Você está na página 1de 78

PROJETO DE

PESQUISA
Projeto de Pesquisa

 É um planejamento de pesquisa realizado


cientificamente com um padrão ou arcabouço
específico para controlar todo o processo de
pesquisa;
 O Projeto de Pesquisa considera a aplicação do
Método Científico;
 A elaboração de um projeto de pesquisa é um
processo em que, a partir de uma necessidade,
se escolhe um tema e, gradativamente, define-se
um problema e as formas de solucioná-lo.
Etapas do Projeto de Pesquisa

Apresentação
Sumário
1 Introdução
1.1 Situação problema
1.2 Hipóteses
1.3 Objetivos
1.4 Justificativa

2 Referencial teórico
3 Metodologia
4 Cronograma
5 Orçamento
6 Referências
Apêndices e Anexos
Apresentação e Introdução

 Apresentação: envolve a capa e a folha de rosto


do projeto;
 Introdução: é a primeira parte do texto,
definindo a natureza do trabalho e o tema
investigado;
 Lendo a Introdução, o leitor deve sentir-se
esclarecido a respeito do trabalho;
 A seção “Introdução” é formada pelas seções
Situação Problema, Hipóteses, Objetivos e
Justificativa.
Situação Problema

 A situação problema é dividida em três


etapas:
 Tema;
 Delimitação do tema;
 Problema de pesquisa.

Introdução
Situação problema

 Tema é o assunto que se deseja provar ou


desenvolver. Ex: Cabo de aço.
 O tema definido com precisão passa a se
constituir um problema;
 O tema é uma proposição abrangente;
 A formulação do problema é mais
específica: indica exatamente qual a
dificuldade que se pretende resolver;

Introdução
Ex da turma: “Rompimento do cabo de aço nas
pontes rolantes na metalurgia”.
O problema deve ser enunciado na forma de
uma pergunta.

Ex: O rompimento do cabo de aço nas


pontes rolantes na metalurgia interfere
nas metas de produção?
Como formular problemas?
• O conhecimento prévio do assunto
facilita a elaboração do problema;

• Importante realizar uma imersão


sistemática no objeto de estudo;

• Realizar o estudo da literatura existente;

• Discutir o assunto com pessoas que


acumulem experiências práticas;

• O problema deve ser enunciado na forma


de uma pergunta. Introdução
Como formular problemas?
• Redigir o problema em forma de pergunta: facilita a
identificação do que realmente se quer pesquisar;
• Deve ser claro e preciso: os termos usados devem ser
claros, sem deixar margem para interpretação dúbia;
• Deve ser empírico: nem sempre é fácil atender a esse
requisito, ou seja, o problema deve evitar envolver juízos
de valores;
• Deve ser passível de solução: deve-se conhecer a
tecnologia adequada à solução, em não conhecendo é
preciso proceder as investigações necessárias ao seu
domínio;
• Deve ser delimitado a uma dimensão viável: deve-se
reduzir a tarefa a um aspecto que possa ser tratado
dentro de um único estudo, ou dividido em sub-problemas
a serem estudados separadamente
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Manutenção mecânica na indústria do


petróleo”.
 Delimitação do tema pelo autor: “Manutenção
em UB (unidade de bombeio) e cabeçote de
BCP”
 Problema: Em que medida a manutenção em
UB e cabeçotes BCP pode interferir na
diminuição das paradas de produção?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Pescaria de haste de bombeio partida


em poços de petróleo”.
 Delimitação do tema pelo autor: “Minimizar a
quebra das hastes”
 Problema: A estrutura das hastes de bombeio
para poços de petróleo são adequadas para
suportar os grandes esforços/impactos
quando estão em produção efetiva?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Ferramentas de gestão na


manutenção”.
 Delimitação do tema pelo autor: “Utilização de
ferramentas de gestão, para auxiliar na
tomada de decisão, em negócios de
manutenção”.
 Problema: Até que ponto a implementação de
uma ferramenta de gestão da manutenção
interferirá no desempenho da empresa?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Energia eólica”.


 Delimitação do tema pelo autor: “Implantação
e manutenção das torres”.
 Problema: ??? Implantação e manutenção?/
Implantação?/ Manutenção?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “OHSAS 18001”.


