Você está na página 1de 28

RADIOLOGIA DIGITAL

Alexandra Cristiane f. de campos


Edlaza
Joao
Etc........
RADIOLOGIA DIGITAL
CLAUDIO CARVALHO
Desde a invenção dos Raios-X por Roentgën, os exames de imagem vem sendo cada vez
mais sofisticados, tornando-se mais precisos e acurados, além de serem mais e mais
requisitados na prática médica atual. A partir da simples visualização do esqueleto humano
através dos Raios-X, a radiologia tem evoluído a ponto de hoje não nos limitarmos a simples
análise de estruturas anatômicas, podendo acompanhar alterações funcionais (medicina
nuclear) ou até mesmo realizar associações de técnicas, permitindo uma avaliação muito
mais rica e completa.
ANALÓGICO OU DIGITAL?
O que é pixel?
A palavra pixel é oriunda da junção dos termos picture e element,
formando, ao pé da letra, a expressão elemento de imagem.
Então pixel é definido como a menor parcela de uma imagem. A partir
da noção do pixel como uma medida da qualidade das imagens, foi
propagado o termo “resolução” para atribuir quantos pixels em altura e
largura uma radiografia ou foto tem.
Em resumo pixel é o menor ponto bidimensional de uma imagem.
O que é Voxel?

Em resumo Voxel é o
elemento da imagem
que dá a noção de
profundidade, ou
seja, é o menor ponto
tridimensional de
uma imagem digital.
A radiografia digital é mais eficiente do que a radiografia
convencional, no que diz respeito a tempo e espaço,
além de ser melhor para os profissionais da área.
CR

O CR digitaliza as imagens adquiridas pelo


aparelho de Rx através de uma placa de
fósforo contida no chassis.
DR

Imagens adquiridas por aparelhos de raios-X que,


ao invés de utilizar filmes radiográficos, possuem
uma placa de circuitos sensíveis aos raios X que
gera uma imagem digital e a envia diretamente
para o computador na forma de sinais elétricos .
As imagens adquiridas nos
dois processos são
visualizadas diretamente na
estação de trabalho para pré-
processamento e enviado para
as estações de laudo médico.
As estações de digitalização podem
perfeitamente ser instaladas nas unidades de
Rx já existentes na unidade de saúde.
As vantagens dos sistemas de radiografia digitais

1º) Facilidade de exibição da imagem – Na radiografia digital a imagem vai ser mostrada em um
monitor de vídeo, em vez do processo tradicional de expor o filme contra a luz.

2º) Redução da dose de raios-X – Ajustando-se a dose para que a imagem tenha uma relação
sinal ruído conveniente, consegue-se uma diminuição real da radiação absorvida pelo paciente.

3º) Facilidade de processamento de imagem – O aumento do contraste ou a equalização por


histograma são técnicas digitais que podem ser usadas. A técnica de subtração de imagens pode
remover grande parte da arquitetura de fundo não desejado, melhorando assim a visualização
das características importantes da radiografia.

4º) Facilidade de aquisição, armazenamento e recuperação da imagem – Armazenamento em


bases de dados eletrônicas, facilitando a pesquisa de dados e a transmissão para longas
distâncias, usando redes de comunicações de dados.
Fatores determinantes da imagem
A. Densidade

B. Contraste

C. Detalhe

D. Distorção
PACS
• O PACS é um sistema que proporciona o armazenamento
e comunicação de imagens geradas por equipamentos médicos que
trabalham com imagens originadas em equipamento de TC, RNM,
US, RX, MN, PET, etc., de uma forma normalizada possibilitando que
as informações dos pacientes e suas respectivas imagens digitalizadas
e, armazenadas em mídia eletrônica sejam compartilhadas e
visualizadas em monitores de alta resolução, distribuídos em locais
fisicamente distintos.
• Os principais elementos a serem observados na estrutura do PACS
são:
Dispositivos de entrada (RX, RNM, TC, US, MN, PET, etc.)
Rede de computadores
Servidor de DICOM
Integração com o RIS e HIS
Dispositivos de saída (monitores, impressoras,
gravadoras)
• O DICOM - Digital Imaging and Communications in Medicene é o
padrão desenvolvido por este comitê que publicou a primeira versão
em 1985, chamada de ACR-NEMA 300-1985 ou (ACR-NEMA Version
1.0) e a segunda versão em 1988, chamada de ACR-NEMA 300-1988
ou (ACR-NEMA Version 2.0). A terceira versão do padrão, que recebeu
então o nome de DICOM 3.0 foi apresentado em 1993.
Imagem digital
Digital e analógico
•MUITO OBRIGADO