Você está na página 1de 91

Disciplina: Materiais de Construção II

Prof. Salomão Silva Neto


Introdução
 A utilização dos metais foi um dos fatos mais importantes na
historia da humanidade.
 O primeiro metal descoberto foi o cobre, ainda na pré-
história, no oriente médio.
 Com a descoberta deste material e posteriormente de outros
metais foi possível desenvolver ferramentas mais eficientes
que as de pedra.
 Com o uso do metal também foi possível fabricar a roda.
 Hoje em dia ele é encontrado em nossas casas (torneiras,
fechaduras, fios e cabos elétricos, caixilhos, etc.), nos
automóveis, nas embalagens de alimentos, na construção civil
e pesada.
Introdução
Introdução
Conceito de Metal
Do ponto de vista Químico:
 Substância simples, capaz de ser cationte (íon positivo) em
combinações.
 Fortemente eletro positivos. Dividem-se em:
 Alcalinos: sódio e potássio
 Alcalino-terrosos: cálcio e magnésio.

 Elementos indiferentes, que são fracamente eletro positivos


 polônio, bismuto,antimônio, etc.
Introdução
Conceito de Metal
Do ponto de vista Tecnológico:
 Elemento químico que existe como cristal ou agregado de
cristais, no estado sólido, caracterizado pelas seguintes
propriedades:

 alta dureza,
 grande resistência mecânica,
 elevada plasticidade (grandes deformações sem ruptura),
 relativamente alta condutibilidade térmica e elétrica.
Introdução
Tipos de Metais
ALUMÍNIO
COBRE

NÃO – FERROSOS METAIS PESADOS:


CHUMBO
NÍQUEL
ZINCO
MERCÚRIO
METAIS

FERROSOS FERRO
Introdução
Obtenção dos Metais
 Os metais encontram-se na natureza, normalmente, em forma
de compostos (metal, areia, argila – jazida de minério).
 Seja no estado livre, seja na forma de compostos dificilmente
as substâncias são encontradas puras, como acontece com as
pepitas de ouro e prata.
A mistura de metal, compostos de metal e impurezas

Impurezas (Gangas)

Minério (modo como o metal se encontra naturalmente)
Introdução
Obtenção dos Metais
 A partir do minério, a obtenção de um metal passa por duas
fases distintas:

 A mineração: extração do minério.

 A metalurgia: obtenção do metal puro a partir do composto


portador.
Introdução
Obtenção dos Metais Céu aberto
Subterrânea
A ferro
A fogo
Colheita

Trituração
Classificação
Mineração Levigação (água
corrente)
Processos
Mecânicos Flotação (água+ óleo+
ar insuflado)
Separação Magnética
Obtenção
dos Lavagem etc.
Metais. Concentração

Ustulação
Redução Processos (jato de ar)
Metalurgia Químicos Calcinação
Precipitação
Química (fogo)
Eletrólise
Ligas Metálicas
 Geralmente os metais não são
empregados puros, mas fazendo
parte de ligas – misturas, de
aspecto metálico e homogêneo, de
um ou mais metais entre si ou
com outros elementos.
 Deve ter constituição cristalina e
comportamento como metal.

 Têm propriedades mecânicas e


tecnológicas melhores que as dos
metais puros.
Ligas Metálicas
 Classificam –se em:
 Misturas Mecânicas ( liga estanho – chumbo);
 Soluções Sólidas ( aço, com carbono);
 Compostos químicos ( liga e cobre – zinco).

 Os processos gerais de obtenção das ligas


são:
 Fusão;
 Pressão;
 Eletrólise;
 Aglutinação;
 Metalurgia Associada.
Metais
Propriedades importantes
Metais
Propriedades importantes
 Aparência: todos os metais comuns são sólidos à temperatura
ordinária . A porosidade não é aparente. Brilho característico.
 Densidade: dos metais comuns varia de 2,56 a 11,45 g/cm³ à
temperatura ordinária. A platina pode chegar a 21,30 g/cm³.
 Dilatação: o coeficiente de dilatação térmica dos metais situa-
se entre 0,10 a 0,030 mm/m/°C ( zinco – chumbo – estanho –
cobre – ferro – aço).
 Condutibilidade Térmica: a condutibilidade térmica entre
1,006 e 0,080 calorias/cm/s/°C (prata – cobre – alumínio – zinco
– bronze – ferro – estanho – níquel – aço – chumbo).
Metais
Propriedades importantes
Metais
Propriedades importantes
 Condutibilidade Elétrica: os metais são muito bons
condutores de eletricidade.
 Resistência à Tração: propriedade importante.

