Você está na página 1de 21

CONTANDO HISTÓRIAS

Narrativas pré-históricas

Pinturas rupestres - Caverna de Chauvet- França


A leitura de romances
no séc. XVIII

LEMONNIER, Anicet-Charles-Gabriel. In the Salon of


Madame Geoffrin in 1755. 1812. 1 original de arte, óleo sobre
tela, 126cm x 195cm. Coleção particular.
Cinema

Rádio

TV

Internet

Digitalização e
Convergência

As histórias continuam

 Para Peter Guber (produziu Batman)
 Verdadeiras
 Autenticidade (não se conta a mesma história duas
vezes)
 O bom contador “ajudar a pessoa(audiência) a se
sentir o herói da história”.
 História orais (microuniverso)
Herói( 12 passos)
Campbell (1995)

1. Mundo comum
2. Chamado à aventura
3. Recusa ao chamado
4. Encontro com o mentor
5. Travessia do limiar
6. Testes, aliados e inimigos
7. Aproximação do objetivo
8. Provação máxima
9. Conquista da recompensa
10. Caminho de volta
11. Depuração
12. Retorno transformado
As formas de contar

 Burke (2006) lembra o quanto uma mídia se inspirou
nas anteriores para criar histórias
 “A mídia precisa ser vista como um sistema, um
sistema em contínua mudança, no qual elementos
diversos desempenham papéis de maior ou menor
destaque.”
 As novas técnicas são catalizadores, impulsionando
as mudanças
 Convergência de Mídias: Webséries e Filmes
Interativos
Pré- requisitos

 Computação pessoal
 Acesso à banda larga em grande escala mundial
 “Com o hipertexto há mudança na relação de forças
na medida em que o leitor pode comentar o texto
escrito por outros” (Martins ,2014)
 Navegação interativa
 Desconstrução do autor
 Autoria interativa na rede (plataformas wiki)
 Cultura da virtualidade real
Virtualidade Real

Fonte: MACEDO, D. Tiras do ABC:


mundo virtual. Blog do Macedo, jul.
2011. Disponível em:
http://domacedo.blogspot.com.br/201
1/07/tiras-do-abc-mundo- virtual.html
Revolução Tecnológica

 Castells (1999) lembra a força da revolução
tecnológica atual, só comparada à da criação do
alfabeto, já que pela primeira vez na história, as
modalidades – escrita, oral e audiovisual – são
integradas em uma mesma mídia, criando uma nova
linguagem, que tem como principal característica a
interatividade, via navegação (hiperlinks)
Outras mudanças

 Tempo
 Espaço
 Novas formas de sociabilidade
 Novas formas de produzir conteúdo para várias mídias
ao mesmo tempo Jenkins (2008).
 De cima para baixo e de baixo para cima
 Convergência de mídia , participação interativa,
compartilhamento de experiências
 Fenômeno técnico e cultural (relação entre indústria
midiática entre si e consumidores entre si, e ainda
interagem num conjunto maior).
 Garantir a participação da audiência
Cultura de
convergências

 Jenkins (2008) chama a atenção para três termos –
chaves que marcam os tempos de storytelling digital
e da convergência de mídias
 A convergência tecnológica;
 A cultura da participação (ou da coautoria em rede,
como vimos com Martins);
 A inteligência coletiva que surge a partir daí, ou seja,
os enormes bancos de dados das interações
participativas estão disponíveis publicamente para
consultas, dando forma à nova cultura midiática.
Os fãs

 Os fãs têm um papel determinante na cultura da
convergência
 Disseminam as informações via internet (redes
sociais, microblogging etc)
 Atuam como produtores paralelos em suas fandoms,
escrevendo fanfics, compartilhando fanartes e
fanzines
Vingadores

• Fãs de Os Vingadores criaram, na plataforma Podomatic, um
podcast em que compartilham informações, experiências e
produtos relacionados à franquia, como os HQs de Os
Vingadores.

• É comum também a prática – não muito bem aceita no meio – de


spoiling, ou antecipação dos capítulos seguintes
Era da Colaboração

 Na Era da Colaboração, a TV deixa de ser a mídia
principal e cede lugar para a internet, mudando
comportamentos e valores: compartilhar e
recomendar conteúdo são as novas moedas de valor.
Atividade

 Pesquise casos em que a força dos fãs mudou o
destino de algumas séries de TV.
Referências
Bibliográficas

 Referências
 BRIGGS, A.; BURKE, P. Uma história social da Mídia.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
 CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Editora
Pensamento, 1995. CASTELLS, M. A sociedade em rede.
Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1999. JENKINS, H.
Cultura da Convergência. São Paulo: Editora Aleph,
2008.
 MARTINS, B. C. Autoria em Rede. Rio de Janeiro: Mauad
X, 2014. SHIRKY, C. A cultura da participação. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

Você também pode gostar