 Delimitação do tema pelo autor: “Prevenção
de riscos laborais”.
 Problema: Qual a importância de se
implementar a OHSAS 18001 na empresa?/
???
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Refrigeração industrial”.


 Delimitação do tema pelo autor: “Refrigeração
industrial por amônia”.
 Problema: Vantagens? Riscos? Melhorias na
economia de energia?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Sistema de abastecimento de água”.


 Delimitação do tema pelo autor: “Falha no
abastecimento”.
 Problema: A falta de projetos de cálculos e/ou
o mal dimensionamento interferem no
abastecimento de água da cidade de
Alagoinhas?
Situação Problema

 Exemplos selecionados na turma:

 Tema: “Polímeros, cerâmicos”.


 Delimitação do tema pelo autor: “Associar a
Eng. Mecânica com a área de saúde”.
 Problema: ???
Escolha do Tema
• Deve atender aos interesses do pesquisador e as
suas qualificações e limitações.
• Verificar se existem fontes de consulta disponíveis;
em existindo são passíveis de manuseio; bem como
recursos financeiros e materiais?
• O pesquisador tem conhecimento prévio sobre o
assunto?
• O assunto pesquisado pode trazer contribuição para
a sociedade e a ciência?
• Qual a importância do assunto em termos científicos
e práticos?
• Responde a pergunta: o que estudar?
Escolha do Tema

 Como definir o tema?


 Conhecimento anterior do tema;
 Pesquisas em andamento (internet);
 Literatura científica, pesquisa
bibliográfica;
 Ideias de professores (orientador) e
colegas;
 Ideias pessoais originais;
 Necessidades do mercado. Introdução
Delimitação do Tema

 Histórica: consiste em indicar a origem histórica


do tema, quando iniciaram as pesquisas sobre o
assunto;
 Teórica: levantamento das principais correntes
teóricas que investigam o assunto;

DELIMITAÇÃO DO ESTUDO: definição da abrangência do estudo


em questão (público-alvo, amplitude geográfica, etc.);

Introdução
Exercício – Parte 01

 Formar pequenos grupos;


 Definir um tema e um problema de
pesquisa a partir das áreas de atuação
do engenheiro.
 Apresentar para o grupo.
Hipóteses
 São proposições testáveis que podem ser
declaradas verdadeiras ou falsas:
 Formuladas como solução provisória para um
determinado problema;
 Apresentam caráter explicativo ou preditivo;
 Todas as hipóteses devem ser passíveis de
verificação empírica, ou seja, podem ser
comprovadas ou falseadas.

Introdução
Hipóteses

 Sua função é guiar e orientar o trabalho do


pesquisador;
 As hipóteses devem, obrigatoriamente, estar
relacionadas a uma teoria (base empírica).
 Dificilmente aparecem em estudos exploratórios;
 Geralmente aparecem em estudos experimentais;
 Geralmente são dispensáveis em estudos
descritivos, porque os objetivos demarcam
claramente este tipo de estudo.
Hipóteses

 As principais fontes de hipóteses são:


 Observação;
 Resultados de outras pesquisas;
 Teorias;
 Experiência pessoal;
 Intuição.
Objetivos
 São padrões de sucesso para
a avaliação da pesquisa;
 Orientam a revisão da
literatura e a metodologia a
ser empregada;
 Instrumento para a realização
mais efetiva e eficaz da
pesquisa;
 Iniciam com um verbo no
infinitivo;
 Geralmente apresentam um
único verbo.
Introdução
Objetivo Geral

 Define o propósito do trabalho;


 Possui um caráter amplo e de difícil
avaliação;
 Decorre do problema de pesquisa.
Problema: O sistema de custos
implementado na empresa XX atende ao
que foi planejado?
Objetivo Geral: Verificar o Sistema de
Custos da empresa XX.
Introdução
Objetivos Específicos
 Definem itens específicos que deverão ser
abordados para que o objetivo geral possa
ser atingido;
 Objetivo Geral: Verificar o Sistema de
Custos da empresa XX;
 Objetivos Específicos:
 Avaliar o Sistema de Custos implementado na empresa
XX;
 Avaliar os diferentes Sistemas de Custos possíveis de
implementar na empresa XX;
 Apresentar aos gestores da empresa XX indicadores
de gerenciamento de custos.
Introdução
OBJETIVOS (Para que?)
Atenção! Os objetivos devem ser sempre expressos em
verbos de ação.
 Objeto [do latim objectu] - Tudo o que é percebível por
qualquer dos sentidos humanos.
 A definição dos Objetivos determina o que o pesquisador
quer atingir com a realização do trabalho de pesquisa.
 Uma dica para se definir os Objetivos é iniciá-los com o
verbo no infinitivo: esclarecer...; definir ...; procurar ...;
permitir ..., demonstrar ... etc.
GERAL
• Mostrar uma visão global do assunto a ser pesquisado.