 É obtida através da relação entre a força aplicada em um


corpo de prova e a área de sua seção transversal.

 Essa tensão determina o aumento do comprimento da barra


a qual foi submetida a força ( deformação).
Metais
Propriedades importantes
 Resistência à Tração

 De posse dos diversos valores das tensões e das respectivas


deformações, poderá ser construído um diagrama
tensão X deformação específica.

 A tensão será calculada através da divisão da carga pela área


da seção transversal do corpo de prova e a deformação
específica, através do cálculo percentual da deformação
ocorrida em um determinado segmento do corpo de prova.
Metais
Propriedades importantes
 Resistência à Tração
 O diagrama nos mostrará o comportamento do corpo de
prova durante a aplicação da carga:
 Num primeiro trecho – zona elástica
– o gráfico mostra uma proporção
linear entre o alongamento e a carga
aplicada (proporcionalidade).
 Em seguida, ocorre o escoamento,
isto é, uma deformação apreciável do
corpo de prova para uma carga
oscilando próximo de um valor
constante
Metais
Propriedades importantes
 Resistência à Tração
 Cessado o escoamento, o corpo de
prova é solicitado até atingir a carga
máxima registrada durante o ensaio, a
partir da qual, inicia-se o fenômeno da
Limite de resistência
estricção, isto é, um estrangulamento
na seção transversal do corpo de prova.
Tensão de ruptura

 A tensão necessária para se chegar ao


início do escoamento é o limite de
escoamento e a tensão máxima
suportada pelo material até o início
do estrangulamento é o limite de
resistência à tração.
Metais
Propriedades importantes
 Resistência à Tração
 Nos aços encruados ou ligados que
não apresentam o escoamento
natural, o limite de escoamento é
representado pela tensão sob a qual
se produz um alongamento
permanente e mensurável de, por
exemplo, 0,2% .
Metais
Propriedades importantes
 Resistência à compressão:
 Quando submetidos à carga de compressão, os metais apresentam
o mesmo comportamento elástico que na solicitação à tração.
 Na fase plástica o comportamento do metal é diferente; o
corpo de prova sofre um alargamento na seção transversal
adquirindo um formato achatado sem que ocorra sua ruptura.
 Os metais menos dúcteis sofrem ruptura por cisalhamento

 Dobramento simples: é a capacidade do metal em ser


desdobrado até um determinado ângulo sem romper.
Metais
Propriedades importantes
 Resistência ao Choque: é a resistência que o metal opõe à
ruptura sob ação de uma carga considerada instantânea.
 Dureza: propriedade de resistir a penetração de um agente
externo.
 De grande importância para a construção.
 Os metais podem ser extremamente duros, ou relativamente moles.

 Fadiga: ocorre quando o metal é solicitado repetidas vezes por


cargas menores ou em sentidos variados, causando uma
ruptura, ocasionada pela desagregação progressiva da coesão
entre os cristais.
Metais
Propriedades importantes
 Resistência ao fogo e temperaturas extremas

 Com o aumento de temperatura: o metal perde, aos poucos,


partes de suas características mecânicas (módulo de elasticidade,
tensão limite de escoamento);

 Na “temperatura crítica”: a estrutura se deforma e se torna


instável.
Metais
Propriedades importantes
 Tenacidade: corresponde à capacidade do material deformar-se
plasticamente e absorver energia antes de se romper. A
tenacidade pode ser medida pela quantidade de trabalho por
unidade de volume do material, necessário para levar o material
até a ruptura, sob carga estática.
 Ductilidade: corresponde à capacidade de um material poder
ser deformado apreciavelmente antes de se romper. Os materiais
não dúcteis são chamados de frágeis.
 Maleabilidade: é a propriedade do metal sofrer deformações
no sentido externo de sua forma.
Metais
Propriedades importantes
 Duração: depende, primordialmente, da resistência do metal e
da proteção contra corrosão.Depende, também:
 resistência a fadiga,
 dos esforços que recebe,
 Da ação do fogo,
 Das variações de temperaturas a que é submetido, etc.

 Corrosão (ou Oxidação): é a transformação não intencional de


um metal, a partir de suas superfícies expostas, em compostos
não aderentes ,solúveis ou dispersáveis no ambiente onde o
metal se encontra.
 Quase todos apresentam corrosão ( exceto ouro e platina).
Metais
Propriedades importantes
 Corrosão Química: quando exposto ao ar, pode ocorrer do metal
perder elétrons (cationte = M+) em favor do oxigênio (anionte = O -).
 A reação é imediata após a formação destes íons (O - e M+ se combinam
formando óxidos).

