de
toda a terra. Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que
possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e
estar em pé na presença do Filho do Homem.” Lucas 21.34-36

Não se sinta acusado por sentir sono à meia-noite. Todos


passamos por momentos de apatia, e é nesses momentos que o
diabo virá para atacar.
Mas ele vai se surpreender, pois o encontrará vigilante. É
inevitável que venha a noite, por isso precisamos exercitar um
espírito vigilante para permanecermos firmes quando a apatia
nos atacar.

2) O conforto das muitas lâmpadas


Lucas nos revela o segundo culpado. Atos 20.8 diz que “havia
muitas lâmpadas no cenáculo onde estavam reunidos”.

Eram muitos irmãos reunidos, e muitos deles provavelmente


trouxeram suas próprias lamparinas, o que deixou o lugar muito
aconchegante.

As lamparinas estavam também liberando muito gás carbônico


no ambiente, que produzia ainda mais sonolência.
Segundo a Palavra de Deus, as muitas lâmpadas reunidas
representam cada um de nós.

Jesus disse que somos a luz que brilha no meio das trevas.
A vontade de Deus é que essa luz possa brilhar lá fora na
escuridão do mundo.

Mas aqui todos estão reunidos. Sem dúvida, muitas lâmpadas


produzem calor e odor que podem nos tornar sonolentos.

Mas as lâmpadas também proporcionam segurança e conforto o


suficiente para nos esquecermos que precisamos sair para
buscar aqueles que estão rastejando no escuro – as almas
perdidas neste mundo pecaminoso.
Muitos de nós nos tornamos apáticos porque a nossa vida cristã
se resume ao momento em que estamos todos juntos.

Então, quando estamos juntos, a nossa lâmpada brilha e nós nos


sentimos fortalecidos, mas, quando chegamos ao trabalho ou
escola, nos sentimos sozinhos sem o conforto da presença dos
irmãos perto de nós.

Precisamos ser cuidadosos, porque é quando estamos todos


juntinhos assim que vem o comodismo. A queda é um resultado
disso.

Aqueles que se contentam com o conforto de suas lâmpadas da


salvação se tornaram cegos para os milhões que perecem nas
trevas sem Deus.
Todos nós queremos um lugar bem confortável para nos
encaixar, de onde ninguém mais possa nos tirar.

É isso que todos nós queremos, é da nossa natureza humana.


Mas, se Êutico não estivesse tão quietinho, encaixado e
confortável, ele também não teria dormido.

Um pouco de desconforto pode nos fazer mais vigilantes.


Precisamos ter muito cuidado quando a comunhão se torna tão
acolhedora e aconchegante a ponto de não queremos que mais
ninguém venha atrapalhá-la.

Um tipo de comunhão que produz comodismo inevitavelmente


nos levará à apatia espiritual.
Se queremos renovar nosso amor por Deus e decidimos
experimentar um avivamento e despertamento espiritual, a
complacência deve ser trocada pela compaixão e o nosso
ministério deve ser projetado para alcançar os perdidos.

No momento em que parece que tudo estava arrumadinho e


confortável, tudo muda, o desconforto chega e imediatamente
nós despertamos.

E quando despertamos, ficamos mais vigilantes. Ficar muito


quieto e tranquilo pode ser muito perigoso para a sua vida
espiritual.

O alvo é não deixar você dormir e cair do parapeito da janela.


3) O descompromisso da janela confortável
Agora Lucas identifica o terceiro culpado. No verso 9, lemos que
“um jovem, chamado Êutico, estava sentado numa janela”.

Quando você está ouvindo a pregação da Palavra, a janela não é


um bom lugar para se estar.

Mais uma vez, precisamos nos atentar para o fato de que a


janela possui significado espiritual.

A janela simboliza pelo menos quatro coisas na vida do crente. A


primeira delas é a atenção dividida.

Você não vai prestar atenção na palavra se estiver no parapeito


de uma janela, porque qualquer um que passar do lado de fora
vai chamar sua atenção.
E, ao contrário do que as irmãs acreditam, é impossível fazer
duas coisas ao mesmo tempo.

Não é possível ouvir atentamente duas mensagens ao mesmo


tempo. Não é difícil perceber como a causa comum da apatia
espiritual é a atenção dividida com as coisas do mundo.