ESPECÍFICOS
• Mostrar uma visão específica do assunto, ou seja, seu ponto
central.
28
OBJETIVOS

EXEMPLOS APLICÁVEIS A OBJETIVOS:

a) Quando a pesquisa tem o objetivo de conhecer:


• Apontar, citar, classificar, conhecer, definir, descrever,
• identificar, reconhecer, relatar.
b) Quando a pesquisa tem o objetivo de compreender:
• Compreender, concluir, deduzir, demonstrar, determinar,
• diferenciar, discutir, interpretar, localizar, reafirmar.
c) Quando a pesquisa tem o objetivo de aplicar:
• Desenvolver, empregar, estruturar, operar, organizar,
praticar, selecionar, traçar, otimizar, melhorar.

29
OBJETIVOS
d) Quando a pesquisa tem o objetivo de analisar:
• Comparar, criticar, debater, diferenciar,
discriminar, examinar, investigar, provar, ensaiar,
medir, testar, monitorar, experimentar.

e) quando a pesquisa tem o objetivo de


sintetizar:
• Compor, construir, documentar, especificar,
esquematizar, formular, produzir, propor, reunir,
sintetizar.

f) quando a pesquisa tem o objetivo de avaliar:


• Argumentar, avaliar, contrastar, decidir, escolher,
estimar, julgar, medir, selecionar.
30
Exercício – Parte 02

 Definir objetivos gerais e específicos


para os problemas de pesquisa
trabalhados na parte 01 do exercício;
 Apresentar para o grupo.
Justificativa

 Reflexão sobre a proposta do projeto


e a situação dentro do atual contexto
científico;
 Podem ser usados referências
(autores) na justificativa;
 A justificativa deve responder à
questão: por quê?

Introdução
Justificativa
 Relatar porque é conveniente levar a
investigação adiante e quais os benefícios
que se derivam dela;
 Critérios para avaliar o valor potencial de
uma investigação (Sampieri et. al., 1991):
 Conveniência: para quem serve?
 Relevância social: quem se beneficiará
do estudo?
 Implicações práticas;
 Valor teórico; Introdução

 Utilidade metodológica.
Referencial Teórico
 Também chamado de Fundamentação
Teórica ou Revisão da Literatura;
 Constitui-se na base para o trabalho;
 Deve ser capaz de isentar o pesquisador de
eventuais críticas quanto à inconsistência
de suas afirmações;
 Apanhado geral sobre os principais
trabalhos já realizados, revestidos de
importância, por serem capazes de fornecer
dados atuais e relevantes relacionados ao
tema.
Referencial Teórico

• Deverá responder às seguintes questões:


 Quem já escreveu sobre o assunto?
 O que já foi publicado?
 Que aspectos já foram abordados?
 Que lacunas existem?
• Possibilita identificar:
 Elementos para evitar a duplicação de estudos
sobre o assunto;
 Possibilita um melhor delineamento do problema
a ser estudado.
Referencial Teórico
 Pode constituir-se em base teórica:
 A literatura especializada no assunto em questão;
 Resultados de outras pesquisas relacionadas ao
tema, anteriormente realizadas;
 Depoimentos de autoridades e ou experts no
assunto;
 O referencial teórico deve focalizar a delimitação
do tema;
 Faça um tópico separado para a base teórica;
 Confronte ideias de diferentes autores e chegue
a conclusões;
 Cuidado ao contrariar determinados autores
sem sustentação teórica para tanto.
Referencial Teórico

IMPORTANTE!!!

Fundamentação Teórica constitui-se em uma síntese


(comentada e criticada) da literatura. Não é simplesmente
uma Relação Bibliográfica.