 Corrosão Eletroquímica: mais complexa, consiste num movimento


de eletricidade entre áreas de potencial elétrico diferentes, sempre que
exista um condutor externo e um contato (curto – circuito) interno.
 É um fenômeno da mesma natureza do que se processa nas pilhas.
 A solução condutora externa pode ser a própria umidade atmosférica, quase
impossível de ser eliminada.
 Exemplo: alumínio com ferro.
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
 Metal cinza claro;
 Muito leve e com boas propriedades mecânicas;
 O alumínio funde a uma temperatura em torno de 660°C e tem
condutibilidade elétrica (62% do cobre) e térmica excelente.
 A têmpera é primordial para a qualidade das peças.
 É de difícil soldagem, e quando soldar, perde 50% de suas
propriedades mecânicas, pois destempera.
 Resistente à corrosão, porém é muito eletrolítico, não devendo ficar
em contato direto com outros metais.
 Os principais elementos de liga do alumínio incluem cobre,
magnésio, silício, manganês e zinco.
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
• É empregado:
• Na transmissão de energia elétrica, na forma de fios e cabos;
• Em coberturas: chapas onduladas para telhados e lâminas
para impermeabilização;
• Em revestimentos, chapas de revestimento e separação de
superfícies.
• Esquadrias e guarnições;
• Elementos de ligação;
• Ferragens;
• Peças de remate de construção ( cantoneiras ).
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
 Produção do alumínio (Abal, 2007; Chiaverini, 1986):
 A obtenção do alumínio é feita a partir da bauxita, a qual é
constituída por um óxido hidratado (Al2O3.H2O), tendo
ainda óxido de ferro, sílica, óxido de titânio e outros
compostos em menores quantidades.
 A bauxita deve apresentar no mínimo 30% de alumina
(Al2O3) aproveitável para que a produção de alumínio seja
viável economicamente
 O processo de obtenção de alumínio primário divide-se em
três etapas: mineração, obtenção da alumina e eletrólise da
alumina.
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
 Produção do alumínio (Abal, 2007; Chiaverini, 1986):

 O alumínio também pode ser produzido a partir da


reciclagem de sucatas
 Utensílios domésticos, latas de bebidas, esquadrias,
componentes automotivos, entre outros, podem ser fundidos
e empregados novamente na fabricação de novos produtos
 A reciclagem do alumínio representa uma economia de
recursos naturais e de energia elétrica(consomem-se apenas
5% da energia necessária para produção do alumínio
primário)
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
 Produção do alumínio (Abal, 2007; Chiaverini, 1986):

 Após a obtenção dos alumínios primário ou secundário, em


muitos casos, é necessária a realização de processos de
conformação mecânica para a obtenção do produto final
 Em tais processos, a forma de uma peça de metal é mudada
por deformação plástica
 A deformação deve ser induzida por uma força ou tensão
externa com magnitude suficiente para exceder o limite de
escoamento do material.
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
 Produção do alumínio (Abal, 2007; Chiaverini, 1986):

 Dentre os principais processos de conformação mecânica


utilizados para a fabricação de produtos de alumínio(que
também se aplicam aos outros tipos de metais não
ferrosos),incluem-se laminação, extrusão, estampagem e
trefilação.
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
Metais não siderúrgicos
ALUMÍNIO
Metais não siderúrgicos
CHUMBO
 Metal cinza-azulado , muito maleável e macio, mas pouco
dúctil;

 Condutibilidade térmica relativamente baixa;

 Exposto ao ar, cobre-se de uma camada de hidrocarbonato de


chumbo, substância relativamente tóxica.

 Possui alta resistência elétrica.


Metais não siderúrgicos
CHUMBO
 É empregado:

 Tubos e artefatos para canalizações;

 Em arremates;

 Coberturas (impermeabilização e na forma de chapas finas);

 Absorventes de choques, devido sua maciez;

 E na indústria de tintas, pois dão ótimo cobrimento e


durabilidade.
Metais não siderúrgicos
COBRE
 É um metal de cor avermelhada, dúctil e maleável, embora duro e
tenaz.
 Ponto de fusão a 1085 °C
 Densidade de 8,93 g/cm³
 Pode ser reduzido a lâminas e fios extremamente finos;
 Tem grande condutibilidade térmica e elétrica (após a prata, o cobre é
o melhor condutor de calor e eletricidade);
 Ao ar, cobre-se rapidamente de uma camada de óxido e carbonato,
formando azinhavre, muito venoso, mas que protege o núcleo no
metal, dando-lhe duração quase indefinida.
 Os principais elementos de liga do cobre incluem zinco, níquel,
estanho, alumínio, manganês, fósforo, berílio, cromo, ferro e chumbo
Metais não siderúrgicos
COBRE
 É empregado:

 Na instalações elétricas como condutor;

 Redes de esgoto e pluviais, canalizações de gás liquefeito, pois


resistem melhor quimicamente;

 Coberturas, para impermeabilização de terraços ou em forma de


telhas;

 Forrações, ornatos etc.


