Você está na página 1de 46

LASERS

ANNA RAFAELLA
R2 DERMATOLOGIA HCM
INTRODUÇÃO

 O laser é usado na pesquisa científica, no comércio, leitores de CD e


DVD, impressoras, na holografia, na litografia, na indústria e na medicina
 É uma técnica cada vez mais utilizada no tratamento e diagnóstico de
variadas doenças, em múltiplas especialidades
 A dermatologia a laser é uma área dinâmica e uma fonte constante de
inovação terapêutica
DEFINIÇÃO

 LASER - light amplification by stimulated emission of radiation


 "amplificação de luz por emissão estimulada de radiação'‘
 Luz é uma REM cuja energia é transmitida em ondas pelo
espaço por meio de partículas chamadas fótons
 LASER possui características especiais que diferem de outras
fontes de luz.
 Ação terapêutica do laser é baseada nessas
características e na sua interação com o tecido-alvo
LASERS - HISTÓRICO

 1917 – Albert Einstein no seu tratado sobre a Teoria dos Quantums de


Radiação
 1959 - Charles H. Townes e Arthur L. Schalow, 1º laser MASER – amplificador de
microondas mediante a emissão estimulada de radiação.
 1960 – Theodore H. Maiman foi o primeiro a trabalhar com um laser, utilizando
um cristal de rubi estimulado por uma lâmpada instantânea
 1963 – dermatologista Leon Goldman “o Pai dos Lasers em Medicina e
Cirurgia”, iniciou a aplicação dermatológica da tecnologia a laser
 1964 – desenvolvimento dos lasers de árgon e CO2
 1964 – 1º tratamento com lasers rubi e neodímio (Nd) a um carcinoma das
células basais
 1965 – 1º remoção de uma tatuagem através do laser rubi Q-switched.
CONCEITOS BÁSICOS

 A luz é dividida em UV, luz visível e infravermelho, sendo:


 luz UV: 200 a 400 nm
 luz visível: 400 a 760 nm
 infravermelha
 infravermelha curta (near infrared): 760 a 1.400 nm
 infravermelha média (mid infrared): 1.400 a 3.000 nm
 infravermelha longa (jar infrared): 3.000 nm em diante
CONCEITOS BÁSICOS
PRINCÍPIOS DO LASER

 Teoria Quântica de Einstein


PRINCÍPIOS DO LASER

 Emissão de luz monocromática


(único comprimento de onda - λ)
 Átomo/molécula estimulada (meio)
 Coerente – ondas mesma fase no tempo e
no espaço
 Colimadas – ondas são paralelas
 não divergentes – conservam a
energia da luz
DOSIMETRIA DA LUZ LASER

 Potência (W) – Energia fornecida por uma fonte


 Potência (W)= Energia (J)/tempo(s)
 Energia (J) - é a quantidade de potência entregue ao tecido
 Energia (J) = potência (W) x tempo (s)
 Fluência (densidade de energia) é a energia fornecida por unidade
de área
 F = joule/cm2
 Duração do pulso/Tempo de exposição - segundos, milissegundos,
microssegundos, nanossegundos ou picossegundos
 Tamanho do spot (spot size) - cm2
 Frequência ou taxa de repetição -Hertz= nº de ciclos por segundo
CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA LASER

 O sistema laser é composto por três componentes essenciais


 Meio laser/ ressonador (está dentro de uma cavidade óptica. É o meio ativo onde se dá a
emissão estimulada de radiação)
 Fonte de energia (bombagem)
 Espelhos refletores
 transporte da luz até a peça de mão
 braços articulados com espelhos refletores
 fibras ópticas
 Em relação ao estado físico o meio laser pode ser:
1) gasoso 2) líquido 3) sólido ou 4) de elétrons livres
MODO DE EMISSÃO TEMPORAL DA LUZ
LASER (MODO DE OPERAÇÃO)

 Contínuos: emitem radiação de forma contínua, com mais de 1 seg de


duração: ex: CO2, árgon
 Pulsados: emitem radiação em pulsos regulares
 Modulação externa x interna → Q switched
 lasers pulsados podem ter pulsos tão rápidos (10-12 segundos) que parecem ser
contínuos -> pseudocontínuo
COMPORTAMENTO DA LUZ SOBRE OS
TECIDOS