PLÁGIO!!!
Referencial Teórico
 Principais dificuldades:
 O relato constitui-se numa cópia pura e
simples de textos de outros autores;
 Não há subtítulos separando conteúdos
diversos e, quando os há, a ausência de
frases de ligação torna difícil perceber a
lógica do autor;
 Não raro são incluídos textos que não têm
ligação direta com o tema;
 Faltam citações bibliográficas;
 As normas para citações e referências
bibliográficas são ignoradas.
Referencial Teórico - Citações
 Menção no texto de uma informação
colhida em outra fonte. Pode ser uma
transcrição ou paráfrase, direta ou indireta,
de fonte escrita ou oral.

 São feitas para apoiar uma hipótese,


sustentar uma ideia ou ilustrar um
raciocínio por meio de transcrições ou
paráfrases de trechos citados na
bibliografia consultada.
Referencial Teórico - Citações

Transcrição ou citação direta:


É quando transcrevemos o texto utilizando as próprias
palavras do autor.

Exemplo:
Segundo Vieira (1998, p.5), o valor da informação está
“diretamente ligado à maneira como ela ajuda os
tomadores de decisões a atingirem as metas da
organização”.
Referencial Teórico - Citações
Paráfrase ou citação indireta
É a reprodução de ideias do autor. É uma citação livre,
usando as suas palavras para dizer o mesmo que o
autor disse no texto. Contudo, a ideia expressa
continua sendo de autoria do autor que você
consultou, por isso, é necessário citar a fonte: dar
crédito ao autor da ideia.
Exemplo:
O valor da informação está relacionado com o poder
de ajuda aos tomadores de decisões a atingirem os
objetivos da empresa (VIEIRA, 1998).
Referencial Teórico - Citações
Citação de citação
 É a menção de um documento ao qual você não teve acesso,
mas que tomou conhecimento por citação em um outro trabalho.
 Usamos a expressão latina apud “citado por” para indicar a
obra que foi retirada a citação.
 Forma da citação: Sobrenome(es) do Autor Original (apud
Sobrenome(es) dos Autor(es) da obra que retiramos a citação,
ano de publicação da qual retiramos a citação).
Exemplo:
Porter (1986 apud CARVALHO e SOUZA, 1999, p.74) considera
que “a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor
que uma empresa consegue criar para seus compradores e que
ultrapassa o custo de fabricação pelas empresas”.
Referencial Teórico - Citações

Autoria de dois autores


 Forma da citação: Sobrenome do primeiro
autor; letra “e”; sobrenome do segundo autor;
Exemplo:
“[...] uma organização orientada para o mercado é
aquela cujas ações são consistentes com o
conceito de marketing” (KOHLI e JAWORSKI,
1990, p. 1, grifo nosso).
Referencial Teórico - Citações
Autoria de três ou mais autores
 Formas da citação:
 Kohli et. al. (1993, p. 473);
 Kohli, Jaworski e Kumar (1993, p. 473);
 Exemplo:
A medida de orientação para o mercado (Markor)
fornece o grau que uma unidade de negócios está
engajada em gerar inteligência de mercado,
disseminar essa inteligência, vertical e
horizontalmente, e desenvolver e implementar
programas de marketing baseados na inteligência
gerada (KOHLI et. al., 1993, p. 473).
Referencial Teórico - Citações
Apresentação das citações no texto
Transcrição ou citação direta:
a) Até três linhas: aparece fazendo parte normalmente do
texto. O texto deve vir destacado com ASPAS.

Exemplo:
Porter (apud CARVALHO e SOUZA, 1999, p.74) considera que
“a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que
uma empresa consegue criar para seus compradores e que
ultrapassa o custo de fabricação pelas empresas”.
Referencial Teórico - Citações
Apresentação das citações no texto
Transcrição ou citação direta:
b) Mais de três linhas: espaço de 4 cm a partir da margem esquerda
para todas as linhas e tamanho da fonte menor. O texto NÃO DEVE SER
DESTACADO COM ASPAS.
Exemplo:

Muitos não gostam da palavra reeducação. Mas


quando o assunto é ensinar para as crianças que
4 cm uma alimentação saudável e balanceada pode e
deve ser gostosa, não existe melhor termo no
dicionário. (VIUNISKI, 2005, p. 7).
METODOLOGIA

Qual o tipo de estudo que será


realizado?
Passo 1
Classificação das pesquisas

 Do ponto de vista da abordagem do


problema: quantitativa ou qualitativa (apesar
de hoje existir a tendência da união das duas);