Metais não siderúrgicos
COBRE
 Produção do cobre (Andrade e tal. , 1997)
 Produtos de cobre primário originados em etapas distintas dos
processos de extração, fundição e refino:
 Minério de cobre – mineral extraído da mina, cujo conteúdo oscila
entre 0,7% e 2,5% de cobre
 Concentrado de cobre – minério de cobre que, através de um
processo de moagem das rochas e mistura com água e reagentes,
passa a apresentar entre 30% e 38% de cobre
 Cobre fundido – concentrados que, por piro metalurgia,
transformam-se em cobre blister (98,5% de cobre) e,
posteriormente, no ânodo de cobre (99,7% de cobre)
Metais não siderúrgicos
COBRE
 Produção do cobre (Andrade e tal. , 1997)
 Cobre refinado – anodos e soluções (no caso da lixiviação) que são
refinados por processo de eletrólise, resultando nos cátodos (99,9%
de cobre)

 Processos básicos de produção de cobre primário:

 Processo piro metalúrgico – mais utilizado para os minérios


sulfetados.
 Processo hidro metalúrgico –apropriado para minérios oxidados
de baixo teor de cobre.
Metais não siderúrgicos
COBRE
 Produção do cobre (Andrade e tal. , 1997)
Metais não siderúrgicos
COBRE
 Produção do cobre (Andrade e tal. , 1997)
 Em relação ao cobre secundário (cobre reciclado), podem-se citar
dois tipos principais de sucata:
 Sucata para refino –sucata industrial de processo, assim como a
sucata comprada de terceiros no mercado, necessitando
processamento de refino
 Sucata para uso direto –direcionada aos processos de
conformação mecânica, sem necessidade de refino
Metais não siderúrgicos
COBRE
Metais não siderúrgicos
BRONZE de ESTANHO (LIGA)
 É uma liga de 85 a 95% de cobre e 15 a 5 % de estanho;

 De difícil oxidação, muito duro, mas bastante flexível;

 Tem alta condutibilidade térmica;

 A sua cor vai de vermelho amarelado até quase branco.

 É empregado

 Ferragens ;

 Ornatos.
Metais não siderúrgicos
ZINCO
 Metal cinza-azulado.
 Pequena dureza, boa maleabilidade e facilidade de moldagem e de
conformação mecânica(pode ser laminado em chapas e trefilado em
fios)
 Bem mais pesado que o ferro e quatro (4) vezes mais tenaz

 Ponto de fusão baixo de 420 °C


 Densidade de 7,14 g/cm³
 Tem baixa resistência elétrica;
 É muito atacável pelos ácidos;
 Condutibilidade térmica razoável.
Metais não siderúrgicos
ZINCO
 O zinco possui um baixo potencial de oxidação sendo muito utilizado
para revestir metais de potencial mais alto
 Principais elementos de liga – alumínio, cobre e magnésio.

 É empregado:
 Para coberturas e revestimentos sob a forma de chapas lisas ou
onduladas;
 Calhas e tubos condutores de fluidos.

 Como composto (alvaiade – pigmento branco, pintura) e ligas


(latão: cobre , 95% e zinco, 05%)
Metais não siderúrgicos
ZINCO
 Produção do zinco (Andrade e tal. , 1997)
 O zinco apresenta-se principalmente sob as formas de minério
sulfetado e minério oxidado
 Minério sulfetado –A esfarelita (sulfeto de zinco) é a principal
espécie mineralógica. É uma ocorrência primária de zinco com
teores médios de 5% de Zn e são, normalmente, obtidos através de
lavra subterrânea
 Minério oxidado – Constitui-se de calamina (silicato hidratado de
zinco) e willemita (silicato de zinco) associadas a carbonato de
zinco. É uma ocorrência secundária de zinco, encontrada em
depósitos superficiais.
Metais não siderúrgicos
ZINCO
 Produção do zinco (Andrade e tal. , 1997)
 Após a lavra, o minério é beneficiado por meio de britagem e
moagem, passando, posteriormente, pelo processo de flotação para
separação do zinco dos outros minerais com valor econômico
 O concentrado de sulfeto de zinco obtido contém entre 30% e 56%
de Zn.
 Processos básicos de produção de zinco primário: piro metalúrgico
e o hidro metalúrgico (o mais utilizado).
 O zinco também pode ser reciclado principalmente do latão e do
bronze, de peças fundidas e do aço galvanizado (incluindo tubos,
eletrodomésticos e componentes elétricos).
Metais não siderúrgicos
ZINCO
Metais não siderúrgicos
LATÃO (Liga de cobre-zinco)
Ferragens
Artefatos utilizados na construção predial
 Ferragens de Esquadrias  Metais Sanitários