Absorção Difusão

Reflexão Transmissão
COMPORTAMENTO DA LUZ SOBRE OS
TECIDOS
Ocorrem pelos mecanismos:
 Fototérmico: a energia luminosa é absorvida e transformada em calor,
provocando coagulação ou vaporização (mais comuns)
 Fotoacústico/Fotomecânica: rompimento por efeito mecânico, como os
lasers Q-Switched (QS)
 Fotoquímico: quebra direta das ligações químicas entre os átomos de uma
molécula, como o excimer
 Fotobiomodulação: a luz é utilizada para modulação das atividades intra e
intercelulares. Empregam laser de baixa potência e painéis de luz emitida
por diodo (LED, light emitting diode)
EFEITO TERAPÊUTICO DO LASER

Comprimento
de onda

Tamanho,
Interação Efeito tipo e
luz x alvo terapêutico profundidade
do alvo

Duração do
impulso
COMPORTAMENTO DA LUZ SOBRE OS
TECIDOS

 Cromóforos
 água, a hemoglobina e a melanina.
 Fototermólise seletiva
 Tempo de relaxamento térmico (TRT) é o tempo
que o tecido irradiado demora para perder 50%
do calor sem conduzi-lo aos tecidos vizinhos.
 TRT tem relação direta com a espessura do tecido
 A duração do pulso deve ser igual ou menor que
o TRT, ou seja, o pulso deve ser suficientemente
longo para destruir o tecido-alvo e capaz de não
difundir calor aos tecidos vizinhos.
COMPORTAMENTO DA LUZ SOBRE OS
TECIDOS

 A profundidade de penetração do laser depende da


absorção e da dispersão da energia luminosa.
 Na derme - presença das fibras colágenas
 A dispersão é inversamente proporcional ao comprimento
de onda (λ)
 penetração do laser ↑ até o meio do espectro infravermelho
 Na faixa médio--superior do infravermelho a penetração é
superficial em virtude da absorção da energia pela água, o
principal cromóforo desta faixa de espectro.
A “PAREDE” DE MELANINA

 Maioria dos lasers tem afinidade pela melanina


 Tecido alvo está abaixo da derme papilar
(depilação, lesões vasculares, lesões pigmentadas,
etc.)
 A energia absorvida por esta "parede" de melanina
↑ escala de Fitzpatrick.
 Sequelas
 Sistemas de proteção da epiderme, para dissipar
parte do calor produzido pela absorção da luz nas
primeiras camadas da pele
SISTEMAS FRACIONADOS
TIPOS DE LASERS

 Indústria utiliza vários elementos na fabricação


de fontes de laser
 Forma de excitação ou bombeamento de cada
elemento também varia
Laser a gás/elétrons livres - Excimer

 O meio excitado é formado por moléculas de gases


que só existem no estado excitado
 λ na faixa do UV como: ArF 193nm, KrCl 222nm, KrF
248nm, XeCl 308nm
 A excitação, em geral, é feita por descarga elétrica
 A luz é transportada por fibras ópticas
 São muito utilizados para incisões ou vaporizações de
alta precisão, e tem apresentado ótimos resultados
nos tratamentos de psoríase e vitiligo.
Laser a gás - Argônio ionizado

 O meio excitado é o gás argônio ionizado


 A excitação é por descarga elétrica
 λ pode ser variado entre 488nm (azul) e 514nm (verde)
 A luz é transportada por fibras ópticas
 Utilizado para cirurgias oftalmológicas. É tratamento de escolha
para lesões precoces de angiofibromas faciais
 No passado, eram utilizados para malformações vasculares
congênitas (manchas vinho do porto e hemangiomas) e lesões
vasculares epidérmicas e dérmicas. Porém deixava cicatrizes
inestéticas desagradáveis
Laser a gás - Hélio-neônio

 O meio excitado é uma mistura dos gases hélio e neônio (Hc-Nc)


 Também excitados por descarga elétrica
 O λ está na faixa do visível 632,8nm, vermelho
 São sistemas pequenos utilizados em geral para aplicações
de baixa potência, como estímulo celular, e como apontadores
para lasers de infravermelho
 São transportados por fibras ópticas
Laser a gás - Dióxido de carbono

