Você está na página 1de 89

A ARIZONA AMBIENTAL é voltada ao desenvolvimento de

projetos e prestação de serviços especializados em


Engenharia ambiental, industrial e de processos para os
setores público e privado.

Nossa Prioridade é o Meio Ambiente,


porque a Vida é Prioritária.
OBJETIVO
Propor alternativas para gerenciamento dos
resíduos sólidos de qualquer natureza, dando a
destinação adequada e promovendo a
valorização econômica na forma de geração de
energia, reciclagem de materiais e substituição
de combustíveis fósseis, com foco na
sustentabilidade das ações e soluções adotadas.
PROCESSO UTILIZADO NA DESTINAÇÃO DO RESÍDUO

TERMO-CONVERSÃO PIROLÍTICA
ANAERÓBICA
NOSSO PROCESSO EXCLUSIVO

Hidrogênio Baixos níveis de


Propano Emissões na
Metano queima do Syngás
Dióxido de Carbono
Processo
Contínuo

2% - Mat. Inerte -Sem Oxigênio


-Baixa Pressão
C - Carbono
-Alta Temperatura
N - Nitrogênio
-Aquec. Indireto
P - Fósforo
-Sem Alcatrão
K - Potássio
Fluxo Simplificado do nosso Processo de Termo-Conversão
Pirolítica

Geração de Syngás
Realimentação Gerador de
Motor de
Tratamento e condicionamento 10%
Combustão Energia
do resíduo Elétrica

Desumidificar
Classificação Lavagem Gerador de
Recebimento Moagem / Resíduo / Syngás
Separação de Filtragem Caldeira Turbina Energia
do Resíduo Trituração Pirólise e Limpo
Recicláveis Condensação Elétrica
Produção de
Syngás ùmido

Subprodutos da Pirólise Processo


Térmico Geração de Energia
Substituição
de Gás
Natural
1
Óleo Água Cinzas
Combustível

2
3 Destinação dos Subprodutos

Estação de Tratamento
Separador
de Efluentes - ETE 6
5
processos Internos

Descarte na rede
de àguas pluviais

4
Utilização em

Descarte em

Substâncias
Venda das
Sanitário

Carbono
Venda
Aterro

NPK
do
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO
E DESTINAÇÃO DE RECICLÁVEIS
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

RESÍDUO URBANO - RSU


Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO -CDR


Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

RESÍDUO HOSPITALAR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

CARVÃO
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

RESÍDUO AGRÍCOLA
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

ESTERCO ( Resíduo Animal )


Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

CAVACO DE MADEIRA
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

BAGAÇO DE CANA DE AÇUCAR


Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

PNEUS
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

LODO
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

BIOSÓLIDOS EM GERAL
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR

MOEGA
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Módulos I e II - RECEBIMENTO, CLASSIFICAÇÃO E DESTINAÇÃO
DE RECICLÁVEIS E PREPARAÇÃO DO RESÍDUO
E ALIMENTAÇÃO DO REATOR
Filme – Triturador Shereder

Filme – Triturador Universal

Filme - Separdor de Resíduo


e Terra ( Recuperação
de Aterro )
• Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA
Fluxo Simplificado do nosso Processo de Termo-Conversão
Pirolítica

Geração de Syngás
Realimentação Gerador de
Motor de
Tratamento e condicionamento 10%
Combustão Energia
do resíduo Elétrica

Desumidificar
Classificação Lavagem Gerador de
Recebimento Moagem / Resíduo / Syngás
Separação de Filtragem Caldeira Turbina Energia
do Resíduo Trituração Pirólise e Limpo
Recicláveis Condensação Elétrica
Produção de
Syngás ùmido

Subprodutos da Pirólise Processo


Térmico Geração de Energia
Substituição
de Gás
Natural
1
Óleo Água Cinzas
Combustível

2
3 Destinação dos Subprodutos

Estação de Tratamento
Separador
de Efluentes - ETE 6
5
processos Internos

Descarte na rede
de àguas pluviais

4
Utilização em

Descarte em

Substâncias
Venda das
Sanitário

Carbono
Venda
Aterro

NPK
do
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

1 CLP – Controlador Lógico


e IHM (Interface Gráfica )

2 Medição de Volume de
Gás produzido

Medição de Temperatura e
3 Pressão do Sist. Alimentação

4 Controle do Nível de
Abastecimento

5 Medição de Pressão e
Temperatura do Reator

6 Monitoramento e Controle
de Chama eletrônico
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

LABORATÓRIODE ENSAIOS
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

EQUIPAMENTO INDUSTRIAL DE 3 ton/h


Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

SUPERVISÃO DO PROCESSO
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

USINA MÓVEL
Módulo III – REATOR DE TERMO-CONVERSÃO
PIROLÍTICA

USINA MÓVEL
ANÁLISE DO SYNGÁS – GÁS DE SÍNTESE

038
• Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS
Fluxo Simplificado do nosso Processo de Termo-Conversão
Pirolítica

Geração de Syngás
Realimentação Gerador de
Motor de
Tratamento e condicionamento 10%
Combustão Energia
do resíduo Elétrica

Desumidificar
Classificação Lavagem Gerador de
Recebimento Moagem / Resíduo / Syngás
Separação de Filtragem Caldeira Turbina Energia
do Resíduo Trituração Pirólise e Limpo
Recicláveis Condensação Elétrica
Produção de
Syngás ùmido

Subprodutos da Pirólise Processo


Térmico Geração de Energia
Substituição
de Gás
Natural
1
Óleo Água Cinzas
Combustível