 Fechos;  Válvulas (de gaveta, de


prato e de retenção);
 Fechaduras;

 Dobradiças;  Torneiras ( com válvula


de prato, de macho etc.)
 Puxadores.
Ferragens
Principais Problemas
Proteção contra a corrosão
 Os problemas mais comuns no uso de metais são os ocasionados
pela corrosão.
 A proteção pode ser obtida:

 evitando-se o contato da água com a substância a ser protegida ou

 Criando um elemento galvânico no qual um metal é protegido por


se tornar catódico.
Principais Problemas
Proteção contra a corrosão
 A proteção mais eficiente pode ser obtida:
 através da aplicação de tintas, vernizes ou esmaltes sobre a
superfície exposta do material ou

 pela aplicação de outros materiais que protejam o material e ao


mesmo tempo se auto-protejam por um mecanismo denominado
passivação ( formação de uma camada , geralmente de óxido).

 Outro procedimento é aplicar uma diferença de potencial entre o


metal a ser protegido e o ambiente de forma a impedir a
movimentação de elétrons, inibindo assim, o processo de corrosão.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Produtos siderúrgicos são aqueles elaborados com Ferro (Fe+) e
suas ligas.

 Siderurgia é a denominação especial da metalurgia do ferro.

 O Ferro é o metal de maior utilização na construção civil:


 Elevada resistência;
 Permite vencer grandes vãos como peça relativamente delgada e
leve;
 É usado puro ou em ligas, ou para reforçar outros materiais (Ex.: o
concreto armado).
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Ferro é obtido através dos minérios de ferro que se apresentam nas
formas de:
 Carbonatos (siderita)
Siderita: é a combinação de ácido carbônico com o ferro.

 Óxidos (magnetita, hematita, limonita);


Magnetita: minério com propriedades magnéticas. Imã natural.
Hematita: minério estratificado ou pulverulento (pó).
Limonita: pode se apresentar aglomerando pedaços de hematita.

 Sulfetos (piritas).
Piritas: NÃO é propriamente um minério de ferro, mas sim de enxofre, onde
o ferro é subproduto.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Extração: geralmente feita a céu aberto.
 Fases:

1. passagem por britadeira;

2. classificação pela tamanho;

3. lavado com jato de água: eliminação da argila, terra,


impurezas, etc.

4. granulometria para o Alto Forno: 12 a 25 mm.


Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
Alto Forno
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 A carga do alto forno é constituída:
1. do combustível
obtido pela destilação seca do carvão mineral (coque) ou/e
o carvão vegetal é obtido pela destilação seca da madeira.

2. do mineral;
3. dos fundentes (cal ou areia)
tem a finalidade de tornar mais baixo o ponto de fusão do minério,
permitindo a separação dos óxidos de alumínio, silício e fósforo.

Observação: todos em proporções que devem ser bem calculadas.


Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Ferro Gusa (Ferro bruto ou Ferro de 1ª fusão)

1. obtido diretamente do alto forno;


2. é impuro (Ex.: presença de fósforo e enxofre);
3. possui alto teor de carbono.

 Pode ser refinado a partir de novas fundições em fornos menores, passando a


ser denominado de ferro de segunda fusão => usado para fabricação de peças.

 É comumente caracterizado como um material duro e quebradiço, com baixa


resistência mecânica, devido ao excesso de carbono.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Ferro Fundido (FoFo)
Ferro fundido é a liga ferro – carbono - silício, de teores de carbono
geralmente acima de 2,0%. Podem ser classificados em:
1. Ferro fundido cinzento: coloração escura, mais usado pela fácil fusão
e moldagem, boa resistência mecânica, boa usinabilidade, boa
resistência ao desgaste.
2. Ferro fundido branco: coloração mais clara;
3. Ferro fundido mesclado: coloração mista entre branca e cinzenta;
4. Ferro fundido maleável: obtido a partir de ferro fundido branco;
5. Ferro fundido nodular: material com boa ductilidade.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
São denominados aços as ligas de ferro e carbono, com algumas
impurezas (que podem ser introduzidas voluntariamente).