 Do ponto de vista dos seus objetivos:


exploratória, descritiva ou causal.
Método
Classificação das Pesquisas

Pesquisa Não Conclusiva Pesquisa Conclusiva


(Qualitativa) (Quantitativa)

Estudos Estudos Estudos


Exploratórios Descritivos Experimentais ou
de Casualidade

 Estudos descritivos geralmente são


precedidos de uma etapa qualitativa.
Neste caso descrever ambas as etapas do
estudo.
Método
 Descrever como os dados serão coletados;
 Serão coletados dados primários (coletados na pesquisa
ou secundários (já publicados)?
 Quais as técnicas que serão utilizadas para a
coleta de dados? (Entrevista, questionário, observação,
observação participante, estudo de caso...?)
 Quais as fontes que serão consultadas?

Como os dados serão coletados?

Passo 2
Método

Dados primários e secundários


 Dados secundários: dados coletados para
fins diferentes do problema em pauta e já estão
disponíveis em livros, revistas etc.
 Dados primários: dados originados pelo
pesquisador para a finalidade específica de
solucionar o problema em pauta.
 Antes de planejar a pesquisa para a coleta de
dados primários, o pesquisador deve analisar
os dados secundários relevantes.
Método
Estratégias de Coleta de Dados Primários

Estudos Estudos Estudos


Exploratórios Descritivos Experimentais ou
de Casualidade

Entrevistas de Levantamento Experimentação


Profundidade

Grupos Focais Observação Estudo de Caso

Técnicas Projetivas Estudo de Caso

Estudo de Caso .
Estudos Exploratórios
 Entrevistas de Profundidade:
 Entrevista não-estruturada, direta, pessoal, em
que um único respondente é testado por um
entrevistador para descobrir motivações, crenças,
atitudes e sensações subjacentes sobre um tópico.
 Visam entender ao significado que os
entrevistados atribuem a questões e situações em
contextos que não foram estruturados
anteriormente a partir das suposições do
pesquisador;
 Geralmente o pesquisador utiliza um roteiro de
questões para realizar a entrevista em
profundidade.
Estudos Exploratórios
 Grupos Focais:
 É uma entrevista realizada por um moderador
treinado, de uma forma não-estruturada e natural,
com um pequeno grupo de respondentes (08 a 12).
 O objetivo principal é obter uma visão
aprofundada, ouvindo um grupo de pessoas do
mercado-alvo falar sobre o problema.
 O valor da técnica está nos resultados
inesperados que se obtêm de um grupo de
discussão livre;
 Geralmente são gravadas.
Levantamento

 Utiliza um questionário estruturado aplicado a uma amostra


de uma população e destinado a provocar informações específicas
dos entrevistados.

 Métodos de levantamento:
 Entrevista eletrônica: e-mail e internet;
 Entrevista pelo correio;
 Entrevista pessoal: em casa, abordagem em
shopping center e assistida por computador;
 Entrevista telefônica: tradicional ou assistida por
computador.
Levantamento

 Questionário: conjunto formal de perguntas cujo


objetivo é obter informações dos entrevistados.
 Sua concepção depende da habilidade do
pesquisador.
 Fatores a considerar na elaboração de um
questionário:
 população-alvo;
 procedimento de entrevista;
 análise dos dados.

Instrumento de Coleta de Dados


Levantamento

 O questionário tem três objetivos específicos:


 Deve traduzir a informação desejada em um conjunto de
questões específicas que os entrevistados tenham condições de
responder;
 Precisa motivar e incentivar o entrevistado a se deixar envolver
pelo assunto, cooperando e completando a entrevista;
 Deve minimizar o erro de resposta.
Levantamento

 Aspectos a considerar na elaboração de questionários:


 Espaço para dados de identificação, e
caracterização do respondente;
 Instruções claras para o preenchimento;
 Forma de registrar as respostas no formulário.
Levantamento

Instrumento de Coleta de Dados

 Tipo de perguntas usadas nos questionários:


 Não-estruturada ou aberta: questões onde os entrevistados
respondem com suas próprias palavras.
 Exemplo: Quais programas de televisão você
mais assiste aos finais de semana?
 Estruturada ou fechada: perguntas que especificam o conjunto de
respostas alternativas e o formato da resposta. Podem ser de
resposta única, múltipla escolha, ordenadas, dicotômicas ou
escalonadas.
Resumo - perguntas
Pergunta aberta: Aberta texto e Aberta numérica

