Você está na página 1de 14

Amebíase

Professor: Adônis Motta Cavalcante.


1 - Introdução:

Amebas de vida livre.


Amebas parasitas e comensais.

CLASSIFICAÇÃO DAS AMEBAS:

Ameba patogênica intestinal: E. histolítica

Amebas não patogênicas: E. coli, E. nana, E.

hartimanni, E. gengivalis, I. butschilli e D.


fragilis.
Amebas de vida livre: Naegleria fowleri e

Acanthamoeba spp.
 AMEBÍASE
 CONCEITO: Infecção do homem pela E.
histolítica com ou sem manifestação clínica.
 Agente etiológico: Entamoeba
histolítica.

 MORFOLOGIA: TROFOZOÍTOS E
CISTOS
 Elementos fundamentais na identificação:
 - Estrutura nuclear e aspecto do citoplasma.
 TROFOZOÍTOS OU FORMAS VEGETATIVAS:

 Fezes diarréicas ou disentéricas


 Exame sem coloração – Vitalidade
preservada
 Material fagocitado: Hc, Lc, Céls. Tec., Bact.
 Pseudópodes
 Diagnóstico seguro: HF (aspecto)
 Lugol: sem utilidade na identificação.
 CISTOS:
 Fezes formadas ou pastosas
 Exame sem coloração
 HF (aspecto)
 Lugol
 HABITAT:
 Normalmente na luz do intestino grosso.
 Ocasionalmente penetrar na mucosa e
produzir ulcerações intestinais ou em
outras regiões do organismo, como
fígado, pulmão, rim e cérebro.
 TRANSMISSÃO:
 Ingestão de cistos maduros, juntamente
com alimentos.
 Uso de água sem tratamento.
 Veiculados por moscas e baratas.
 Falta de higiene domiciliar.
 QUADRO CLÍNICO:
 Amebíase Intestinais:
 Formas assintomática: 80 a 90% dos casos,
a infecção é detectada pelo encontro de
cistos no exame de fezes.
 Formas sintomáticas:
 Colites não Disentéricas: 2 a 4 evacuações, diarréicas
ou não, fezes mole ou pastosas, muco ou sangue.
Pode apresentar desconforto abdominal ou cólicas.
Raramente há manifestação febril.
 Colites Disentéricas: 8 ou mais evacuações, cólicas
intestinais e diarréia, evacuações
mucossanguinolentas e febre moderada.
Amebíase Extra-Intestinal:
Abcesso Hepático Amebiano:

Dor, Hepatomegalia dolorosa, Febre

intermitente e irregular, variando de 38 a


40oC com calafrio e perda de peso.
DIAGNÓSTICO CLÍNICO:
Confundir com disenteria bacilar,

salmoneloses, etc.
Retossigmoidoscopia.

Raios X, Tomografia computadorizada, etc.


 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL:
 Fezes diarréicas: Presença de Trofozoítos.
 Fezes formadas: Método de Faust, Blagg ou
Ritchie, HPJ, Direto.
 PROFILAXIA:
 Educação sanitária;
 Exame freqüente dos manipuladores de
alimentos;
 Combate as moscas;
 Lavar bem e tratar todos os alimentos
crus.
 TRATAMENTO:

 AMEBICIDA TISSULAR:
 Metronidazol (Flagyl)
 Secnidazol (Secnidal)
 Pletil (Tinidazol)

 AMEBICIDA LUMINAL:
 Etofamida (Kitnos)
 Teclozan (Falmonox)
 AMEBAS DE VIDA LIVRE
 Naegleria fowleri:
 Encontradas em solos e águas de lagos e
rios.
 Trofozoítos: flagelos  mucosa nasal  via
epitélio neuroolfativo  atinge o cérebro 
meningoencefalite  apresenta forma aguda
 divisão binária.
 Cistos: encontrados nos solos secos,
quando em contato com a umidade e
algumas bactérias transformam-se em
trofozoítos.
 Acanthamoeba spp:

 Mesmo Habitat da N. fowleri.


 Trofozoítos: ausência de flagelos 
apresenta-se na forma crônica, atingindo
pacientes debilitados  encefalite
amebiana granulomatosa  lesões
oculares provocadas pela A. polyphaga.
FIM
OBRIGADO PELA ATENÇÃO