 O meio excitado é uma mistura de gases incluindo nitrogênio (N2),


hélio (He) e dióxido de carbono (C02)
 A forma de excitação é por descarga elétrica
 λ está na faixa do infravermelho em 10.640nm
 São lasers relativamente eficientes e de simples operação (baixo
consumo e pequena manutenção)
 Utiliza o braço articulado
Laser de Líquido - Corante

 O meio excitado é líquido, solução de rodamina, corante


fluorescente.
 Forma de excitação luminosa por lâmpada de flash ou outro
laser
 λ pode variar continuamente desde 300nm até 1.000nm. Mais
utilizado no amarelo (585 a 600nm).
 Utilizam fibras ópticas de quartzo
 Principal aplicação é no tratamento de lesões vasculares
Laser de Cristal - Rubi

 O meio é o cristal de rubi ionizado


 Excitado por fonte luminosa por lâmpada de flash
 λ está na faixa do vermelho, 694nm
 Utiliza fibras ópticas e braço articulado para transporte do raio laser
 Muito empregado para remoção de lesões pigmentadas, tatuagens e
depilação
Laser de Cristal - Alexandrita

 O meio é o cristal de alexandrita ionizado


 Excitado por fonte luminosa por lâmpada de flash
 λ está no final do vermelho, 755nm
 Utiliza fibras ópticas flexíveis
 Por ser um cristal de propriedades ópticas mais eficientes, permite a
operação mais rápida e eficiente, em equipamentos menores que os de
rubi
 Muito utilizado para depilação e no tratamento de lesões pigmentadas
epidérmicas e dérmicas
Laser de Cristal - Família Ítrio, Alumínio
e Granada

 Acrônimo YAG de ítrio-alumínio-granada (yttrium-aluminum-


garnet)
 Cristal que serve de hospedeiro para o íon que produzirá a
radiação com o λ desejado.
 São excitados por lâmpada de flash ou diodos laser
 trabalham no espectro do infravermelho curto
Laser de Cristal - Família Ítrio, Alumínio
e Granada
Os mais comuns são:
 Neodímio:ítrio-alumínio-granada (Nd:YAG)
 utiliza os íons de neodímio
 λ 1.064nm
 Tratamento de lesões vasculares profundas e depilação
 Neodímio:ítrio-alumínio-granada/ potássio-titâniofosfato (Nd:YAG/KTP)
 Acréscimo de cristal no ressonador, o KTP (potássio-titânio-fosfato)
consegue-se dobrar a frequência do Nd:YAG produzindo o λ verde, 532nm
 Remoção de manchas e lesões vasculares mais superficiais
 Sistemas mais atuais → diodo laser para bombeamento do cristal
→ equipamentos mais compactos e mais eficientes
Laser de Cristal - Família Ítrio, Alumínio
e Granada
 Neodímio:ítrio-alumínio-granada/potássio-titâniofosfato+ ponteira com
corante
 Adiciona-se uma ponteira contendo o líquido corante fluorescente → λ 595nm
 Hólmio:ítrio-alumínio-granada (Ho:YAG)
 utiliza íons de hólmio
 λ 2100 nm
 Excelente para tratamentos no tecido ósseo, cartilagem, e fragmentação de
cálculos renais
 Érbio: ítrio-alumínio-granada (Er:YAG)
 utiliza íons de érbio
 λ 2.940nm
 Muito conhecido pelo uso no resurfacing
Laser de Cristal - Família Ítrio, Alumínio
e Granada

 Érbio:glass (Er:glass)
 o meio excitado → cristal de vidro que serve de hospedeiro para o íon de érbio
 λ muda para 1.540nm, no infravermelho curto
 Utilizado para rejuvenescimento da pele e muito empregado nos
sistemas de laser fracionados
 Ítrio-escândio-gálio-granada (YSGG)
 O cristal excitado é semelhante ao YAG, alterando para a mistura
do ítrio com escândio e gálio
 λ encontra-se também no infravermelho curto em 2.790nm
Laser de Semicondutor - Diodo