Isso me introduz no segundo sentido espiritual da janela. Na


Palavra de Deus, a janela também nos fala de curiosidade pelas
coisas do mundo.

É pela janela que você observa o mundo. Ló e sua família não


participavam das orgias de Sodoma, mas eles assistiam da
janela.
Você não vai participar do carnaval, mas têm uma janela dentro
da sua casa e hoje em dia já é até em 3D. Daqui a algum tempo,
você vai sentir o aroma e até tocar na imagem.

Sua televisão é uma janela para o mundo. Eu não vou para o


mundo, mas fico sentado na janela olhando a banda passar.

Êutico caiu fisicamente, mas eu creio que isso está escrito para a
nossa edificação espiritual. A queda dele simboliza queda
espiritual.

Ele caiu morto. Todo crente que cai está experimentando morte
em alguma medida. É verdade que ele possui a vida de Deus,
mas é igualmente verdadeiro que ele se enche de morte quando
se envolve com as coisas do mundo.
A principal característica da morte é a apatia.
Não nos envolvemos diretamente com as coisas do mundo, mas
gostamos de assistir pela janela.

O problema de ficar na janela é que, quando caímos, nós não


caímos para dentro. Quem está na janela só cai para o lado de
fora.

Em terceiro lugar, a janela nos fala de descompromisso. Observe


a vida de um crente que não tem compromisso, pode ter certeza
que ele está na janela.

Naquela época, não existia muro na frente das casas, então as


janelas davam para a rua.
É não deixar completamente as práticas antigas e nem entrar
para valer nas novas. É ficar no meio termo. Por isso que janela
representa tentação.

Por fim, preciso dizer que a janela simboliza a tentação. Quem


olha pela janela está sendo atraído.

De alguma maneira, sente que está perdendo alguma coisa lá


fora, então olha pela janela para sentir um pouco do prazer.

Inegavelmente, se queremos experimentar um avivamento, a


nossa mente deve ser renovada e o nosso coração precisa estar
inteiro na presença de Deus.

Um coração dividido desonra o Senhor.


Aqueles que se sentam nas janelas do descompromisso e
exploram continuamente o entretenimento do diabo são
ameaçados constantemente de cair em pecado.

Mas alguns de nós sentimos que perdemos algo, não nos deram
algo ou deixamos de provar algo, e isso é mais forte quando
somos jovens. Nessa fase da vida, a janela se torna um ímã.

4) A falta de fome pela Palavra de Deus


Por fim, Lucas descreve o quarto culpado. Ainda no verso 9,
lemos “que o jovem adormeceu profundamente durante o
prolongado discurso de Paulo”.

Em um sentido natural, o culpado deve ser o comprimento do


discurso.
Mas, se olharmos mais atentamente, veremos aqui também
outro motivo espiritual: Êutico dormiu porque já não tinha fome
pela Palavra de Deus.

Essa sonolência é o sinal de uma vida cristã seca e sem vida. A


sonolência nos mostra um coração que perdeu a alegria e a fome
pela Palavra de Deus.

Se queremos uma renovação espiritual, precisamos nos permitir


ser cheios do poder do Espírito e nos alimentar apropriadamente
para que a fome volte ao nosso coração.

No mundo natural, a fome se vai depois de nos alimentarmos,


mas na vida espiritual, quanto mais comemos, mais fome temos.
Aqueles que se dizem cristãos e ainda não possuem uma
verdadeira fome pela Palavra de Deus podem ser considerados
pessoas desviadas no coração.

Eles precisam de um despertar espiritual através do Espírito de


Deus para que não decaiam da graça ou se desviem pelo
caminho.

Se você tem passado por um momento de apatia e tem se visto


na janela, você pode aplicar hoje seu coração e dizer:

“Mesmo sem querer, mesmo sonolento, eu vou receber de


Deus”. Você pode aplicar o seu coração.
Nas coisas naturais, depois de comer, você não tem mais
fome, mas nas coisas do espírito, é exatamente o oposto:
quanto mais você come, mais fome pela Palavra você
tem.

Mas não basta só ouvir, seu coração tem de estar aberto


para receber.

Se você fizer isso, seu coração será guardado da queda.