2
3 Destinação dos Subprodutos

Estação de Tratamento
Separador
de Efluentes - ETE 6
5
processos Internos

Descarte na rede
de àguas pluviais

4
Utilização em

Descarte em

Substâncias
Venda das
Sanitário

Carbono
Venda
Aterro

NPK
do
Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS

LAVADOR DE SYNGÁS
Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS

CONDENSADOR DE ÁGUA E
ÓLEO
Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS

CONDENSADOR DE ÁGUA E
ÓLEO
Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS

TROCADORES DE CALOR
Módulo IV – CONDICIONAMENTO DO SYNGÁS

COMPRESSOR ROOTS
Vantagens
• Ar ou gás bombeado são isentos de óleo.
• Capacidade praticamente constante com o variar da pressão.
• Execução robusta e folgas reduzidas permitem funcionamento em
pressões de até 1 bar.
• Manutenção mínima, economia operacional, durabilidade elevada.
• Flexibilidade de instalação, permitindo acoplamento direto, por
meio de polias e correias ou redutores/multiplicadores.
* O rendimento mecânico é elevado. No entanto a principal vantagem
destes compressores é a sua grande robustez, o que permite que
rodem anos sem qualquer tipo de revisão.
• Filme - Syngás
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos
Fluxo Simplificado do nosso Processo de Termo-Conversão
Pirolítica

Geração de Syngás
Realimentação Gerador de
Motor de
Tratamento e condicionamento 10%
Combustão Energia
do resíduo Elétrica

Desumidificar
Classificação Lavagem Gerador de
Recebimento Moagem / Resíduo / Syngás
Separação de Filtragem Caldeira Turbina Energia
do Resíduo Trituração Pirólise e Limpo
Recicláveis Condensação Elétrica
Produção de
Syngás ùmido

Subprodutos da Pirólise Processo


Térmico Geração de Energia
Substituição
de Gás
Natural
1
Óleo Água Cinzas
Combustível

2
3 Destinação dos Subprodutos

Estação de Tratamento
Separador
de Efluentes - ETE 6
5
processos Internos

Descarte na rede
de àguas pluviais

4
Utilização em

Descarte em

Substâncias
Venda das
Sanitário

Carbono
Venda
Aterro

NPK
do
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

Óleo Pirolítico
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

Óleo Pirolítico
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

Filtragem do Óleo Pirolítico


Óleo Pirolítico
Antes da Filtragem : Densidade  0,911

Pós Destilação: Densidade  0,785 g/cm3 ( Diesel 0,837 )


Viscosidade  11,21 cps (Copo Ford 8 )
Ponto de Ignição  42 ̊C
Octanagem  500 ( gás aditiv = 97 )
PCI  11.600 Kcal/kg
Enxofre  2000 ppm
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

Tratamento de Água

Lodo – volta ao Reator


Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

Tratamento de Água
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos

MATERIAL INERTE
( C, N2 , P , k )
Módulo V – Coletor ou Extrator de
Subprodutos
Resíduo Inerte

Resíduo Inerte - RSI Resíduo Inerte - RSS

Resíduo Inerte  2%

Resíduo Inerte - RSU


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA
Fluxo Simplificado do nosso Processo de Termo-Conversão
Pirolítica

Geração de Syngás
Realimentação Gerador de
Motor de
Tratamento e condicionamento 10%
Combustão Energia
do resíduo Elétrica

Desumidificar
Classificação Lavagem Gerador de
Recebimento Moagem / Resíduo / Syngás
Separação de Filtragem Caldeira Turbina Energia
do Resíduo Trituração Pirólise e Limpo
Recicláveis Condensação Elétrica
Produção de
Syngás ùmido

Subprodutos da Pirólise Processo


Térmico Geração de Energia
Substituição
de Gás
Natural
1
Óleo Água Cinzas
Combustível

2
3 Destinação dos Subprodutos

Estação de Tratamento
Separador
de Efluentes - ETE 6
5
processos Internos

Descarte na rede
de àguas pluviais

4
Utilização em

Descarte em

Substâncias
Venda das
Sanitário

Carbono
Venda
Aterro

NPK
do
Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA
Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )

1.4 WWh
Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )

Unidades de 330 KVA


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )

500 Kw
Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOGÁS ( Gás de Síntese )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

Turbina ( Ciclo Rankine )


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

Caldeira e Turbina – Ciclo Rankine


Módulo VI – GERAÇÃO DE ENERGIA

Caldeira e Turbina – Ciclo Rankine

8.0 MW
Outras Aplicações

Outras Aplicações

• Substituição do GLP e GN por SYNGÁS

• Substituição do Óleo Diesel ou BPF pelo Óleo


Pirolítico
VANTAGENS DA NOSSA TECNOLOGIA
• Tecnologia Patenteada
• Sistema Modular e Flexível . Atende as mais variadas
Capacidades de processamento de resíduos
• Não geração de gases prejudiciais a saúde e meio ambiente
• Permite adequar o projeto à demanda e capacitação de
investimento – Flexibilidade
• Fácil Manutenção
• Alta Confiabilidade
• Auxilia na recuperação de áreas de lixão
• Pode ser ajustado à necessidade específica do cliente no que
se refere à produção de Syngás ou Óleo Pirolítico
TIPOS DE LEIAUTE DE USINA
USINA MÓVEL
Implantação do Projeto
PLANILHA DE TERMOCONVERSÃO
ANÁLISE DA QUEIMA DO SYNGÁS PRODUZIDO
PELO NOSSO CONVERSOR TERMOQUÍMICO
RESULTADOS OBTIDOS
ARIZONA SERVIÇOS AMBIENTAIS LTDA.
Rod. Marechal Rondon – Km 183 s/nº
Laranjal Paulista – São Paulo
Cel : (11) – 999828222
E-mail : jcmora@uol.com.br
OBRIGADO !