Resposta única
Perguntas fechadas: Resposta múltipla
Respostas ordenadas

Escala gráfica:
( ) ( ) ( )

Escala tipo Likert:


5. Ótimo 5. Muito favorável
4. Bom 4. Pouco favorável
3. Regular 3. Indiferente
2. Ruim 2. Um pouco desfavorável
1. Péssimo 1. Muito desfavorável
Levantamento

Instrumento de Coleta de Dados


 Questionários devem ser testados;
 Pré-teste: teste do questionário com uma pequena amostra de
entrevistados, com o objetivo de identificar e eliminar problemas
potenciais;
 Número mínimo de pré-testes: 05;
 Objetivos: verificar se os termos utilizados nas perguntas são de
compreensão dos respondentes, se as opções de respostas
fechadas estão completas;
 Cronometrar o tempo de aplicação.
Observação
 Registro dos padrões de comportamento das pessoas, objetos e
eventos, para obter informações sobre o fenômeno de interesse.
 Técnicas de observação:
 Pessoal: observadores humanos registram o
fenômeno;
 Mecânica: audiômetros (registra o canal
sintonizado), portas giratórias, filmadoras, etc.;
 A observação pode ser assistemática ou simples
(sem o emprego de qualquer técnica ou instrumento)
e sistemática ou planejada (utilizando anotações,
controle de tempo, de tráfego, de periodicidade).

Estudos Descritivos e Causais


Experimentação

 Experimentação: processo de manipulação de uma ou mais


variáveis independentes e mensuração de seu efeito sobre uma ou
mais variáveis dependentes, controlando ao mesmo tempo as
variáveis estranhas.
 Exemplos:

 Grau de entendimento das práticas operacionais,


por parte dos empregados, após a implantação do
programa de participação nos lucros e resultados
da empresa;
 Degustação e test drive;

Estudos Experimentais ou Causais


Estudo de Caso

 Estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de


maneira a permitir o seu conhecimento amplo e detalhado;
 Pode ser usado em pesquisas:
 Exploratórias:investigando situações cujos limites
não estão claramente definidos;
 Descritivas: pesquisando situações do contexto em
que está sendo feita determinada investigação;
 Causais: explicando variáveis causais de
determinado fenômeno em situações muito
complexas que não possibilitam a utilização de
experimentos.
Análise de Dados e
Apresentação dos Resultados

Como os dados serão analisados?


Dados quantitativos?
Dados qualitativos?
Como os dados serão apresentados?

Passo 4
Processamento dos Dados

 São os passos necessários para transformar os dados coletados


em dados trabalhados que permitirão a realização das análises e
interpretações.
 Edição dos dados: revisão dos questionários visando aumentar
sua precisão;
 Codificação dos dados;
 Digitação e tabulação dos dados.
Análise Qualitativa

Análise de Conteúdo: descrição objetiva, sistemática e quantitativa


do conteúdo efetivo de uma comunicação. Utilizada para analisar
dados qualitativos.

Estudos Exploratórios
 Etapas:
 Definição das unidades de análise (palavras, sentenças, etc.);
 Definição das categorias;
 Codificação do texto, baseada nas categorias;
 Estratificação das respostas, elaborando comparações entre
grupos;
 Interpretação dos dados a luz de teorias conhecidas.
Cronograma

 É uma técnica de representação gráfica de dupla


entrada: nas linhas, são colocados os eventos
planejados (etapas, passos), e, nas colunas, os
períodos de tempo considerados como padrão.

 Sua função é relacionar duas variáveis: os


eventos em função do tempo.