1. Aço ultra-doce: 0,05 %< C < 0,15%.


Uso: em peças estruturais, pregos.

2. Aço doce: 0,15% < C < 0,30%.


Uso: em peças estruturais, pregos.

3. Aço semi-duro: 0,30% < C < 0,60%.


Uso: trilhos, peças forjadas.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
São denominados aços as ligas de ferro e carbono, com algumas
impurezas (que podem ser introduzidas voluntariamente).

4. Aço duro: 0,60% < C < 0,75%.


Uso: ferramentas.
5. Aço superduro: 0,75% < C < 1,20%.
Uso: ferramentas.
5. Aço ao carbono: 1,20% < C < 1,70%.
Uso: peças especiais.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
Aciaria - é a unidade de uma usina siderúrgica onde
existem máquinas e equipamentos voltados para o
processo de transformar o ferro gusa em diferentes
tipos de aço.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 Os aços usados para a construção (estruturas, armaduras) são os aços
doces (0,15-0,3% de carbono).
 Estes aços são bastante plásticos.

 Graça à ductilidade do aço doce, as estruturas metálicas terão a


faculdade de equilibrar as zonas de tensões pela “adaptação plástica”
sem risco de ruptura sem aviso.
 Nas estruturas, os perfis de aço-carbono utilizados são os mais
diversos, sobressaindo-se os seguintes: barras redondas (inclusive as
empregadas em concreto armado), quadradas, hexagonais, ovais,
barras chatas, cantoneiras, tês, éles e duplos tês, etc.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 O aço, para emprego estrutural, pode ser:

 o aço carbono (aço comum),

 o aço cortain (aço Cor-Ten, Cosacor ou Niocor ),

 aço galvanizado.

A diferença entre eles está no tratamento anti-corrosivo de cada um,


que determina também a função a que estão aptos.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 O aço, para emprego estrutural, pode ser:

 o aço carbono (aço comum),


 é menos dúctil que o ferro fundido, mais maleável, mais duro e mais
flexível.
 apresenta um aspecto granulado característico.
 magnetiza-se dificilmente, mas conserva esse magnetismo adquirido.
 ótimo para receber tratamento térmico.
 Funde entre 1300 -1600 ºC.
 Sua densidade oscila em torno de 7,65 g/cm³.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 O aço, para emprego estrutural, pode ser:

 o aço cortain (aço Cor-Ten, Cosacor ou Niocor ),


 é um pouco mais caro que o aço comum.
 mais bonito, com aspecto patinado e envelhecido e cor acobreada,
 pode ser deixado aparente ou apenas receber pintura decorativa.
 apresenta ,em média, 3 vezes mais resistência à corrosão que o aço
comum.
 dispensa o uso de produtos protetores, a não ser quando localizado no
litoral, onde está sujeito a ação da maresia. Mesmo assim, sofre apenas
1/3 da corrosão provocada no aço comum pelas mesmas condições.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 O aço, para emprego estrutural, pode ser:

 aço galvanizado
 mais resistente, o aço galvanizado possui a mesma composição química
do carbono, mas é revestido por uma camada de zinco,
 É usado especialmente em calhas para coleta d’água e alguns tipos de
tubulação.
 aceita pintura desde que seja aplicado um fundo que permita a
aderência da tinta.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 O Aço
 O aço, ainda, pode ser:

 aço inoxidável
 bem mais caros, o aço inoxidável possui baixíssimo teor de carbono
contendo um mínimo de 11 a 12% de Cromo;
 possui absoluta resistência a qualquer tipo de corrosão atmosférica;
 apresentam altas resistências mecânicas;
 boa ductilidade;
 mantém indefinidamente o brilho original, embora tenha que ser
lavado periodicamente para remoção da sujidade.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço
 Aços para trilhos
Normalmente os aços para trilhos são os aços semi-duros, contendo até
cerca de 0,60% de carbono.
 Aços para chapas
Requisitos essenciais: elevada trabalhabilidade, boa soldabilidade,
superfícies sem defeitos e baixo custo.
 Aços para tubos
Diversidade de emprego: encanamentos de água, vapor, óleo e gás; poços
de água e de petróleo; fins estruturais e ornamentais em construção civil,
arquitetura, etc.
Para aplicações comuns , o aço para tubos são os aços com carbono entre
0,10% a 0,25%; no caso de aplicações de maior responsabilidade, usa-se o
aço com carbono entre 0,30% a 0,55%.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para arames e fios

Os arames são finos fios de aço laminado, galvanizados ou não.