 O meio excitado é um semicondutor, componente eletrônico


 A forma de excitação se dá por meio de corrente elétrica
 Alterando o semicondutor → λ que vai desde o visível, por ex, 620nm,
até o infravermelho curto de 1.400nm.
 Alumínio-gálio-arsênico (Al-Ga-As) λ desde o vermelho até o
infravermelho curto de 620 a 900nm
 Gálio-arsênico (Ga-As) no infravermelho curto de 830 a 920nm
 Muito eficientes, pequenos e de operação bastante simplificada
 Depilação, tratamento de lesões vasculares e rejuvenescimento em
sistemas semifracionados
Laser de fibra óptica – Érbio- ítrio

 Tecnologia robusta, longa duração → laser Fraxel, sistema laser


fracionado
 Érbio- ítrio
 O meio excitado é uma fibra óptica, contendo íons de érbio e ítrio
 A excitação é luminosa e feita por laser de diodos
 O λ é de I .550nm
 O sistema dispensa componentes ópticos como espelhos e acopladores,
bem como lâmpadas de flash e sistema de refrigeração
 Esta nova tecnologia permite pontos focais microscópicos de aplicação
na pele, de 100 núcrons, o que possibilitou o tratamento fracionado
LASERS PARA LESÕES VASCULARES

 Cromóforo-alvo: oxi-hemoglobina intravascular


 Picos de absorção: 418 nm, 517 nm, 542 nm e 577 nm
 Os laser de argônio (488 a 514nm), laser de argônio pumped dye, o laser de vapor de cobre
(511 e 578 nm) e o laser de criptônio (520, 530 e 568 nm) foram muito utilizado no tratamento
das manchas vinho do Porto
 Quanto ↓ for o λ, ↑será a afinidade pela melanina
 Laser KTP, (532 nm), PDL (585 a 595 nm) e o Nd:YAG (532 e 1064 nm)
 vasos mais profundos → laser de Nd:YAG de 1.064 nm, que penetra mais profundamente na
pele

A) Malformação vascular do tipo PWS antes do


tratamento. B) Após 10 sessões com laser Nd:YAG 1064
nm de pulso longo e 7 sessões com PDL
LASERS PARA LESÕES VASCULARES

 PDL → tratamento de referência da PWS do RN e dos


angiomas planos em geral.
 Ausência de efeito térmico dérmico→ utilização nas
pálpebras
 duração de pulso de 450 μs, é menor que o TRT dos vasos de
pequeno a médio calibre (1 milissegundo)
 Púrpura é o principal efeito colateral
 PWS requerem 6 ou mais sessões, sendo algumas resistentes,
principalmente as mais profundas, com espessuras ≥ 1,5 mm e PWS (A) Pré-tratamento. B)
localizadas no centro da face ou extremidades Púrpura imediatamente após
tratamento com PDL. C) Após 9
 Granuloma piogênico, poiquilodermia de Civatte, cicatrizes sessões com PDL.
hipertróficas, estrias, verrugas virais, angiofibromas.
LASERS PARA LESÕES PIGMENTADAS

 Dependem de vários parâmetros: natureza do pigmento


(endógeno ou exógeno), características de absorção, a
distribuição do pigmento no tecido (intra ou extracelular) e
sua localização na pele (epiderme, derme ou ambos).
 A melanina é principal cromóforo endógeno e possui um
espectro de absorção amplo
 λ mais longos, próximos ao infravermelho → pigmento é mais
profundo na derme
 prefere-se utilizar uma janela entre 630 nm e 1100 nm
 duração de pulso determinada pelo tamanho da estrutura e
por seu TRT, requerendo pulsos de 1 microseg Nevo de Ota
LASERS PARA LESÕES PIGMENTADAS

 Os sistemas de laser mais comuns para o tratamento de lesões pigmentadas são


os lasers rubi QS (694 nm), alexandrite QS (755 nm) e Nd:YAG QS (1064 e 532 nm)
 Seu mecanismo de ação envolve fototermólise seletiva, ruptura mecânica
fotoacústica e alteração química do alvo tecidual.
 As partículas de pigmento, fragmentadas → vasos linfáticos.
 λ do Q-switched Nd:YAG (1.064 nm - laser infravermelho) possibilita penetração
dérmica profunda

A) Lentigos solares no dorso da mão, antes da


aplicação de laser. B) Esbranquiçamento das lesões
logo após a aplicação do laser rubi. C) 30 dias após
aplicação do laser.
LASERS PARA LESÕES PIGMENTADAS