 É um gráfico de planejamento e controle:


demonstra o início e o término de cada evento
de um processo operacional dentro dos
períodos de tempo considerados.
Cronograma
Agosto Setembro Outubro
Etapas 1ª 2ª 1ª 2ª 1ª 2ª
quinz. quinz. quinz. quinz. quinz. quinz.
P R P R P R P R P R P R
Definir objetivos da pesquisa X
Revisar bibliografia X X
Definir método de pesquisa X X
Coletar dados X X
Analisar dados X
Redigir documento final X X
Efetuar a revisão ortográfica X
Entregar monografia X
Defender monografia X
Orçamento

 Distribui os gastos da pesquisa em vários itens:


 Despesa com pessoal: coordenador,
entrevistadores, digitadores;
 Despesas com material de consumo (canetas,
xerox, papel, etc.) e material permanente
(calculadoras, softwares, computadores).
Referências
 Abrange os livros, artigos, monografias,
publicações e documentos utilizados nas
diferentes fases do projeto;
 Referências relacionam todas as bibliografias
citadas no trabalho;
 Bibliografia Consultada inclui todas as
bibliografias pesquisadas, mesmo que não
tenham sido citadas ao longo do trabalho.

Não esquecer de listar as bibliografias


citadas ao longo do trabalho
Referências
 Tendência de usar a expressão REFERÊNCIAS;
 Forma padrão de apresentação de LIVROS:

 SOBRENOME, Nome. Título: sub-título. Edição.


Volume. Cidade: Editora, ano.
 Exemplos:
 KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 4. ed.
Campinas: Papirus, 2003.
 LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A.. Fundamentos de
Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Não esquecer de listar as bibliografias


citadas ao longo do trabalho
Referências
 Livro com ORGANIZADOR ou EDITOR:

 BEUREN, Ilse Maria. (Org.) Como Elaborar


Trabalhos Monográficos em Contabilidade:
teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2003.

 TUSHMAN, M. & NADLER, D.. Organizando-se


para a Inovação. In STARKEY, K.. Como as
Organizações Aprendem: relatos dos sucessos
das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997.
Referências
 MONOGRAFIAS, TESES ou DISSERTAÇÕES:
 FALEIRO, S. N.. Plano de Marketing. 1997.
Monografia (Graduação) – Curso de
Administração, Centro Universitário UNIVATES,
Lajeado, 1997.
 URDAN, F. T.. Relacionamento entre
orientação para o mercado e desempenho:
estudo longitudinal de um grupo de
concessionárias de veículos. 1999. Tese
(Doutorado em Administração) – Universidade de
São Paulo, USP, São Paulo, 1999.
Referências
 ANAIS DE EVENTOS:
 PERIN, Marcelo G.; SAMPAIO, Claudio H. A Relação
entre as Dimensões de Orientação para Mercado e a
Performance. In: ENANPAD, 25, 2001, Campinas (SP).
Anais... Campinas: ANPAD, 2001.

 REVISTA CIENTÍFICA:
 MARTINS, Paulo. Laranja Mecânica. Estudo & Debate,
Lajeado, v. 11, n. 1, -. 7-28, 2004.
 MANSILLA, H. F. La controversia entre univresalismo y
particularismo em la filosofia de la cultura. Revista
Latinoamericana de Filosofia, Buenos Aires, v. 24, n.
2, primavera, 1998.
Referências

LEGISLAÇÃO:
BRASIL. Código Civil. 16. ed. Curitiba,
Juruá, 2005.
BRASIL. Lei n° 8.974, de 5 de janeiro de
1995.
BRASIL. Ministério da Justiça. Relatório
de Atividades. Brasília, Distrito Federal,
2008.
Referências
 ÁCAROS na região do Vale do Taquari. In: MUSEU DE
CIÊNCIAS NATURAIS UNIVATES. Base de dados
Taquari, 2001. Disponível em:
http://www.mcn.org.br/acaro/vt/. Acesso em: 20 maio 2014.
 CATÁSTROFE na ÁSIA. ZERO HORA, 27 dez. 2004.
Disponível em: <http://www.clicrbs.com.br/jornais/zerohora>.
Acesso em: 12 dez 2014.
 GIORGIS, José. A clonagem e seus efeitos jurídicos.
Espaço Vital, Porto Alegre, 23 out. 2003. Disponível em:
<http://www.espacovital.com.br/artigo.htm>. Acesso em: 27
mar 2015.
 http://www.espacovital.com.br. Disponível em:
<http://www.espacovital.com.br/artigo.htm>. Acesso em: 14
abr 2015.
APÊNDICES e ANEXOS

 Ilustrações;
 Descrições técnicas de equipamentos;
 Diagramas citados no texto;
 Roteiro utilizado na etapa qualitativa;
 Instrumento de coleta de dados;
 Cartas: pré-notificação, apresentação e pós-
notificação;
 Gráficos e tabelas complementares.