A denominação da bitola é por número, diminuindo o diâmetro à


medida que aumenta o número. Vão de 0,2 a 10,0mm.

Por exemplo: bitola 18 BWG (1,24mm)


bitola 16 BWG (1,65mm)
BWG significa Birmingham Wire Gauge.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para arames e fios

Entre as inúmeras aplicações de fio ou arame de aço, nessa forma ou


conformado em uma grande diversidade de peças, podem ser:

 pregos, parafusos e rebites (aços de baixo carbono);


 arames para cercas;
 arames para concreto armado, em armação de lajes, estribos e porta-
estribos (na forma de malhas e telas de nós soldados utilizadas nas lajes
de concreto armado);
 arames para concreto protendido (aços alto carbono) e
 fios/cabos em pontes pênseis (aços de alto carbono).
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido

Os aços estruturais para concreto armado ou protendido, fabricados no


Brasil, podem ser classificados em três grupos principais:

 Aços classe A - aços de dureza natural, laminados a quente

 Aços classe B - aços encruados a frio

 Aços “patenting” - aços para concreto protendido


Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Aços classe A
 são os denominados “comuns”, CA-25 (limite de escoamento de 25
kgf/mm²), CA-32, CA-40, CA-50 e CA-60, sendo os dois últimos quase
os únicos fabricados atualmente.

 Os aços laminados a quente que não sofrem tratamento algum após


a laminação.

 Suas características elásticas são alcançadas unicamente pela


composição química adequada com ligas de C (carbono), Mn
(Manganês), Si (Silício) e Cr (Cromo).
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Aços classe A
 Em geral, são caracterizados pela existência de um patamar de
escoamento no diagrama tensão-deformação e grandes deformações
de ruptura, no ensaio de tração.

 Como são laminados a quente, não perdem suas propriedades se


aquecidos.

 Por isso, podem ser soldados e não sofrem demasiadamente com a


exposição a chamas moderadas em caso de incêndio.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço
 Aços para Concreto Armado e Protendido
 Aços classe B
 Os aços encruados a frio são originalmente aços de dureza natural
que passam por algum processo para se conseguir um aumento de
resistência.
 Os processos mais utilizados são os de tração (trefilados) e de torção.
 Os aços classe B não possuem patamar de escoamento no diagrama
tensão-deformação
Observação: Hoje, não existe mais o uso da classificação A e B.
Todos os CA-25, 32 e 50 são obtidos por laminação a quente.
Somente o CA-60 é obtido, ainda, por encruamento a frio.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Aços para concreto armado
 Os aços que podem ser fabricados para uso em concreto armado
(CA) são indicados por CA seguido do número 25, 32, 40, 50 ou 60,
que representa a tensão de escoamento (classe A) ou o limite
convencional a 0,2% de deformação permanente (classe B), em
kgf/mm².

 Este valor é designado por fyk , o índice y indicando o escoamento


(yeld point) e o índice k indicando que se trata de valor
característico.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço
 Aços para Concreto Armado e Protendido
 Aços para concreto armado
 No ensaio de tração, os diferentes aços devem apresentar os
seguintes resultados mínimos:

Tensão de escoamento: Tensão de ruptura mínima:

CA 25 – 25 kgf/mm² 50% mais


CA 32 - 32 kgf/mm² 30% mais
CA 40 – 40 kgf/mm² 10% mais
CA 50 – 50 kgf/mm² 10% mais
CA 60 – 60 kgf/mm² 10% mais
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço
 Aços para Concreto Armado e Protendido
 Aços para concreto armado
 A aderência é um item importante para o concreto armado.
 Quanto maior for a solicitação do aço no concreto, mais abundantes
devem ser as saliências ou mossas.
 A primeira exigência das normas a este respeito é que as saliências ou
mossas não permitam a rotação da barra dentro do concreto.
 Além disso, as saliências e mossas são estudadas de maneira a não
haver concentração de tensões prejudicando a resistência à aderência
ao concreto.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço
 Aços para Concreto Armado e Protendido
 Aços para concreto armado
 Quando a aderência é boa, aparecem muitas microfissuras,
contrariamente se a aderência é ruim, aparecem poucas fissuras de
maiores dimensões, o que não é bom, pois desprotege-se a
armadura.
Importante
 As bitolas comerciais nos dão a proporção de que a seção transversal
de uma barra é igual a soma das áreas de duas barras imediatamente
menores.
 Dessa forma, uma barra 12,5 pode ser substituída por uma barra 10
mais uma barra 8 (1,25 cm², 0,80 + 0,50 cm²).
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Aços “patenting” para concreto protendido
 São aços trabalhados de forma a suportar uma “pré-tensão”, o que nos
permite executar peças de concreto armado (protendido) de seções
menores do que seria no convencional, em vão maiores.