 Os lentigos solares são tratados 1 ou 2 vezes


 Manchas café-au-lait necessitam de 1 a 6 sessões,
com resposta de 33%; a repigmentação acontece em
50%
 Nevo spilus pode ser tratado eficientemente com o
QSRL
 Nevo de Ota e lto, nevo de Becker, hiperpigmentação
infraorbitária, hiperpigmentação induzida por droga
podem responder em alguns casos ao tratamento
com os QS Lasers
 Melasma
 Lesões melanocíticas
LASERS PARA REMOÇÃO DE TATUAGENS

 Os laser Q-switched constituem a técnica


ideal, para tatuagens pretas ou azuis
 As tintas mais claras são mais resistentes,
em particular pigmentos roxos, amarelos
e verdes
 O laser Q-switched Nd:YAG 1064nm é o
preferido nos fototipos elevados (V e VI)
 As tatuagens amadoras clareiam após 4
a 6 sessões, em média, enquanto as
tatuagens profissionais requerem mais 2 a
4 sessões adicionais
 Eventualmente podem surgir bolhas Destatuagem de tatuagem verde com laser Q-switched alexandrite.
LASERS PARA REJUVENESCIMENTO

 O resurfacing consiste em uma renovação cutânea por meio do laser,


no qual o cromóforo é a água presente nas células
 A epiderme e a derme papilar são retiradas com mínimo
sangramento
 Indicado para a correção das rugas e para cicatrizes de acne
 Existem lasers ablativos, não ablativos e lasers fracionados
 Lasers para procedimentos ablativos são o érbio (2.940nm) e o
C02(10.600)nm, infravermelho, de preferência em modo pulsado com
sistemas com scanner acoplado
 queilite actínica, doença de Hailey-Hailey, doença de Darier, eritroplasia
de Queyrat e hipercromia palpebral (olheiras)
LASERS PARA REMOÇÃO DE PELOS

 O alvo é o pigmento melânico presente nos


bulbos pilosos
 Destroem os bulbos que se encontram em fase
anagéna
 A duração ideal do tratamento é a do ciclo
pilar e os intervalos entre as sessões de 2 a 4
meses
 Quanto mais escuro e mais espesso é o pelo
mais eficaz o tratamento
LASERS PARA REMOÇÃO DE PELOS

 Usam-se lasers pulsados mas com duração de pulso maior


que nos lasers Q-switched
 Os λ entre 600 e 1.100 nm que são efetivos devido à sua
boa absorção pela melanina e à sua profunda
penetração na derme
 Alexandrite 755 nm, díodo 800 nm, rubis 694 nm, Nd: YAG
1064 nm pulso longo, combinação alexandrite 755 nm +
Nd:YAG 1.064 nm
 Quanto ↑ o λ, ↓ a probabilidade de ser absorvido pela
melanina da epiderme
CONSIDERAÇÕES SOBRE A SEGURANÇA
COM O USO DOS LASERS

 Proteção ocular
 Infecções
 Fogo
 Choque elétrico
PÓS-OPERATÓRIO

 Higiene diária com produtos não irritantes


 Aplicação tópica de antissépticos suaves e/ou de
pomada de antibiótico ou cicatrizante
 Proteção solar subsequente não deve ser inferior a 6
meses
REFERÊNCIAS

 Azulay, Rubem David. Dermatologia I Rubem David Azulay, David Rubem Azulay,
Luna Azulay-Abulafia. - 6. ed., rev. E atual. - [Reimpr.] - Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2015.
 Catorze, Maria Goreti. Laser: fundamentos e indicações em dermatologia. Med
Cutan Iber Lat Am 2009;37(1):5-27).
 Lopes, Vanda Isabel Sequeira. Aplicações do Laser em Dermatologia [dissertação].
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2012.
 Osório, N., Torezan, L., Laser em Dermatologia – Conceitos Básicos e Aplicações, 2ª
ed., Editora Roca (2009).
 Unior, Walter Belda; Chiacchio, Nilton Di; Criado, Paulo Ricardo. Tratado de
dermatologia. 2ª edição. São Paulo: Editora Atheneu, 2014.
OBRIGADA!