 São fabricados no Brasil três tipos de aço para concreto protendido:


 aço trefilado, patenteado

 aço aliviado de tensões

 aço estabilizado
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Aços “patenting” para concreto protendido
 Os três derivam de um mesmo aço-carbono, diferenciando-se pelo
tratamento térmico a que são submetidos.

 Os aços (fios) fabricados no Brasil são o CP 160 e CP 170 (números que


indicam a tensão de ruptura em kgf/mm²).

 A tensão do escoamento deve se situar 10% menos.

 Nestes aços não é permitida a emenda por solda ou qualquer outro


processo.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Telas Soldadas
 São elementos pré-fabricados de aço A ou B, formando uma rede de
malhas retangulares ou quadradas.

 Os fios em cada direção são paralelos e soldados com os fios cruzados


em todos os pontos de interseção.

 As telas possuem fios com diâmetros variáveis de 3 a 12,5 mm.

 São fornecidas em painéis ou rolos, sempre com largura 2,45m.


Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Principais Aplicações do Aço

 Aços para Concreto Armado e Protendido


 Telas Soldadas
 As telas soldadas são especificadas pela denominação comercial, que
cita uma letra L, T ou Q, conforme a armadura principal seja
longitudinal (L), transversal (T) ou sejam iguais nos dois sentidos,
quadrada (Q), seguindo de um número que indica a seção da
armadura.

 Exemplos:
Q246 é uma tela quadrada com 246mm²/m de armadura. L335 tem
armadura principal no sentido longitudinal igual a 335mm²/m.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias

 Escória de Alto-Forno

 As escórias de alto forno são subprodutos resultantes da fusão do


minério de ferro em ferro gusa.

 Suas características (químicas e “cimentantes”) são provenientes dos


fundentes adicionados à mistura e ao tipo de combustível utilizado
durante o processo de fusão (coque ou carvão vegetal).

 A escória fundida é uma massa que, por sua insolubilidade e menor


densidade, sobrenada no ferro gusa e é conduzida por canais, até o
lugar de resfriamento.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias
 Escória de Alto-Forno
 As aplicações para escórias de alto forno dependem das suas
características resultantes do tipo de resfriamento e composição
química, podendo ser empregadas em:
 Bases de estrada / Asfalto;

 Aterro / Terraplanagem;

 Agregado para concreto;

 Cimento (grande utilização da escória de alto-forno granulada


devido a sua hidraulicidade);
 Aplicações especiais (lã mineral, lastro ferroviário, material para
cobertura, isolamento, vidro, filtros, condicionamento de solo e
produtos de concreto).
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias

 Escória de Alto-Forno

 No processo de fabricação de cimento, a escória granulada de alto-


forno é utilizada para substituir parte do clinquer .

 A adição de escórias a misturas de cimentos Portland, geralmente,


reduz a demanda de água e melhora a trabalhabilidade do concreto.

 Dentre as vantagens para o concreto, pode-se destacar maiores


resistências finais e maior durabilidade, em função da aplicação a que
se destina.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias

 Escória de Aciaria

 A escória de aciaria é um subproduto da produção do aço.

 É resultado da agregação de diversos elementos que não interessam


estarem presentes no material aço.

 Tem como características marcantes ser composta de muitos óxidos


básicos, como o CaO e MgO , e ser expansível, devido às reações
químicas desses óxidos.

 As limitações encontradas no material são basicamente:


heterogeneidade; alto teor de cal livre e a ausência de atividade
hidráulica.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias

 Escória de Aciaria (Aço)

 A reciclagem de escória de aciaria tem grande interesse na construção


civil, pois, pode ser usada na produção de cimento, como substituto
parcial de clinquer.

 Usa-se também a escória como base para pavimentos e como


agregados.

 O problema da escória resulta na expansibilidade de seus óxidos, o que


limita seu uso.
Metais siderúrgicos
Ferro e Aço
 Escórias

 Escória de Aciaria (Aço)

 A escória de aciaria é quimicamente parecida com o clínquer Portland,


pois contém uma quantidade considerável de silicato dicálcico e por
vezes silicato tricálcico.

 Cimentos de escórias são normalizados pela NBR 5735 – Cimentos


Portland de Alto Forno - CPIII